“Em outras palavras”, a conferência da Diaconia em Florença

“Em outras palavras”, a conferência da Diaconia em Florença

foto de Patrick Tomasso, de unsplash.com

EVENTO CANCELADO


Roma (NEV), 15 de fevereiro de 2020 – “Em termos simples. Novas e velhas palavras para superar a raiva e redescobrir o diálogo” é o título do encontro anual da Diaconia Valdense que acontecerá em Florença no sábado, 14 de março.

O evento é organizado pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD), o Conselho Valdense, a Faculdade Valdense de Teologia e a Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI) e acontecerá no Instituto Gould na via de’Serragli 49.

O programa do dia, ainda em fase de finalização, inclui uma meditação inicial do moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottaseguido de um painel de discussão com Fulvio Ferrario sobre “Kurt Marti: palavra bíblica, palavra poética” e Cláudio Marazzini, sobre “Palavras que incluem, palavras que excluem”. Uma performance seguirá David Riondino“Jogos de palavras (perigosos)”.

A reflexão que se propõe, lemos na circular da Mesa valdense n.3, de 13 de fevereiro, “quer sugerir como é importante investir nas palavras, velhas e novas, para que o empobrecimento da linguagem não torne nos feios e para que se tornem uma ferramenta adequada para transformar a raiva expressa pela sociedade em um diálogo frutífero e redescobrir o valor libertador do conflito, especialmente se vivido corretamente”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

igrejas européias.  Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

igrejas européias. Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

Roma (NEV), 27 de junho de 2022 – “Segurança, inteligência artificial e direitos humanos. O que os desenvolvimentos sociais e tecnológicos nessas três áreas significam para o futuro de sociedades livres, porém seguras?” Esta é a pergunta que pessoas de toda a Europa tentaram responder na 9ª Edição da Summer School on Human Rights da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Realizada de 13 a 16 de junho em Malmö, Suécia e parcialmente online, a escola de verão explorou diferentes aspectos. Das implicações morais e éticas da tecnologia aos riscos à privacidade individual. Do reconhecimento facial em locais públicos ao risco de discriminação. O último, potencialmente, pode acontecer no acesso a serviços sociais e cuidados de saúde se for deixado muito espaço para os algoritmos fazerem o trabalho. Finalmente, falou-se de ligações entre questões teológicas, antropológicas e éticas da inteligência artificial. Neste momento, porém, não existe um quadro regulamentar europeu que salvaguarde os direitos humanos e a dignidade neste domínio cada vez mais complexo e em rápida transformação. Relatório “Temos que ajudar as pessoas a entender as novas realidades que colocam questões éticas. Acima de tudo, mantendo o princípio cristão como chave do debate", sublinhou Johan Arvid Tyberg, Bispo de Lund da Igreja da Suécia, em seu discurso de abertura. E convidou as igrejas a se manterem atualizadas sobre os assuntos relacionados à inteligência artificial. “Os Estados europeus devem responsabilizar seus cidadãos. Deve ser possível se opor às decisões relacionadas à inteligência artificial, se forem discriminatórias e potencialmente capazes de violar os direitos humanos”, disse o presidente do CEC, pastor Christian Krieger. Durante a escola de verão, o espaço foi também dedicado à segurança das comunidades religiosas e à proteção dos locais de culto. Danny Choueka do Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu realizou uma sessão de formação sobre gestão de crises. Dentro do projeto inter-religioso Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), ficou claro que as legislações nacionais são muito diferentes umas das outras. Não é possível adotar uma abordagem comum em toda a Europa. Isso se aplica, por exemplo, às leis que regem o uso de câmeras de CFTV em espaços públicos e em propriedades privadas abertas ao público. O SASCE é financiado pela União Europeia e o KEK participa ativamente nele. A anual Human Rights Summer School é organizada pelo CEC Human Rights Focus Group, este ano pela primeira vez em cooperação com o Bioethics Focus Group. Organizado pela Igreja da Suécia, foi financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O diálogo inter-religioso e a cooperação no campo dos direitos humanos são as principais áreas de interesse desta experiência. ...

Ler artigo
Relatórios GLAM

Relatórios GLAM

Saarah Yasmin Latif - foto tirada de 23 de maio de 2023 – Inauguramos um novo serviço intitulado “La GLAM sinaliza”. Dirigido pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), em colaboração com a agência de notícias NEV, consiste na divulgação de notícias e informações sobre, em particular, a Criação e a proteção do meio ambiente. Dupla oportunidade para os leitores do NEV, mensalmente. Para quem gosta de síntesea notícia em três linhas. Para quem gosta de aprofundarlinks para os materiais integrais, com artigos e documentos especificamente selecionados e/ou traduzidos para você pela GLAM. Corredores ecológicos para insetos polinizadores. Em que estágio está o projeto? Fotos e comentários sobre o projeto dos "corredores ecológicos". Ainda há muito trabalho a ser feito, pessoas a serem envolvidas, oásis a serem criados para permitir a livre circulação de insetos ao longo da bota. De Lampedusa a Bolzano, toda a Itália deve ter oásis que fazem tudo isso. Para solicitar o documento sobre o projeto polinizador com depoimentos e fotos, escreva [email protected] O "Desafio Verde do Ramadã" de uma geração do milênio Saarah Yasmin Latif ajuda as pessoas de todas as tradições religiosas a conectar sua fé com ações individuais e coletivas para sustentar a terra. Por exemplo, com o e-book gratuito Quarenta Hadiths Verdes: Provérbios do Profeta Maomé sobre justiça ambiental e sustentabilidade. Fonte: Revista Sojourners / leia aqui: Muçulmanos e o movimento ambientalista Islã e ecologia: "Meio ambiente, saúde e liberdade de crença como direitos invioláveis" A intervenção do professor Manuel Olivares no contexto da conferência do Centro de Estudos LIREC, realizada no dia 4 de maio passado na Pontifícia Universidade Salesiana. Do Ramadão "ecológico" às mesquitas "verdes", às dimensões éticas e filosóficas da atitude humana perante a natureza. Fonte: Islã e Ecologia; palestra na conferência LIREC (viverealtrimenti.com) Índia, a maior democracia do mundo. Pillay: "Levante-se, vamos juntos" Jerry Pillay fala de discipulado transformador, justiça, paz, emergência climática e novos modos de vida. "A Índia, por centenas de anos, mostrou ao mundo que a unidade na diversidade é possível e que as pessoas podem viver pacificamente em seu pluralismo religioso, étnico e linguístico". Anexo: Discurso completo do Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Pastor Jerry Pillay, por ocasião da XXIX Assembleia Geral do Conselho Nacional de Igrejas da Índia. em italiano Em inglês ...

Ler artigo
Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

Contra os “gritos loucos e selvagens” do anti-semitismo

A partir da esquerda, Daniele Garrone, Noemi Di Segni, Paolo Ricca, Luca Maria Negro Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2020 - Em 17 de fevereiro de 1898, por ocasião do quinquagésimo aniversário da patente da Carta com a qual Carlo Alberto concedeu direitos civis aos seus súditos valdenses - e um mês depois também aos judeus -, o pároco Ernesto Giampiccolilembrou os "corações generosos" daqueles que apoiaram os valdenses em sua batalha pela liberdade: Massimo e Roberto D'Azeglio assim como muitos bispos e padres católicos liberais do Piemonte. Uma solidariedade que levou o pároco a dizer: “Estejamos também nós prontos para apoiar aqueles que são injustamente oprimidos e vilipendiados”. Com estas últimas palavras, o pensamento de Giampiccoli dirigiu-se às comunidades judaicas. Um mês antes, em 13 de janeiro de 1898, o julgamento havia reaberto na França Dreyfus graças ao famoso “J'accuse" De Émile Zola. Se os "gritos loucos e selvagens" do anti-semitismo também tivessem surgido na Itália, os valdenses teriam ficado ao lado dos judeus. Este episódio foi contado pelo Prof. Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade Valdense de Teologia, entre os palestrantes e organizadores de "Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio". O encontro, promovido no âmbito da Semana da Liberdade 2020 promovida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi realizado no domingo, 23 de fevereiro, em Roma, no grande salão da faculdade valdense lotado com cerca de 150 pessoas. “Evangélicos não têm santos. No entanto, em algumas aldeias e cidades nos vales valdenses do Piemonte, o festival de 17 de fevereiro é equiparado ao patronal. Portanto, se os protestantes italianos têm padroeira, esta é a Santa Liberdade”, começou o pároco Luca Maria Negropresidente da FCEI. Negro quis sublinhar uma coincidência de datas. Em 1848, os judeus receberam direitos civis em 29 de março. Alguns séculos antes, em 1558, mas sempre em 29 de março, o pastor valdense foi queimado na Piazza Castello em Turim Godfrey Varaglia. Hoje Varaglia é lembrado por uma placa de latão, colocada no lugar de seu martírio. À sua maneira, é como uma das pedras de tropeço que nas ruas de numerosas cidades italianas recordam os nomes e as histórias de muitos judeus deportados para campos de concentração. O teólogo valdense Paulo rico em vez disso, ele definiu o anti-semitismo como "uma doença endêmica, típica e crônica do cristianismo". Se é verdade que o anti-semitismo foi teorizado por Wilhelm Marr somente em 1879, porém estes encontraram no bimilênio o terreno para crescer e as categorias com as quais se expressar. “Para se recuperar desta doença, é necessário um remédio radical: a conversão. Não a conversão dos judeus, mas a conversão dos cristãos”. Ricca também acrescentou que a rejeição dos judeus é também a rejeição do Deus de Israel, "o Deus de Abraão, Isaac e Jacob, aquele Deus que te conhece tão bem que te chama pelo nome", um Deus que ama e pede para amar, mas só encontra a indisponibilidade de quem quer ser amado sem amar em troca. No centro, Noemi di Segni Ele respondeu aos três expoentes evangélicos Noemi Di Segni, presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). “O anti-semitismo – disse Di Segni – é uma espinha dorsal ao longo da qual se estratificaram séculos e séculos de história”. A tarefa de hoje é entender por que "depois do fim da Segunda Guerra Mundial, depois de Auschwitz, ela ressurge de forma tão virulenta".Di Segni indicou três linhas de ação que poderiam ser seguidas. A primeira é a da aliança das experiências de valor das religiões, da valorização e partilha do diálogo e do sentido de comunidade. A segunda é a linha de coerência que exige, por exemplo, desafiar o negacionismo em todas as suas formas, denunciar palavras de ódio não como exercício de liberdade de expressão, mas como agressão e escárnio: "São palavras que geram esquecimento". Da mesma forma, acrescentou Di Segni, a linha de coerência impõe não aceitar a ideia de que os próprios judeus são a causa de seu próprio mal, nem permitir que a linguagem de shoah é usado contra os judeus e contra o Estado de Israel, definindo-o como nazista. A terceira linha é a ação. Também amplamente identificado pelos outros falantes, o cultural e educacional. No âmbito cristão, isso pode significar que as numerosas declarações contra o anti-semitismo assinadas por representantes de igrejas e instituições religiosas se tornem patrimônio comum de simples crentes. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.