“Em outras palavras”, a conferência da Diaconia em Florença

“Em outras palavras”, a conferência da Diaconia em Florença

foto de Patrick Tomasso, de unsplash.com

EVENTO CANCELADO


Roma (NEV), 15 de fevereiro de 2020 – “Em termos simples. Novas e velhas palavras para superar a raiva e redescobrir o diálogo” é o título do encontro anual da Diaconia Valdense que acontecerá em Florença no sábado, 14 de março.

O evento é organizado pela Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD), o Conselho Valdense, a Faculdade Valdense de Teologia e a Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI) e acontecerá no Instituto Gould na via de’Serragli 49.

O programa do dia, ainda em fase de finalização, inclui uma meditação inicial do moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottaseguido de um painel de discussão com Fulvio Ferrario sobre “Kurt Marti: palavra bíblica, palavra poética” e Cláudio Marazzini, sobre “Palavras que incluem, palavras que excluem”. Uma performance seguirá David Riondino“Jogos de palavras (perigosos)”.

A reflexão que se propõe, lemos na circular da Mesa valdense n.3, de 13 de fevereiro, “quer sugerir como é importante investir nas palavras, velhas e novas, para que o empobrecimento da linguagem não torne nos feios e para que se tornem uma ferramenta adequada para transformar a raiva expressa pela sociedade em um diálogo frutífero e redescobrir o valor libertador do conflito, especialmente se vivido corretamente”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Exército da Salvação.  Mudança no topo com tenentes-coronéis Morgan

Exército da Salvação. Mudança no topo com tenentes-coronéis Morgan

Roma (NEV), 4 de outubro de 2022 – Na segunda-feira, 24 de outubro, haverá a apresentação oficial dos novos líderes no Comando Italiano do Exército de Salvação (EdS). É sobre o tenente-coronel André Morgan e sua esposa, o tenente-coronel Darlene Morganpresidente do Ministério da Mulher. No momento institucional, que acontecerá em Roma na sede histórica da EDS em San Lorenzo, o Daniele Garrone. Garrone é presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), da qual a EdS é membro. Os novos líderes recebem o bastão das esposas Jacques e Claude-Evelyne Donzechegou à Itália vindo da Suíça em janeiro de 2020. Os Donzés continuaram as atividades do Exército de Salvação no delicado momento da pandemia. O Sr. e a Sra. Morgan são originalmente do Canadá e sempre prestaram serviços para a EdS. Ambos filhos de Oficiais do Exército de Salvação, colaboraram como leigos no relançamento da obra na Hungria. Eles agora assumem o comando da Itália e da Grécia, que fazem parte do Departamento Europeu. Para saber mais, leia o perfil do Sr. e Sra. Morgan editado por Ilaria Castaldo (tenente auxiliar do Exército de Salvação. Atualmente responsável pela Casa de Férias Concórdia e pela comunidade local de Forio d'Ischia, ex-conselheiro da FCEI) em Riforma.it. Exército de Salvação (EDS) O Exército de Salvação nasceu na Inglaterra em 1865 por William Booth, um ex-pastor metodista, para atender às necessidades espirituais e materiais das massas do nascente proletariado industrial que lotava as grandes cidades da Inglaterra. A sua organização, essencialmente episcopal, estrutura-se em torno da metáfora militar. Daí deriva seu nome, "Exército de Salvação", em inglês The Salvation Army. Os membros são referidos como "soldados" e os pastores como "oficiais" com várias patentes (principalmente tenente, capitão e major). Na Itália, a EdS iniciou seus trabalhos em 1887, quando o capitão James B. Vint abriu o primeiro corpo em Roma. Em 1892, o próprio William Booth veio para a Itália e a obra rapidamente se espalhou para o norte, e depois para o sul, na Campânia, Puglia, Lucania, chegando finalmente à Sicília no primeiro pós-guerra. O reconhecimento como instituição moral pelo Presidente da República ocorreu em 1965. Em 2009 obtiveram o reconhecimento como associação de culto com o nome "Exército de Salvezza na Itália". Hoje está presente em cerca de 40 localidades e conta com cerca de 2.000 fiéis. ...

Ler artigo
Em direção a Karlsruhe.  Em nome da justiça climática

Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática

Logotipo da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) - 31 de agosto/ 8 de setembro de 2022, Karlsruhe Roma (NEV), 19 de agosto de 2022 – Estão em andamento os preparativos para a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que acontecerá de 31 de agosto a 8 de setembro em Karlsruhe, Alemanha. 4.500 pessoas de todo o mundo se reunirão sobre o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Um programa denso, acompanhado nas últimas semanas, mas também nos últimos meses, por inúmeras iniciativas preparatórias. Grande atenção é dada à questão das mudanças climáticas. O secretário-geral interino, padre Ioan Sauca, falou sobre isso em uma entrevista recente. Sauca destacou a importância do compromisso climático: “Se não mudarmos nosso comportamento, em 50 anos nosso planeta estará inabitável. Temos que agir agora." De fato, em vista da assembléia na Alemanha, o líder do Conselho Ecumênico pretende mobilizar ações pela justiça climática. É preciso cuidar da criação, disse. Na assembléia, ele acrescentou: “Os líderes serão solicitados a agir agora para cuidar de nosso planeta comum, a Terra”. A primeira plenária temática do encontro será realizada no dia 1º de setembro, dia em que as Igrejas de todo o mundo celebram o Tempo da Criação, período litúrgico celebrado em todo o mundo e que se inicia em conjunto com este importante evento global . “A ênfase na criação será muito destacada nesta primeira plenária – disse Sauca -. É uma questão teológica. O plano de Deus em Cristo era também a reconciliação e a cura de toda a criação”. Sauca também anunciou que haverá mensagens de líderes cristãos mundiais em Karlsruhe, incluindo o Patriarca Ecumênico Bartolomeu I e o Papa Francisco. A entrevista também fala sobre os esforços do CMI para colocar a questão da justiça climática na agenda global, desde a conferência do clima COP21 em Paris em 2015 até a COP26 em Glasgow em 2021, e em outros contextos institucionais e religiosos. O CMI, prosseguiu o secretário, “trata a criação não como uma questão de moda para o nosso tempo, mas como um elemento fundamental da sua própria identidade”. O WCC também é a única organização religiosa que teve presença permanente no processo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), observou Sauca, e esteve presente em todas as conferências climáticas das Nações Unidas desde a Cúpula da Terra do Rio de Janeiro em 1992 No entanto, o CEC desempenhou um papel importante ao destacar os perigos ao meio ambiente antes mesmo da cúpula do Rio, disse Sauca. E citou a Conferência Mundial de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Humano que lançou, em 1974, um apelo a uma "sociedade sustentável e justa". Em 1979, então, a conferência no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, já trazia alertas sobre as mudanças climáticas devido ao acúmulo de dióxido de carbono. Em torno da Assembleia de Karlsruhe há muitas questões em aberto: da Ucrânia aos outros conflitos em curso. Desde a decisão de não suspender a Igreja Ortodoxa Russa como membro do CMI, à denúncia da situação vista como “uma guerra ilegal e injustificável infligida ao povo e Estado soberano da Ucrânia”. Sobre Israel e Palestina, Sauca abordou muitas das questões existentes, e concluiu: “Esperamos que um dia estes dois povos possam coexistir no caminho da paz, da reconciliação, de uma paz justa”. A entrevista é editada por Stephen G. Browneditor da revista do CEC A Revisão Ecumênica. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=WwDWxboiIpg[/embed] Para saber mais Em torno de Karlsruhe… O livro de recursos, (Livro de Recursos) O Livro de Recursos é uma ferramenta útil para os participantes da Assembleia no local ou remotamente online de suas casas ou igrejas. Contém dados práticos essenciais, uma reflexão sobre o tema da assembleia, documentos e relatórios e um calendário de fácil consulta. Disponível em quatro idiomas. Disponível para download neste link: ...

Ler artigo
6/7 de outubro, Roma.  Povos irmãos, terra futura.  Religiões e culturas em diálogo

6/7 de outubro, Roma. Povos irmãos, terra futura. Religiões e culturas em diálogo

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 5 de outubro de 2021 - O encontro internacional "Povos irmãos, terra futura - Religiões e culturas em diálogo" será realizado em Roma nos dias 6 e 7 de outubro, no coração da Semana pela Paz. Pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) participa Cordelia Vitiello, vice-presidente da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), além de presidente do Hospital Evangélico Betânia de Nápoles e membro do Conselho da Federação Luterana Mundial (FLM). Além disso, o presidente do Comitê Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Mirella Manocchiocomo debatedora do grupo sobre "O cuidado da casa comum" e, depois, da oração no Coliseu. “A paz é possível? – esta é uma das perguntas que os organizadores se fazem, à qual Cordelia Vitiello tenta responder -: Na minha opinião sim, bastaria que os detentores do poder político e económico, juntamente com as religiões, falassem entre si. A palavra 'paz' vem do sânscrito 'pak', que significa soldar, fixar, unir. Assim, o amor é a chave universal que supera o preconceito e fortalece o vínculo entre os seres humanos, unindo-os no respeito de suas próprias liberdades”. "Os tempos difíceis e confusos que o mundo atravessa exigem cada vez mais encontros de diálogo como o de Roma - lê-se no convite à iniciativa, promovida pela Comunidade de Sant'Egidio -, para construir uma paz autêntica e um possibilidade real de convivência entre povos diferentes”. O evento será composto por uma Assembleia de Inauguração (quarta-feira, 6 de outubro, 17h00) e quatro fóruns temáticos (quinta-feira, 7 de outubro, 10h00) com a contribuição de líderes das grandes religiões mundiais e personalidades do mundo da cultura e da política internacional. Os temas dos fóruns são: “Cuidar da nossa casa comum”. "Encontrar o nós". “A paz é possível?”. “O futuro que queremos”. Ao final das principais reportagens de cada fórum, outros representantes religiosos também intervirão. A delegada da FCEI, Cordelia Vitiello, falará aqui. Esperam-se protestantes, luteranos, anglicanos, armênios, budistas, judeus, hindus, muçulmanos e ortodoxos, entre outros. Agendado Na reunião inaugural participam Bartolomeu IPatriarca Ecumênico de Constantinopla. Justin WelbyArcebispo de Canterbury e Primaz da Igreja da Inglaterra. Pinchas GoldschmidtPresidente da Conferência Europeia de Rabinos. Mohamed Al-Duwaini Sheykhvigário do Grande Imam de al-Azhar. Sheikh Nahyan bin Mubarak Al NahyanMinistro da Tolerância e Coexistência, Emirados Árabes Unidos. Luciana Lamorgese, Ministro do Interior, Itália. Entre os palestrantes dos fóruns, também Heinrich Bedford-Strohm, bispo evangélico-luterano, presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). apresenta marco impagliazzo, Presidente da Comunidade de Sant'Egidio. Os dois dias serão encerrados no Coliseu de Roma com a Oração Ecumênica pela Paz presidida por Papa Francisco, na presença de representantes das igrejas e comunidades cristãs. A seguir, a cerimônia final com Andrew Riccardifundador da Comunidade de Sant'Egidio, e Angela MerkelChanceler cessante da República Federal da Alemanha. Descarregue o folheto AQUI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.