“Trabalhamos com boas práticas locais e internacionais”

“Trabalhamos com boas práticas locais e internacionais”

Roma (NEV), 28 de maio de 2020 – A Consulta Metodista, momento habitual de encontro e discussão das comunidades metodistas, ocorreu este ano em modo telemático devido ao coronavírus. O presidente da Comissão Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Mirella Manocchiocontou à agência NEV suas impressões sobre o trabalho realizado e estratégias futuras.

“Fizemos uma tentativa de reflexão e troca que deu um feedback muito positivo – declarou o presidente Manocchio -. Certamente sentimos falta de estarmos juntos pessoalmente, e também a possibilidade de um amplo debate devido aos tempos limitados foi um pouco reduzida. A dimensão virtual tornou aqueles momentos extras de convívio entre irmãos e irmãs saudosos, aquelas situações de partilha gratuita e de oração em que estamos próximos e que sempre vivíamos nas Consultas, antes do coronavírus. No entanto, conseguimos fazer da necessidade uma virtude e obtivemos resultados inesperados em termos de propostas”.

Muitas ideias e perspectivas futuras surgiram da Consulta, que representou também uma oportunidade para fazer o balanço de alguns projetos existentes e outros que estão por iniciar. Um projeto envolvendo jovens, sobre questões ambientais, terá início em setembro e envolverá vários países como Zâmbia, Argentina e Itália.

Mirella Manocchio

“Também estamos trabalhando em projetos musicais e sociais, que envolverão nossas igrejas – continuou Mirella Manocchio -. O objetivo é o de uma maior partilha e leitura do território, na rede entre associações, entidades e comunidades, também em colaboração com a Diaconia Valdense (CSD) que tem as suas competências específicas. Estamos a trabalhar no desenvolvimento e divulgação de boas práticas tanto a nível local como internacional”.

Não faltaram reflexões sobre a pandemia do coronavírus: “A Covid-2019 nos mudou individualmente, como igrejas e como sociedade e precisamos refletir sobre isso para o futuro – concluiu o pastor Manocchio -. Também devemos continuar a nos questionar sobre o uso das tecnologias e das redes sociais. Quais são os horizontes que enfrentamos? O uso sábio dessas ferramentas nem sempre é fácil e é essencial não substituir o trabalho e o encontro entre os crentes, mas implementá-lo”.

A Comissão Permanente, juntamente com os participantes, irmãs e irmãos das igrejas locais, conselheiros e membros efetivos engajados nas igrejas metodistas, diretores e diretoras, membros das comissões de obras, discutiram, durante o dia 24 de maio, sobre diversos temas . Do testemunho no contexto pós-secularizado ou pós-moderno, do qual o crescente não-denominacionalismo é uma característica, ao futuro do cristianismo, da globalização à individualização, das novas pobrezas ao compromisso ecumênico.

No relatório anual, que representa não apenas o estado da arte do trabalho metodista, mas também uma espécie de documento programático para a elaboração do trabalho dos próximos meses, os temas de capacitação profissional, apoio a start-ups ambientalmente sensíveis e que
querem assumir categorias desfavorecidas, de compromisso social. As iniciativas metodistas vão desde a escola de língua italiana para estrangeiros até o apoio à agricultura sustentável, veja o “Progetto Rosarno”, até as Obras e os centros diaconais. As relações internacionais, inclusive ecumênicas, e as colaborações em nível global (com o Conselho Metodista Mundial e a Conferência Metodista Mundial) estão muito vivas.


A OPCEMI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; por outro lado, a representação ecumênica, a gestão patrimonial e as relações internacionais com as igrejas irmãs permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

Roma (NEV), 24 de dezembro de 2019 - A Agência NEV propõe uma série de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Hoje entrevistamos o Tenente Coronel Massimo Tursiatualmente no comando do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia. Tenente Coronel Tursi, o que tem corrido bem no último ano do ponto de vista do Exército de Salvação? Quanto ao Exército de Salvação, o ano de 2019 caracterizou-se por um grande dinamismo, não só no sentido do ativismo do movimento, mas pela força que surgiu nas diferentes comunidades e nos nossos centros. Sempre procuramos novas formas de tornar o nosso serviço mais eficaz, de responder às necessidades e expectativas das pessoas e de alargar os horizontes das próprias pessoas. E o que deu errado e poderia ser melhorado? O que tem se saído menos bem, na minha opinião, é nossa capacidade de encontrar recursos. A nossa é uma realidade pequena no mundo evangélico e no cristianismo italiano, estamos conscientes disso e não permitimos que seja motivo de desânimo. No que diz respeito às igrejas em geral, tenho percebido que questões da sociedade como injustiça, exclusão, desigualdade são muitas vezes apropriadas. Temos feito nossos esses temas, mas tenho a sensação de que temos dificuldade em levar a mensagem da salvação em Jesus Cristo para a sociedade e isso me entristece um pouco. Aproveitamos a onda de protestos, por exemplo, em relação à proteção da criação, um tema com o qual nós, como protestantes, temos lidado há décadas, mas toda vez que esse assunto volta à moda, parece que nós o acompanhamos. Acho que ao invés de acompanhar devemos despertar o interesse da sociedade pela nossa mensagem principal. Imagem retirada do site army ofsalvation.org O que está acontecendo na sociedade e na política, na sua opinião? Há um forte sinal de preguiça. As pessoas sabem o que devem fazer, mas não o fazem e cuidam da própria vida. A indiferença cresce, e quem mais levanta a voz dita regras e diretrizes. Lamento muito o individualismo em nossos partidos políticos, para os quais os objetivos importam menos que as correntes e a estrela do momento aponta o caminho, enquanto as pessoas se envolvem menos, arriscando um populismo fruto da ignorância para vencer. Quais podem ser as soluções para essa indiferença e as estratégias propostas pelo Exército de Salvação para 2020? O problema do individualismo não deixa imunes nem mesmo as organizações que, por natureza ou vocação, são chamadas a servir o próximo, a socorrer as pessoas em momentos de dificuldade. Precisamos trabalhar online. Já vi associações falarem do que fazem, esquecendo-se de referir que não o fizeram sozinhas, mas atingiram determinados objetivos com o apoio de outras organizações. Uma estratégia que adotamos há algum tempo e que tem dado frutos é trabalhar em conjunto, reconhecer que podemos fazer melhor e mais se o fizermos online. Alargando a nossa oferta não tanto, porque não queremos criar dependência, mas alargando a resposta às necessidades das pessoas. Se alguém sabe fazer melhor do que nós, colaboramos, oferecendo nosso conhecimento e nossos recursos. Devemos combater a tendência ao individualismo, lembrando que não somos melhores que os outros e que com apoio mútuo, inclusive financeiro e de competências, podemos alcançar objetivos melhores, além de nós mesmos. Como melhores objetivos podem ser alcançados? Ao participar de licitações e projetos, organizações e até igrejas são cada vez mais solicitadas a estabelecer uma rede. Quanto maior a rede, maior a chance de sucesso. Em alguns casos, competimos com outras associações, escrevemos cartas de intenção e realizamos projetos em colaboração ampliada. Graças a essas redes, é possível fazer muito, sem desperdiçar recursos. Podemos fazê-lo sempre porque não estamos sozinhos, porque não queremos lucrar com isso e porque há outros que também estão comprometidos conosco. É preciso gerir os projetos de forma virtuosa, sem privar os beneficiários de seus direitos. O lucro não é um objetivo: não é otimizado nos direitos das pessoas. Greta Thunberg ela foi, de acordo com a Time, Pessoa do Ano. Quem você elegeria a pessoa do ano? Eu poderia dar a impressão de estar indo contra a maré. Greta Thunberg está bem porque você está procurando um símbolo para apoiar uma ideia, e isso também é importante. Mas para mim a pessoa do ano deveria ser um herói, uma heroína, e aí penso em alguém como o capitão Carola Rackete que realizou apenas uma ação. Carola Rackete não fez campanha durante semanas, percorrendo o mundo inteiro, mas fez algo que considerou eticamente correto, sem medo das consequências. Para mim ela é a pessoa do ano, pela coragem que demonstrou, por ter tirado de uma situação dramática pessoas que já haviam sofrido demais. Imagem retirada do site army ofsalvation.org Quem você acha que merece esse reconhecimento na área da saúde? Há alguns dias visitei o monumento ao soldado desconhecido em Roma. Naquela ocasião, pensei nos muitos soldados que deram uma forte contribuição e disse a mim mesmo que talvez desse um reconhecimento ao "Voluntário Desconhecido". Muitos voluntários fazem uma contribuição fundamental para a sociedade todos os dias. Temos muitos voluntários, não só na Itália, mas em todo o mundo, cujos nomes não são necessariamente conhecidos por todos, talvez sejam conhecidos apenas por aqueles com quem estiveram em contato próximo; seja depois de um tsunami, depois de um terremoto, na entrega da tigela de sopa quente. Sem eles não poderíamos fazer tudo isso. Seus nomes são escritos para mim e são reconhecidos e apreciados. Haverá algumas novidades no Exército de Salvação em 2020. Sim. Haverá uma mudança em relação ao EdS na Itália e na Grécia. Eu e minha esposa, o tenente-coronel Anne-Florence Cachelin, estaremos nos mudando para Londres a partir de 1º de fevereiro. Os cônjuges chegarão à Itália Jacques e Claude-Evelyne Donze, da Suíça, que consolidará os muitos objetivos alcançados nos últimos anos e, como é habitual no Exército de Salvação, responderá de uma nova forma aos desafios que se apresentam. Aproveito para saudar e agradecer aos nossos leitores e aos nossos apoiantes que nos têm acompanhado ao longo dos anos e também aos jornalistas que têm dado espaço às nossas iniciativas. Aguardo vocês no dia 25 de janeiro, data em que poderemos nos despedir durante a inauguração do espaço recém reformado em um de nossos prédios e destinado a receber dublinenses ou beneficiários de corredores humanitários em colaboração com a Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) . Leia também A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): "Indo além da desertificação material e espiritual". A entrevista com o reitor Heiner Bludau da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): "A Igreja não deve se tornar um partido". ...

Ler artigo
“Selecionar quem desembarca é desumano e contrário às normas”

“Selecionar quem desembarca é desumano e contrário às normas”

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 8 de novembro de 2022 - "Como evangélicos, não podemos aceitar que migrantes que já sofreram violência e às vezes tortura sejam selecionados na chegada de acordo com critérios que não são apenas imorais e incompatíveis com nossa fé, mas também contrários aos padrões marítimos internacionais ". Assim afirmou o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Daniele Garrone, criticando “as instituições europeias que não se encarregam de um problema que não pode ser transmitido apenas aos países mais expostos aos fluxos migratórios. Precisamos de um plano de recolocação europeu – prossegue o presidente da FCEI – no qual todos os países da UE terão de colaborar e que preveja sanções para quem não cumprir um dever fundamental de solidariedade entre os parceiros. As migrações - continua Garrone - confirmam-se, de facto, como uma das provas da estabilidade e da qualidade democrática das instituições europeias. É necessário um esforço conjunto de todos os países da UE para resgatar refugiados no mar, acolhê-los e, acima de tudo, abrir alternativas legais e seguras às passagens irregulares muitas vezes geridas por organizações criminosas internacionais. Como igrejas evangélicas, há anos estamos fortemente comprometidos com a gestão de corredores humanitários que restauram a esperança e a dignidade dos refugiados que fogem da guerra e da perseguição. Estamos prontos – conclui o presidente da FCEI – para trabalhar com os nossos parceiros ecuménicos e com as igrejas irmãs na Europa para promover uma política europeia de gestão da ajuda, redistribuição dos refugiados e expansão dos corredores humanitários”. artigo anterior9 de novembro: Dia mundial contra o fascismo e o antissemitismoPróximo artigoBienal de ecocomunidades pelo desarmamento climático e conversão ambiental Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.