“tristeza e consternação” pelo Conselho Mundial de Igrejas

“tristeza e consternação” pelo Conselho Mundial de Igrejas

Foto de Dennis Jarvis/FLM

Roma (NEV), 23 de julho de 2020 – No momento em que as primeiras orações estão em andamento na recém-transformada mesquita de Santa Sofia, o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) destacou mais uma vez na página inicial de seu site a carta que Ioan Saucasecretário-geral interino, enviado em 11 de julho ao presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan expressando “tristeza e consternação” dos membros do CMI por sua decisão de converter Hagia Sophia em uma mesquita.

Desde 1934 “Hagia Sophia tem sido um lugar de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e religiões”, diz a carta, que também acrescenta que tem sido uma “expressão poderosa do compromisso da Turquia com o secularismo e a inclusão e seu desejo de deixar para trás os conflitos do passado”.

Sauca escreve: “Sinto-me obrigado a transmitir a você a dor e a consternação do Conselho Mundial de Igrejas e de suas 350 igrejas-membro em mais de 110 países, representando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo, na etapa que você acabou de realizar: ao decidir reconverter Hagia Sophia em mesquita, você inverteu aquele sinal positivo da abertura da Turquia e o transformou em um sinal de exclusão e divisão”.

“Ao longo dos anos – continuou Sauca -, o CMI tem feito grandes esforços para apoiar o engajamento ativo de suas igrejas no diálogo inter-religioso, a fim de construir pontes de respeito mútuo… entre as diferentes comunidades religiosas (…) e pronunciado em defesa e em apoio de outras comunidades religiosas, inclusive muçulmanas, para que seus direitos e integridade sejam respeitados”.

Transformar um “lugar emblemático” como a Hagia Sophia de museu em mesquita “criará inevitavelmente incerteza, suspeita e desconfiança, minando todos os nossos esforços para reunir pessoas de diferentes religiões à mesa do diálogo e da cooperação”.

O CMI também teme que a decisão “encoraje as ambições de outros grupos que buscam derrubar o status quo existente e promover novas divisões entre as comunidades religiosas”.

AQUI a carta completa.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

França, lei contra o separatismo religioso, as Igrejas: “Liberdades fundamentais em risco”

França, lei contra o separatismo religioso, as Igrejas: “Liberdades fundamentais em risco”

Paris. Foto de Colin Maynard, unsplash Roma (NEV), 11 Março de 2021 – A lei contra o separatismo religioso francês "Riscos de violação das liberdades fundamentais que são liberdade de culto, associação, educação e até liberdade de opinião". Isso eles denunciam em uma carta conjunta publicada anteontem em Le Figaro os representantes das igrejas protestante, católica e ortodoxa na França, sobre o tema da polêmica nova lei sobre "separatismo religioso". O diploma, intitulado "pelo respeito dos princípios da República", encomendado pelo Emmanuel Macron para combater o Islã radical, está no centro de forte controvérsia porque afetaria a religião muçulmana só isto – e não o fundamentalismo – e, segundo os cristãos, a liberdade de culto em geral. Então aqui está a forte posição assinada pelo pastor François Clavairolypresidente da Protestant Fédération de France (organização homóloga da FCEI, ed.), por Monsenhor Eric de Moulins-Beaufortpresidente da Conferência Episcopal Francesa e arcebispo de Reims e pelo Metropolita Emmanuel Adamakis. “Saudamos sem reservas as disposições do projeto de lei que permitem uma luta mais direta contra os casamentos forçados – lê-se no texto em Le Figaro -, mutilação sexual, desigualdade de herança, incitação ao ódio e à discriminação em todas as suas formas […]. Mas de que adianta complicar a vida das associações religiosas previstas na lei de 1905 (que regula o exercício da maioria dos cultos praticados na França, ed.)? Pensamos seriamente que quem quer viver "longe" da República desafiando os seus fundamentos vai aderir a um estatuto oficial, constantemente sob o olhar dos prefeitos? Como podemos esperar que estas disposições dêem aos nossos concidadãos muçulmanos confiança na vontade da República de permitir-lhes viver a sua fé com liberdade e sentido de responsabilidade e praticar a sua religião apenas dentro dos limites do respeito pela ordem pública?” . A oposição política também compartilha os temores de uma possível discriminação contra pessoas de fé islâmica. o grupo de France insoumise há meses denuncia uma "estigmatização dos muçulmanos" através do texto da lei, que "só vai produzir mais uma aura de desconfiança em relação às associações animadas por concidadãos de fé muçulmana". A lei contra o "separatismo islâmico" surge após inúmeros episódios de violência e terrorismo, desde o ataque à redação da Charlie Hebdo de 2015, em que morreram doze pessoas, à decapitação do professor Samuel Pattyem outubro do ano passado. Daí a decisão de Macron de endurecer, de combater o fundamentalismo. É, como ele explica Reforma neste artigo, “do enésimo capítulo da história ligada à nova lei desejada pelo presidente Macron para aumentar o controle sobre as possíveis tendências antirrepublicanas de pregações e sermões. Regra concebida sobretudo em termos de maior controle das atividades das comunidades islâmicas, e que na realidade penaliza em certa medida todas as igrejas e comunidades religiosas”. A lei exige, entre outras coisas, que todas as associações respeitem os "valores republicanos" e declarem especificamente cada doação que receberem acima de 10.000 euros. Entre os artigos mais contestados, como explica viras relativas aos subsídios, às obrigações declarativas das associações religiosas, às associações "mistas" apenas parcialmente ligadas ao culto e à faculdade de encerramento administrativo dos locais de culto por motivos de ordem pública. O projeto de lei já foi aprovado (com 347 votos a favor, 151 contra e 65 abstenções) em fevereiro pela Assembleia Nacional, e deverá ser discutido no Senado a partir do próximo dia 30 de março. A disposição, concluem os três representantes católicos, protestantes e ortodoxos em sua carta, “continua seu curso legislativo. Esperamos que as razões da nossa preocupação com este texto sejam compreendidas, tanto pelos parlamentares como pelo poder executivo, para que o debate parlamentar, em diálogo com o governo, permita a elaboração de um texto que respeite as liberdades de todos os cidadãos franceses". Aqui o texto integral da carta dos três representantes das igrejas cristãs francesas, traduzida para o italiano por Reformae em sua versão original em francês, no site da FPF. Neste vídeo, um comentário de François Clavairoly, presidente da Protestant Fédération de France, que fala de "um projeto de lei discriminatório para as religiões":[embed]https://www.youtube.com/watch?v=4YwafSn1_Ko[/embed] As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 12º dia.  Ser velho (e solitário?)

16 dias para superar a violência, 12º dia. Ser velho (e solitário?)

Foto tirada de Roma (NEV), 6 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 12: 6 DE DEZEMBRO Ser velho (e solitário?) SOLICITARdiscutirQuais soluçõespara uma idade avançada"de uma mulher"? Vamos pensar nisso! Antônia, 86 anos mEu sou casado em segundo lugar com umhomem ansioso por carinho, companhiae apoiar como eu. Foi bom, até-porque eu poderia ser o elemento forte docasal. Quando, em vez disso, tive um derrame, e deconseqüentemente era ele quem tinha que me ajudar, eu soufomos “convencidos” a sair de casa eligados em um Rsa. Eu me sinto em um pri-Gione, dourado, claro, mas não é minha casa. vamos começar dar a ela palavras. eu digo ter“velho”, não velho, Seniore via mitigaçãofazer. Eu quero desafiar todo o feio que se escondeesse termo.Ser velho não é ser velho:a velhice feminina é um pouco diferente, emuitas vezes é um pouco pior do que o masculino.Em primeiro lugar, mais frequentemente significa estar sozinho: manopessoas na casa dos oitenta, apenas 40% das mulheresainda é casado, enquanto 80% doshomens ainda é. Homens vivem quatroou cinco anos mais jovem que as mulheres (em média), masmais raramente ficam sozinhos no período finalda vida deles. Nós mulheres vivemos mais,mas em troca vivemos sozinhos. Hoje o so-existem 8 milhões de famílias unipessoais erepresentam um terço de todos os agregados familiares.Metade desses 8 milhões são pessoas com mais de65 anos.Ser velho significa ser cuidadoresdo marido, ou parceiro, depois de ser umsido dos pais e talvez dos paisde seu marido. Mas depois, quando antespessoa que você vai precisar de ajuda, carinho eempresa, você se encontra sem ninguém em quecontar.A reforma dos cuidados aos idosos nãoautossuficiente foi aprovado recentemente, masrequer certos tempos de realização e financiamentocolocações adequadas. Hoje dois terços dos convidadosda RSA são mulheres. E as alternativas ao RSA,ou a humanização da RSA, são percorridos emgrande parte para construir. proposta de visão TOMATES VERDES FRITO (NA PARADA DO TREM) dirigido por Jon Avnet Estados Unidos da Américaca, 1991, 125'Da história de uma velha animadata em uma casa de repouso, uma mulher frustrado aprende de um cativante história de amor, amizade, rebelião contra o racismo, que se torna inspiração para sua câmera radicalequilíbrio da vida. VERSÍCULO BÍBLICO Agora que cheguei à velhice e aos cabelos brancos, ó Deus, não me desampares, até que eu tenha contado as maravilhas do teu braço a esta geração e o teu poder às que hão de vir. (Salmo 71, 18) COMENTE O antigo homem de oração de Israel experimentou a presença e a ajuda do poder de Deus em todas as perseguições que sofreu. Agora ele se encontra em maior dificuldade devido à sua idade avançada: suas forças estão diminuindo e seus adversários podem pensar que Deus o abandonou.No entanto, o seu pedido de ajuda não tem o tom desconsolado e débil que se poderia esperar de uma pessoa sobrecarregada pelo peso da idade. Longe disso: pede novas energias para poder transmitir eficazmente o seu testemunho às novas gerações! Consciente de estar inserido na grande história da salvação, ele reivindica a relevância de sua própria experiência humana e espiritual e um papel ainda ativo na sociedade: ele não pede para si, egoisticamente, mas para o bem da geração futura e para o maior glória de Deus. ORAÇÃO Senhor de nossos dias, nãopedimos que nos estendavida indefinidamente e emqualquer condição. Mais do que-a quantidade de anos por favorpedimos que nos dê a capacidadety para experimentá-los à luz desua graça, em solidariedadecom o nosso vizinho, nodignidade de suas filhas, de seus filhos,amar e amar a si mesmo. Permita-nosser capaz de expressar em palavras emostrar nossa gratidãopelo que você operounós, por Cristo, nosso Senhor.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Ágape, aquele sonho realizado por Tullio Vinay que continua…

Ágape, aquele sonho realizado por Tullio Vinay que continua…

ágape Roma (NEV), 13 de maio de 2020 - Aboquiaberto (no grego ágape, do latim tardio agparapor exemploem grego ἀγάπη) significa "amor", indica o banquete fraterno entre os antigos cristãos, por extensão o banquete íntimo entre amigos. ágape No verão de 1946, o pároco de Prali Túlio Vinay, nascido hoje, 13 de maio de 1909, falou da necessidade de erguer nos vales valdenses um lugar que expressasse os valores do ágape cristão e que seria, para usar uma expressão contida no primeiro "Manifesto Ágape", o rosto de Cristo "esculpido nas rochas das nossas montanhas". “O projeto arquitetônico de Leonardo Ricci - como afirma o site do centro ecumênico – deu ao Centro uma fisionomia particular, de incrível modernidade. Centenas de voluntários de diferentes origens geográficas, políticas e religiosas estiveram envolvidos na construção; através do trabalho comum e do ideal do ágape de Cristo, foram resolvidas as dolorosas consequências do conflito mundial, que terminara poucos anos antes. Onde hoje está o novo templo em Prali, acamparam os jovens e as jovens que, em poucos anos, construíram a estrutura com entusiasmo e esforço que ainda hoje se esconde entre os larícios acima de Ghigo di Prali. Ágape foi, a partir da década de 1950, um lugar de fecundo debate social, político e teológico nacional e internacional”. A relação do fundador da Agape Tullio Vinay com o centro ecumênico é importante não só por essa experiência, mas por todos os projetos que dela se inspiraram. Uma iniciativa que hoje, devido à emergência do Covid19, vive obviamente uma fase particular. Nós conversamos sobre isso com Sara Marta Rostagnoum dos dois vice-diretores do centro, por ocasião do aniversário de nascimento de Vinay, também senador por duas legislaturas, eleito independente nas listas do Partido Comunista Italiano. “O sonho de Vinay continua – explica Rostagno -: queremos continuar “curando e sonhando” juntos, apesar de tudo. Estamos a tentar planear um verão diferente, ainda estamos a juntar ideias para perceber como gerir as nossas atividades. Gostaríamos de direcionar nosso projeto de internacionalidade em particular para o acolhimento de famílias e pessoas vulneráveis, que foram as mais afetadas pela crise econômica causada pelo bloqueio e após a emergência de saúde. Esperamos a colaboração do país e da aldeia, do território nisso. Depois continuaremos as manutenções, como "casa de férias" seguiremos as disposições do nosso setor, os campos de trabalho ficam assim suspensos por enquanto e adiados por tempo indeterminado. Outra ideia é propor “gostos de acampamentos” virtuais, atividades para crianças, remotamente, sem no entanto “escravizar” os pais ou obrigar os mais pequenos a passar ainda mais horas no computador. Por fim, estamos pensando em entretenimento online específico para a comunidade Agapine". O centro ecumênico não está imune à crise. A paralisação das atividades de hotelaria e turismo terá, portanto, impacto também na Ágape. Por isso, conclui Sara Marta Rostagno, “vamos lançar uma angariação de fundos estruturada nas próximas semanas, entretanto qualquer contributo é bem-vindo”. Aqui estão os dados para fazer uma doação ao centro e ao projeto valdense. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.