Um milhão de “nãos” à religião católica na escola

Um milhão de “nãos” à religião católica na escola

Roma (NEV), 9 de junho de 2022 – A União dos Ateus e Agnósticos Racionalistas (UAAR) obtém dados ministeriais sobre o ensino da religião católica nas escolas públicas (IRC). “Graças a um pedido de acesso cívico generalizado, a UAAR e o #datibenecomune tiveram oportunidade de examinar pela primeira vez os dados relativos à escolha do IRC recolhidos pelo Ministério da Educação”, lê-se num comunicado hoje divulgado.

“Os números, apesar de algumas imperfeições, dão uma primeira imagem do fenómeno em Itália e estão agora à disposição de todos – lê-se no comunicado de imprensa da UAAR -. Mais de um milhão de alunos de escolas públicas não utilizam o ensino da religião católica. A opção por não usá-lo cresce com a idade, os liceus de arte são os institutos mais ‘seculares’ com um percentual de 28,44% de não usuários, enquanto a Toscana se destaca entre as regiões com 25,23% de ‘não’ ao ensino religioso”.

Comenta o secretário executivo da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), pároco Luca Baratto: “Estes dados confirmam uma anomalia, ou melhor, uma deficiência da escola pública italiana: a de não assumir pessoalmente a comunicação, a análise e o conhecimento do fato religioso, mas de continuar a ‘terceirizá-lo’ para uma confissão específica em uma hora que , se é verdade que perdeu as conotações doutrinárias do passado, ainda continua a ser chamado de católico. A Itália é há muito tempo uma sociedade multirreligiosa, acredito que seja tarefa das escolas mediar esta realidade às gerações mais jovens através de seus próprios programas, sem confiá-la a outros”.

Se, neste momento, os programas das escolas ministeriais consideram possível não informar oficialmente os alunos da existência do resto do mundo até ao oitavo ano (a geografia não europeia não está contemplada antes), é também possível que dêem up (in) treinamento em outros setores importantes para saber. Depois de anos de falta de transparência sobre o assunto, isso ainda parece um avanço. Ainda que, escreve a UAAR, “o Ministério não tenha respondido a todas as nossas questões”, declara o secretário Roberto Grendene.

alguns números

Os dados, conclui a nota, permitem “extrair informação nova e interessante”. No ano letivo 2020/21, dos 7.214.045 alunos a frequentar escolas públicas, 1.014.841 não utilizaram o IRC. Isso é 14,07%, uma tendência crescente. Com efeito, foram 12,90% em 2018/19 e 13,53% em 2019/20. As três regiões com maior taxa de não usuários são Toscana (25,23%), Emilia-Romagna (24,84%) e Ligúria (24,61%). As que apresentam as taxas mais baixas são Molise (3,16%), Campania (2,72%) e Basilicata (2,57%). A escolha de não fazer uso do ensino da religião católica cresce com a idade. Passa de pouco mais de 10% nas creches e escolas primárias para quase 13% nas escolas secundárias inferiores. Até quase 20% para o ensino médio. Neste último, a taxa é maior nos institutos técnicos e profissionais (22,76% e 23,49%, respectivamente). Menor nos liceus (16,05%), com exceção dos liceus artísticos que, comenta a UAAR, “ostentam um registo de 28,44%”.


Para saber mais

Leia os artigos do NEV sobre o ensino da religião católica nas escolas públicas

Leia o artigo: “Laicidade do Estado e agora da religião, quantos passos para trás!” De Cláudio Geymonat

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Caim e Abel juntos em nós

Caim e Abel juntos em nós

No texto bíblico que fala de Caim e Abel, o tema de "Voz do sangue de seu irmão." Em hebraico, literalmente, falamos de "sangues", no plural, talvez em tom de reforço, e certamente no sentido de "ssangue derramado". Os “sangues” de Abel “geles riem do céu. é um sponto perturbador. Nós sabemos – continua Garrone -. Hoje o sangue de Abel é exibido ao vivo. Vemos isso diariamente nos noticiários e na imprensa. Às vezes mais modestamente, mas mais frequentemente não. o Padosso diz respeito à pergunta: que emoções este grito de hoje desperta em nós? O risco é o de umhabituação, que é de fato uma reação defensiva, mas corre o risco de não nos fazer compreender a extensão deste grito". Sobre a culpa de Caim, novamente, ele diz: “Se for muito grande, a lEttore Cristiano poderia dizer isso Deus pode 'levantar' o pecado. Caim nunca partiu, e nem Abel. O Vo problema somos nós que, em média, não somos nem Caim nem Abel, pois não matamos ninguém e não somos torturados ou exterminados. Temos que descobrir como para se posicionar com responsabilidade no mundo, entre os perpetradores e as vítimas. Estamos nesta zona intermédia, que poderíamos definir como zona cinzenta, onde, no entanto, existe o risco de esquizofrenia, como a que em Shoah levou à atrocidade do anti-semitismo nazista. E onde, ao mesmo tempo, havia aqueles que se matavam para se opor a ela e aqueles que, em vez disso, compartilhavam as medidas antijudaicas. estamos nessa tbTemo que possa me tornar Caim ou Abel. como cristiani vamos fazer um rA teoria de Abel, impulsionada por uma espécie de atração pelas vítimas. Se você é uma vítima, você é bom. Mas se quando Caim se aproximasse de Abel, Abel se virasse e escapasse, ou se vingasse, ele não seria mais Abel. Assim acontece hoje, em cconflitos em curso, nas migrações. Não podemos resolver a questão por meio de dicotomias ou sem reconhecer que estamos em meio às ambiguidades do mondo”. Yassine Lafram, Presidente da União das Comunidades iMuçulmanos na Itália (UCOII), falou de diálogo como experiência, e reafirmou aimportância do encontro, além das diferenças, na clareza dem suas respectivas posições. “Se Deus quisesse fazer de nós uma única comunidade, ele o teria feito, ao invés disso, ele nos fez diferentes – disse citando o Alcorão -. Deus criou Povos e tribos para que 'se conheçam', está escrito”. Lafram também sublinhou a necessidade de “tornar o diálogo pandêmico, não só na esfera religiosa, mas também levando-o para outro lugar, onde não seja considerado necessário, onde pareça anômalo. Por exemplo, em um festival de cinema como o TMFF”. Lafram também lembrou como, no Alcorão, pe.O primeiro pecado cometido pela humanidade é o de Satanás. Deus pede que Adão e Satanás fiquem consternados, este se recusa dizendo que vindo do fogo é melhor do que a terra, o barro do qual Adão é feito. “Uma pena de sarrogância, a de se sentir melhor do que os outros. Então – continua Lafram – vem o primeiro crime da humanidade, na primeira família da humanidade, e esse crime ocorre entre irmãos”. existem dopiniões e interpretações divergentes dos exegetas, mas no texto seguinte, ao falar dos filhos de Adão, o Alcorão reconhece a sacralidade da vida humana. O rabino Benedetto Carucci Viterbi em seu discurso falou dos laços de fraternidade na Bíblia, desde Ismael e Isaque, um Esaú e Jacó, um José e seus irmãos. é "rcontribuições concretas, de uma humanidade que nasce de um fratricídio". Bom e mau, no texto como noexegese, são difíceis de desemaranhar para o judaísmo. “No entanto, em algumas interpretações judaicas Caim é o primeiro ser humano que se arrepende. Quando ele diz 'o mEu peco é muito pesado para suportar (?)', como uma pergunta ou como uma afirmação, pode-se dizer que Deus seja capaz de perdoar até mesmo essa falha. é um vers chave. Uma espécie de confissão." Relegar Caim sozinho na esfera do mal é uma simplificação, argumenta o rabino. Também, quando o padre questiona Caim, que diz “Eu me arrependi e fiz um acordo. Uma mediação”, Adam percebe que é possível e diz que tentará se arrepender. “Caim ensina seu pai. O pai segue o que o filho ensina”, disse Carucci Viterbi. “Conhecer é misturar – acrescentou, citando Adão e Eva que, misturando o bem e o mal, mesmo na metáfora da união, introjetaram ambos -. Constitutivamente, o ser humano é, portanto, constituído por dois instintos. Em nós existem Caim e Abel juntos". Swamini Shuddhananda Ghiri, freira hindu e referente da União Hindu Italiana (UII) começou falando de como esta história de Caim e Abel pode ser percebida comosugestão e como provocação. Encontrar um "semelhança simbólica” que, sem forçar paralelos, indica um diálogo possível. É a figura do filho de Prajapati que dá origem a toda a manifestação viva. “The Bright and the Dark, traduzido do sânscrito. Eles representam boas forças e forças egoístas. No hinduísmo não há palavra para o mal. Onde falamos do mal, na verdade estamos falando da afirmação de uma individualidade contra a empatia. Diga simSomos todos bons ou maus é uma simplificação”. Para Shuddhananda Ghiri a humanidade vive em um “umdesejo constante de voltar ao um, ao absoluto. A dualidade que caracteriza a existência humana na Terra é a mesma com que fnos enfrentamos em uma luta contínua”. Outro exemplo dessa dualidade tentando integrar está presente no miti, em escrituras e representações iconográficas. “A figura feminina de Durga, aquela que é difícil de destruir, e carrega dentro de si não só o maternal que acolhe, mas também a forma do tridente que mata o búfalo, uma espécie de demônio que tem a característica de mudar de forma continuamente . Representa simbolicamente nossas mentes e impulsos. Como seres humanos somos levados a males mortais, como a insatisfação no micro e macro cosmo social, e isso está na raiz do conflito. Conforme declarado no Veja, temos que reconhecer este aspecto, dentro e fora de nós mesmos”. no tRaízes indianas e hindus em particular, explicou a religiosa, não há palavra para dizer "demônio", no sentido maniqueísta ou como uma realidade ontológica. “O Pe.arola Dharma, no sentido de harmonia, bem comum e justiça, tem o oposto a-Dharma, no sentido privativo. Isso marca a polaridade, como aquela entre umtração e repulsão. Queremos dizer o dual como um desafio a ser superado para alcançar a unidade. Este é um conceito no qual se encontram as religiões”, concluiu Shuddhananda Ghiri. Chapéus William Doryu do Anshin Zen Center e membro da União Budista Italiana (UBI), conectado remotamente, reafirmou o valor do “mescola". Mesmo no budismo não existe um termo para "mal", mas existe um termo indicando situações insalubres. “Saber cousa fazer para evitar as más ações - disse Doryu Cappelli -, nos apoiamos nas religiões, em busca de respostas, ou caminhos espirituais precisos. Como se quiséssemos entrar para um clube, ter uma identidade precisa e nos identificarmos em determinados caminhos. Também no budismo temos Pe.receptivos, que procuramos seguir, como em outras religiões. No entanto, não há nada tão certo e definido. PARA Às vezes, o mal vem de tentar derrotar outro mal. não existe eudeusa absoluta do 'mal' e do 'bem'. Veja o conto zen da rocha azul, caso 41. Ele diz 'Onde o direito é o mistura errada, nem mesmo eu ensaios pode Sei; […] nem mesmo os Budas podem saber.[…] Ele caminha no gelo sutil E corre sobre a lâmina de uma espada'. Também no dNos discursos de Buda, encontramos aforismos simples, como 'Pare de fazer o mal, pratique o bem, cultive o bem, purifique o coração'. Às vezes, para fazer isso, temos que ir contra certas indicações, parair além das dicotomias. O puro entra na terra sem caminhos em uma dimensão além. Mas o que isso significa?urness? Minimizando o mal? continuou Doryu Cappelli, questionando-se sobre como evitar a absolutização do mal, como compreender sua impermanência e como analisar as interconexões. E concluiu com um convite a despertar no intercâmbio de culturas e geografias. A conferência foi aberta com saudações de David Milani (presidente da Fondazione Ente dello Spettacolo que organiza o Tertio Millennio Film Fest) e do Juliano Savina (diretor do Departamento de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana e coordenador da Mesa de Diálogo Inter-religioso que promoveu a conferência e escolheu o tema da festa). ...

Ler artigo
24 de fevereiro.  “A paz é a vitória que precisamos”

24 de fevereiro. “A paz é a vitória que precisamos”

Roma (NEV), 22 de fevereiro de 2023 – 24 de fevereiro marca o primeiro aniversário do início da invasão russa da Ucrânia. A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) e o Interfaith Center for Peace (CIPAX) continuam a jornada inter-religiosa no âmbito das iniciativas da Europa pela paz. Com o lema “Esta guerra tem de acabar!”, as duas siglas pretendem lembrar “que a guerra, todas as guerras têm de acabar, que queremos paz, justiça e desarmamento, incluindo o desarmamento nuclear”. Com esta premissa, convoca-se, portanto, um novo momento de espiritualidade compartilhada. O encontro é em Roma, sexta-feira, 24 de fevereiro, das 18h às 19h30, na Igreja Cristã Evangélica Batista na via del Teatro Valle 27. “Convidamos a aderir crentes de todas as fés e não crentes, associações e movimentos que compartilham o apelo da Europa pela paz. Cada um trará sua própria contribuição de pensamentos, valores, sentimentos e propostas – escreva GLAM e CIPAX -. Gostaríamos que nosso caminho inter-religioso fosse fortalecido em torno de um grupo promotor que pudesse contribuir para a abordagem inter-religiosa, que se mostrou tão crucial também nesta guerra, e fortalecer as atividades da Europa pela paz e da Rede Italiana de Paz e Desarmamento ( RIPD). O Momento de espiritualidade compartilhada também servirá para essa comparação”. Para inscrições no Momento de espiritualidade compartilhada: comissã[email protected] ; [email protected] Para todas as outras iniciativas da Europa pela paz: Abaixo, o apelo da Europa pela paz/RIPD 24 de fevereiro de 2022 - 24 de fevereiro de 2023 VAMOS PARAR A GUERRA NA UCRÂNIA Um ano de guerra é demais! Iniciativas em toda a Itália e em toda a Europa A invasão russa da Ucrânia começou em 24 de fevereiro de 2022. Uma violação da Carta da ONU e do direito internacional que exige justiça imediata."Europe for Peace" convida você a promover mobilizações em cidades italianas e europeias um ano após a invasão da Ucrânia para pedir um cessar-fogo, diálogo e negociações de paz para construir uma Europa segura e pacífica para todos. Mostre solidariedade ao povo ucraniano e às vítimas de todas as guerras, violência, repressão e discriminação no mundo. A paz é a vitória que precisamos! ...

Ler artigo
Começa a Conferência Metodista do Reino Unido 2020

Começa a Conferência Metodista do Reino Unido 2020

Roma (NEV), 25 de junho de 2020 - A Conferência Geral da Igreja Metodista da Grã-Bretanha (25 de junho a 2 de julho) começa hoje. A Conferência Metodista Britânica, encontro habitual que reúne pastores e delegados de todos os circuitos, deveria ter sido realizada em Telford, mas devido à pandemia de coronavírus este ano será realizada digitalmente. A Conferência é o corpo governante da Igreja Metodista e se reúne anualmente para discutir assuntos que afetam a vida da igreja, nação e mundo. As sessões públicas da conferência, incluindo a posse do presidente e vice-presidente, serão transmitidas. O presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) será conectado da Itália Mirella Manocchioque trará uma saudação oficial aos cargos eleitos. São muitos os temas em pauta nesta Conferência específica em tempos de coronavírus. Entre eles: obras sociais e diaconais, evangelização, escolas e educação, ecumenismo, ações para crianças, ministérios, recursos e compromisso com o clima e o meio ambiente. Aqui o programa completo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.