Mude o mundo mude a terra

Mude o mundo mude a terra

Roma (NEV), 3 de maio de 2021 – “Tudo pode mudar”: assim começa o vídeo da nova campanha publicitária Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense.

Pela primeira vez, o comercial deste ano é um vídeo animado, com a voz de Lella Costa. O autor e diretor de arte do projeto é o cartunista Takua Ben Mohamed, que desenvolveu um storyboard com “as mulheres protagonistas”, partindo de uma ideia da agência Web&com Sérgio Veludo.

“Uma campanha exclusivamente feminina, que fala de esperança e mudança, começando pelo respeito pelos direitos de todos e pela proteção do meio ambiente. Acreditamos que a mudança pode acontecer com a contribuição de todas as pessoas que acreditam em um mundo mais justo: tudo pode mudar, mas somente se a responsabilidade for compartilhada”, diz o texto que acompanha o vídeo no YouTube.

#mudaromundomudaraterra #ottopermillevaldese

“Otto per Mille Valdese – explica o site Otto per mille Valdese (OPM) – acredita que o respeito aos direitos e a proteção do meio ambiente são duas prioridades para a criação de um mundo mais justo.
Por isso, as Igrejas valdenses e metodistas destinam os 8×1.000 fundos a projetos sociais, econômicos e culturais, na Itália e no exterior, para que ninguém fique para trás e todos possam aspirar a uma vida livre e plena”.

Para todas as informações sobre como alocar esta parte do imposto de renda para a igreja valdense: ottopermillevaldese.org.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Reino Unido.  1450 assinaturas contra as políticas de migração de Downing Street

Reino Unido. 1450 assinaturas contra as políticas de migração de Downing Street

A Delegação em Downing Street Roma (NEV), 7 de abril de 2023 – Mais de 1.450 líderes cristãos britânicos assinaram um carta que define a lei de imigração ilegal do governo de rishis Sunak como "incompatível com a crença cristã de que todo ser humano foi criado à imagem de Deus". A carta, entregue no passado dia 4 de abril ao número 10 de Downing Street, expressa a perplexidade dos signatários de uma lei que, em vez de “honrar a dignidade humana”, pretende “deter, punir e rejeitar milhares de pessoas em busca de segurança”. causando "danos imensuráveis ​​a pessoas já vulneráveis". Segundo as estatísticas oficiais, duas em cada três pessoas que atravessam o Canal da Mancha em barcos improvisados ​​têm o seu pedido de asilo aceite, sinal de que são mais do que refugiados legítimos. Com o novo projeto de lei, no entanto, será efetivamente impossível para essas pessoas apresentarem um pedido de asilo simplesmente porque chegaram à Grã-Bretanha por meios ilegais, porque serão automaticamente detidas e expulsas. “Nesta Semana Santa – declarou o pároco Steve Tinningresponsável pelos assuntos públicos daUnião Batista da Grã-Bretanha – mais de 1450 líderes cristãos dizem que a lei de imigração ilegal de forma alguma representa os valores cristãos de compaixão, hospitalidade e misericórdia. Ameaça a detenção de crianças inocentes, não oferece nenhuma obrigação de fornecer rotas seguras para aqueles que fogem da guerra e da perseguição, criminaliza e pune vítimas inocentes”. “Diante do projeto de lei do governo do Reino Unido, é essencial lembrar que a grandeza de nossa nação não está em nos afastarmos dos necessitados, mas em abraçar nossa humanidade compartilhada e nos comprometer a cuidar de todos”, disse a pastora Tessa Henry Robinsonnovo moderador do Igreja Reformada Unida. A carta foi entregue ao primeiro-ministro por uma delegação composta por Steve Tinningzione, além de Tinning e Henry Robinson, pelo pároco David Hardmanresponsável pelos assuntos públicos da Igreja Metodista Britânicade Ricardo Reddiediretor do Departamento de Justiça e Inclusão de Igrejas Juntas na Grã-Bretanha e Irlandae pelo pastor Ben Aldousresponsável pela missão e evangelização de Igrejas Juntas na Inglaterra. A cerimônia das novas "Comunidades Santuário" de Brighton e Hove; à direita, ao fundo, o pastor Boghal As posições de expoentes cristãos contra as políticas migratórias do governo são cada vez mais frequentes. Como aconteceu no último dia 12 de março, durante a cerimônia de reconhecimento de “santuário comunitário” às igrejas metodistas do circuito de Brighton e Hove por seu compromisso com a hospitalidade solidária e inclusiva. No sermão, o pastor Inderjit Boghalfundador de movimento da cidade santuárioEle disse: “Esse reconhecimento ocorre porque nosso governo está tornando cada vez mais difícil para aqueles que procuram refúgio entrar no Reino Unido. Pedir asilo não é crime, mas criminalizar as pessoas por tentarem chegar a um lugar seguro é definitivamente um crime contra a humanidade”. ...

Ler artigo
Líbano, o compromisso da FCEI – Nev

Líbano, o compromisso da FCEI – Nev

Roma (NEV), 22 de janeiro de 2021 – Não há mais emergências em Beirute. Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, decidiu, imediatamente após as explosões de seis meses atrás, continuar presente neste contexto, na capital libanesa de onde partem os corredores humanitários Tavola Valdese e S.Egidio têm vindo a realizar desde 2016. Remodulando a sua intervenção, precisamente em virtude dos muitos problemas que o Líbano atravessa. Fê-lo juntando-se ao projecto de solidariedade "de base", Nation Station, nascido no bairro de Geitawi, um dos mais atingidos pelas explosões do passado mês de Agosto. A colaboração nasceu graças à doação econômica de 50 mil euros do Conselho Valdense através do Otto per mille das Igrejas Valdense e Metodista e com outros 25 mil euros arrecadados com uma assinatura nacional lançada pela FCEI após os acontecimentos que abalaram Beirute no último verão. “Desde 2016, o MS atua no Líbano para coordenar a saída de refugiados, principalmente sírios, pelos corredores humanitários, promovidos em conjunto com a Comunidade de Sant'Egidio e a Tavola Valdese. Este novo projeto pretende ser um sinal de solidariedade total, dirigido aos cidadãos deste pequeno, grande país que soube acolher milhares de refugiados”, explica o pároco Luca Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. O Nation Station é um posto de gasolina abandonado há anos onde, a 5 de agosto de 2020, alguns jovens residentes no distrito de Geitawi decidem criar um local de acolhimento e recolha de bens para distribuir. Não só isso, com a limpeza da estação, ela se torna um polo social, cultural e assistencialista e hoje conta com uma ampla rede de voluntários e funcionários, estruturada em departamentos específicos. Vão desde a cozinha - com mais de 26 mil refeições quentes entregues até ao momento - à equipa de avaliação de danos estruturais das casas, passando por uma equipa dedicada à reabilitação das casas: até à data 126 casas voltaram a ser habitáveis . Por último, a área em que a FCEI está mais directamente envolvida, o departamento médico, gerido integralmente pela Medical Hope, com o Luciano Griso, juntamente com dois operadores locais. Até 9 de janeiro de 2021, o departamento médico da Nation Station acompanhava 313 pacientes. Doutor Griso visitando um paciente Graças ao empenho da Medical Hope e dos protestantes italianos, numerosas atividades no setor da saúde foram realizadas e estão sendo realizadas. Foi criado um banco de dados sobre as necessidades médicas dos habitantes de Geitawi, foi aberta uma "farmácia popular" com os remédios mais solicitados pela população (aos quais são oferecidos gratuitamente), foi montada uma pequena clínica. Os medicamentos são fornecidos em casa para pacientes que sofrem de doenças crônicas e em condições de pobreza. Além disso, foram assinados convênios e acordos com laboratórios e outras farmácias locais para tratamentos e testes para as pessoas mais vulneráveis. Por fim, e esta atividade tem crescido com a evolução da pandemia, o MH trata da compra e distribuição de materiais sanitários, desinfetantes e máscaras. “A meta para o futuro, pelo menos até agosto de 2021 – explicam os operadores da FCEI Silvia Turati, Irene Vlad, Halima Tanjaoui e o chefe da Medical Hope, Luciano Griso – é continuar a prestar apoio de saúde, ativar um sistema de monitorização ad hoc sobre a Covid19, facilitar o acesso a serviços de saúde mental e apoio psicossocial às pessoas afetadas pela explosão, organizar eventos de informação e formação, mas também recreativos e desportivos. Queremos também continuar a prestar o nosso apoio à cozinha da Estação Nação, concretizar parcerias com outras entidades envolvidas na assistência à população e, por fim, produzir relatórios sobre a situação da saúde em Beirute, para acompanhar as necessidades médicas mais urgentes, informação que gostaríamos gosto de colocar à disposição todas as realidades capazes de dar uma mão". Um grande compromisso que continua, portanto, e que tem recebido importante apoio da Mesa Valdense. “Estamos satisfeitos, à nossa pequena maneira, por poder contribuir activa e concretamente para a reconstrução de um país tão afectado pela pandemia, pela crise económica, e devastado pelas explosões do passado mês de Agosto. Continuaremos apoiando essas realidades do mundo que a pandemia tornou ainda mais invisíveis”, declara o moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta. Enquanto isso, ainda ontem, 21 de janeiro, o Líbano estendeu o bloqueio total, em vigor desde 14 de janeiro, para conter a propagação do novo coronavírus até 8 de fevereiro. O anúncio foi feito pelo gabinete do primeiro-ministro cessante, Hassan Diab. O bloqueio limita as viagens e impõe um toque de recolher. Todas as instituições e bancos públicos e privados estão fechados, supermercados e restaurantes poderão oferecer serviços de entrega das 5 às 17. Fundo Nacional de Seguro Social, fábricas médicas e de alimentos, mercados atacadistas de alimentos, moinhos de farinha , padarias, farmácias, laboratórios médicos, clínicas, casas de câmbio e transferências, postos de gasolina e seguradoras podem funcionar em determinados horários do dia. Na quarta-feira, 20 de janeiro, o Líbano registrou 4.332 casos, elevando o número total de infecções para 252.812 desde o início da pandemia, com mais de 2.000 mortes. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Estratégias metodistas na Itália entre a maçonaria e a controvérsia antiprotestante

Estratégias metodistas na Itália entre a maçonaria e a controvérsia antiprotestante

Roma (NEV), 7 de fevereiro de 2020 - A conferência internacional anual sobre estudos do Metodismo, organizada pelo Centro de Documentação Metodista (CDM) em colaboração com o Departamento de história, culturas, religiões, arte e entretenimento da Universidade Sapienza de Roma, tem como título “Os limões católicos. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida” e acontecerá na quarta-feira, 12 de fevereiro, na Faculdade de Letras e Filosofia de Sapienza, a partir das 10h (Sala de Paleografia, 2º andar, seção de história e paleografia medieval). Mirella Manocchio, presidente da OPCEMI "O título desta conferência quer expressar o encontro e o embate, o diálogo acalorado também do ponto de vista teológico, social e cultural na Itália na virada dos últimos dois séculos - declarou o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pastora Mirella Manocchio – . O metodismo se insere nessa época, dialogando justamente com a cultura católica e com o catolicismo como instituição. Investigaremos os aspectos particulares do compromisso metodista em vários campos, como fizemos no ano passado sobre os temas de justiça social e direitos civis, na Itália, na Europa, na África e nos Estados Unidos e cujas atas acabam de ser publicadas por Carocci . O recorte histórico e político sobre o metodismo primitivo nos fará compreender o papel dos metodistas no debate travado pelo mundo protestante com a Igreja Católica”. A conferência representa, disse Manocchio, “uma etapa importante. Existem aspectos inexplorados ou pouco explorados do Metodismo e a ideia com o CDM é voltar aos documentos e investigar essa história, refazê-la de forma mais extensa e exaustiva junto com especialistas em teologia, filosofia e história. Esta conferência abre de forma concreta este caminho, ao qual se seguirão outros momentos de encontro e envolvimento de uma comissão científica, para dar vida a uma história do metodismo na Itália”. A jornada de estudo inclui uma primeira sessão, que será aberta pelo Diretor do Departamento de história, culturas, religiões, arte e entretenimento da Sapienza, Gaetano Lettiericom Silvana Nitti, Diretora do CDM e pela própria presidente da OPCEMI, pastora Mirella Manocchio. Entre os temas da manhã, o contexto histórico-político da Itália no final do século XIX - início do século XX, a questão religiosa na Itália entre 1900 e 1915, as estratégias do metodismo inglês e americano para a Itália. À tarde, após o lanche, discutiremos os metodistas italianos e a maçonaria no início do século XX, o "perigo protestante" e a polêmica católica antiprotestante entre a era liberal e o regime, a questão religiosa nas relações ítalo-americanas e a formação da classe dominante metodista na Itália unida, com o caso da escola Monte Mario. Numerosos convidados italianos e estrangeiros. A conferência é aberta a todos, mas agradecemos a confirmação do secretariado do MDL. 6 créditos estão previstos para pastores metodistas e valdenses e para diáconos registrados. “A conferência pretende reconstruir as visões e os projetos estratégicos para a Itália do metodismo inglês e americano nas décadas entre os séculos XIX e XX – lê-se no programa -. Os estudos existentes, alguns dos quais editados pelo CDM, ajudam-nos a delinear uma cultura metodista e a posicionar-se sobre o que se poderia definir como os 'limes católicos', limiar de um embate teológico mas também social e cultural com o catolicismo. Neste contexto, a conferência centrar-se-á em algumas alianças das primeiras gerações metodistas, nomeadamente com a maçonaria”. Consulte o programa completo e faça download da Brochura da Conferência 2020 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.