Otto per mille, as novas diretrizes da chamada 2021 estão disponíveis

Otto per mille, as novas diretrizes da chamada 2021 estão disponíveis

Roma (NEV), 13 de novembro de 2020 – As diretrizes para a próxima convocação para o Otto per mille Waldensian (OPM) foram publicadas (com antecedência). A notícia foi dada pelo site chiesavaldese.org e pelo portal OPM.

“A Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense) contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille IRPEF – lê-se em nota – e optou por destinar todas as contribuições que lhe são devidas exclusivamente para apoio social , bem-estar, intervenções humanitárias e culturais, tanto na Itália como no exterior. Para o efeito, todos os anos, é oferecida aos órgãos associativos a oportunidade de apresentarem propostas de projetos de forma a obterem um contributo económico”.

Hoje, portanto, “as diretrizes para a chamada 2021 que será aberta de 4 a 25 de janeiro de 2021. Para facilitar a correta participação na licitação, foram inseridos detalhes explicativos e adicionados alguns documentos obrigatórios, além de possibilitar o acréscimo de documentação opcional. Por fim, existe a possibilidade de envio de perguntas para esclarecimentos, cujas respostas serão publicadas na forma de FAQs”. Todas as informações e materiais estão disponíveis no site www.ottopermillevaldese.org.

“Nunca como neste momento – declarou Manuela Vinay, chefe do Gabinete Otto per mille de Tavola Valdese – estamos conscientes da importância do apoio que podemos oferecer ao nosso e aos outros países. Por isso decidimos não mudar a abordagem ampla que sempre caracterizou o anúncio da chamada, tentando agregar ferramentas que possam facilitar a participação”.

“As Diretrizes da chamada para financiamento 8xmille da Igreja Valdense, União das Igrejas Valdenses e Metodistas – explica Vinay -, são o documento oficial que descreve as características para participação em nossa chamada. Publicamos as orientações do edital 2021 em novembro, mesmo que as candidaturas possam ser submetidas em nossa plataforma de 4 a 25 de janeiro de 2021, para permitir que as instituições estudem bem o documento e tenham tempo para formular sua proposta.
Em comparação com o concurso do ano passado, não há alterações substanciais mas introduzimos algumas alterações importantes com o objetivo de facilitar que as instituições não caiam em erro, de modo a não ficarem bloqueadas por meras razões formais na fase de investigação preliminar. No ano passado cerca de 25% das candidaturas não passaram pela fase formal, aquela que verifica se o pedido tem todos os requisitos previstos no edital, desde a habilitação da instituição à presença dos documentos obrigatórios. Posso assim dizer que a alteração mais importante diz respeito a uma maior descrição, de forma a clarificar, de alguns requisitos relacionados com a documentação obrigatória. Também disponibilizamos uma janela de tempo para nos enviar perguntas sobre a chamada e, em seguida, fazer uma posterior publicação no site das respostas na forma de FAQs.
Em comparação com a plataforma Juno, melhoramos e descrevemos melhor, expandimos com capturas de tela e adicionamos conteúdo a quase todas as instruções de preenchimento dos aplicativos.
As orientações – conclui o gestor do OPM – são o nosso documento de referência mais importante porque descrevem as nossas áreas de intervenção e definem os requisitos de participação no concurso para fundos 8×1000. A Tavola Valdese questionou a introdução de algumas linhas particulares de financiamento, dada a situação excecional que vivemos, mas decidiu confirmar a abordagem ampla e generalista que sempre caracterizou o nosso concurso para poder apoiar o terceiro setor, que sempre sido o suporte e a seiva vital de nossa sociedade”.

Recorde-se que em termos de emergência Covid, o Conselho Valdense alocou um fundo extraordinário de 8 milhões já parcialmente alocados.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Genebra-Augusta-Roma.  “Resistência ecumênica” a caminho

Genebra-Augusta-Roma. “Resistência ecumênica” a caminho

Foto Pixabay Roma (NEV), 6 de setembro de 2018 – A reunião de cinco dias do Joint Ecumenical Working Group (JWG), um catalisador para o diálogo, não apenas teológico, entre o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) e a Igreja Católica Romana, nasceu em 53 anos atrás como um dos primeiros frutos do Concílio Vaticano II. Poucas semanas depois da #VisitaPapal de Francisco ao CMI de Genebra, portanto, uma nova etapa de unidade e colaboração entre diferentes denominações e confissões cristãs, em perspectivas de futuro que dizem respeito não apenas aos aspectos espirituais e de oração, mas também ao compromisso social e civil. “Continuamos neste caminho porque temos uma tarefa importante, que é unir forças para fazer muito mais pelos necessitados”, afirmou o secretário geral do CMI, pároco Olav Fykse Tveit. Palavras fortes chegaram, conforme relatado no twitter por Odair Pedroso Mateusdiretor da comissão Fé e Constituição do CMI, pelo bispo luterano Heinrich Bedford-Strohm, presidente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). “Vamos nos unir em uma resistência ecumênica às políticas de identidade que desvalorizam os outros”, disse Bedford-Strohm, que também destacou o valor da Reforma e do legado luterano como uma “grande experiência que abriu portas e corações e aumentou as amizades entre cristãos de diferentes tradições". O pastor presbiteriano americano Robina Marie Winbush, que falou ao JWG, disse: "A divisão ecumênica nos Estados Unidos hoje não é tanto confessional quanto político-racial". O Grupo de Trabalho Ecumênico, moderado pelo Metropolita Ortodoxo Nifon Mihăița de Targoviste (Romênia) e pelo arcebispo católico Diarmuid Martin de Dublin (Irlanda), está redigindo dois documentos sobre a construção da paz e a pastoral dos refugiados e migrantes, com a colaboração de especialistas do Dicastério vaticano para a promoção do desenvolvimento humano integral e do Pontifício Conselho para o diálogo inter-religioso. Entretanto, decorrem os preparativos para outra importante etapa ecuménica, nomeadamente a conferência mundial sobre xenofobia, racismo e nacionalismo populista (Roma, de 18 a 20 de setembro), que envolve o Conselho Mundial das Igrejas, o Dicastério Vaticano e o Pontifício Conselho. Entre os convidados, o pároco da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália Luca Maria Negroque recentemente em Novi Sad, Sérvia, durante a Assembleia da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) opôs a xenofobia dos 'sodomitas' de hoje, cujo pecado é o ódio aos estrangeiros, com a filoxenia de Abraão, mandato bíblico de amizade para com o estrangeiro. O CMI representa mais de 550 milhões de cristãos em todo o mundo com suas 350 igrejas protestantes, ortodoxas, anglicanas e membros independentes. Rev. Presbiteriana dos EUA Robina Winbush para RomanCatholic-#WCC Grupo de Trabalho Conjunto: a divisão ecumênica nos EUA hoje não é tanto denominacional quanto política/racial @wccpilgrimage pic.twitter.com/mj7lUEPqjC — Odair Pedroso Mateus (@odairpmateus) 4 de setembro de 2018 #EKD Bishop Bedford-Strohm para Roman Catholic-#WCC Grupo de Trabalho Conjunto: vamos nos unir na resistência ecumênica à política de identidade que desvaloriza os outros @EKD pic.twitter.com/YzqQE1tcN3 — Odair Pedroso Mateus (@odairpmateus) 3 de setembro de 2018 ...

Ler artigo
União Batista da Itália se une ao apelo pela paz na Ucrânia

União Batista da Itália se une ao apelo pela paz na Ucrânia

Sunguk Kim, antisplash "A guerra e a violência nunca são justas, e o aniversário de um ano de conflito na Ucrânia nos lembra que a paz é um bem precioso que devemos proteger e promover" escreve o presidente da UCEBI, João Paulo Arquidiáconona carta de aceitação. “A invasão russa da Ucrânia é uma clara violação da Carta da ONU e do direito internacional. Como cristãos, devemos testemunhar o amor, a justiça e a paz de Deus e, por isso, convidamos todos os membros das igrejas da UCEBI a se unirem às iniciativas da 'Europa pela Paz' e a promover mobilizações nas cidades italianas e europeias - sim ainda lê No texto -. Apelamos ao cessar-fogo, ao diálogo e às negociações de paz para construir uma Europa segura e pacífica para todos, e queremos mostrar a nossa solidariedade com o povo ucraniano e com todas as vítimas da guerra, violência, repressão e discriminação em todo o mundo. , devemos defender a paz e a justiça e apelamos a todos para que façam a sua parte para acabar com a guerra na Ucrânia e construir um mundo melhor para todos. Rezamos pela paz e nos unimos a todas as pessoas de boa vontade na promoção da solidariedade, do diálogo e da paz”. Ainda hoje, em Roma, na igreja batista da via del Tatro Valle, acontece também um momento de espiritualidade compartilhada organizado conjuntamente pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e pelo Interfaith Center pela Paz (CIPAX), com o lema "Esta guerra tem de acabar!". ...

Ler artigo
A primeira reunião do novo Conselho da FCEI

A primeira reunião do novo Conselho da FCEI

Roma (NEV), 14 de novembro de 2021 – Ontem, sábado, 13 de novembro, reuniu-se pela primeira vez o novo Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, eleito pela XX Assembleia da FCEI em 30 de outubro passado. Durante a sessão foi atribuído a Sara ComparattiBattista, o cargo de vice-presidente da Federação. Anteriormente, esta posição era ocupada por Christiane GroebenLuterana. O encontro aconteceu presencialmente, em Roma, na sede da via Firenze, com a participação de todos os membros. Na verdade, o Conselho é formado não só pelo presidente Daniele Garronede Richard Kofi Ampofo(Metodista), Maria Antonieta Caggiano(luterana), Pedro Ciaccio (Metodista), Free Ciuffreda (valdense), Sara Comparetti (batista), Luca Longo (Exército da Salvação). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.