75º Festival Internacional de Cinema de Veneza.  Sameh Zoabi ganha o prêmio INTERFILM

75º Festival Internacional de Cinema de Veneza. Sameh Zoabi ganha o prêmio INTERFILM

Roma (NEV), 10 de setembro de 2018 – O Júri INTERFILM, presente no 75º Festival Internacional de Cinema de Veneza, entregou seu prêmio de diálogo inter-religioso a Sameh Zoabi para o filme “Tel Aviv em chamas”.

O júri deste ano foi composto por alemães Christian Engelsmembro do Comitê INTERFILM, do jornalista italiano Federica Tourndo escocês Joylon Mitchell e da Suíça Daria Pezzoli-Olgiati (Presidente).

Motivação total

Esta comédia brilhante, provocativa e irreverente oferece um olhar original sobre um dos conflitos mais dolorosos do nosso tempo. Um roteirista palestino forma uma parceria inesperada com um oficial israelense que o ajuda a desenvolver o enredo da série de televisão sentimental Tel Aviv on Fire. O filme inverte a linha entre a dura realidade e as visões românticas, trabalhando as identidades dos personagens e abrindo um espaço criativo para o diálogo.

Tel Aviv on Fire, dirigido por Sameh Zoabi (Luxemburgo, França, Israel, Bélgica, 2017)

A INTERFILM foi fundada em 1955 por várias associações protestantes de cinema na Europa. Em colaboração com seu parceiro católico SIGNIS, organiza júris ecumênicos nos festivais de cinema mais importantes, como Cannes, Montreal, Moscou, Leipzig, Berlim, Locarno. Em Veneza, os júris da SIGNIS e da INTERFILM são separados.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Migrantes e religiões, um compromisso ecumênico que se fortalece

Migrantes e religiões, um compromisso ecumênico que se fortalece

Roma (NEV), 21 de novembro de 2019 - Acolher os migrantes e combater a xenofobia todos os dias: um compromisso prioritário para as igrejas, reunidas nos últimos dias em Roma para a conferência ecumênica anual promovida pelo Escritório Nacional para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso (UNEDI) da Conferência Episcopal Italiana (CEI), juntamente com os representantes das Igrejas cristãs na Itália. Um compromisso que as várias confissões unidas parecem querer assumir pessoalmente e cada vez mais. Ontem, quarta-feira, 20, a sessão final da conferência foi aberta com uma meditação do rabino Benedetto Carucci Viterbi, uma meditação que partiu da figura de Abraão como modelo da tradição judaica: “perante a relação com o outro necessitado, também a relação com Deus fica em segundo plano. Abraão mostra a urgência de acolher quem é diferente de nós, ou que a hospitalidade prevalece sobre a imanência de Deus”. A experiência migratória, segundo o representante do mundo judaico, diz respeito a todos: “ninguém está a salvo da hipótese da migração, somos todos migrantes potenciais, certamente não sedentários, de Adão em diante”. Ao final da intervenção de Carucci Viterbi, alternaram-se alguns testemunhos de 'quem acolhe', depois dos acolhidos, ouvidos pelos participantes da assembléia na tarde desta terça-feira, 19. Entre os 'acolhimento', apresentados pelo pároco Mirella Manocchiopresidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália, Irmã Eleonora das Missionárias Servas do Espírito Santo, que anunciou a iminente acolhida, depois de outras experiências deste tipo, por sua comunidade de uma família afegã do campo de refugiados de Lesbos. Stefano Specchiaoperadora do Mediterranean Hope, o programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, que trata da assistência jurídica aos beneficiários dos corredores humanitários e seu acolhimento, explicou "o que significa ser um refugiado", convidando os presentes colocar-se no lugar de quem migra, pensando nesta condição como "o maior luto que já experimentou na vida". Terceiro e último dia de trabalho da conferência ecumênica sobre #migrantes E #religiõesintervém agora @IlariaValenzi. @nev_it @Protestantismo @RadioBeckwith @Riforma_it pic.twitter.com/u4tWvClWWG — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 20 de novembro de 2019 E o acolhimento dos migrantes deve incluir também o respeito pelo pleno direito à liberdade e à expressão da própria fé. Um direito que não parece estar garantido sempre e em nenhum caso. Para o advogado Ilaria Valenzi, assessor jurídico da FCEI, “o pluralismo religioso é um direito de todos e os locais de culto não são apenas espaços físicos, mas também simbólicos. A Consulta tem repetidamente manifestado-se a favor da liberdade de culto no nosso país”, testemunhando o facto de haver, em todo o caso, um fosso entre os cultos “maioriais” e as religiões que de alguma forma representam uma minoria. “As religiões – concluiu Valenzi – pertencem ao conceito de igualdade e ao de justiça, conforme constam dos artigos 2º e 3º da Constituição”. Monsenhor também Luca Bressanvigário episcopal da diocese de Milão, se perguntou "por que precisamos de mais lugares de culto?", entendidos como "lugares de trânsito e não de exclusão". Portanto, a liberdade religiosa, garantida por lei, sancionada pelo Estado, mas nem sempre praticada igualmente por todos, é a base de uma abordagem ecumênica para o entrelaçamento do fenômeno da migração e das crenças. “Toda cultura é mestiça por sua natureza – declarou Monsenhor Ambrogio Spreafico, presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana (CEI), nas conclusões da conferência - . Deve-se lembrar que há quase 70,8 milhões de pessoas em fuga, 10,8 milhões forçadas a fugir, mas dentro de seus próprios países, 37 mil novos deslocados todos os dias, e lembre-se que em 2018 um em cada 2 refugiados era menor”. Neste contexto de profunda evolução do fenómeno migratório a nível global, o que “dizem” as igrejas cristãs? “Estamos aqui, como cristãos – acrescentou o representante da CEI -. Porque o ódio contra aqueles que consideramos diferentes pode se tornar morte, violência, um inimigo a ser eliminado”. Para o prelado, que se referiu ao capítulo 16 do Deuteronômio e ao Livro dos Juízes, capítulo 12, da Bíblia, bem como ao livro do jornalista Carol Emcke 'Contra o ódio', as igrejas devem "ir além dos muitos eus para viver o nós do qual as comunidades cristãs sempre foram um sinal para o mundo e devem ser ainda mais". O pastor Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, anunciou a criação do Grupo de Trabalho das Igrejas Cristãs na Itália (GLCCI). “Foi uma conferência cheia de estímulos, testemunhos, temas – explicou Negro – que marcou como o tema do acolhimento do outro é central na Bíblia. A xenofobia leva à maldição e à morte. E os novos sodomitas são, portanto, os xenófobos, os racistas. A este ódio, à xenofobia de Sodoma, deve-se opor a filoxenia, o amor ao estrangeiro, aquela hospitalidade que é literalmente amor ao xenos, do qual fala o capítulo 13 da Carta aos Hebreus do Novo Testamento”. “Este é o quarto ano consecutivo de nossa convenção ecumênica – continuou o pároco -: foram promovidas 2 edições com a UNEDI, em Trento e em Assis, sobre a Reforma, enquanto em Milão o tema foi a custódia criada. Em 2019 foi a vez dos migrantes: um caminho equilibrado na escolha dos temas e nos dois polos do ecumenismo, o testemunho comum, o serviço das igrejas no mundo de um lado e o diálogo teológico do outro. Uma harmonia que nos fez crescer em nossa comunhão ecumênica. Estamos, portanto, prontos para dar um salto qualitativo em nosso caminho ecumênico: um grupo de trabalho das igrejas cristãs na Itália, um corpo informal por enquanto, o importante não é a estrutura, mas o fato de que finalmente também em nosso país o ecumenismo não é mais esporádico, confinado ao gueto de ouro da semana de oração pela unidade dos cristãos: um ecumenismo cotidiano”. Os trabalhos da nomeação ecumênica foram encerrados pelo vigário geral das paróquias do Patriarcado de Moscou na Itália, Hieromonk Ambrose Matsegoraaludindo a duas figuras retóricas: a alegoria da jornada épica do Ulisses de Homero, por um lado, e a metáfora da última ceia, por outro. “A pátria é a essência humana, a viagem é a própria viagem. Ulisses explica como às vezes basta mudar a perspectiva para poder ver a viagem como uma oportunidade. Ele é um exemplo para os migrantes de hoje, ele se tornou o homem sobre o qual o destino não tem mais poder, ele aprendeu a superar os limites de si mesmo”. [BB] ...

Ler artigo
Economia de água doméstica, os comerciais dos jovens da Glam

Economia de água doméstica, os comerciais dos jovens da Glam

Jimmy Chang, antisplash Roma (NEV), 6 de julho de 2022 - "Glam spot" é o título da iniciativa que a Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália concebeu e criou para aumentar a conscientização sobre a questão da economia doméstica de água. Os spots Glam, explicam os promotores da iniciativa, são “quatro carretéis em que alguns jovens membros do Glam conversam com os jovens, usando as suas próprias experiências como exemplo de poupança de água. Onde? No dia a dia, no banheiro, na cozinha, no cuidado das plantas como no carro. Pequenos comerciais em que cada um certamente reconhece seu próprio cotidiano, talvez identificando os erros e levando as sugestões para remediá-los”. Os vídeos "não analisam o que está acontecendo seriamente na Itália e no resto do mundo devido às mudanças climáticas, nem abordam o agora evidente problema da desertificação, mas são o porta-voz de um apelo urgente que chega a cada casa, escola , igreja, local de trabalho, destacando comportamentos errados a serem abandonados com urgência para tornar cada um de nós minimamente responsável pela mudança". Aqui o primeiro vídeo: ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 12º dia.  Ser velho (e solitário?)

16 dias para superar a violência, 12º dia. Ser velho (e solitário?)

Foto tirada de Roma (NEV), 6 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 12: 6 DE DEZEMBRO Ser velho (e solitário?) SOLICITARdiscutirQuais soluçõespara uma idade avançada"de uma mulher"? Vamos pensar nisso! Antônia, 86 anos mEu sou casado em segundo lugar com umhomem ansioso por carinho, companhiae apoiar como eu. Foi bom, até-porque eu poderia ser o elemento forte docasal. Quando, em vez disso, tive um derrame, e deconseqüentemente era ele quem tinha que me ajudar, eu soufomos “convencidos” a sair de casa eligados em um Rsa. Eu me sinto em um pri-Gione, dourado, claro, mas não é minha casa. vamos começar dar a ela palavras. eu digo ter“velho”, não velho, Seniore via mitigaçãofazer. Eu quero desafiar todo o feio que se escondeesse termo.Ser velho não é ser velho:a velhice feminina é um pouco diferente, emuitas vezes é um pouco pior do que o masculino.Em primeiro lugar, mais frequentemente significa estar sozinho: manopessoas na casa dos oitenta, apenas 40% das mulheresainda é casado, enquanto 80% doshomens ainda é. Homens vivem quatroou cinco anos mais jovem que as mulheres (em média), masmais raramente ficam sozinhos no período finalda vida deles. Nós mulheres vivemos mais,mas em troca vivemos sozinhos. Hoje o so-existem 8 milhões de famílias unipessoais erepresentam um terço de todos os agregados familiares.Metade desses 8 milhões são pessoas com mais de65 anos.Ser velho significa ser cuidadoresdo marido, ou parceiro, depois de ser umsido dos pais e talvez dos paisde seu marido. Mas depois, quando antespessoa que você vai precisar de ajuda, carinho eempresa, você se encontra sem ninguém em quecontar.A reforma dos cuidados aos idosos nãoautossuficiente foi aprovado recentemente, masrequer certos tempos de realização e financiamentocolocações adequadas. Hoje dois terços dos convidadosda RSA são mulheres. E as alternativas ao RSA,ou a humanização da RSA, são percorridos emgrande parte para construir. proposta de visão TOMATES VERDES FRITO (NA PARADA DO TREM) dirigido por Jon Avnet Estados Unidos da Américaca, 1991, 125'Da história de uma velha animadata em uma casa de repouso, uma mulher frustrado aprende de um cativante história de amor, amizade, rebelião contra o racismo, que se torna inspiração para sua câmera radicalequilíbrio da vida. VERSÍCULO BÍBLICO Agora que cheguei à velhice e aos cabelos brancos, ó Deus, não me desampares, até que eu tenha contado as maravilhas do teu braço a esta geração e o teu poder às que hão de vir. (Salmo 71, 18) COMENTE O antigo homem de oração de Israel experimentou a presença e a ajuda do poder de Deus em todas as perseguições que sofreu. Agora ele se encontra em maior dificuldade devido à sua idade avançada: suas forças estão diminuindo e seus adversários podem pensar que Deus o abandonou.No entanto, o seu pedido de ajuda não tem o tom desconsolado e débil que se poderia esperar de uma pessoa sobrecarregada pelo peso da idade. Longe disso: pede novas energias para poder transmitir eficazmente o seu testemunho às novas gerações! Consciente de estar inserido na grande história da salvação, ele reivindica a relevância de sua própria experiência humana e espiritual e um papel ainda ativo na sociedade: ele não pede para si, egoisticamente, mas para o bem da geração futura e para o maior glória de Deus. ORAÇÃO Senhor de nossos dias, nãopedimos que nos estendavida indefinidamente e emqualquer condição. Mais do que-a quantidade de anos por favorpedimos que nos dê a capacidadety para experimentá-los à luz desua graça, em solidariedadecom o nosso vizinho, nodignidade de suas filhas, de seus filhos,amar e amar a si mesmo. Permita-nosser capaz de expressar em palavras emostrar nossa gratidãopelo que você operounós, por Cristo, nosso Senhor.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.