Os desafios que estamos vivendo.  No início da Assembléia da Rede Cristã de Meio Ambiente

Os desafios que estamos vivendo. No início da Assembléia da Rede Cristã de Meio Ambiente

Caminhada natural. Foto Erin Green retirada do site www.ecen.org

Roma (NEV), 8 de junho de 2022 – A Assembleia da Rede Cristã Europeia para o Meio Ambiente (ECEN) será realizada de 13 a 15 de junho. Também este ano em modo virtual, o encontro centra-se nos impactos da pandemia, que “não travaram as alterações climáticas nem a degradação ambiental”.

Os organizadores escrevem novamente: “Covid-19 trouxe à tona muitas preocupações relacionadas à dependência da humanidade da criação. Novos dados científicos sobre a mudança climática estão causando uma angústia crescente. Muito se espera de Acordo Verde e o compromisso de alcançar a neutralidade climática até 2050”.

Igrejas e organizações religiosas estão diretamente comprometidas com o meio ambiente, “oferecendo espaço para um número crescente de membros que participam de esforços para um futuro sustentável. Nesta situação, o networking e a troca de experiências tornam-se mais importantes do que nunca.”

A conferência ECEN deste ano pretende, entre outras coisas, estabelecer uma relação direta, sobre os temas da Criação, com a próxima Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (WCE) agendada para o próximo mês de setembro em Karlsruhe, Alemanha. Além disso, está prevista uma discussão sobre a cooperação intergeracional e sobre o futuro do ECEN.

Temas principais desta Assembleia: a perspectiva teológica dos desafios ecológicos atuais. Segurança energética e vulnerabilidade crescente às mudanças climáticas. O Pacto Verde Europeu e o papel das igrejas. Diálogo das igrejas com a política. Networking e cooperação. As preocupações da juventude ecumênica sobre o meio ambiente, a justiça climática e a paz. Está também prevista uma mesa redonda com membros do Parlamento Europeu Sirpa Pietikainen (Finlândia) e Martin Hojsík (Eslováquia), juntamente com jovens representantes de projetos eclesiais para o cuidado da criação.

A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) também faz parte da Rede ECEN

Para ver o programa completo clique AQUI.

Para se inscrever clique AQUI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Lavagem de carro ecologicamente correta

Lavagem de carro ecologicamente correta

Roma (NEV), 29 de julho de 2022 – Lavar carros de maneira mais "eco". Este é o tema do novo vídeo da série criada pelos meninos e meninas da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Vídeo 1 de 6 de julho sobre economia de água em casa. Vídeo 2 de 13 de julho sobre como economizar água na cozinha. Vídeo 3 de 21 de julho sobre como regar sem desperdício. artigo anteriorVozes jovens na Secretaria de Atividades Ecumênicas. Fé é concretudePróximo artigoA Diaconia Valdense procura coordenador do projeto SAI Vulnerável em Vitória (RG) Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
“Trabalhamos com boas práticas locais e internacionais”

“Trabalhamos com boas práticas locais e internacionais”

Roma (NEV), 28 de maio de 2020 - A Consulta Metodista, momento habitual de encontro e discussão das comunidades metodistas, ocorreu este ano em modo telemático devido ao coronavírus. O presidente da Comissão Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Mirella Manocchiocontou à agência NEV suas impressões sobre o trabalho realizado e estratégias futuras. “Fizemos uma tentativa de reflexão e troca que deu um feedback muito positivo – declarou o presidente Manocchio -. Certamente sentimos falta de estarmos juntos pessoalmente, e também a possibilidade de um amplo debate devido aos tempos limitados foi um pouco reduzida. A dimensão virtual tornou aqueles momentos extras de convívio entre irmãos e irmãs saudosos, aquelas situações de partilha gratuita e de oração em que estamos próximos e que sempre vivíamos nas Consultas, antes do coronavírus. No entanto, conseguimos fazer da necessidade uma virtude e obtivemos resultados inesperados em termos de propostas”. Muitas ideias e perspectivas futuras surgiram da Consulta, que representou também uma oportunidade para fazer o balanço de alguns projetos existentes e outros que estão por iniciar. Um projeto envolvendo jovens, sobre questões ambientais, terá início em setembro e envolverá vários países como Zâmbia, Argentina e Itália. Mirella Manocchio “Também estamos trabalhando em projetos musicais e sociais, que envolverão nossas igrejas – continuou Mirella Manocchio -. O objetivo é o de uma maior partilha e leitura do território, na rede entre associações, entidades e comunidades, também em colaboração com a Diaconia Valdense (CSD) que tem as suas competências específicas. Estamos a trabalhar no desenvolvimento e divulgação de boas práticas tanto a nível local como internacional”. Não faltaram reflexões sobre a pandemia do coronavírus: "A Covid-2019 nos mudou individualmente, como igrejas e como sociedade e precisamos refletir sobre isso para o futuro - concluiu o pastor Manocchio -. Também devemos continuar a nos questionar sobre o uso das tecnologias e das redes sociais. Quais são os horizontes que enfrentamos? O uso sábio dessas ferramentas nem sempre é fácil e é essencial não substituir o trabalho e o encontro entre os crentes, mas implementá-lo”. A Comissão Permanente, juntamente com os participantes, irmãs e irmãos das igrejas locais, conselheiros e membros efetivos engajados nas igrejas metodistas, diretores e diretoras, membros das comissões de obras, discutiram, durante o dia 24 de maio, sobre diversos temas . Do testemunho no contexto pós-secularizado ou pós-moderno, do qual o crescente não-denominacionalismo é uma característica, ao futuro do cristianismo, da globalização à individualização, das novas pobrezas ao compromisso ecumênico. No relatório anual, que representa não apenas o estado da arte do trabalho metodista, mas também uma espécie de documento programático para a elaboração do trabalho dos próximos meses, os temas de capacitação profissional, apoio a start-ups ambientalmente sensíveis e quequerem assumir categorias desfavorecidas, de compromisso social. As iniciativas metodistas vão desde a escola de língua italiana para estrangeiros até o apoio à agricultura sustentável, veja o "Progetto Rosarno", até as Obras e os centros diaconais. As relações internacionais, inclusive ecumênicas, e as colaborações em nível global (com o Conselho Metodista Mundial e a Conferência Metodista Mundial) estão muito vivas. A OPCEMI é membro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização sinodal-representativa, a administração (Mesa Valdense) e o corpo pastoral; por outro lado, a representação ecumênica, a gestão patrimonial e as relações internacionais com as igrejas irmãs permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984. ...

Ler artigo
Religiões diante da pandemia

Religiões diante da pandemia

Roma (NEV), 27 de junho de 2023 – Que respostas as diferentes religiões deram à pandemia? Como têm reagido os cultos à emergência e à sua gestão, à doença, ao medo, à morte de tantas pessoas? A reunião de apresentação do volume “As religiões e a pandemia na Itália. Doutrina, comunidade e cuidado”, ed. Emanuela Claudia Del Re e Paolo Naso (Editora Rubbettino). Após a saudação do senador Luciano Malan, Mariangela Fala, ex-presidente da União Budista Europeia, vice-presidente da União Budista Italiana e presidente da Fundação Maitreya, sublinhou como a Covid mostrou "nossa fragilidade e, diante disso, a responsabilidade de todos e dos cultos em particular, o que significa compaixão, ajuda". José Contepresidente do Movimento 5 Estrelas, ex-presidente do Conselho de Ministros da República Italiana durante o período da pandemia, depois de relembrar a estratégia implementada por seu governo durante esse período, comentou: “Descobrimos a vulnerabilidade como indivíduos e sociedades”. À frente das comunidades de fé, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, destacou como a pandemia tem sido uma lupa até mesmo para problemas pré-existentes que são substanciais para as comunidades de fé. Yassine Lafram, Presidente Nacional da UCOII (União das Comunidades Islâmicas Italianas), falando das dificuldades, lembrou que "na Itália existem apenas cinco mesquitas arquitetonicamente reconhecíveis e 1217 salas de oração". O tema dos locais de culto, portanto: "é preciso uma lei ad hoc, porque não sabemos como construir uma mesquita na Itália, no momento temos que negociar com os administradores locais". A integração dos muçulmanos, segundo o representante da UCOII, “passa pelo respeito e dignidade dos locais de culto”. O mesmo se aplica à questão dos enterros, mais complexos para as áreas islâmicas em cemitérios. “Para nós, a pandemia ainda não acabou”, concluiu Lafram. Os hindus também vivem uma situação semelhante no que diz respeito aos locais de culto. ele explicou Swamini Shuddhananda Ghiri, Monja hindu que representa a União Hindu Italiana, aludindo ao “sentido de responsabilidade e sentido de união” vivido durante o período da crise sanitária. Além disso, a sociedade tem passado “pelo tema da morte muitas vezes vivenciado como um tabu. Os ritos fúnebres, por outro lado, são de grande importância, esta foi uma ferida para as comunidades hindus - explicou -, a dificuldade de não poder acompanhar os mortos, como também aconteceu a muitas pessoas, a começar pelos médicos e enfermeiras" . Daí a necessidade de “não perder a empatia” com os outros e com o mundo. Paulo Nasoprofessor de ciência política da Universidade Sapienza de Roma, um dos editores do texto apresentado hoje no debate moderado por Ilaria Valenzida revista e centro de estudos Confronti, questionou-se no final da consulta se “será possível que, do pós-pandemia, surja um novo olhar muito pragmático para as comunidades religiosas?”. O Representante Especial da UE para o Sahel Emanuela Claudia Del Reo outro editor do volume sobre religiões e pandemias, espera por fim que cheguemos a “uma sociedade justa, de direitos, um mundo em que haja a capacidade de se reconhecer nas diferenças”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.