O sonho de uma Itália protestante

O sonho de uma Itália protestante

O webinar, organizado pela Comissão Batista-Metodista-Valdense (BMV) que trabalha para a Assembleia-Sínodo, tem como título: “O sonho de uma Itália protestante. História e atualidade de um percurso comum. Reconhecimento mútuo entre as igrejas batista, metodista e valdense cem anos após a Primeira Conferência das Igrejas Evangélicas Italianas”. Émile Florio, professor de história e filosofia, fará uma retrospectiva histórica das relações entre as Igrejas BMV cem anos após o 1º Congresso Evangélico Italiano. “Aquela reunião realizada em novembro de 1920 – recorda Florio – foi julgada pela maioria como um fracasso: houve subestimação da complexidade dos problemas, não houve respostas definitivas e não se conseguiu a constituição de uma única igreja evangélica nacional. No entanto, é interessante ver como o mundo evangélico italiano, substancialmente sob a pressão dos leigos, questionou algumas questões, que em parte ainda nos questionam hoje: como falar à Itália como evangélicos? O que é liberdade religiosa? Qual relação entre as igrejas evangélicas é mais útil para fazer tudo isso?”.

deexcursão historiador então, com a ajuda de três palestrantes (Gianna Urzio, Cláudio Paravati E John Bremner), será oferecido um vislumbre dos desafios futuros e das potencialidades do caminho comum.

A última Assembléia-Sínodo foi realizada em Roma em novembro de 2007. Desde então parece ter diminuído o interesse entre nossas igrejas no caminho da colaboração e comunhão entre as igrejas batistas, metodistas e valdenses. É assim mesmo? Quais podem ser as razões? Três dos seis membros da Comissão de Trabalho da BMV para a Assembleia-Sínodo responderam a essas e outras perguntas.

“Acho que houve uma queda no interesse – diz o pastor metodista Pedro Ciaccio – e que tem vários fatores contribuintes, que levaram a uma mudança de prioridades na agenda. Entre eles destaco três: o fenômeno migratório, no qual se concentra um grande empenho das igrejas valdenses e metodistas; o chamado da Comunhão das igrejas protestantes na Europa para esclarecer a contradição entre o reconhecimento mútuo dos membros e das igrejas sem que haja o reconhecimento mútuo do batismo; o enfraquecimento da Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI), forja da “BMV”».

“Acho que o BMV encalhou na questão do batismo – continua o pastor valdense David Rostan – um problema que ainda não entendo. Realizei a maior parte do meu ministério em igrejas batistas e valdenses no contexto de projetos de colaboração territorial e, na prática pastoral, encontrei-me enfrentando a questão do batismo ou da confirmação com uma abordagem mais sociológica e simbólica do que teológica. Mais do que apenas discussões teológicas, tenho visto prevalecer, tanto do lado batista quanto do lado valdense e metodista, um apego à identidade que tem muito pouco a ver com a realidade da pastoral e com os problemas reais de nossas igrejas”. .

“Acho – acrescenta o pastor batista Daniel Podesta – que a diminuição do interesse pelo BMV se deve também ao fato de que hoje vivemos uma época em que cada vez mais somos levados a nos retirarmos para o próprio quintal, e nossas igrejas não estão imunes a essa tendência. Mesmo as igrejas da mesma denominação, em nível regional ou na mesma cidade, estão encontrando cada vez mais dificuldade para colaborar, com algumas exceções. A questão certamente não será resolvida por webinars de 21 de novembro, mas esperamos que dê início a uma reflexão que leve a uma nova visão de uma hipótese de trabalho comum”.

– Então, onde recomeçar o relacionamento e a comunhão de nossas igrejas?

“Recomecemos da vocação comum – responde Ciaccio -, que é servir ao Senhor na cidade onde Deus nos chamou a viver, levando adiante as respectivas tradições, histórias e teologias. Isso é suficiente para reviver o BMV? Não sei, deveria ser.” “Talvez – diz Rostan – possamos recomeçar considerando as colaborações territoriais não como um ‘plug-gap’ para responder à falta de recursos econômicos e pastorais, mas uma ferramenta para racionalizar nossos recursos e lançar projetos missionários”. Sobre a necessidade de recomeçar a partir das igrejas locais, Podestà continua: “Mais do que nos documentos oficiais, que também são importantes, devemos nos concentrar naqueles projetos de colaboração territorial nos quais os membros da igreja possam se sentir direta e ativamente envolvidos”. O pastor cita a experiência dos cultos online preparados durante o confinamento das igrejas evangélicas de Milão, ou a experiência de adoração de zoom, no qual estiveram envolvidos vários pastores e pastoras das igrejas BMV. “Devemos esperar essas novas formas de colaboração, pois elas podem ampliar nosso escopo de trabalho comum.”

Os executivos incentivaram uma ampla participação no webinars, especialmente por aqueles que se juntaram recentemente a uma de nossas igrejas. “Numa época em que estamos totalmente afogados em agendas de coisas para fazer, – diz Ciaccio -, este webinars é uma boa oportunidade para tirar algum tempo para fazer perguntas que são importantes para nossas igrejas”. “Para aqueles que recentemente participaram da vida de uma de nossas igrejas – sugere Rostan – eu diria: ‘caro irmão, irmã, seja qual for a igreja protestante histórica que você escolheu para frequentar, você não está sozinho, existem outros protestantes que têm histórias diferentes; venha e veja o que o protestantismo fez neste país’”. “Eu começaria pelo título de webinars, ‘O sonho de uma Itália protestante’ – conclui Podestà -. Em uma sociedade dividida, onde cada vez mais muros de separação estão sendo construídos, acho importante reiterar a necessidade de se apegar ainda hoje a esse sonho de unidade e, portanto, gostaria de encorajar as pessoas a participar da reunião para entender como eles pode fazer parte da realização desse sonho”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ágape, aquele sonho realizado por Tullio Vinay que continua…

Ágape, aquele sonho realizado por Tullio Vinay que continua…

ágape Roma (NEV), 13 de maio de 2020 - Aboquiaberto (no grego ágape, do latim tardio agparapor exemploem grego ἀγάπη) significa "amor", indica o banquete fraterno entre os antigos cristãos, por extensão o banquete íntimo entre amigos. ágape No verão de 1946, o pároco de Prali Túlio Vinay, nascido hoje, 13 de maio de 1909, falou da necessidade de erguer nos vales valdenses um lugar que expressasse os valores do ágape cristão e que seria, para usar uma expressão contida no primeiro "Manifesto Ágape", o rosto de Cristo "esculpido nas rochas das nossas montanhas". “O projeto arquitetônico de Leonardo Ricci - como afirma o site do centro ecumênico – deu ao Centro uma fisionomia particular, de incrível modernidade. Centenas de voluntários de diferentes origens geográficas, políticas e religiosas estiveram envolvidos na construção; através do trabalho comum e do ideal do ágape de Cristo, foram resolvidas as dolorosas consequências do conflito mundial, que terminara poucos anos antes. Onde hoje está o novo templo em Prali, acamparam os jovens e as jovens que, em poucos anos, construíram a estrutura com entusiasmo e esforço que ainda hoje se esconde entre os larícios acima de Ghigo di Prali. Ágape foi, a partir da década de 1950, um lugar de fecundo debate social, político e teológico nacional e internacional”. A relação do fundador da Agape Tullio Vinay com o centro ecumênico é importante não só por essa experiência, mas por todos os projetos que dela se inspiraram. Uma iniciativa que hoje, devido à emergência do Covid19, vive obviamente uma fase particular. Nós conversamos sobre isso com Sara Marta Rostagnoum dos dois vice-diretores do centro, por ocasião do aniversário de nascimento de Vinay, também senador por duas legislaturas, eleito independente nas listas do Partido Comunista Italiano. “O sonho de Vinay continua – explica Rostagno -: queremos continuar “curando e sonhando” juntos, apesar de tudo. Estamos a tentar planear um verão diferente, ainda estamos a juntar ideias para perceber como gerir as nossas atividades. Gostaríamos de direcionar nosso projeto de internacionalidade em particular para o acolhimento de famílias e pessoas vulneráveis, que foram as mais afetadas pela crise econômica causada pelo bloqueio e após a emergência de saúde. Esperamos a colaboração do país e da aldeia, do território nisso. Depois continuaremos as manutenções, como "casa de férias" seguiremos as disposições do nosso setor, os campos de trabalho ficam assim suspensos por enquanto e adiados por tempo indeterminado. Outra ideia é propor “gostos de acampamentos” virtuais, atividades para crianças, remotamente, sem no entanto “escravizar” os pais ou obrigar os mais pequenos a passar ainda mais horas no computador. Por fim, estamos pensando em entretenimento online específico para a comunidade Agapine". O centro ecumênico não está imune à crise. A paralisação das atividades de hotelaria e turismo terá, portanto, impacto também na Ágape. Por isso, conclui Sara Marta Rostagno, “vamos lançar uma angariação de fundos estruturada nas próximas semanas, entretanto qualquer contributo é bem-vindo”. Aqui estão os dados para fazer uma doação ao centro e ao projeto valdense. ...

Ler artigo
Por volta de 10 de outubro, contra a pena de morte

Por volta de 10 de outubro, contra a pena de morte

Roma (NEV), 7 de outubro de 2022 - Em vista do XX Dia Mundial contra a Pena de Morte, celebrado em 10 de outubro, a Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT Itália) relança a campanha global Coalizão Mundial. Este dia, explica a ACAT, “une o movimento abolicionista global. Também mobiliza a sociedade civil, líderes políticos, advogados, opinião pública para apoiar o apelo à abolição universal da pena de morte. O dia encoraja e consolida a consciência política e geral do movimento global contra a pena de morte". Vinte anos de mobilização mundial se passaram. Agora “é o momento de considerar e celebrar as conquistas que o movimento abolicionista alcançou. Agora, mais do que nunca, os atores abolicionistas devem continuar trabalhando pela abolição completa da pena de morte em todo o mundo, para todos os crimes”. No dia 10 de outubro de 2022, ainda ilustra a organização cristã, o Dia Mundial será dedicado à reflexão sobre a relação entre o recurso à pena de morte e a tortura ou outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos e degradantes. “Os tipos de tortura e outros maus-tratos sofridos durante a longa espera pela pena de morte são vários e numerosos – continua ACAT -. A tortura física ou psicológica foi aplicada em muitos casos durante os interrogatórios para extrair confissões de crimes graves. O fenômeno do corredor da morte contribui para o declínio psicológico de longo prazo na saúde de uma pessoa. As duras condições de vida no corredor da morte contribuem para a deterioração física. Uma possível antecipação da data da execução causa angústia. Por fim, os métodos de execução causam uma dor insuportável aliada ao sofrimento vivenciado pelos familiares e pessoas que têm relações próximas com o executado”. Outro aspecto, muitas vezes subestimado, é o da discriminação com base no sexo, gênero, condição social, idade, orientação sexual, status de minoria religiosa e étnica e muito mais. Estas discriminações, que atingem pessoas mesmo fora dos contextos restritivos, podem “agravar ainda mais o tratamento cruel, desumano e degradante de pessoas condenadas à morte” conclui a ACAT. A PENA DE MORTE EM NÚMEROS(Estatísticas da Anistia Internacional) 110 estados aboliram a pena de morte para todos os crimes. 7 estados aboliram a pena de morte para crimes comuns. 27 estados são na prática abolicionistas. 55 estados ainda aplicam a pena de morte. Os 5 países que mais executaram no mundo em 2021 são, na ordem: China, Irã, Egito, Arábia Saudita e Síria. 28.670 pessoas foram condenadas à morte em todo o mundo no final de 2021. UM GATO A ACAT é uma associação cristã ecumênica. Cometida contra a tortura e a pena de morte, ela trabalha ao lado de todos aqueles que têm os mesmos objetivos e promovem os Direitos Humanos. Fundada formalmente na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Renascimento Cristão". A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. ACAT adere à Federação Internacional FIACAT. ...

Ler artigo
Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Foto Hillerrt/WCC Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Em seu sétimo dia útil, a Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) elegeu o novo Comitê Central. Entre os 150 membros que compõem o corpo executivo do CMI, o pastor valdense foi confirmado Michael Charbonnier que já fez parte, desde meados da última legislatura, do Comité Central cessante. A candidatura de Charbonnier foi apoiada pelas igrejas evangélicas da Espanha e de Portugal. Pr. Michel Charbonnier “É uma honra e uma grande responsabilidade a nível pessoal – declara Michel Charbonnier -, mas também uma grande oportunidade para as nossas igrejas darem a sua contribuição ao cristianismo global e, por sua vez, serem atravessadas e enriquecidas por ele. Ingressei no Comitê Central no final do último mandato, e logo em seguida nos deparamos com os desafios trazidos pela pandemia para continuar garantindo o funcionamento do Conselho. Foi um período complexo e cansativo mas também um importante campo de treino para compreender bem a sua dinâmica e funcionamento. O meu desejo é que no próximo mandato possamos dedicar menos energia à gestão de emergências, para trazê-los de volta à realização dos muitos projetos importantes que a Assembleia está delineando para o futuro, começando pelos de justiça climática, justiça racial e sexualidade humana " . A composição do Comitê Central é definida com base no equilíbrio entre áreas geográficas, afiliações denominacionais, ministros ordenados e leigos, homens e mulheres. Em particular, o novo Comitê vê a presença de 62 mulheres, 19 jovens, 44 leigos, 19 indígenas, 5 deficientes. Ontem, a Assembleia elegeu seus novos presidentes: 6 para supervisionar as macrorregiões em que o CMI está dividido, 2 para a representação das igrejas ortodoxas. Para os nomes e perfis dos presidentes, clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.