SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

Foto de Laura Caffagnini

Roma (NEV), 26 de julho de 2019 – A sessão de formação ecumênica 2019 na Domus Pacis de Santa Maria degli Angeli em Assis termina amanhã com o tema “Deus escolheu os pobres aos olhos do mundo (Tg 2, 5) . As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra”, uma espécie de pesquisa ecumênica em duas edições, organizada pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE).

Ontem o foco foi o “Deus dos pobres”. Durante uma celebração ecumênica envolvendo cerca de 200 participantes, migrantes, refugiados, sem-teto, mães que perderam seus filhos no Mediterrâneo e no deserto, prisioneiros em campos de detenção, que ainda estão no caminho para escapar da pobreza extrema.

O tema do Deus dos pobres foi apresentado na manhã de meditação bíblica do padre bolonhês Mateus Prodi que comentou a passagem do Evangelho de Lucas sobre o chamado do rico Zaqueu, na verdade um pobre que procura ver Jesus ao entrar em Jericó. A seguir, conforme informa o comunicado da SAE, uma mesa redonda inter-religiosa cujo título foi inspirado em uma frase de Martinho Lutero: “Somos mendigos, isso é verdade”. Uma mesa para quatro vozes: judaica, Anna Foa, com intervenção remota; católico, Stephanie Monti; valdense, Paulo rico; muçulmano, Yassine Lafram.

O teólogo valdense Paolo Ricca, decano do ecumenismo na Itália, relata novamente a SAE, comentando sobre Martinho Lutero, ele se deteve sobre a pobreza no sentido existencial, encontrando três sentidos para a afirmação do reformador: “Somos mendigos de sentido porque temos dificuldade de compreender . Tudo está envolto em mistério. Quanto mais prossigo e menos sei, mais o mistério se torna mais espesso. No final da vida, só Deus poderá iluminar o mistério”. Um segundo significado da frase de Lutero segundo Ricca é que o cristão é pobre em poder. Deus é o Deus dos pobres de poder, mas não no sentido mundano da palavra poder. Aqui está a ambivalência do discurso bíblico sobre o futuro. Por um lado, o próprio Jesus diz: “Todo o poder me foi dado”. Também é verdade que está escrito “Vocês receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês”. E mesmo antes disso ele chamou seus discípulos para si e deu-lhes poder para expulsar os espíritos malignos. A outra promessa impressionante de Jesus mencionada por João é sobre o perdão dos pecados. Por outro lado, Jesus diz: “Sem mim nada podeis fazer”. Estamos totalmente desamparados. Como sair dessa contradição? Ricca observa: “Não temos poder, mas temos o Espírito Santo e a Palavra, esta é a dialética. Não podemos fazer nada e podemos fazer tudo. Somos mendigos do poder de Deus em nós, estamos de mãos vazias”. Finalmente, “somos mendigos de graça, porque não temos mérito. A fé chegou até nós misteriosamente, ‘contra’ nós. Fomos levados cativos pela Palavra de Deus e aqui estamos. E nossas boas obras – como a zedaqah da qual falamos – foram preparadas por Deus para praticarmos. Os gestos de amor são uma iniciativa de Deus que nos introduz no reino da gratuidade onde já não há vanglória, arrogância ou orgulho. Porque ‘aquele que se gloria, glorie-se no Senhor’”.

Leia o comunicado de imprensa completo AQUI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Turim, chamada aberta para bolsas de estudo 2022

Turim, chamada aberta para bolsas de estudo 2022

Roma (NEV), 31 de julho de 2022 – A Igreja Valdense de Turim lançou uma chamada para inscrições para a atribuição das seguintes bolsas de estudo: 4 bolsas «FAV (Fondo Artigianelli Valdesi)», de € 500,00 cada, destinadas a alunos do ensino secundário (3º, 4º e 5º ano). 1 Bolsa «Ettore Graziani», de € 500,00. Em memória do irmão Ettore Graziani e sustentado pela família, destinado a alunos do ensino médio (3º, 4º e 5º ano). 4 bolsas «FAV (Fondo Artigianelli Valdesi)», de € 1.800,00 cada, destinadas a estudantes universitários. 1 Bolsa «Lea Vinay», no valor de € 1.800,00. Em memória da irmã Leah Vinay e apoiado pelo Consistório da Igreja Valdense de Turim, destinado aos alunos do Conservatório de Turim matriculados em cursos acadêmicos. 1 bolsa "Beppe Molinari, doutor em Alba", de € 1.800,00. Em memória do irmão Beppe Molinari e sustentado por sua família e pelo fundo FAV. Destina-se a alunos do curso de licenciatura em Medicina (ou profissões de saúde). A última bolsa, «YWCA – UCDG» (Young Christian Union), é de € 1.800,00. Apoiado por cônjuges Enrico e Mitzi Rusconidestina-se a alunos dos cursos de licenciatura em Medicina (ou profissões de saúde) ou Engenharia (ou área técnico-científica), preferencialmente em contacto com a YWCA – UCDG (a aguardar confirmação). Na página dedicada lê-se: “O concurso para candidaturas a bolsas está aberto a quem o solicitar. No entanto, o desembolso do mesmo será decidido pela Comissão tendo em conta os resultados escolares, o rendimento desfavorável e a possível pertença a uma Igreja evangélica. As bolsas são reservadas para estudantes matriculados em Institutos localizados em Turim ou na Cidade Metropolitana de Turim”. Detalhes Mais informações, formulário de inscrição, requisitos e documentação necessária para participar podem ser encontrados em www.torinovaldese.org/bando-di-attribuzione-di-borse-di-studio-2022/ As solicitações preenchidas com todos os anexos necessários devem ser enviadas em formato digital para o endereço de e-mail [email protected] até as 12h00 de sexta-feira, 21 de outubro de 2022. artigo anteriorEntrevista com Alessandra Trotta, moderadora do Conselho ValdensePróximo artigoAgosto. 5 quilômetros pela justiça climática Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Nascem corredores para insetos polinizadores

Nascem corredores para insetos polinizadores

Aaron Burden, desobstruir Roma (NEV), 1º de abril de 2022 – Os “corredores ecológicos” para insetos polinizadores estão ganhando vida. "Caminhos ecumênicos para polinizadores", este é o nome do projeto com o qual algumas igrejas evangélicas da Itália (luterana de Nápoles, batista Centocelle, batista Civitavecchia, adventista de Bolonha, metodista de Milão), participaram do concurso "Roman Juriga" da Comunidade Cristã Rede para o ambiente (ECEN). A ideia nasceu dentro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Os corredores tornaram-se realidade nos dias de hoje, com um primeiro encontro em Bolonha há alguns dias. Em particular, os batedores Aisa da capital emiliana já participaram do projeto "Corredores ecológicos para insetos polinizadores" proposto pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (Glam) da FCEI, conforme afirma este artigo de Monica DePaolis no site Hopemedia.it. "Na tarde de sábado, 26 de março - lê-se no texto -, juntamente com o clube Aisa de Modena, tivemos a oportunidade de nos encontrar Paul Versari, professor da escola agrícola de Castelfranco Emilia e conhecedor do mundo das borboletas. Aprendemos a conhecer um mundo que precisa ser protegido e defendido de perto. Os insetos polinizadores são fundamentais dentro do nosso ecossistema. Ao transportar o pólen de uma flor para outra, de fato, permitem a polinização e a formação do fruto. A nossa horta comunitária vai tornar-se um lugar importante, um “jardim de borboletas”, um projeto para proteger o meio ambiente e dar testemunho do nosso bairro”. Neste vídeo, feito por Monica De Paolis e Maria Elena Lacquanitium tutorial sobre polinizadores:[embed]https://www.youtube.com/watch?v=89fGzHW9rpU[/embed] A Comissão GLAM está a serviço das comunidades e indivíduos que desejam abordar essas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos focos da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos onde estão localizadas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo
As mulheres libertam o sagrado

As mulheres libertam o sagrado

Foto Adista Roma (NEV), 26 de junho de 2020 - O semanário de informação independente "Adista" relata em um dossiê "o caminho nada fácil que levou as mulheres das Igrejas cristãs não católicas ao acesso a ministérios e pastorados, ainda excluídas da Igreja de Roma" . Uma história multifacetada da qual emergem as tentativas de desmantelar estruturas e privilégios machistas, autoritarismo e clericalismo. “Os companheiros de viagem deste número da Adista – lê-se na apresentação –, pela ordem em que aparecem os seus ensaios, são o pastor valdense Alexandre Esposito; o luterano Gabriela Woller; o pastor batista Cristina Arquidiácona; Maria Vitória Longhitanopresbítero da Convocação das Igrejas Episcopais na Europa; Basil Petràdecano da faculdade de teologia da Itália central; David Romanodiretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA)”. A imagem inteiramente masculina de Deus "influencia não só as práticas religiosas, mas também as culturas, o bom senso e as práticas cotidianas" escrevem novamente os editores, que nos convidam a investigar a palavra bíblica "a partir de uma leitura mais cuidadosa, crítica, historicista das Escrituras", o que significa também "contextualizar e libertar a mensagem bíblica das superestruturas culturais do passado, das 'traduções' inadequadas e insuficientes que derivam de uma má compreensão dos textos, para tornar as religiões não mais dogmáticas, fechadas e separadas dos recintos do sagrado ' (sempre declinado no singular masculino), mas inclusivo e plural”. O dossiê faz parte da série de números especiais da Adista intitulado "As Igrejas face à violência de género" e pretende explorar temas como os preconceitos e os instrumentos de repressão e exclusão das mulheres na Igreja e na sociedade, os "carismas" femininos e a presença feminina no púlpito, na pregação da Palavra ou na administração dos sacramentos, elementos que tornam visível "a diferença dos corpos, presença muitas vezes perturbadora - sobretudo aos olhos católicos e por ocasião das celebrações ecumênicas - porque manifesta a existência de um ministério não mais vinculado ao corpo masculino e à masculinidade de Jesus e da Igreja". O dossiê também foi compartilhado na página do Facebook da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.