Culto evangélico.  Garrone sobre o anti-semitismo e a Semana da Liberdade

Culto evangélico. Garrone sobre o anti-semitismo e a Semana da Liberdade

Foto de Luca Rüegg – Unsplash

Roma (NEV), 12 de janeiro de 2020 – A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália elegeu o antissemitismo como tema principal da Semana da Liberdade 2020 – evento realizado todos os anos por volta de 17 de fevereiro, data em que, em 1848, os direitos civis aos valdenses e, alguns dias depois, aos judeus. Conversamos sobre essa escolha com Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Valdense e membro do Conselho da Federação Evangélica.

O anti-semitismo será o tema da próxima Semana da Liberdade que os protestantes italianos celebram em fevereiro. Porquê este tema e porquê este ano?

Daniele Garrone

As palavras e atos de ódio contra os judeus estão aumentando, especialmente na Itália na web, em outros lugares da Europa e do mundo, inclusive com ataques físicos, às vezes assassinatos, profanação de cemitérios e outros ultrajes. Tudo isto num quadro que vê tons cada vez mais virulentos, muitas vezes ultrajantes, no confronto no espaço público, e em que frustrações, mal-estar e medos se vertem sobre supostos inimigos. É um terreno fértil desse tipo que viu a propagação do anti-semitismo nas últimas décadas do século XIX e início do século XX. Os sinais de anti-semitismo devem ser levados a sério antes de tudo por solidariedade com aqueles que são objeto dessa infâmia, mas também em defesa de nossas democracias constitucionais parlamentares, que quiseram reagir à época do ódio.

Quais são as responsabilidades das igrejas e o que elas podem fazer para se opor ao crescente anti-semitismo em todo o mundo?

A tradição cristã contribuiu durante séculos para difundir uma visão negativa do judaísmo. Após o Holocausto, iniciou-se um processo de denúncia de visões polêmicas do judaísmo e reconhecimento de suas consequências. As igrejas, também como lugares de formação, devem cultivar esta memória crítica de sua própria história e promover uma relação não conflituosa com o povo judeu.

Recentemente, você supervisionou a publicação de um livro intitulado “L’ebraismo. Guia para não-judeus” Do que se trata?

O título original do volume, publicado na Alemanha e distribuído em mais de 100.000 exemplares, era: “O que todos devem saber sobre o judaísmo”. Assim como durante séculos o “qualquer cristão” trazia na bagagem toda uma série de preconceitos e visões negativas em relação aos judeus, agora trata-se de enfrentar esse passado, de conhecer o judaísmo em sua realidade e de conceber a identidade cristã em termos não polêmicos. Com informações básicas, reconstrução histórica e teológica, o volume pretende contribuir, em linguagem acessível a todos, para desenvolver uma relação entre cristãos e judeus baseada no conhecimento, respeito e solidariedade

O que você espera desta Semana da Liberdade 2020?

Que os judeus da Itália sintam a proximidade de nossas igrejas nestes tempos sombrios, que nossas igrejas mantenham uma alta vigilância com relação à degradação do discurso de ódio e façam da “Semana” uma ocasião para refletir sobre como lidar com responsabilidade e decisão deste passagem histórica.

A entrevista pode ser ouvida aqui, a partir do minuto ’12 “20.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#CECWACC2019 Igrejas europeias: proféticas, críticas, políticas

#CECWACC2019 Igrejas europeias: proféticas, críticas, políticas

Roma (NEV), 15 de abril de 2019 – Como as igrejas respondem ao discurso de ódio? Eles são eficazes no combate às notícias falsas? Há esperança para o futuro da Europa? Estas são algumas das questões que surgiram da conferência da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa “O que nos deixa tão zangados? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação” realizada em Helsínquia e Estocolmo de 10 a 12 de abril, em colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK). As conclusões do trabalho foram confiadas a Philip Leediretor de programas WACC, Praxedis Bouwmando comitê de comunicação das igrejas minoritárias da Federação Luterana Mundial (WLF), e ao Secretário Geral da CEC Heikki Huttunen. “O discurso de ódio ocorre de diferentes formas nos contextos locais, mas uma dimensão transversal é a de gênero – disse Lee -. As mulheres são mais propensas a sofrer ciberviolência e discurso de ódio do que os homens, como mostra um estudo do Parlamento Europeu”. A pesquisa mostrou que as mulheres sofrem violência online nas mídias sociais, fóruns de discussão, mecanismos de busca, serviços de mensagens, aplicativos de namoro, chats e comentários, com ameaças de natureza sexual: "A ciberviolência ameaça os direitos humanos e as liberdades fundamentais das mulheres, sua dignidade e igualdade e afeta suas vidas em todos os níveis”. Entre as palavras-chave que emergiram da conferência, direitos humanos, liberdade de expressão e opinião, proteção da privacidade e segurança: "A tecnologia digital contribuiu para o progresso do direito à liberdade de opinião e expressão, o direito de receber e compartilhar informações, do direito de se comunicar – observou Lee –, no entanto, também aumentou o comportamento ilegal de governos e prestadores de serviços que podem violar os direitos das pessoas e aumentar a vulnerabilidade digital. Abusos potenciais incluem interrupção ou desligamento completo de sistemas, uso indevido de informações para vigilância, censura, exclusão ou bloqueio de dados e manipulação. “É importante que os jovens participem ativamente dos processos de informação e comunicação, e todos devemos ser proativos nas soluções – concluiu Lee -. Para isso, temos que começar com as palavras, temos que definir o que queremos dizer quando falamos de redes sociais, ódio ou notícias falsas. Devemos ser proféticos, críticos e políticos”. Bowman enfatizou o quanto é importante que as igrejas definam seu papel e que a representação das mulheres seja garantida em todos os níveis. Precisamos de uma presença justa de mulheres e jovens nos júris ecumênicos, nas cabeças dos organismos culturais e em todos os níveis: "Como cristãos, devemos ser críticos e levantar nossas vozes para ser ouvidos". O secretário do KEK, Huttunen, concluiu os trabalhos partindo dos três fundamentos do plano estratégico das igrejas europeias "Juntos na esperança e no testemunho". “Por que nossas igrejas deveriam cooperar, compartilhar seus recursos e se comunicar umas com as outras? Huttunen se pergunta. Precisamos da voz das Igrejas na Europa, precisamos de um trabalho teológico e de uma contribuição concreta para o futuro da Europa, um futuro de paz, segurança e diálogo. Há esperança? Se falamos dela é porque nos falta e devemos renová-la no Evangelho, na mensagem cristã – concluiu -. Quanto ao testemunho, como Igrejas nos perguntamos como ser relevantes, não só com palavras seculares, mas também entre nós, com transparência e colaborando em desafios comuns. Devemos ser globais, somos uma só humanidade, habitantes do mesmo planeta”. Cerca de 50 delegados de toda a Europa e numerosos oradores participaram na conferência, incluindo Stephen BrownPresidente da WACC para a Europa, Anders Gadegaardpastor da Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca e coordenador da equipe de comunicação do CEC, Philip Lee, secretário-geral da WACC, Sara SpeicherSecretário-Geral Adjunto da WACC, Max Arhippainendiretor de comunicação do Ministério da Defesa da Finlândia, Agnieszka Godfrejow-Tarnogorska da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburg na Polônia, Dora Laborczida Igreja Evangélica Luterana da Hungria, o pároco Kimmo Saaresgerente de programa da Igreja Evangélica Luterana na Finlândia, Eva Brunnebispo da Igreja da Suécia, Jacob Schwartzpresidente da juventude da Igreja da Suécia, Ralf Peter Reimannda Igreja Evangélica da Renânia. Eleito o novo executivo para a região da Europa. Stephen Brown é confirmado como presidente da WACC para a Europa A Assembléia da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa, que se reuniu entre Helsinque e Estocolmo por ocasião da conferência “O que nos deixa tão zangados? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”, elegeu seus representantes e novo comitê gestor: Stephen BrownPresidente. Ralf Peter Reimannvice-presidente. Julienne Munyanezasecretário. Freddy Dutz, tesoureiro. O comitê gestor é composto por: Arni Svanur Danielsson, Jean Luc Gaderau, Alba Sabate Gauxachs, Agnieszka Godfrejow-Tarnogorska, Eeva-Kaisa Heikura, Tuomo Pesonen, Marian Kneteman, Aleksic Mladen. Galeria de fotos da conferência da World Association for Christian Communication (WACC) sobre discurso de ódio, fake news e direitos à informação e comunicação. Helsinque-Estocolmo, 10 a 12 de abril de 2019. Do Twitter “Confiança e segurança não são construídas erguendo muros contra o desconhecido”. A campanha da Igreja da Suécia contra o racismo e contra o discurso de ódio: A confiança e a segurança não serão construídas levantando muros contra o desconhecido. o @svenskakyrkan campanhas contra #racismo e #HateSpeech #cecwacc2019 pic.twitter.com/Nags2cMcEz — Jim McDonnell (@jimmcdonnell) 11 de abril de 2019 ...

Ler artigo
Em direção a Karlsruhe.  Em nome da justiça climática

Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática

Logotipo da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) - 31 de agosto/ 8 de setembro de 2022, Karlsruhe Roma (NEV), 19 de agosto de 2022 – Estão em andamento os preparativos para a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que acontecerá de 31 de agosto a 8 de setembro em Karlsruhe, Alemanha. 4.500 pessoas de todo o mundo se reunirão sobre o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Um programa denso, acompanhado nas últimas semanas, mas também nos últimos meses, por inúmeras iniciativas preparatórias. Grande atenção é dada à questão das mudanças climáticas. O secretário-geral interino, padre Ioan Sauca, falou sobre isso em uma entrevista recente. Sauca destacou a importância do compromisso climático: “Se não mudarmos nosso comportamento, em 50 anos nosso planeta estará inabitável. Temos que agir agora." De fato, em vista da assembléia na Alemanha, o líder do Conselho Ecumênico pretende mobilizar ações pela justiça climática. É preciso cuidar da criação, disse. Na assembléia, ele acrescentou: “Os líderes serão solicitados a agir agora para cuidar de nosso planeta comum, a Terra”. A primeira plenária temática do encontro será realizada no dia 1º de setembro, dia em que as Igrejas de todo o mundo celebram o Tempo da Criação, período litúrgico celebrado em todo o mundo e que se inicia em conjunto com este importante evento global . “A ênfase na criação será muito destacada nesta primeira plenária – disse Sauca -. É uma questão teológica. O plano de Deus em Cristo era também a reconciliação e a cura de toda a criação”. Sauca também anunciou que haverá mensagens de líderes cristãos mundiais em Karlsruhe, incluindo o Patriarca Ecumênico Bartolomeu I e o Papa Francisco. A entrevista também fala sobre os esforços do CMI para colocar a questão da justiça climática na agenda global, desde a conferência do clima COP21 em Paris em 2015 até a COP26 em Glasgow em 2021, e em outros contextos institucionais e religiosos. O CMI, prosseguiu o secretário, “trata a criação não como uma questão de moda para o nosso tempo, mas como um elemento fundamental da sua própria identidade”. O WCC também é a única organização religiosa que teve presença permanente no processo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), observou Sauca, e esteve presente em todas as conferências climáticas das Nações Unidas desde a Cúpula da Terra do Rio de Janeiro em 1992 No entanto, o CEC desempenhou um papel importante ao destacar os perigos ao meio ambiente antes mesmo da cúpula do Rio, disse Sauca. E citou a Conferência Mundial de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Humano que lançou, em 1974, um apelo a uma "sociedade sustentável e justa". Em 1979, então, a conferência no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, já trazia alertas sobre as mudanças climáticas devido ao acúmulo de dióxido de carbono. Em torno da Assembleia de Karlsruhe há muitas questões em aberto: da Ucrânia aos outros conflitos em curso. Desde a decisão de não suspender a Igreja Ortodoxa Russa como membro do CMI, à denúncia da situação vista como “uma guerra ilegal e injustificável infligida ao povo e Estado soberano da Ucrânia”. Sobre Israel e Palestina, Sauca abordou muitas das questões existentes, e concluiu: “Esperamos que um dia estes dois povos possam coexistir no caminho da paz, da reconciliação, de uma paz justa”. A entrevista é editada por Stephen G. Browneditor da revista do CEC A Revisão Ecumênica. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=WwDWxboiIpg[/embed] Para saber mais Em torno de Karlsruhe… O livro de recursos, (Livro de Recursos) O Livro de Recursos é uma ferramenta útil para os participantes da Assembleia no local ou remotamente online de suas casas ou igrejas. Contém dados práticos essenciais, uma reflexão sobre o tema da assembleia, documentos e relatórios e um calendário de fácil consulta. Disponível em quatro idiomas. Disponível para download neste link: ...

Ler artigo
Por que somos bem-vindos – Nev

Por que somos bem-vindos – Nev

Roma (NEV), 20 de abril de 2022 – Os primeiros dias de acolhida às famílias ucranianas que chegaram da Polônia há poucos dias, por iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Ontem realizou-se o segundo encontro do curso de formação online dedicado às famílias e comunidades de acolhimento, "Acolher os que fogem da guerra". Maria Elena Lacquaniti com a jovem ucraniana e as duas crianças, acolhidas pelos batistas de Civitavecchia, à chegada a Roma Nós conhecemos Maria Elena Lacquanitibatista e membro da GLAM, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente da FCEI, membro da igreja batista de Civitavecchia que hospeda uma jovem mãe com dois filhos pequenos, recém-chegados a Roma na última quinta-feira. “Decidimos acolher – explicou – porque sempre o fizemos. Já há alguns anos recebemos em uma casa nossa um casal nigeriano, que acompanhamos em todas as suas dificuldades por cerca de dez anos, desde o desembarque em um navio em Civitavecchia, até 2020, quando se tornaram totalmente independentes”. Nigerianos como os dois meninos recentemente recebidos em Palermo pelo centro valdense La Noce, depois de terem sido rejeitados por uma família que se dispôs a acolher pessoas que fugiam da Ucrânia. Mas há alguma diferença? “Não há diferença, não pode haver. Infelizmente, porém, tenho percebido que existe uma forma de acolhimento com algumas ressalvas em função da cor da pele…”, acrescentou Lacquaniti. Quais são as expectativas e emoções do anfitrião? “Sinto-me tranquila, mas lembro-me sempre que estamos a receber pessoas que estão a sofrer, de desconforto grave, de emergência. Tampouco me preocupei quando quis recebê-lo em nossa casa, mesmo que pequena – concluiu -. Esperamos poder iluminar de alguma forma o futuro dessas pessoas”. A mãe e os dois filhos foram acolhidos em uma estrutura da igreja batista de Civitavecchia e toda a comunidade está envolvida no processo de acolhimento. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.