Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2021 – Em 3 de janeiro de 1521, com a bula Decet Romanum Pontificem, Martinho Lutero (1481-1546) é excomungado por Leão X. A acusação é de heresia. Reunimos aqui várias contribuições sobre a história e atualidade do pensamento de Lutero, quinhentos anos depois dessa data.

Os quinhentos anos da Reforma foram celebrados em todo o mundo com inúmeras iniciativas em 2017: muitos eventos para comemorar as 95 teses que em 31 de outubro de 1517 Lutero afixou no portal da igreja do castelo de Wittenberg, iniciando assim a Reforma.

A Federação Luterana Mundial (WLF) e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPCU) concordaram, inter alia, durante sua reunião anual conjunta realizada em Genebra em janeiro do ano passado, para comemorar conjuntamente o 500º aniversário da excomunhão de Lutero, que ocorreu em 1521. O Secretário Geral da FLM, Martin Junge e o Presidente do PCPCU, Kurt Kochco-presidiu a reunião no FLM Communion Office.

“No espírito do compromisso de continuar trabalhando para passar do conflito à comunhão, o evento conjunto se concentrará nos importantes desenvolvimentos ecumênicos dos últimos tempos. Será delineado como o caminho ecumênico das últimas décadas permitiu relacionar um momento doloroso da história com abertura ao dom da unidade, pelo qual luteranos e católicos continuam a rezar e trabalhar”, escrevem os promotores.

Para expressar esta abertura ecumênica, será celebrado um serviço litúrgico em 25 de junho de 2021 em Roma, em antecipação ao 500º aniversário da Confissão de Augsburgo, apresentada naquela data, em 1530.

Aqui oferecemos um pequeno texto de Lutero, divulgado nas redes sociais nos últimos meses, que pareceu profético para muitos, a respeito da pandemia em curso:

“Vou pedir a Deus, por misericórdia, para nos proteger. Depois vou desinfetar com fumaça, para ajudar a purificar o ar, dar remédios e tomá-los. Evitarei lugares e pessoas onde minha presença não seja necessária, para não ser contaminado e não colocar em perigo outras pessoas, para não causar sua morte por negligência minha. Se Deus quiser me levar, certamente me encontrará e terei feito o que Ele esperava de mim, sem ser responsável nem pela minha própria morte nem pela morte dos outros. Se meu vizinho precisar de mim, não evitarei lugares ou pessoas, mas irei livremente como mencionado acima. Veja, é uma fé temente a Deus, porque não é impetuosa nem temerária e não tenta a Deus”.

Da Riforma destacamos o artigo de Paulo Ribet no livro “Relendo a Reforma. Estudos sobre a teologia de Lutero”, publicado por Claudiana em 2020.

No site da igreja luterana na Itália, vários insights e leituras.


Em abril de 1521, o imperador Carlos V convidou Lutero para a Dieta Imperial em Worms para interrogatório. O Eleitor da Saxônia, Frederico, o Sábio, obteve salvo-conduto para Lutero. Quando perguntado se queria revogar seus escritos, Lutero respondeu que não, a menos que eles provassem que ele estava errado com base na Sagrada Escritura e termina seu discurso com as famosas palavras: “Aqui estou. Eu não posso de outra forma. Deus me ajude. Amém”. No caminho de volta de Worms, Frederico, o Sábio, salva sua vida, sequestrando-o com um falso assalto e escondendo-o no castelo “Wartburg” sob o nome de Junker Jörg, onde Lutero traduzirá o Novo Testamento do grego para o alemão. Até 1534 traduziu toda a Bíblia, base importante tanto para o luteranismo quanto para a língua alemã. Nos anos seguintes, ele delineou sua posição, enquanto em 1525 se desenvolvia a Revolta dos Camponeses.

Leia mais sobre a biografia de Lutero aqui.

Aqui a apresentação do livro do professor Paulo ricoDe monge a marido” que contém a tradução de dois escritos de Martinho Lutero sobre casamento e vida familiar.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Lei de habilitação aprovada sobre não auto-suficiência

Lei de habilitação aprovada sobre não auto-suficiência

A disposição, prevista no PNRR, surge na sequência de um processo iniciado em 2021. “Uma lei fortemente promovida e para a qual contribuiu o Pacto de Não Autossuficiência, que inclui também a Diaconia Valdense”, escreve Massa. A lei prevê a aprovação até janeiro de 2024 dos decretos de execução, que dizem respeito a todos os aspetos da assistência aos idosos, incluindo as questões do envelhecimento ativo. Prevê-se ainda um comité interministerial, instrumentos de articulação entre o Estado, a Região e os Municípios, o acesso único aos serviços e a activação de intervenções e serviços desde a assistência domiciliária à assistência residencial (RSA). “Os princípios também afirmam o tema, que nos é caro, do direito do idoso de determinar suas escolhas de vida e cuidado: questão a ser acompanhada no processo que terão os decretos delegados. O problema da abrangência econômica da reforma permanece em aberto, e certamente não é pequeno: a lei exige recursos adicionais, que atualmente faltam: sem esses recursos, a própria lei correria o risco de ficar paralisada – conclui Massa -. Uma prioridade política, até porque envolve 10 milhões de pessoas, entre utentes, operadores e familiares. Um sinal importante sobre isso será a lei orçamentária de 2024, que terá que dar as primeiras respostas”. ...

Ler artigo
Novo corredor humanitário do Líbano

Novo corredor humanitário do Líbano

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) Roma (NEV), 25 de março de 2022 – Enquanto o drama da guerra na Ucrânia está em curso, os corredores humanitários continuam a salvar os refugiados vítimas de outro conflito que dura mais de 11 anos, o da Síria. Um caminho de salvação que se mostra ainda mais importante neste momento diante da atual e grave crise internacional. 85 refugiados sírios que vivem há muitos anos em campos de refugiados no Vale do Bekaa e no norte do Líbano e que nos últimos meses sofreram um agravamento das suas condições de vida não só devido à pandemia mas também à gravíssima situação política, económica e social crise que este país atravessa. A este primeiro grupo juntar-se-ão mais 20 pessoas, cuja chegada está prevista para 28 de março, num total de 105 pessoas. Entre eles, 38 são menores de idade: algumas crianças doentes para as quais o tratamento não é mais garantido no Líbano e jovens que nunca puderam frequentar a escola nos últimos anos. Antes da partida, todos os refugiados receberam a vacina anti-Covid 19 graças ao corpo médico e de enfermagem da Defesa, que trabalham no país sob a coordenação do Comando Operacional da Cúpula de Forças Conjuntas (COVI).. Sua entrada na Itália foi possível através dos corredores humanitários promovidos pela Comunidade de Sant'Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Tavola Valdese, em acordo com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores, que desde fevereiro de 2016 trouxeram em nosso país mais de 2150 pessoas. Ao todo, mais de 4.400 requerentes de asilo chegaram à Europa pelos corredores humanitários. As famílias que chegaram esta manhã serão também acolhidas por associações, freguesias, comunidades e cidadãos individuais em várias regiões italianas (Piemonte, Lombardia, Vêneto, Emília, Toscana, Lazio, Sicília) e será lançado em um caminho de integração: para menores através de matrícula imediata na escola e para adultos, imediatamente com'aprendizagem da língua italiana e, uma vez obtido o estatuto de refugiado, entrada no mundo do trabalho. Os corredores humanitários, inteiramente autofinanciados (a partir da arrecadação de Sant'Egidio e dos 8 por mil da Mesa Valdense) e criados graças a uma ampla rede de acolhimento, representam um Melhores Práticas para todos aqueles que são forçados a deixar suas casas para escapar do horror das guerras que combinam solidariedade e segurança. Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, declarou: “Novas emergências e abertura de novas frentes não eliminam as consequências de outras tragédias e não atenuam a necessidade de apoiar aqueles que buscam em outro lugar novas chances de vida ou mesmo de sobrevivência. Este é o sentido da chegada de refugiados da Síria, pelo sempre ativo corredor humanitário do Líbano”. ...

Ler artigo
17 de maio, Dia Internacional contra a omobilesbotransfobia

17 de maio, Dia Internacional contra a omobilesbotransfobia

Foto tirada de Roma (NEV), 10 de maio de 2023 – 17 de maio é o Dia Internacional de Luta contra a Homobilesbotransfobia. Várias iniciativas e vigílias em toda a Itália também envolverão as igrejas. Uma liturgia foi elaborada pela Comissão Batista, Metodista e Valdense "FeGeSe - Fé, Gênero e Sexualidade", em colaboração com a Rede Evangélica Fé e Homossexualidade (REFO). O versículo escolhido este ano foi retirado do Evangelho segundo Mateus 10,40: “Quem vos recebe, a mim me recebe, e quem me recebe, acolhe aquele que me enviou”. Este versículo da Bíblia une todas as vigílias e cultos de superação da homotransfobia que acontecerão no mês de maio de 2023. Na apresentação da documentação litúrgica (que contém leituras bíblicas, orações e hinos), lemos: "Como se sabe, em 17 de maio de 1990 a Organização Mundial da Saúde (OMS) eliminou a homossexualidade da lista de doenças mentais, mas, apesar disso, demorou faltam ainda quatro anos para a decisão se tornar operacional, com a posterior edição do Dsm (Manual Diagnóstico e Estatístico das Perturbações Mentais, 1994). Em 2007, na sequência de algumas declarações das autoridades polacas contra a comunidade LGBT, a União Europeia instituiu oficialmente o dia contra a homofobia no seu território”. Precisamente neste período em que se tenta limitar severamente os espaços democráticos, e no campo dos direitos civis há um fechamento cada vez mais forte às famílias homoafetivas, negando direitos adquiridos para o reconhecimento dos filhos nascidos em famílias homoafetivas, pedimos a todos vocês pastores, pastoras e comunidades que organizem reuniões, vigílias, cultos no dia da luta e contraste com a homossexualbotransfobia porque amor é amor e todos somos filhas e filhos de Deus independente de gênero e orientação sexual . O acolhimento e a inclusão são fundamentais para a vida cristã. Assinado fraternalmente e fraternalmente em Cristo pelo coordenador Daniela di Carlo e pelo coordenador Jorge Rainellia liturgia está à disposição de todas as igrejas e interessados ​​(para informações: [email protected]). “É um texto que convida as igrejas à inclusão. Vivemos um momento difícil e complexo onde cresce a discriminação combinada com o ódio social - escreveu o presidente da União Evangélica Batista Cristã da Itália João Paulo Arquidiácono em carta de apresentação às igrejas –. Aqueles que experimentam medos, discriminações e obstáculos odiosos no acesso a direitos em vários contextos sociais (família, escola, redes sociais, trabalho) todos os dias precisam ser reconhecidos precisamente no contexto em que vivem. Isso possibilita a resiliência, ou seja, a possibilidade de uma resistência não violenta e positiva para o bem-estar da sociedade e ao mesmo tempo a valorização da pessoa nas diversas relações humanas”. Entre as nomeações, destacamos: domingo 14 de maio Vigílias contra a homotransfobia. A igreja cristã e metodista de Vomero e a igreja valdense de Nápolesjuntamente com a Federação da Juventude Evangélica da Itália (FGEI), convidam para o culto dominical contra a homofobia e a transfobia em suas respectivas igrejas. Milão. 10h30, culto dominical contra a homotransfobia na igreja batista da Via Pinamonte. Terça-feira, 16 de maio “Quem vos acolhe, acolhe-me a mim”. Génova, 20h45, igreja de San Pietro in Banchi na Piazza Banchi. Vigília de oração pela superação da homofobia, transfobia e intolerância com Pe. Gianni Grondona, Vigário Episcopal da Arquidiocese de Gênova; Haim Cipriani, rabino; Lino Gabbiano, pastor batista; William Jourdan, pastor valdense; padre Marco Torre e padre Stefano Curotto da diocese de Chiavari. Promove o Grupo Bethel de Cristãos LGBTQ+ com o apoio da coordenação Liguria Rainbow. quarta-feira, 17 de maio “Não existe macho nem fêmea”. Turim, 21h, templo valdense em Corso Vittorio. A Igreja Valdense com Arcigay Turin Ottavio Mai e Turin Pride, noite de testemunhos. Descarregue aqui o folheto. Assistir. Trieste, 19h45 na Igreja Evangélica Metodista e Valdense em Scala dei Giganti, 1 perto da Piazza Goldoni. Vigília ecumênica de oração e música pela celebração da diversidade, para ajudar a construir uma sociedade plural. Organizado pela Associação Progetto Rùah, cristãos LGBT de Friuli Venezia Giulia e Veneto Oriental. “Quem vos acolhe, acolhe-me a mim”. Alexandria21h, na Igreja Evangélica Metodista de C.so Borsalino 24. Vigília pela superação da homotransfobia. Assistir. Gravina na Puglia, 19h, na Igreja Batista Evangélica Cristã na via Alcide De Gasperi 20h. "Coloco o meu arco na nuvem e ele servirá de sinal da aliança entre mim e a terra" (Gênesis 9:13) domingo 21 de maio Culto de domingo contra a homotransbifobia. Milão10h45, na Igreja Valdense. sábado, 27 de maio Vigília que reúne os diversos grupos, crentes homossexuais da Igreja Católica, escoteiros e igrejas evangélicas. Nápoles, 18h, igreja valdense na via dei Cimbri. No próximo ano, por alternância, será realizada na igreja católica. Outros agendamentos AQUI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.