“Decálogo Social” de Peter Ciaccio, para uma netiqueta pastoral

“Decálogo Social” de Peter Ciaccio, para uma netiqueta pastoral

Roma (NEV), 11 de dezembro de 2019

Sempre lute contra o mal com o bem e nunca saia do campo de batalha.

Verifique se o que você compartilha é verdadeiro. Sempre.

Postar imagens violentas não necessariamente gera indignação, mas está se acostumando cada vez mais com a violência. Preste especial atenção ao que diz respeito aos menores.

Lembre-se do dia de descanso.

Não exploda as pessoas.

Não alimente o troll.

Qualquer coisa que você disser pode e será usada contra você.

Releia antes de postar. Reflita sobre o que você faz.

Você não poderá provar que é diferente de como as postagens que você mesmo compartilhou o descrevem.

Lembre-se que a Web não esquece.

Esses são os “dez mandamentos” para o uso correto das redes sociais propostos pelo pastor Pedro Ciaccio. Uma espécie de netiqueta pastoral, que nos lembra de usar o bom senso, mas também de adotar estratégias prospectivas e responsáveis ​​em uma época em que o discurso de ódio e o uso indevido de palavras correm o risco de causar danos reais. Não é de forma alguma uma dimensão “virtual”, segundo Ciaccio, aquela que nos faz passar horas e horas do nosso tempo online, talvez conversando ou comentando, colocando em jogo nossas identidades, nossas emoções e nossos relacionamentos. Em vez disso, é uma dimensão real, que transformou a conversa de bar em um “agorà” onde todos têm o direito de falar, sempre. Ainda bem que o direito à palavra é uma conquista, mas enquanto na dimensão do bar um discurso de ódio pode ficar limitado a algumas vozes e a alguns ouvidos, acabando por vezes no ridículo ou escaramuça, amplificando o seu impacto nos riscos das plataformas web envenenar o diálogo civil e transformar opiniões.

A censura, argumenta Ciaccio, é outra coisa, e tem a ver com as ações repressivas de uma autoridade ou de um Estado. Não deve ser confundido com a decisão de moderar e administrar os exércitos descontrolados de trolls que frequentemente invadem sites e nossas páginas pessoais na rede. Os trolls, que roubaram o nome daquelas fofas criaturas dos bosques da mitologia escandinava, têm como único objetivo alimentar um discurso violento, um conflito por si só. Pode ser bom silenciá-los.

Concluindo, com citações cinematográficas e digressões entre a antiguidade e a modernidade, Ciaccio sublinhou que “as palavras são importantes”.

O “novo decálogo” faz parte de uma apresentação compartilhada durante o encontro sobre a comunicação social e seus aspectos éticos intitulado “Social, como muda o sistema de informação” realizado na quinta-feira passada em Roma e promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). A reunião, coordenada pelo secretário do serviço de comunicação da FCEI Gianfranco Carpente e o Secretário Executivo, Pr. Luca Barattotambém contou com a participação do jornalista da Ansa Vancini vitoriano. Entre os presentes e convidados estavam representantes da Mesa Valdense e da Obra pelas Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), que acolheram a iniciativa, do Exército da Salvação (EdS), da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI), da da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) e dos escritórios metodistas e valdenses Otto per mille, além de colegas da comunicação protestante, da agência NEV e da revista Confronti; em conexão skype, as redações de Turim e Nápoles da Riforma e da Rádio Beckwith da Torre Pellice.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Junto.  Cultura, poder, palavra de Deus sobre ministério feminino

Junto. Cultura, poder, palavra de Deus sobre ministério feminino

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2019 - O Departamento de Teologia da União das Igrejas Evangélicas Batistas na Itália (UCEBI) preparou um dossiê que contém as traduções de algumas das intervenções mais significativas da Conferência Teológica Batista Internacional (BICTE), que decorreu no passado mês de julho em Nassau (Bahamas). A delegação italiana, composta pela pastora Silvia Rapisarda e a pastora Cristina Arquidiáconasupervisionou a seleção e edição dos textos. "Com este dossiê - dizem - queremos encorajar as igrejas a iniciar ou aprofundar o compromisso e a reflexão sobre o quanto as interpretações culturais e de poder da Palavra de Deus têm produzido discriminação e negação da vocação ao ministério de muitos mulheres, desfigurando assim a imagem de Deus. Idealmente, nos colocamos em continuidade com os materiais oferecidos até agora pelos movimentos de mulheres e com a consciência cada vez maior dos homens de que é necessário partir da própria experiência para dar lugar à Palavra de Deus que chama todos a segui-lo". A reunião de Nassau contou com a participação de mais de duzentos homens e mulheres de todo o mundo. O dossiê contém a tradução de algumas das principais intervenções: a de Molly Marshall, professor de teologia e presidente do Central Baptist Theological Center (EUA), que abriu a plenária com uma palestra sobre a transformação da identidade e prática das igrejas a partir da plena inclusão da mulher na pastoral; que de Paul Fiddes, teóloga britânica, que realizou uma reflexão sobre o "Lugar da mulher na eclesiologia batista" a partir das confissões de fé dos batistas no século XVII; a do teólogo francês Valerie Duval-Poujolprofessora de Grego Bíblico, membro do comitê executivo da Conferência Européia de Igrejas (KEK), que destacou como as traduções da Bíblia condicionaram e ainda condicionam o reconhecimento do papel da mulher nas igrejas. E novamente o texto do pastor André Bokundoa-Bo-Likabe, da República Democrática do Congo, que reflete sobre o contexto atual no Congo, onde a missão coincidiu com a colonização. “ O dossiê contém ainda a Agenda de Reconhecimento do Ministério Feminino, aprovada pela Assembleia Anual da Aliança Batista Mundial, realizada logo após o BICTE, e os Princípios e diretrizes das relações intrabatistas. Este último documento registra a diversidade constitutiva dentro das Igrejas batistas e entre elas, e testemunha o compromisso de escutar uns aos outros em vista do caminho comum. Baixe o arquivo AQUI. ...

Ler artigo
Mesa Inter-religiosa de Roma.  Concurso para um “quarto de silêncio” no hospital

Mesa Inter-religiosa de Roma. Concurso para um “quarto de silêncio” no hospital

Roma (NEV), 13 de julho de 2017 – Até 10 de outubro de 2018, há tempo para enviar solicitações para a criação de espaços de meditação, silêncio e oração abertos a todas as religiões nos hospitais San Filippo Neri e Santo Spirito de Roma. O concurso, em parceria com a Mesa Inter-religiosa de Roma, que há vinte anos se empenha em difundir uma abordagem multicultural e inter-religiosa, conta com a colaboração da Ordem dos Arquitetos de Roma e da Província. “A iniciativa surge no seguimento da particular atenção que a ASL Roma 1 dedica à humanização dos cuidados hospitalares, e à participação das associações de voluntariado e confissões religiosas na melhoria do acolhimento e respeito pelos direitos das pessoas”, lê-se no comunicado ontem divulgado. A participação no concurso está reservada a arquitetos e engenheiros da União Europeia, incluindo juniores, devidamente inscritos nos respetivos registos profissionais. A Mesa Inter-religiosa de Roma foi estabelecida em 2001 com um memorando de entendimento entre a Coordenação das Igrejas Valdenses, Metodistas, Batistas, Luteranas e Sanitárias de Roma juntamente com a Prefeitura de Roma, a comunidade judaica de Roma, o Centro Cultural Islâmico da Itália , Fundação Maitreya da União Budista Italiana, da União Hindu Italiana e da comunidade Ortodoxa Romena. Baixe o edital. ...

Ler artigo
24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

Foto: Dea / Scala, Florença - tirada de Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – Em 24 de agosto de 1572 “Paris acordou – supondo que qualquer um dos seus habitantes pudesse ter dormido – num banho de sangue. De facto, durante a noite começou uma terrível carnificina que continuaria durante os três dias seguintes e que em pouco tempo se espalharia por outras cidades do reino de França”. José Javier Ruiz Ibáñez escreve na National Georaphic Storica. A rainha-mãe, a católica Caterina de' Medici, foi responsabilizada pelo massacre, também conhecido como "massacre de San Bartolomeo". Perguntamos ao pastor Rio Emanuelque entre outras coisas possui doutorado em história da igreja em Zurique, para comentar este dramático momento histórico. O contexto do massacre é o de dois lados opostos, o católico da família Guise e o calvinista em torno de Antonio di Borbone-Vendôme e do almirante Gaspard de Coligny. Catarina concorda em casar sua filha Margarida de Valois com o jovem protestante Henrique de Bourbon, rei de Navarra, na esperança de dar estabilidade à Coroa. Nos dias de festa, Coligny é ferido numa tentativa de assassinato. Na mesma noite os portões da cidade são fechados e o massacre começa. Coligny é morto, seu cadáver jogado pela janela, decapitado e arrastado pela rua. O Papa Gregório XIII, após o massacre, canta uma Te Deum ação de graças a São Luís dos Franceses. “Um dos elementos mais evidentes é representado pela traição da hospitalidade – disse Fiume -. A festa de casamento que se torna um massacre. Segue-se um banho de sangue, com os habitantes da cidade procurando os huguenotes para matá-los. Como na Conspiração Pazzi, ou em outros momentos históricos, por um dia a cidade está pingando sangue, mas no dia anterior e no dia seguinte tudo continua igual. É o que Sandro Pertini descreve como “indigno” do ser humano. O massacre de San Bartolomeo é uma expressão da bestialidade e do fracasso da diplomacia. Medo, sentimentos monárquicos e antimonárquicos se entrelaçam e afundam qualquer tentativa de conciliação – veja-se os Colóquios de Poissy, com a rainha regente que compara o general jesuíta Giacomo Laynez, sucessor de Santo Inácio, e Teodoro de Beza. Este episódio de hoje diz-nos que, antes de mais, não devemos esquecer. Se aconteceu, pode acontecer, temos visto episódios de massacres populares, ainda na ex-Iugoslávia. Certa fúria da multidão não se supera, sejamos cautelosos. O massacre dos huguenotes é uma página pouco conhecida, mas os massacres ainda estão aí, estão noutros lugares, mas acontecem. Poderíamos dizer que não foi apenas um conflito de religião, mas também um confronto entre diferentes formas e concepções de poder, numa época em que a reforma calvinista não era a verdadeira novidade, ou seja, o absolutismo, mas queria em certo sentido preservar de privilégios locais num sentido mais “federalista”, com a França de parlamentos locais. É uma textura cultural internacional que o calvinismo, tendo provocado imediatamente um deslocamento das elites devido à perseguição, criou muito cedo. Pode-se ver nele um projeto já europeu, que é percebido como uma ameaça, porque traz uma outra forma de ver as coisas. Do outro lado estava uma dinastia enfraquecida, que resistia à decadência. Um Valois casando-se com um Bourbon torna-se o momento crítico, após o qual, enquanto a paz é feita, a guerra é feita. Numa visão da realidade reconciliada teria então existido um rei protestante... mas a história diz-nos, em vez disso, vemos isso na iconografia de pessoas despedaçadas e atiradas ao Sena, no início dos pogroms locais, que se repete em Lyon e outros lugares, com a caça aos huguenotes. Portanto, ainda hoje precisamos estar vigilantes, porque a história nos ensina como é fácil passar da paz à guerra, da celebração ao derramamento de sangue”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.