Entre o leste e o oeste.  Mulheres transformam relacionamentos construindo pontes

Entre o leste e o oeste. Mulheres transformam relacionamentos construindo pontes

Roma (NEV), 9 de junho de 2021 – O Observatório Inter-religioso sobre a violência contra as mulheres (OIVD) apresenta a dupla consulta intitulada: “Entre o Oriente e o Ocidente. Mulheres que transformam relacionamentos construindo pontes”. Começa hoje, 9 de junho. Segunda reunião em 16 de junho.

“Teremos dois bons momentos de diálogo elaborados pelo grupo de trabalho OIVD ‘Os inter-religiosos entre nós’ – explicam os organizadores -. Elas surgem após uma longa discussão, que identificou afinidades e diferenças sobre os fundamentos comuns do ser mulher de fé. Para esses encontros, escolhemos descobrir juntos a história e o trabalho de duas figuras femininas autoritárias e comprometidas”.

Aqui está o programa proposto pelo grupo inter-religioso, que é formado por mulheres de diferentes tradições religiosas (cristãs protestantes – luteranas, metodistas, valdenses, batistas, adventistas, pentecostais -, católicas, ortodoxas, judaicas, islâmicas, hindus, budistas).

9 de junho de 2021 às 17h30

Conhecemos e apresentamos Mahérzia Labidi-Mai¨za (Hammamed 1963 – Paris 2021)

Intelectual tunisiana, engajada no diálogo inter-religioso, que promoveu os direitos das mulheres na Assembleia Constituinte pós-revolução. Enviado por Chiara Sebastianiem diálogo com Frances Barbano.

16 de junho de 2021 às 17h30

Conhecemos e apresentamos Ayya ​​​​Khema (Berlim 1923 – Uttenbühl 1997)

Monja budista, de origem judaica, que revitalizou a ordem monástica feminina, proporcionando às mulheres energia positiva e perspectivas de vida. Enviado por Maria Ângela Falaem diálogo com Paula Morini.

Para acesso à plataforma zoom, solicite o link para: [email protected]


Abaixo o folheto:

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Em Milão, uma oração ecumênica para anunciar a ressurreição

Em Milão, uma oração ecumênica para anunciar a ressurreição

Roma (NEV), 11 de abril de 2020 - “Para homenagear as vítimas da epidemia e, ao mesmo tempo, transmitir uma mensagem de esperança às suas famílias e a todas as várias comunidades além das diferenças confessionais”. Este é o significado da oração ecumênica que aconteceu esta manhã às 12h no monumental cemitério de Milão. Três vozes que ressoam no silêncio: a do arcebispo de Milão, mons. Mário Delpinida pastora valdense Daniela DiCarlo e do pai ortodoxo Traian Valdman, vigário emérito da diocese italiana da Igreja Ortodoxa Romena. O vice-prefeito também esteve presente Anna Scavuzzoe o vereador dos serviços cívicos Robert Coco. “Estamos aqui, cristãos de diversas confissões, para dizer palavras que ainda hoje parecem um absurdo”, disse Mons. Mário golfinhos referindo-se à história do Evangelho em que as piedosas mulheres que anunciam a ressurreição são acusadas de "delirar" (Lucas 24:11). "Neste momento trágico para a cidade e para todo o planeta - continuou Delpini - encontramos o anúncio essencial, a verdade que nos une, e nos faz dizer juntos uma palavra inaceitável e necessária, escandalosa e libertadora: Morte, foste derrotada !" Pastor DiCarlo Que este período de isolamento forçado “seja uma oportunidade para repensar e avaliar nossa sociedade, nossos estilos de vida, nossa bela cidade e também o trabalho de nossas igrejas”, disse o pároco Daniela Por Charles. Claro, "como cristãos não podemos dizer uma palavra definitiva, hoje, sobre o motivo da pandemia", precisou o pastor, que citou tanto "o uso predatório e perverso da natureza" quanto "as mutações devastadoras da vida de vírus que vão além da manipulação humana. “Como cristãos – continuou Di Carlo – somos sempre capazes de anunciar a graça que temos em Cristo. Portanto, não percamos a alegria da fé que é aprender a viver com a despedida que dissemos aos que nos deixaram por causa da pandemia, com a oração por aqueles que estão nos hospitais por trabalho ou porque estão doentes, e com a possibilidade de comunicação entre nós de novas maneiras.” “Celebramos a Páscoa do Senhor, a maior festa cristã; fortaleçamos a esperança e vivamos como ressuscitados”, foi a exortação do padre Traian Valdman que continuou: "Mesmo durante a pandemia do Coronavírus, o dia da Ressurreição é um dia de alegria, de reconciliação, de esperança, de solidariedade". [embed]https://www.youtube.com/watch?v=WDkf72s1XSY[/embed] ...

Ler artigo
Coronavírus, as Igrejas valdenses e metodista alocam 8 milhões de euros

Coronavírus, as Igrejas valdenses e metodista alocam 8 milhões de euros

foto de Milada Vigerova, www.unsplash.com Roma (NEV), 19 de março de 2020 - Oito milhões de euros para a emergência do coronavírus das Igrejas Valdense e Metodista. "As Igrejas valdenses e metodistas - lê-se em nota publicada há poucos minutos, hoje, 19 de março, no site chiesavaldese.org - e suas organizações de serviço social, educacional, cultural participam plenamente dos sofrimentos e preocupações, mas também da disposição partilhar esperanças e as melhores expressões de solidariedade que atravessam a vida do país em todas as suas componentes neste momento de emergência, com um olhar particularmente atento às realidades mais vulneráveis ​​e marginais. A Mesa Valdense, sentindo, para as igrejas que representa, a responsabilidade de contribuir mesmo com meios extraordinários para o compromisso direto de enfrentar a crise sanitária, social e econômica produzida pela propagação do vírus Covid-19, decidiu destinar 8 milhões euros , obtidos dos fundos Otto per mille atribuídos anualmente às Igrejas Valdenses e Metodistas, para a constituição de um Fundo especial destinado a este fim. La Tavola já está empenhada na avaliação criteriosa de linhas de ação e intervenção sérias, críveis e prospectivas, que exigem escolhas sem pressa e sem emoção, a serem confrontadas com assuntos institucionais e órgãos do terceiro setor. Estas linhas de ação seguirão duas direções: a primeira se concentra nas necessidades imediatas e urgentes, especialmente do tipo saúde, para as quais já estão fluindo muitos recursos, generosamente disponibilizados por indivíduos, fundações e outras organizações de caridade e para as quais , portanto, mantenham-se atentos à evolução da situação, sobretudo nas zonas do país que se apresentam mais frágeis e menos apetrechadas para fazer face à emergência. A segunda diretriz diz respeito à necessidade de recuperação para além da emergência, considerando o que ainda não se vê: os abismos de privação, exclusão e empobrecimento em que cairão as categorias sociais mais expostas às consequências do bloqueio prolongado das atividades produtivas e das redes sociais de apoio e das escolhas de redistribuição de recursos humanos e financeiros impostas nos últimos meses pelas medidas adotadas para conter o contágio". ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.