Pela paz e por 100 mil jovens, funcionalismo público apela às forças políticas

Pela paz e por 100 mil jovens, funcionalismo público apela às forças políticas

Foto retirada de www.facebook.com/cnescserviziocivile

Roma (NEV), 12 de setembro de 2022 – “Singularidade, universalidade e voluntariedade”. Estes são os elementos essenciais da Segunda Função Pública Laura Milani, presidente da Conferência Nacional das Entidades da Função Pública (CNESC). A Diaconia Valdense (Comissão Sinodal para a Diaconia-CSD) também adere ao órgão. Ao todo, o CNESC reúne 7.171 organizações sem fins lucrativos e 247 órgãos públicos.

O CNESC emitiu um comunicado de imprensa de apelo às forças políticas. Fê-lo no dia seguinte ao concorrido Festival Nacional, realizado em Roma nos dias 9 e 10 de setembro para celebrar os 50 anos de objeção de consciência ao serviço militar.

Entre as reivindicações do CNESC, está a de universalizar verdadeiramente o Serviço Público, garantindo a experiência a pelo menos 100.000 jovens por ano. Mas sem obrigatoriedade, o que contrariaria a natureza da livre participação cívica.

O CNESC quis ainda sublinhar “o quadro de valores da Função Pública Universal, vocacionada para a defesa civil, não armada e não violenta da Pátria”. Entre as propostas, a de apostar em inovações e experiências que respondam “aos desafios do tempo presente. Em termos concretos, isso significa reiterar o papel do funcionalismo público, na Itália e no exterior”. A Função Pública é “uma ferramenta para a construção da paz positiva, promoção dos direitos humanos, inclusão social, bem-estar para todos”. A sua valorização pode contribuir, escreve o CNESC, para “a prossecução dos objetivos da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável e, em particular, do objetivo 16 ‘Paz, justiça e instituições sólidas’”. Entre outras coisas, o CNESC pede para “dar continuidade à experimentação do Corpo de Paz Civil, como uma ferramenta específica e insubstituível para a prevenção de conflitos armados e violência”.

A mesma Diaconia Valdense, por sua vez, no último dia 6 de setembro dirigiu 30 perguntas aos partidos e candidatos. As questões dizem respeito a cinco áreas de intervenção, nas quais a Diaconia sempre esteve envolvida: trabalho, saúde, meio ambiente, idosos e migrantes.


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Síria.  Oração pela paz

Síria. Oração pela paz

Roma (NEV), 16 de outubro de 2019 - "Bem-aventurados os que trabalham pela paz, porque serão chamados filhos de Deus!" (Mt 5.9). Com este versículo as igrejas evangélicas de Roma convocam uma vigília de oração pela situação síria: “os ventos da nova guerra na Síria, as muitas guerras escondidas e esquecidas estão questionando as irmãs e irmãos das igrejas evangélicas de Roma”. A angústia pelo que está acontecendo e o ressurgimento da violência levaram as igrejas a convocar um momento de oração comum pela paz: “Vivemos um momento de grande preocupação. As ações militares não atingem apenas os mais fracos, não apenas destroem cidades e povos, mas alimentam a semente da violência e da força em toda a humanidade, criando desequilíbrios que se propagam no futuro com novas formas de pobreza, migrações… Deus da paz para nos dar a paz". O compromisso é para a próxima sexta-feira, 18 de outubro, a partir das 19h30, na igreja valdense da Piazza Cavour. "Vigiai porque ouviremos juntos a Palavra como crentes no mesmo Senhor da paz, oração para que a paz nos seja dada". ...

Ler artigo
“tristeza e consternação” pelo Conselho Mundial de Igrejas

“tristeza e consternação” pelo Conselho Mundial de Igrejas

Foto de Dennis Jarvis/FLM Roma (NEV), 23 de julho de 2020 – No momento em que as primeiras orações estão em andamento na recém-transformada mesquita de Santa Sofia, o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) destacou mais uma vez na página inicial de seu site a carta que Ioan Saucasecretário-geral interino, enviado em 11 de julho ao presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan expressando "tristeza e consternação" dos membros do CMI por sua decisão de converter Hagia Sophia em uma mesquita. Desde 1934 "Hagia Sophia tem sido um lugar de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e religiões", diz a carta, que também acrescenta que tem sido uma "expressão poderosa do compromisso da Turquia com o secularismo e a inclusão e seu desejo de deixar para trás os conflitos do passado”. Sauca escreve: “Sinto-me obrigado a transmitir a você a dor e a consternação do Conselho Mundial de Igrejas e de suas 350 igrejas-membro em mais de 110 países, representando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo, na etapa que você acabou de realizar: ao decidir reconverter Hagia Sophia em mesquita, você inverteu aquele sinal positivo da abertura da Turquia e o transformou em um sinal de exclusão e divisão”. “Ao longo dos anos – continuou Sauca -, o CMI tem feito grandes esforços para apoiar o engajamento ativo de suas igrejas no diálogo inter-religioso, a fim de construir pontes de respeito mútuo… entre as diferentes comunidades religiosas (…) e pronunciado em defesa e em apoio de outras comunidades religiosas, inclusive muçulmanas, para que seus direitos e integridade sejam respeitados". Transformar um "lugar emblemático" como a Hagia Sophia de museu em mesquita "criará inevitavelmente incerteza, suspeita e desconfiança, minando todos os nossos esforços para reunir pessoas de diferentes religiões à mesa do diálogo e da cooperação". O CMI também teme que a decisão "encoraje as ambições de outros grupos que buscam derrubar o status quo existente e promover novas divisões entre as comunidades religiosas". AQUI a carta completa. ...

Ler artigo
O dia em que o mundo disse não à guerra

O dia em que o mundo disse não à guerra

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – “As manifestações antiguerra deste fim de semana nos dizem que podem restar duas superpotências no planeta: os Estados Unidos e a opinião pública mundial”. Foi assim que o New York Times descreveu a onda de 110 milhões de pessoas que saíram às ruas em 15 de fevereiro de 2003 em todo o mundo, de acordo com seu próprio fuso horário, para se manifestar contra a guerra iminente no Iraque. “Uma superpotência de que o mundo ainda precisa”, disse ele Alfio Nicotraco-presidente da associação "Un ponte per", na abertura da conferência "Deserto a terceira guerra mundial em pedaços" - realizada em Roma na igreja metodista na via XX Settembre por iniciativa de "Un ponte per" e o “Rete paz e desarmamento” – que com exatos vinte anos quis relembrar aquelas manifestações para tentar refletir sobre o presente. Chris Nineham “Depois o movimento pacifista viu-se em ligação com a maioria da população mundial, propondo uma análise partilhada da realidade e uma clara rejeição da guerra”, recordou Chris Nineham, por Stop the War Coalition, via link de vídeo de Londres. Um contexto muito diferente do atual em que “a análise da guerra na Ucrânia é controversa e não há consciência de que o Ocidente segue uma política de guerra que se faz passar por uma luta de libertação”. “As manifestações de 2003 não impediram a guerra, mas certamente a detiveram. Os governos sabiam que estavam sob o escrutínio da opinião pública”, destacou. Piero Bernocchi Porta-voz do COBAS, recordando o papel crucial desempenhado pelo I Fórum Social Europeu realizado em Florença em 2002, do qual nasceu a ideia de um dia mundial de mobilização contra a intervenção no Iraque. Se aquela experiência rendeu frutos, a rede que hoje a sustentava encontra-se dispersa pela crise económica que mudou as pautas da opinião pública, pelo vício de duas décadas de guerras permanentes, mas também pela dificuldade de identificar um antagonista claro se opor: “Em 2003, o poder de oposição era claro: os Estados Unidos; enquanto deve ser dito que o anti-imperialismo e a hostilidade à guerra sempre funcionaram menos bem quando a URSS ou a Rússia lideravam as guerras”. Na realidade, voltou a sublinhar Bernocchi, "hoje existem muitos 'bandidos'" porque o mundo está repleto de conflitos regionais que podem ser percebidos como distantes, mas todos potencialmente capazes de gerar um efeito em cadeia e desencadear um conflito global . Bernocchi não tem ilusões sobre o cessar-fogo na Ucrânia: “Terminará quando os Estados Unidos decidirem que não podem mais apoiar esse oneroso apoio militar à Ucrânia. A essa altura, o desafio será definir um acordo negocial que não humilhe a Ucrânia e não recompense a Rússia, distinguindo os agredidos dos agressores”. Também segundo Raffaela Bolini, chefe de relações internacionais da ARCI, "o mundo de hoje não pode ser interpretado com as velhas visões", é preciso saber relê-lo. Nisso, porém, “a experiência de vinte anos atrás ainda pode nos ensinar muito. Antes de tudo a capacidade de não sucumbir à narrativa dominante, mas de desconstruí-la”. Em 2003 significou, por exemplo, resistir ao chamado daqueles que "identificavam o Islã como o inimigo"; hoje, pode ser afirmando que na "Ucrânia não se deve buscar a vitória, mas a paz". A tarefa do movimento pacifista, então como agora, é, segundo Bolini, "estar do lado das vítimas e do direito internacional, não do lado dos governos" e promover uma "segurança comum compartilhada: somente quando meu inimigo se sente seguro, estou seguro também." Filadélfia Bennis Muitas contribuições internacionais propuseram diferentes pontos de vista sobre a guerra na Ucrânia: o dos EUA Phyllis Bennis, do Instituto de Estudos Políticos, recordou os gravíssimos custos colaterais da guerra: a crise alimentar em várias partes do mundo, o drástico recuo das políticas ambientais, a crise energética que provoca uma maior utilização dos combustíveis fósseis, o perigo de um conflito nuclear. São consequências que devem pesar ao se pensar no conflito na Ucrânia. da América do Sul Edgardo Landerdo Transnational Institute and Global Dialogue, convidado a distinguir a guerra travada na Ucrânia, cuja responsabilidade recai sobre a Rússia, da guerra geopolítica global travada pelos EUA no confronto com a China de que também faz parte o conflito na Ucrânia. o iraquiano Ismaeel Daewoodda Iniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana deu seu testemunho sobre as consequências de longo prazo da guerra no Iraque. No link do vídeo, Alexandre Belikdo Movimento Russo de Objetores de Consciência, contou como as autoridades russas não respeitam o direito à objeção de consciência e reprimem as "manifestações de luto" pelas vítimas da guerra. Eles também participaram Marga FerréTransformar a Europa; Moussa ThangariEspaço Alternativo Citoyens; Ada DonnoAssociação de Mulheres da Região do Mediterrâneo; Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro; Parisa Nazariativista iraniano; Sérgio Bassoli, Europa para a Paz. Ele moderou a reunião Fábio AlbertiUma ponte para. A reunião aconteceu na igreja metodista na via XX Settembre em Roma, em nome da qual o pároco cumprimentou Mirella Manocchio. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.