Pietro Martire Vermigli e sua “febril atividade reformadora”

Pietro Martire Vermigli e sua “febril atividade reformadora”

Roma (NEV), 4 de outubro de 2019 – O ciclo de três conferências “Influências italianas na reforma de Zurique” foi aberto na Suíça na última quarta-feira, promovido pela Igreja Evangélica Valdense de Zurique de língua italiana com o generoso apoio da Igreja Cantonal de Zurique. A iniciativa foi patrocinada pelo Instituto Cultural Italiano do Consulado Geral de Zurique e várias instituições e organizações italianas na Suíça se associaram. Um público atento e interessado compareceu ao primeiro encontro, organizado pelo professor emérito Emidio Campique se concentrou na figura daquele que ele mesmo define como um dos “pais fundadores do protestantismo reformado”: Pedro Mártir Vermigli.

Pietro Mariano Vermigli, explicou o professor Campi em seu relatório, nasceu em Florença em 8 de setembro de 1499, um ano após o martírio de Jérôme Savonarola. foi a mãe Maria Fumantina para lhe ensinar latim. Introduzido aos estudos humanísticos, Vermigli fez seus votos mudando seu nome para Pietro Martire. Empreendeu estudos filosóficos e patrísticos em várias localidades italianas e em 1525 tornou-se sacerdote. Em 1526 ele recebeu um doutorado em teologia. Ele estudou hebraico e outras línguas “caldeus”, aramaico, siríaco e etíope. Ele abordou o pensamento de Erasmo e dos reformadores transalpinos, em particular Bucer e Zwingli. Após uma série de transferências e depois de ser acusado de propagar ideias heréticas, foi transferido para Lucca, como prior do mosteiro de San Frediano, onde criou o que pode ser considerado a primeira escola teológica reformada da Itália. Ameaçado, não se deixou obrigar a renunciar às suas crenças e fugiu da Itália. Era 1542, e o Papa Paulo III acabara de instituir a Inquisição Romana. No exílio, Vermigli mudou-se para Estrasburgo, para Oxford e finalmente para Zurique, animado pelo que Campi define como uma “vocação inabalável para o ministério doutoral” e uma “atividade febril de reforma”. Em 1548, em estreita colaboração com o arcebispo de Canterbury Thomas CranmerVermigli trabalhou para convocar um conselho de todas as igrejas evangélicas da Europa.

Do teólogo florentino, Emidio Campi argumenta que pertence ao humanismo italiano e à Reforma italiana, assim como naturalmente à Reforma européia. De Pietro Martire Vermigli, o estudioso traçou o quadro histórico, formativo e teológico em um ensaio de dez páginas acompanhado de uma bibliografia de mais de 50 textos para estudo posterior. Ensaio que esperamos ver em breve publicado.

A agência AISE observou que “existem muitos estudos sobre o que os protestantes suíços deram livremente aos italianos a partir do século XVI, por outro lado, há poucas pesquisas sobre o que a Suíça protestante recebeu do refugiado italiano, tanto em nos campos econômico e científico e cultural. Talvez precisamente por isso, no âmbito do 5º centenário da Reforma de Zurique, a Igreja Evangélica Valdense de Zurique, de língua italiana, promoveu o ciclo de conferências dedicadas a três figuras de “exilados italianos que deixaram um traço característico na história da a Igreja Reformada de Zurique”.

A próxima conferência (24 de outubro) verá Luca Bascheraprofessor da Universidade de Zurique, fala sobre o famoso pregador Bernardino Ochinoprimeiro pastor da igreja reformada de língua italiana em Zurique, fundada em 1555. A terceira e última conferência (31 de outubro) terá curadoria de Stephanie Salvadoripesquisador da Universidade de Göttingen, e ilustrará a figura de Isabella Besignnobre engajada no trabalho diaconal de acolhida aos exilados.

Para mais informações, clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Suíço.  Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Suíço. Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Foto acima: Grossmünster (de www.grossmuenster.ch) Foto abaixo: Disputa de Zurique (de www.zb.uzh.ch/de/zuerich/reformation) Roma (NEV), 20 de janeiro de 2023 – O culto habitual das várias denominações protestantes de Zurique é realizado no domingo, 22 de janeiro, em Grossmünster. As comunidades reformadas valdenses de língua italiana, de língua francesa, de língua húngara e de língua tcheca e a comunidade luterana participam do culto. Haverá partes litúrgicas em diferentes idiomas e um sermão multivocal. Para a igreja valdense, celebra o pastor Herbert Anders. A pastora preside com ele Krisztina Michnao pastor Jiří Přečeko pastor Christophe Kochero pastor Thomas Risel e o pastor Martin Rusch. Segue-se um aperitivo na capela de Helferei. No mesmo dia também é possível participar da inauguração da exposição “Disputation – Reformation im Kreuzfeuer” “Disputa. A Reforma no Fogo Cruzado”, na galeria Grossmünster. A exposição visa celebrar os 500 anos da primeira disputa de Zurique. De fato, 2023 celebrará “500 anos das disputas de Zurique”. A primeira, por escrito, ocorreu em 29 de janeiro de 1523. Os organizadores escrevem que a forma de assembléia inaugurada com a primeira disputa de Zurique, então completamente nova e que mais tarde se desenvolveu em um "modelo de sucesso além da fronteira suíça, representou para Zurique o passo decisivo para a renovação social e eclesiástica. Nas disputas, aconteceram debates públicos perante o Concílio, abrindo caminho para a Reforma”. E também levando ao que é considerado a invenção zwingliana do sínodo e a vitória da Reforma. Isso é bem explicado por um blog de reformados suíços “locais”, que tentam “entrar na filosofia de uma disputa. Um método de trabalho interessante que permitirá a muitas cidades introduzir a Reforma. O Concílio convoca as partes para a disputa, anunciando que a disputa será em alemão e que o tema será a relação entre a Escritura e a tradição humana. O bispo de Constança envia sua delegação, mas não como parte envolvida na disputa, mesmo que seja. São cerca de 600 participantes e eles se reúnem na câmara do conselho. Há pelo menos dois relatos da disputa e, obviamente, do lado oposto. Alguns momentos da disputa são importantes. A primeira diz respeito à reivindicação de Zuínglio sobre a validade de uma assembléia local convocada pela autoridade civil e com poderes para deliberar sobre questões relativas à fé. Desta afirmação surge o modelo da invenção zwingliana do sínodo. A segunda é, obviamente, sobre o valor das tradições. Ao final da disputa, é uma vitória clara para o Zwingli. A Reforma pode continuar”. Para saber mais, leia também: o ensaio de Sérgio Ronchi: Huldrych Zwingli, o reformador de Zurique. No documento, Ronchi explica como a disputa terá que estabelecer a linha de demarcação entre heresia e fidelidade evangélica na pregação de seus pastores. Poucos dias depois da disputa, Zuínglio redigiu suas 67 Teses, que deveriam ter sido a base do debate, mas que mais tarde se tornaram o fundamento da "Sola Scriptura", um dos princípios cardeais do protestantismo. E, em particular, “a independência da palavra de Deus em relação à Igreja, como lemos na tese 1: 'Todos aqueles que afirmam que o evangelho não tem valor sem a aprovação da igreja, erram e desprezam a Deus'. Jesus Cristo como único meio de salvação (teses 3 e 4); a Igreja autêntica constituída pelo seu corpo, ou seja, por todos os fiéis sem distinções clericais (tese 7-9); o papa não tem razão de existir, porque apenas 'Cristo é o único e eterno sumo sacerdote' (tese 17); a missa é rejeitada porque 'Cristo se ofereceu uma única vez como sacrifício que dura na eternidade e tem valor expiatório pelos pecados de todos os crentes; daí deduzimos que a missa não é um sacrifício' (tese 18); Cristo é o único mediador entre o céu e a terra e, por isso, a intercessão dos santos é rejeitada (tese 19-21). […] Terminada a disputa, o Concílio reuniu-se em sessão extraordinária, durante a qual oficializou (e definitivamente) estabeleceu que 'o mestre Ulrich Zwinglio pode proceder na linha seguida até agora, isto é, pregar o santo evangelho e a verdadeira Sagrada Escritura, quando e como ele quiser, desde que alguém não o convença de uma doutrina melhor. E todos os outros sacerdotes, párocos e pregadores seculares, nas suas respectivas cidades, vilas e senhorios, nada proponham e preguem senão o que se pode demonstrar com o santo evangelho e com a verdadeira Sagrada Escritura. E não devem surgir mais brigas, heresias ou palavras desonrosas, porque aqueles que se mostrarem desobedientes e não observarem estas prescrições serão repreendidos de tal forma que poderão entender que cometeram um erro.' O princípio da sola scriptura foi agora definitivamente ratificado'”. ...

Ler artigo
Adoração inaugural do Sínodo.  Winfrid Pfannkuche: “Comece de novo a partir daqui”

Adoração inaugural do Sínodo. Winfrid Pfannkuche: “Comece de novo a partir daqui”

A partir da esquerda, Winfrid Pfannkuche, Gabriele Bertin e Monica Natali. Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses, 22 de agosto de 2021 Roma (SSSMV03), 22 de agosto de 2021 – O culto de abertura do Sínodo das igrejas metodistas e valdenses contou com a pregação do pastor Winfrid Pfannkuche. Durante o culto, a consagração de Gabriel Bertin ao ministério pastoral e de Mônica Natali ao ministério diaconal (aqui as entrevistas em vídeo). O sermão sobre o hino ao amor, da carta de Paulo aos Coríntios, destacou "o caminho por excelência” indicado pelo apóstolo. Em grego, "hiperboleno". Hipérbole, disse o pastor Pfannkuche: “Sim: a paixão, o entusiasmo, a beleza, a arte, a vitalidade mediterrânea. Não é apenas um jeito certo, reto, reto, sóbrio, modesto, politicamente correto. Nem mesmo uma via secundária, provinciana, escondida da maioria, para os especialistas, um nicho, uma saída secreta do grande trânsito. Nunca pode ser um atalho ou um bypass. Mas o caminho por excelência. Sim, existe um protestantismo que não perde de vista a paixão, a beleza e a arte”. O pároco falou ainda da vocação da Igreja, “neste mundo onde tudo tem o seu limite, o seu tempo, tudo é precário, passageiro, mortal”. Tudo falha. No entanto, lembra Pfannkuche, há uma "profecia", como a da pregação do hino ao amor por Túlio Vinay, que há 70 anos inaugurou o Centro Ecumênico de Agàpe. Uma profecia que “deixou uma marca profunda na biografia de muitos e muitos. Uma experiência de amor após o fracasso absoluto da Segunda Guerra Mundial. Ele falhou? Nossa espiritualidade, nossa força positiva e proativa, sim, falharam nos últimos anos. Claro, estamos na boa companhia de todas as criaturas, gememos com elas: até a biodiversidade, os animais, até as línguas no sentido próprio, estão amplamente ameaçados de extinção. Sim, claro, até nossas igrejas falharam nos últimos anos". O caminho é, portanto, "Reler, encontrar-se de fato no hino ao amor e recomeçar daqui, hoje". É uma escolha que “envolve uma coisa: deixar de pensar como crianças que querem tudo e não abrem mão de nada”. E, novamente para dizê-lo com Tullio Vinay: “Que tipo de edifício seria o nosso hoje Amém! ao hino ao amor?”. O pároco tenta uma resposta teológica e diaconal: “Só saberemos vivendo, caminhando, discutindo juntos. Talvez, como o apóstolo, só possamos mostrar um caminhodesta forma, e construir no caminho desta palavra por excelência”. É um desafio que exige coragem e humildade. “Esvaziar-se, desistir de si mesmo, sempre permanece maior do que qualquer outro desafio que encontramos em nosso caminho. O desafio por excelência. Nossa prioridade: o amor que exige sempre uma decisão, uma escolha clara. Deste caminho por excelência sabemos que no final algo dura, permanece. Caminhando juntos neste caminho, fica algo de nós: a fé, a esperança, o amor”. Para ler o sermão completo clique aqui. A sede do Sínodo tomou posse oficialmente e foi eleita presidente Valdo Spini, que comentou: “Emoção, gratidão, humildade”. Aqui a mensagem completa do Presidente Spini. Esta manhã o Sínodo também recebeu a visita do bispo de Pinerolo, Derio Olivero. Chegou também a mensagem de saudação do cardeal Walter Bassetti, presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), que escreve: "A condição diaspórica das comunidades religiosas sempre foi uma situação normal para aqueles que vivem ao redor da bacia do Mare Nostrum: uma riqueza complexa da qual haurir para uma cultura cultural fértil e renovada e religiosa". Bassetti também compartilhou as palavras ""ouvir, pesquisar e propor", como um traço ecumênico para "conhecimento mútuo, testemunho autêntico e compromisso com o bem comum". Em chiesavaldese.org, as entrevistas em vídeo com o pastor recém-consagrado Gabriel Bertin e ao diácono recém-consagrado Mônica Natali. Amanhã, a noite pública: “Próxima geração Eu? – os jovens e a Europa, entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização”. A partir das 20h45, presencialmente no Templo Valdense da Torre Pellice e online, ao vivo, nas páginas do fb da Igreja Valdense, Rádio Beckwith, e no canal do YouTube da mesma emissora. O Sínodo das Igrejas Metodistas e Valdenses é o órgão máximo de decisão dos valdenses e metodistas e está ocorrendo de forma mista (presencial e online) após um ano parado devido à pandemia. Todos os detalhes nesta página. FACT SHEET: Igrejas metodistas e valdenses na Itália. Veja também: www.rbe.it – www.riforma.it Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it – Twitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV – [email protected] (NEVCS/20) [embed]https://www.youtube.com/watch?v=3IKvI-ZP880[/embed] ...

Ler artigo
Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Foto Hillerrt/WCC Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Em seu sétimo dia útil, a Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) elegeu o novo Comitê Central. Entre os 150 membros que compõem o corpo executivo do CMI, o pastor valdense foi confirmado Michael Charbonnier que já fez parte, desde meados da última legislatura, do Comité Central cessante. A candidatura de Charbonnier foi apoiada pelas igrejas evangélicas da Espanha e de Portugal. Pr. Michel Charbonnier “É uma honra e uma grande responsabilidade a nível pessoal – declara Michel Charbonnier -, mas também uma grande oportunidade para as nossas igrejas darem a sua contribuição ao cristianismo global e, por sua vez, serem atravessadas e enriquecidas por ele. Ingressei no Comitê Central no final do último mandato, e logo em seguida nos deparamos com os desafios trazidos pela pandemia para continuar garantindo o funcionamento do Conselho. Foi um período complexo e cansativo mas também um importante campo de treino para compreender bem a sua dinâmica e funcionamento. O meu desejo é que no próximo mandato possamos dedicar menos energia à gestão de emergências, para trazê-los de volta à realização dos muitos projetos importantes que a Assembleia está delineando para o futuro, começando pelos de justiça climática, justiça racial e sexualidade humana " . A composição do Comitê Central é definida com base no equilíbrio entre áreas geográficas, afiliações denominacionais, ministros ordenados e leigos, homens e mulheres. Em particular, o novo Comitê vê a presença de 62 mulheres, 19 jovens, 44 leigos, 19 indígenas, 5 deficientes. Ontem, a Assembleia elegeu seus novos presidentes: 6 para supervisionar as macrorregiões em que o CMI está dividido, 2 para a representação das igrejas ortodoxas. Para os nomes e perfis dos presidentes, clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.