um grande empreendimento deficitário planejado por Jesus

um grande empreendimento deficitário planejado por Jesus

Foto retirada do site do CEC

Roma (NEV), 21 de junho de 2018 – Na capela do Centro Ecumênico de Genebra, na Suíça, repleta de autoridades religiosas de várias confissões protestantes, ortodoxas e católicas antigas, o Papa Francisco falou da “viagem como uma metáfora”. A oração ecuménica, acompanhada de cânticos, leituras e profissão de fé, abriu com a entrada na capela do Olav Fykse Tveitsecretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Agnes Abuommoderador do Comitê Central do CMI e outras autoridades religiosas junto com Papa Francisco que está visitando o WCC para o 70º aniversário da organização.

“O coração nos convida a ir e alcançar uma meta, mas caminhar também é uma disciplina, um esforço. Requer humildade para refazer os próprios passos. Só juntos podemos caminhar bem. Mas o caminhar exige uma contínua autoconversão”, disse o Papa, que continuou: “Caminhar desta forma é um trabalho perdido, porque os interesses das próprias comunidades não são devidamente protegidos, muitas vezes fortemente ligados a filiações étnicas ou orientações consolidadas, sejam elas eles são mais ‘conservadores’ ou ‘progressistas’. Sim, escolher pertencer a Jesus antes de Apolo ou Cefas, de Cristo antes de ‘judeus ou gregos’, do Senhor antes da direita ou da esquerda, escolher seu irmão em nome do Evangelho e não em si mesmo muitas vezes significa, aos olhos do mundo , trabalhar com prejuízo”.

“O ecumenismo – continuou o Papa – é ‘um grande empreendimento deficitário’. Mas trata-se de uma perda evangélica segundo o caminho traçado por Jesus: Quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas quem a perder por minha causa, salvá-la-á» (Lc 9, 24). Ansiei vir aqui como peregrino em busca de unidade e paz. Dou graças a Deus porque aqui vos encontrei, irmãos e irmãs já a caminho. Para nós, cristãos, caminhar juntos não é uma estratégia para fazer valer mais o nosso peso, mas um ato de obediência ao Senhor e de amor ao mundo, o verdadeiro amor que salva. Peçamos ao pai que caminhemos juntos com mais vigor no caminho do espírito, nada nos separará do seu amor”.

Após a oração, uma delegação foi almoçar no Centro Ecumênico de Bossey onde haverá troca de presentes e encontro com os alunos. À tarde, a visita continuará novamente no Centro Ecumênico de Genebra. Uma coletiva de imprensa está marcada para as 14h.

Você pode acompanhar o evento em transmissão ao vivo aqui: na página do Facebook do CEC (Conselho Mundial de Igrejas) e no Youtube (www.youtube.com/WCCworld/live)

Para mais informações sobre o Conselho Mundial de Igrejas, sua liderança, organização e história, e sua relação com a Igreja Católica, veja aqui.

EU’hashtags para a visita do Papa Francisco a Genebra em 21 de junho é #PapalVisit. O motivo é o 70º aniversário do CEC cuja hashtag é: #WCC70

Uma página em italiano sobre a visita do Papa Francisco está aqui.

O perfil do Twitter do CEC é @oikoumene e a do secretário geral é @OlavTveit.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

300 anos de Henri Arnaud, o “coronel-pastor”

300 anos de Henri Arnaud, o “coronel-pastor”

Roma (NEV/fondazionevaldese), 15 de julho de 2021 – 300 anos se passaram (1721-2021) desde a morte de uma das figuras lendárias da história valdense: Henri Arnaudcoronel e pastor daqueles valdenses que em 1689, com uma façanha que ficou épica, regressaram da Suíça aos seus vales, após dois anos de exílio forçado, para readquirir o direito de aí viver mantendo a sua confissão religiosa diferente da do seu duque ( os valdenses ontem como hoje são protestantes de afiliação reformada). Para celebrar esta importante data podemos falar do homem Arnaud, nascido em Embrun a 15 de julho de 1643 e falecido em Schönenberg a 8 de setembro de 1721, situá-lo no seu tempo, falar das suas vitórias e derrotas, das suas ideias, das suas escolhas; e podemos falar dele descrevendo como sua figura foi narrada e mostrada através das imagens e gravuras que foram produzidas ao longo dos séculos. Uma espécie de viagem na criação da história que sobre ele, e sobre os valdenses, foi feita por aqueles que nestes três séculos contaram esta minoria protestante na Itália, adaptando-a à sua própria época: de historiadores franceses a valdenses, de ilustradores ingleses a Edmondo De Amicisdo artista Vicente Amato para o pintor Maurício Pellegrinido artista holandês Mia van Oostveen para Paulo Paschettode Umberto Stagnaro para Andrea Tridico. Henri Arnaud, o "coronel-pastor" “A história da narração de Arnaud – diz ele David Rosso, diretor da Waldensian Cultural Center Foundation e curador da exposição sobre Arnaud que será inaugurada no dia 14 de agosto na Torre Pellice – é significativo porque nos permite proceder por pares opostos e por diferenças para encontrar os caminhos interpretativos que se desenvolveram em História valdense e européia dos anos 600-700. O primeiro par de termos que vem à mente quando se fala de Arnaud é o clássico do 'pastor-coronel', o homem da igreja e o homem das armas; mas depois surgem outros pares opostos muito mais interessantes nesta narrativa que avança ao longo dos séculos: por exemplo 'fé e resistência' ou 'ser valdense/não ser valdense', ou seja, pertencer à minoria em que se insere ou não pertencer a isso”. Arnaud nasceu um "huguenote de Embrun", então francês reformado, mas também era filho por parte de mãe de uma família italiana reformada que fugiu de Dronero por motivos religiosos. Henri, no entanto, também era "valdense" porque foi "adotado" pelo mundo dos vales valdenses onde sua família se refugiou e, a partir de certo momento, por filiação eclesiástica. Precisamente por ser primeiro francês, depois valdense, acaba refugiado na Suíça e depois definitivamente na Alemanha, onde viverá os últimos anos de sua dupla pertença. Em suma, uma vida passada nos vales e na Europa como resistente, muitas vezes como migrante por motivos religiosos ou como exilado porque lidera o seu rebanho. Percursos interpretativos que foram percorridos na preparação do rico programa de encontros, exposições, eventos que de julho até o final do ano contarão com Henri Arnaud, "o herói da Gloriosa Repatriação" para usar a primeira imagem que muitas vezes nos é proposta dele. Eventos a serem realizados nos vales valdenses, mas também na Alemanha em Schönenberg no museu Arnaud. PLANO A programação começa no dia 18 de julho, às 16h30, em Perosa Argentina (TO), com a apresentação do livro "Henri Arnaud: imagens de um não valdense", de David Rosso, e “Bandidos nos vales valdenses. Histórias do século XVII” de Lucas Perrone, editora Claudiana 2021, como parte da resenha do livro “Scritto misto”. Os autores estarão presentes. Depois, uma série de outras consultas (clique AQUI para ver o programa completo. Ou faça o download em PDF: Arnaud página 1 – Arnaud página 2). A resenha dos 300 anos de Arnaud será encerrada no dia 19 de setembro em Pragelato, com a caminhada histórica do centro da cidade até a Costapiana. Seguindo os passos de Henri Arnaud, no caminho da Gloriosa Repatriação (www.lestradedeivaldesi.it) Para maiores informações [email protected] Folha NEV: FORMA. Os Valdenses ...

Ler artigo
Troca da guarda na liderança do protestantismo

Troca da guarda na liderança do protestantismo

Roma (NEV), 15 de outubro de 2021 – Um novo rosto para o protestantismo. Vai ser Cláudio ParavatiDiretor de Compararde fato, para apresentar, a partir do próximo episódio, domingo, 17 de outubro, o programa religioso da Federação de Igrejas Evangélicas, que é transmitido todos os domingos de manhã no Rai Due. Paravati recebe o bastão do jornalista e apresentador Cátia Barãoque apresentou a transmissão nos últimos anos. “Agradecemos a Cátia pela competência, profissionalismo e frescor com que tem sido a cara do “protestantismo” nos últimos anos – declara Luca Baratto, secretário executivo da FCEI -, porta-voz dos estúdios de televisão RAI sobre os temas que caracterizam a reflexão e o testemunho dos protestantes na Itália. Ao mesmo tempo, saudamos Claudio Paravati, que apresentará o programa a partir de domingo e acompanhará os espectadores nos próximos anos”. ...

Ler artigo
O sonho de uma Itália protestante

O sonho de uma Itália protestante

O webinar, organizado pela Comissão Batista-Metodista-Valdense (BMV) que trabalha para a Assembleia-Sínodo, tem como título: “O sonho de uma Itália protestante. História e atualidade de um percurso comum. Reconhecimento mútuo entre as igrejas batista, metodista e valdense cem anos após a Primeira Conferência das Igrejas Evangélicas Italianas". Émile Florio, professor de história e filosofia, fará uma retrospectiva histórica das relações entre as Igrejas BMV cem anos após o 1º Congresso Evangélico Italiano. “Aquela reunião realizada em novembro de 1920 – recorda Florio – foi julgada pela maioria como um fracasso: houve subestimação da complexidade dos problemas, não houve respostas definitivas e não se conseguiu a constituição de uma única igreja evangélica nacional. No entanto, é interessante ver como o mundo evangélico italiano, substancialmente sob a pressão dos leigos, questionou algumas questões, que em parte ainda nos questionam hoje: como falar à Itália como evangélicos? O que é liberdade religiosa? Qual relação entre as igrejas evangélicas é mais útil para fazer tudo isso?”. deexcursão historiador então, com a ajuda de três palestrantes (Gianna Urzio, Cláudio Paravati E John Bremner), será oferecido um vislumbre dos desafios futuros e das potencialidades do caminho comum. A última Assembléia-Sínodo foi realizada em Roma em novembro de 2007. Desde então parece ter diminuído o interesse entre nossas igrejas no caminho da colaboração e comunhão entre as igrejas batistas, metodistas e valdenses. É assim mesmo? Quais podem ser as razões? Três dos seis membros da Comissão de Trabalho da BMV para a Assembleia-Sínodo responderam a essas e outras perguntas. “Acho que houve uma queda no interesse – diz o pastor metodista Pedro Ciaccio – e que tem vários fatores contribuintes, que levaram a uma mudança de prioridades na agenda. Entre eles destaco três: o fenômeno migratório, no qual se concentra um grande empenho das igrejas valdenses e metodistas; o chamado da Comunhão das igrejas protestantes na Europa para esclarecer a contradição entre o reconhecimento mútuo dos membros e das igrejas sem que haja o reconhecimento mútuo do batismo; o enfraquecimento da Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI), forja da “BMV”». “Acho que o BMV encalhou na questão do batismo – continua o pastor valdense David Rostan – um problema que ainda não entendo. Realizei a maior parte do meu ministério em igrejas batistas e valdenses no contexto de projetos de colaboração territorial e, na prática pastoral, encontrei-me enfrentando a questão do batismo ou da confirmação com uma abordagem mais sociológica e simbólica do que teológica. Mais do que apenas discussões teológicas, tenho visto prevalecer, tanto do lado batista quanto do lado valdense e metodista, um apego à identidade que tem muito pouco a ver com a realidade da pastoral e com os problemas reais de nossas igrejas”. . “Acho – acrescenta o pastor batista Daniel Podesta – que a diminuição do interesse pelo BMV se deve também ao fato de que hoje vivemos uma época em que cada vez mais somos levados a nos retirarmos para o próprio quintal, e nossas igrejas não estão imunes a essa tendência. Mesmo as igrejas da mesma denominação, em nível regional ou na mesma cidade, estão encontrando cada vez mais dificuldade para colaborar, com algumas exceções. A questão certamente não será resolvida por webinars de 21 de novembro, mas esperamos que dê início a uma reflexão que leve a uma nova visão de uma hipótese de trabalho comum". – Então, onde recomeçar o relacionamento e a comunhão de nossas igrejas? “Recomecemos da vocação comum – responde Ciaccio -, que é servir ao Senhor na cidade onde Deus nos chamou a viver, levando adiante as respectivas tradições, histórias e teologias. Isso é suficiente para reviver o BMV? Não sei, deveria ser." “Talvez – diz Rostan – possamos recomeçar considerando as colaborações territoriais não como um 'plug-gap' para responder à falta de recursos econômicos e pastorais, mas uma ferramenta para racionalizar nossos recursos e lançar projetos missionários”. Sobre a necessidade de recomeçar a partir das igrejas locais, Podestà continua: “Mais do que nos documentos oficiais, que também são importantes, devemos nos concentrar naqueles projetos de colaboração territorial nos quais os membros da igreja possam se sentir direta e ativamente envolvidos”. O pastor cita a experiência dos cultos online preparados durante o confinamento das igrejas evangélicas de Milão, ou a experiência de adoração de zoom, no qual estiveram envolvidos vários pastores e pastoras das igrejas BMV. “Devemos esperar essas novas formas de colaboração, pois elas podem ampliar nosso escopo de trabalho comum.” Os executivos incentivaram uma ampla participação no webinars, especialmente por aqueles que se juntaram recentemente a uma de nossas igrejas. “Numa época em que estamos totalmente afogados em agendas de coisas para fazer, – diz Ciaccio -, este webinars é uma boa oportunidade para tirar algum tempo para fazer perguntas que são importantes para nossas igrejas”. “Para aqueles que recentemente participaram da vida de uma de nossas igrejas – sugere Rostan – eu diria: 'caro irmão, irmã, seja qual for a igreja protestante histórica que você escolheu para frequentar, você não está sozinho, existem outros protestantes que têm histórias diferentes; venha e veja o que o protestantismo fez neste país'”. “Eu começaria pelo título de webinars, 'O sonho de uma Itália protestante' – conclui Podestà -. Em uma sociedade dividida, onde cada vez mais muros de separação estão sendo construídos, acho importante reiterar a necessidade de se apegar ainda hoje a esse sonho de unidade e, portanto, gostaria de encorajar as pessoas a participar da reunião para entender como eles pode fazer parte da realização desse sonho”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.