Além do inverno ecumênico.  Entrevista com o Pastor Martin Robra

Além do inverno ecumênico. Entrevista com o Pastor Martin Robra

foto

Roma (NEV), 1º de junho de 2018 – “Até alguns anos atrás, costumávamos falar de um ‘inverno ecumênico’. No entanto, nosso secretário geral, pastor Olav Fykse Tveit, que vem da Noruega, gosta de dizer que não há nada de errado com o inverno: você só precisa de luvas e roupas que o mantenham aquecido. Mas me parece que com Papa Francisco e suas iniciativas deixem uma nova primavera chegar” assim responde o pároco Martin Robrachefe de relações com a Igreja Católica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), ad Anthony Spadarodiretor de “La Civiltà Cattolica”, em intensa entrevista publicada ontem.

Em 21 de junho, o Papa Francisco visitará pela primeira vez a sede do CMI em Genebra, na Suíça.

Pastor Martin Robra e Antonio Spadaro (foto retirada do site CEC/Céline Fossati)

“Igrejas ao redor do mundo celebraram juntas a cura das memórias feridas da Reforma. Não esqueçamos quantas guerras alimentou”, disse também Robra, quando questionado sobre as metas alcançadas e os desafios futuros do ecumenismo, bem como sobre as questões da cooperação entre as igrejas, o compromisso comum com a justiça, a paz e o salvaguarda da criação, discipulado e o conceito de unidade na diversidade.

“No entanto, a realidade ainda é muito fragmentada e marcada pela competição por poder e riqueza. Até agora, as identidades opostas foram sustentadas pelas culturas e, em parte, também pela religião – continua Robra -. Ainda há um longo caminho a percorrer até que possamos vislumbrar um terreno comum global em que culturas e religiões interajam pacificamente: uma realidade, ou seja, profundamente diferente dessa camada muito fina e superficial que nos é proposta pela atual cultura do consumo e pela mídia global que a apoia”.

A entrevista, publicada em colaboração entre CEC e Civiltà Cattolica, está disponível em inglês, alemão, espanhol e italiano.

O CMI representa 348 igrejas de tradições anglicanas, protestantes e ortodoxas e também inclui várias igrejas pentecostais e africanas independentes.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Quem são os imigrantes?  – Neve

Quem são os imigrantes? – Neve

Roma (NEV), 27 de outubro de 2022 – Trazendo "Luta e verdade, a partir de palavras e dados". O escritor disse isso esta manhã Djarah Kan, na apresentação do 32.º “Dossiê Estatístico da Imigração 2021”, editado pelo Idos, em colaboração com o Confronti e o Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". A referência é justamente às análises contidas no relatório – 493 páginas, informações estatísticas e análises elaboradas por uma pluralidade de estudiosos, projeto apoiado pelo Otto per mille da Tábua Valdense. Uma ferramenta na “caixa de ferramentas” de qualquer pessoa, por diversos motivos, que lida com (ou quer entender) migração. Na reunião desta manhã, moderada por Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador do Protestantesimo on Rai Tre, compareceu, além de Kan, Luca Di Sciullo, presidente do centro de estudos e pesquisas IDOS, don Mussie Zerai (conectado do Canadá), padre e ativista eritreu, fundador da agência Habeisha, moderador da Mesa Valdense Alessandra Trottao jornalista Eleanor Camillio sociólogo da Universidade Estadual de Milão Maurizio Ambrosinio prefeito de Prato Mateus Biffonidelegar às políticas de Imigração e integração da Anci, em ligação de vídeo, Paulo de Nardis, presidente do Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V". os números falam No que diz respeito aos migrantes que desembarcaram na Itália entre 2021-2022, segundo o relatório, "se olharmos para os fluxos migratórios rumo à Itália, as nacionalidades declaradas pelos migrantes são atribuíveis aos países que mais sofrem com a pressão das mudanças climáticas ". Entre 2021 e 2022 “entre os principais países de origem encontramos: Tunísia, Egipto, Bangladesh, Afeganistão, Síria, Costa do Marfim, Eritreia, Guiné, Paquistão e Irão”. No início de 2022 "havia 3.561.540 cidadãos extracomunitários a residir legalmente em Itália, um número que aumentou, face ao ano anterior (quando eram 3.373.876), de 187.664 unidades (+5,6%) e que, no entanto, continua ainda mais baixo do que os 3.615.826 no início de 2020 e os 3.717.406 no início de 2019. Quanto ao contributo dos migrantes para a economia, a análise apresentada “confirma também para 2020 um saldo positivo entre receitas e despesas atribuíveis à imigração: face a saídas de 28,9 mil milhões, as receitas ascenderam a 30,2 mil milhões, garantindo um saldo positivo de quase 1,3 mil milhões de euros ”. É um dos dados contidos no dossiê discutido esta manhã em Roma, no Teatro Dom Orione, e ao mesmo tempo em todas as regiões italianas. “A dimensão do saldo – explica o Relatório – diminuiu sem dúvida face a 2019, quando tínhamos assistido a um ganho de 4 mil milhões de euros para o Estado, mas sabe-se que a pandemia em parte agravou a fragilidade social e económica, em parte detonou novos. O valor das despesas durante o ano de 2020 aumentou assim, com particular destaque para as despesas com redes de segurança social, que quase duplicaram face a 2019. No entanto, refira-se que as escolhas metodológicas efetuadas seguiram um percurso de estimativa parcimonioso”. “Não há respostas fáceis para fenômenos complexos como #migrações. Interdependências entre mudanças climáticas, guerras” e a necessidade de sair. A intervenção do @Mode_Valdese na apresentação de #dossierestatísticoimigração @Confronti_CNT @8x1000Waldensian pic.twitter.com/qs7vmKSyJr — Esperança do Mediterrâneo (@Medohope_FCEI) 27 de outubro de 2022 “No geral, confirma-se o que emergiu dos Dossiês anteriores, segundo os quais os estrangeiros contribuem tanto para a estabilidade do tecido produtivo do país como para o seu sistema de proteção social, incluindo a educação”, conclui o texto. AQUI a lista de apresentações do Dossiê em andamento hoje em toda a Itália. AQUI o comunicado de imprensa CS_Hoje a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022 ocorreu após a apresentação de Idos. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Igrejas conciliares ecumênicas.  Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Igrejas conciliares ecumênicas. Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Da esquerda para a direita, Ioan Sauca, Odair Pedroso Mateus, Doug Chial. foto CEC Roma (NEV), 4 de junho de 2020 - O secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), padre Ioan Sauca, permanecerá no cargo até o próximo Comitê Central, marcado para junho de 2021, após os adiamentos devido à emergência do coronavírus. O moderador do WCC Agnes Abuom apelou às igrejas-membro para apoiar esta renovação de liderança. Isabel Apawo Phiri continuará seu trabalho na função de secretária geral adjunta no setor de Diaconia, bem como Elaine Dykes (finanças) e Marianne Ejdersten (comunicação). Também reconfirmado Odair Pedroso Mateus como secretário-geral adjunto ad interim para o programa do CMI "Unidade e missão". como diretor ad interim e até 2021 do Escritório da Secretaria-Geral foi nomeado em seu lugar Doug Chial. Leia a análise aprofundada e as biografias em Riforma.it artigo anterior“Supremacia branca não é mais aceitável”Próximo artigoRacismo: vírus para derrotar Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
um convite para ajudar na conscientização

um convite para ajudar na conscientização

Roma (NEV), 24 de maio de 2022 – É "um convite à consciência da ajuda que podemos compartilhar", a mensagem que está no centro da campanha 8×1000 2022 da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI).“Nos últimos anos24, explica CELI, pretendemos desenvolver e fortalecer nosso compromisso de superar as diferenças sociais e de gênero que ainda existem na Itália: partindo das linguísticas até as mais concretas da vida cotidiana. Na consciência de viver num mundo em que a prática da indiferença não pode ser uma alternativa aceitável, não só para os que se dizem cristãos, mas para qualquer um”.Lutar contra a indiferença, portanto, "como premissa que une crentes e não crentes, nas diversidades existentes, numa perspectiva humana e que o CELI realiza na hospitalidade, cantinas para os mais fracos, o compromisso cultural que as Igrejas Luteranas consideram um parte inseparável do compromisso social mais amplo". Com essa consciência, a campanha oito por mil para o ano de 2022 foi lançada nas últimas semanas.“O acesso à difusão da cultura – conclui o CELI –, a diversidade que esta permite interceptar, continuam sendo as forças exercidas graças à contribuição que vem de milhares de italianos e cidadãos italianos, todos os anos”. O 8 × 1000 é a porcentagem do imposto de renda pessoal fixo que euos contribuintes podem alocá-los a algumas atividades de importância social e cultural do Estado italiano ou de uma confissão religiosa que os utilizará para fins de culto, social, cultural. Graças aos 8 por mil, o Estado e algumas confissões religiosas disponibilizam fundos para apoiar e financiar as suas próprias actividades sociais e culturais ou de outras organizações sem fins lucrativos. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.