Por volta de 10 de outubro, contra a pena de morte

Por volta de 10 de outubro, contra a pena de morte

Roma (NEV), 7 de outubro de 2022 – Em vista do XX Dia Mundial contra a Pena de Morte, celebrado em 10 de outubro, a Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT Itália) relança a campanha global Coalizão Mundial.

Este dia, explica a ACAT, “une o movimento abolicionista global. Também mobiliza a sociedade civil, líderes políticos, advogados, opinião pública para apoiar o apelo à abolição universal da pena de morte. O dia encoraja e consolida a consciência política e geral do movimento global contra a pena de morte”.

Vinte anos de mobilização mundial se passaram. Agora “é o momento de considerar e celebrar as conquistas que o movimento abolicionista alcançou. Agora, mais do que nunca, os atores abolicionistas devem continuar trabalhando pela abolição completa da pena de morte em todo o mundo, para todos os crimes”.

No dia 10 de outubro de 2022, ainda ilustra a organização cristã, o Dia Mundial será dedicado à reflexão sobre a relação entre o recurso à pena de morte e a tortura ou outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos e degradantes.

“Os tipos de tortura e outros maus-tratos sofridos durante a longa espera pela pena de morte são vários e numerosos – continua ACAT -. A tortura física ou psicológica foi aplicada em muitos casos durante os interrogatórios para extrair confissões de crimes graves. O fenômeno do corredor da morte contribui para o declínio psicológico de longo prazo na saúde de uma pessoa. As duras condições de vida no corredor da morte contribuem para a deterioração física. Uma possível antecipação da data da execução causa angústia. Por fim, os métodos de execução causam uma dor insuportável aliada ao sofrimento vivenciado pelos familiares e pessoas que têm relações próximas com o executado”.

Outro aspecto, muitas vezes subestimado, é o da discriminação com base no sexo, gênero, condição social, idade, orientação sexual, status de minoria religiosa e étnica e muito mais. Estas discriminações, que atingem pessoas mesmo fora dos contextos restritivos, podem “agravar ainda mais o tratamento cruel, desumano e degradante de pessoas condenadas à morte” conclui a ACAT.


A PENA DE MORTE EM NÚMEROS
(Estatísticas da Anistia Internacional)

110 estados aboliram a pena de morte para todos os crimes.

7 estados aboliram a pena de morte para crimes comuns.

27 estados são na prática abolicionistas.

55 estados ainda aplicam a pena de morte.

Os 5 países que mais executaram no mundo em 2021 são, na ordem: China, Irã, Egito, Arábia Saudita e Síria.

28.670 pessoas foram condenadas à morte em todo o mundo no final de 2021.


UM GATO

A ACAT é uma associação cristã ecumênica. Cometida contra a tortura e a pena de morte, ela trabalha ao lado de todos aqueles que têm os mesmos objetivos e promovem os Direitos Humanos. Fundada formalmente na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento “Renascimento Cristão”. A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. ACAT adere à Federação Internacional FIACAT.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Por que a Igreja precisa do feminismo interseccional

Por que a Igreja precisa do feminismo interseccional

Roma (NEV), 9 de dezembro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC) organiza, para terça-feira, 14 de dezembro, o webinar: “Por que a igreja precisa do feminismo interseccional“. Este é o relançamento das políticas de justiça de gênero da Comunhão Mundial. O horário é das 15h às 16h30 (horário da Europa Central). eles participam Isabel Apawo Phiri, Peggy Kabonde, Aruna Gnanadason, Hanna Reichel e Eva Rebecca Parker. Moderado Karen Georgia Thompson*. “A intenção do webinar é destacar a disparidade de gênero em nossas igrejas. E aprender com o que o feminismo pode nos oferecer para nos tornarmos uma comunidade justa de iguais”, disse ela. Philip Vinod PavãoCMCR Justiça e Testemunho Executivo. Para se inscrever no webinar clique aqui A Política de Justiça de Gênero do CMCR foi iniciada pelo Conselho Geral de 2017 e adotada pelo Conselho Executivo no início deste ano. Isso combina com a visão da Comunhão de viver seu chamado por justiça. Também convida as igrejas a participar da missão transformadora de Deus, e entre seus objetivos mais específicos está, por exemplo, abordar as desigualdades e injustiças de gênero na Comunhão e nas igrejas-membro. “A justiça de gênero inclui relacionamentos justos e igualitários, respeito e responsabilidade na reciprocidade, respeito pela criação e o direito de todas as pessoas de experimentar a vida ao máximo. Justiça de gênero aborda gênero e injustiça econômica, violência baseada em gênero e toda uma gama de questões sociais que estão enraizadas em relações de poder desiguais. É um elemento fundamental para a Igreja e para a sociedade”, lê-se na introdução do documento sobre a política de gênero da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas. O Comitê Executivo do CMCR, entre outras coisas, reuniu-se recentemente, lançando a Década do clima. A Comunhão também está organizando o Conselho Geral, a ser realizado em 2025, e iniciou um processo de reorganização tanto para os Conselhos Regionais adicionais quanto para a busca de um novo Secretário Executivo (prazo para nomeações: 15 de janeiro de 2022). *Phiri é secretário-geral adjunto do Conselho Mundial de Igrejas (WCC). Kabonde é o ex-secretário geral da Igreja Unida da Zâmbia. Gnanadason é ex-coordenadora do Programa de Mulheres do WCC e da equipe de Justiça, Paz e Criação. Reichel ensina no Seminário Teológico de Princeton. Parker é professor na Durham University. Thompson é Ministro Geral Associado para Ministérios da Igreja e Co-Diretor de Ministérios Globais da Igreja Unida de Cristo. ...

Ler artigo
a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

Roma (NEV), 24 de dezembro de 2019 - A Agência NEV propõe uma série de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Hoje entrevistamos o Tenente Coronel Massimo Tursiatualmente no comando do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia. Tenente Coronel Tursi, o que tem corrido bem no último ano do ponto de vista do Exército de Salvação? Quanto ao Exército de Salvação, o ano de 2019 caracterizou-se por um grande dinamismo, não só no sentido do ativismo do movimento, mas pela força que surgiu nas diferentes comunidades e nos nossos centros. Sempre procuramos novas formas de tornar o nosso serviço mais eficaz, de responder às necessidades e expectativas das pessoas e de alargar os horizontes das próprias pessoas. E o que deu errado e poderia ser melhorado? O que tem se saído menos bem, na minha opinião, é nossa capacidade de encontrar recursos. A nossa é uma realidade pequena no mundo evangélico e no cristianismo italiano, estamos conscientes disso e não permitimos que seja motivo de desânimo. No que diz respeito às igrejas em geral, tenho percebido que questões da sociedade como injustiça, exclusão, desigualdade são muitas vezes apropriadas. Temos feito nossos esses temas, mas tenho a sensação de que temos dificuldade em levar a mensagem da salvação em Jesus Cristo para a sociedade e isso me entristece um pouco. Aproveitamos a onda de protestos, por exemplo, em relação à proteção da criação, um tema com o qual nós, como protestantes, temos lidado há décadas, mas toda vez que esse assunto volta à moda, parece que nós o acompanhamos. Acho que ao invés de acompanhar devemos despertar o interesse da sociedade pela nossa mensagem principal. Imagem retirada do site army ofsalvation.org O que está acontecendo na sociedade e na política, na sua opinião? Há um forte sinal de preguiça. As pessoas sabem o que devem fazer, mas não o fazem e cuidam da própria vida. A indiferença cresce, e quem mais levanta a voz dita regras e diretrizes. Lamento muito o individualismo em nossos partidos políticos, para os quais os objetivos importam menos que as correntes e a estrela do momento aponta o caminho, enquanto as pessoas se envolvem menos, arriscando um populismo fruto da ignorância para vencer. Quais podem ser as soluções para essa indiferença e as estratégias propostas pelo Exército de Salvação para 2020? O problema do individualismo não deixa imunes nem mesmo as organizações que, por natureza ou vocação, são chamadas a servir o próximo, a socorrer as pessoas em momentos de dificuldade. Precisamos trabalhar online. Já vi associações falarem do que fazem, esquecendo-se de referir que não o fizeram sozinhas, mas atingiram determinados objetivos com o apoio de outras organizações. Uma estratégia que adotamos há algum tempo e que tem dado frutos é trabalhar em conjunto, reconhecer que podemos fazer melhor e mais se o fizermos online. Alargando a nossa oferta não tanto, porque não queremos criar dependência, mas alargando a resposta às necessidades das pessoas. Se alguém sabe fazer melhor do que nós, colaboramos, oferecendo nosso conhecimento e nossos recursos. Devemos combater a tendência ao individualismo, lembrando que não somos melhores que os outros e que com apoio mútuo, inclusive financeiro e de competências, podemos alcançar objetivos melhores, além de nós mesmos. Como melhores objetivos podem ser alcançados? Ao participar de licitações e projetos, organizações e até igrejas são cada vez mais solicitadas a estabelecer uma rede. Quanto maior a rede, maior a chance de sucesso. Em alguns casos, competimos com outras associações, escrevemos cartas de intenção e realizamos projetos em colaboração ampliada. Graças a essas redes, é possível fazer muito, sem desperdiçar recursos. Podemos fazê-lo sempre porque não estamos sozinhos, porque não queremos lucrar com isso e porque há outros que também estão comprometidos conosco. É preciso gerir os projetos de forma virtuosa, sem privar os beneficiários de seus direitos. O lucro não é um objetivo: não é otimizado nos direitos das pessoas. Greta Thunberg ela foi, de acordo com a Time, Pessoa do Ano. Quem você elegeria a pessoa do ano? Eu poderia dar a impressão de estar indo contra a maré. Greta Thunberg está bem porque você está procurando um símbolo para apoiar uma ideia, e isso também é importante. Mas para mim a pessoa do ano deveria ser um herói, uma heroína, e aí penso em alguém como o capitão Carola Rackete que realizou apenas uma ação. Carola Rackete não fez campanha durante semanas, percorrendo o mundo inteiro, mas fez algo que considerou eticamente correto, sem medo das consequências. Para mim ela é a pessoa do ano, pela coragem que demonstrou, por ter tirado de uma situação dramática pessoas que já haviam sofrido demais. Imagem retirada do site army ofsalvation.org Quem você acha que merece esse reconhecimento na área da saúde? Há alguns dias visitei o monumento ao soldado desconhecido em Roma. Naquela ocasião, pensei nos muitos soldados que deram uma forte contribuição e disse a mim mesmo que talvez desse um reconhecimento ao "Voluntário Desconhecido". Muitos voluntários fazem uma contribuição fundamental para a sociedade todos os dias. Temos muitos voluntários, não só na Itália, mas em todo o mundo, cujos nomes não são necessariamente conhecidos por todos, talvez sejam conhecidos apenas por aqueles com quem estiveram em contato próximo; seja depois de um tsunami, depois de um terremoto, na entrega da tigela de sopa quente. Sem eles não poderíamos fazer tudo isso. Seus nomes são escritos para mim e são reconhecidos e apreciados. Haverá algumas novidades no Exército de Salvação em 2020. Sim. Haverá uma mudança em relação ao EdS na Itália e na Grécia. Eu e minha esposa, o tenente-coronel Anne-Florence Cachelin, estaremos nos mudando para Londres a partir de 1º de fevereiro. Os cônjuges chegarão à Itália Jacques e Claude-Evelyne Donze, da Suíça, que consolidará os muitos objetivos alcançados nos últimos anos e, como é habitual no Exército de Salvação, responderá de uma nova forma aos desafios que se apresentam. Aproveito para saudar e agradecer aos nossos leitores e aos nossos apoiantes que nos têm acompanhado ao longo dos anos e também aos jornalistas que têm dado espaço às nossas iniciativas. Aguardo vocês no dia 25 de janeiro, data em que poderemos nos despedir durante a inauguração do espaço recém reformado em um de nossos prédios e destinado a receber dublinenses ou beneficiários de corredores humanitários em colaboração com a Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) . Leia também A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): "Indo além da desertificação material e espiritual". A entrevista com o reitor Heiner Bludau da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): "A Igreja não deve se tornar um partido". ...

Ler artigo
as palavras para dizer a unidade das igrejas

as palavras para dizer a unidade das igrejas

Karlsruhe (NEV), 7 de setembro de 2022 – A quinta sessão plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (Karlsruhe, Alemanha, 31 de agosto a 8 de setembro de 2022) abordou o tema da unidade dos cristãos e o testemunho comum das igrejas. “Unidos não para ser servidos, mas para servir”, introduziu o bispo luterano Heinrich Bedford-Strohm – delegado da Igreja Evangélica Alemã (EKD), nome também conhecido do público italiano, por ser um grande apoiador de projetos humanitários para migrantes no Mediterrâneo - referindo-se a Mateus 20: 20-28, texto bíblico do penúltimo dia de trabalho da Assembleia. O Arcebispo de Canterbury, Justin Welby, foto Hillert/WCC. Justin Welby, o arcebispo de Canterbury, primaz da Comunhão Anglicana, depois de se referir à XV Conferência de Lambeth, falou das muitas crises que afetam o planeta, desde as guerras até as mudanças climáticas: "estamos em um mundo de crises, especialmente para os mais pobres e fraco. Neste contexto, os cristãos são chamados a ser uma comunidade, um povo capaz de redescobrir a sua paixão espiritual, em solidariedade com os que sofrem. Devemos enfrentar nossos medos, ser corajosos em nossas decisões, amar uns aos outros, para uma unidade mais visível”. O pastor coreano também pediu maior coragem ecumênica Joseop Keum, secretário-geral do Council for World Mission: “o mundo em que vivemos não precisa de pequenos ajustes, mas de mudanças radicais. Como cristãos, acreditamos que o poder do amor de Deus é mais forte do que o poder do dinheiro, e agimos de acordo, juntos”. Jacqueline Grey, Pentecostal World Fellowship. Foto Hillert/WCC. a pastora Jaqueline Grey da Pentecostal World Fellowish interveio para explicar como o movimento a que pertence – “jovem, cheio de energia e visões”, como ela o definiu – tem cada vez mais interesse pelo discurso ecuménico, tanto que entre as novas igrejas membros de o CMI, vários são pentecostais. “Cristo nos chama a amar uns aos outros, não a tolerar uns aos outros”. Mons. Brian Farrel, secretário do Dicastério vaticano para a Promoção da Unidade dos Cristãos, expressou uma avaliação positiva do trabalho realizado pelo Grupo de Trabalho Conjunto CEC - Igreja Católica Romana e a Comissão Fé e Constituição, da qual fazem parte membros católicos. “O que conquistamos deve nos levar a trabalhar ainda mais juntos”. O Metropolita Trabalho de Psídia, delegado do Patriarcado Ecumênico, nos convidou a manter os olhos bem abertos sobre o que está acontecendo em nosso presente, enquanto a assembléia se reúne em Karlsruhe: “uma nação cristã atacou outra nação cristã. Cristãos matam outros cristãos”. Para isso sublinhou a urgência da reconciliação «nas Igrejas, entre as Igrejas, com toda a humanidade, com a criação». Bran Friesen da Igreja Menonita do Canadá, por outro lado, recordou a necessidade de reparação e reconciliação com as populações indígenas, antes de tudo as de seu país, pensando também no genocídio cultural das escolas residenciais em que meninos e meninas indígenas foram testados na sua língua e na sua cultura. Eles também participaram do plenário Lani Mireya Anaya Jiménez da Igreja Metodista no México (em vídeo), e Rosemary Muthoni Mbogosecretário provincial da Igreja Anglicana do Quênia, que destacaram a contribuição inovadora das novas gerações ao processo ecumênico. O encontro foi encerrado com uma apresentação do conjunto Oikoumene Pasifika. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.