Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Roma (NEV), 22 de março de 2022 – O Comitê Conjunto das Igrejas Católicas e Protestantes da Europa emitiu uma declaração hoje. É um grupo de trabalho que reúne a Conferência das Igrejas da Europa (KEK) e o Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE). Apelando aos dirigentes das nações e à comunidade internacional, as entidades religiosas pedem que se façam todos os possíveis para pôr fim à guerra em curso “que está a destruir vidas e a causar sofrimentos indescritíveis”.

A declaração foi redigida na reunião de 21 de março em Bratislava, Eslováquia.

“O coração da fé cristã é a paz e a reconciliação, exemplificadas na vida de Jesus Cristo – reafirmam os signatários, citando a encíclica papal ‘Fratelli Tutti’ -. Jesus Cristo nunca convidou a fomentar a violência ou a intolerância. Ele mesmo condenou abertamente o uso da força para se impor aos outros”.

A religião, escrevem ainda as duas entidades, “não pode servir de meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”.

A Comissão Mista agradeceu às Igrejas e ONGs envolvidas nas zonas fronteiriças e de conflito, junto com as autoridades de seus respectivos países, no acolhimento dos que fogem da guerra. “Continuemos a rezar pelo dom da paz. Convidamos todos os cristãos a unirem-se a nós em oração, fortalecendo seus esforços para afirmar o valor da vida e promover ativamente a reconciliação”.

A reunião de Bratislava também foi uma oportunidade para discutir o compromisso das Igrejas europeias pela paz na Ucrânia, o estreitamento das relações entre as duas organizações e o atual processo sinodal da Igreja Católica. Entre os representantes do CEC estavam o presidente, pastor Christian Krieger. O vice-presidente, pároco Guli Francis-Dehqani. ainda é Valerie Duval-Poujol. Leah Schlenker. O arquimandrita Ignatios Sotiriadis. O Metropolita Joseph da Europa Ocidental e Meridional da Igreja Ortodoxa Romena. O secretário-geral Jørgen Skov Sørensen. O Secretário Executivo do CEC para o Diálogo Teológico Katerina Pekridou.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

Um ativista da paz nepalês da Operação Híbrida União Africana-ONU em Darfur (UNAMID) planta uma árvore do lado de fora da sede da UNAMID em El Fasher, Sudão. Foto da ONU/Albert Gonzalez Farran tirada de www.un.org/en/observances/environment-in-war-protection-day Roma (NEV), 3 de novembro de 2022 – No dia 6 de novembro, data em que se celebra desde 2001 o Dia Internacional para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente na Guerra e nos Conflitos Armados, também terá início a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima ( COP27 ). Neste contexto, e às vésperas do encontro nacional de ecocomunidades organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi lançado um documento conjunto. Assinado por GLAM, Pax Christi e pelo Grupo Inter-religioso para as Atividades Ecumênicas de Nápoles, o documento fala daecocídio como "um crime, pois ameaça a paz, a segurança e o bem-estar do mundo". Recordando uma declaração divulgada pelo Observatório sobre conflitos e meio ambiente e outras organizações, os signatários lembram que “O meio ambiente é um objetivo civil. A proteção ambiental é vital para a proteção dos civis. A contaminação ambiental pelo uso de armas explosivas representa riscos agudos e crônicos à saúde dos civis. Os detritos gerados pelo uso intensivo de armas explosivas em áreas povoadas podem criar riscos ambientais persistentes à saúde”. Além disso, sublinhando a coincidência entre o Dia da ONU e o início da COP27, as organizações voltam a escrever: "acreditamos que o termo 'desarmamento climático' exprime a ameaça ao planeta e o sofrimento do resto da criação devido às violentas e armadas gerenciamento de conflitos humanos. O dia 6 de novembro é, portanto, um dia para renovar o compromisso por uma paz justa para a Terra que passe pelo desarmamento e pela libertação das guerras e de uma 'ordem' mundial baseada na agressão, terror e desestabilização”. Para saber mais Baixe aqui o apelo conjunto: Dia da ONU sobre guerras, conflitos e meio ambiente. Para saber mais sobre o VI encontro nacional de ecocomunidades, intitulado "Plantando uma semente" (Nápoles, 4-6 de novembro de 2022), baixe o programa completo aqui: brochura do encontro nacional de ecocomunidades de 4 a 6 de novembro. Entre outras coisas, uma conferência pública, intitulada "Eco teologias para a comunidade da criação", está prevista para 4 de novembro às 18h30. Presença na igreja valdense, via dei Cimbri, 8 em Nápoles ou online na página GLAM no Facebook. Para todos os detalhes clique aqui: Folheto Conferência Pública 4 de novembro Nápoles. a COP27 A COP27 é a 27ª conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas e será realizada de 6 a 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito. Da Itália, o jovem metodista é creditado Irene Abbra, entre os representantes da campanha global Clima SIM (sigla para Youth Ecumenical Summit), liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Irene Abra também é Embaixadora do Clima do Conselho Metodista Europeu. O Climate YES nasceu no contexto da COP26 e da campanha mundial metodista Climate Justice for All (CJ4A). Quarenta jovens ativistas climáticos da Federação Luterana Mundial (FLM) também se juntarão à COP27 em uma espécie de revezamento com o lema "A criação não está à venda". São jovens de todo o mundo que, juntamente com várias organizações religiosas e da sociedade civil, defendem questões ambientais e negociam por justiça climática a nível global, regional e local. A FLM está presente nas conferências de mudanças climáticas das Nações Unidas desde 2011, defendendo o clima e a justiça intergeracional. ...

Ler artigo
Armênia, lugares sagrados e identidade

Armênia, lugares sagrados e identidade

Mosteiro de Geghard, Armênia (Foto de Barbara Battaglia) Roma (NEV), 10 de setembro de 2021 - Uma cúpula ecumênica na Armênia para a salvaguarda de igrejas e santuários, do patrimônio religioso, histórico e cultural como lugar de identidade para a população e os crentes. Vários expoentes protestantes participam do encontro que está acontecendo na Catedral e Santa Sé de Etchmiadzin, entre eles Jim Winkler, presidente do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA (NCCCUSA) e secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), Pe. Ioan Sauca. “Estamos na terra que foi proclamada o primeiro estado cristão na história da humanidade. No entanto, estamos reunidos no contexto de mais uma tragédia na vida do povo desta terra, o povo armênio”, disse Sauca, conforme comunicado divulgado no site do CMI. Um povo que "ao longo da história pagou um preço muito alto pela preservação de sua fé cristã. Essa história está escrita hoje em milhares de igrejas e santuários." Daí a necessidade de proteger este património artístico e cultural que é também um precioso testemunho do passado, da memória. “O compromisso com a liberdade de religião ou crença como direito humano fundamental e sua estreita ligação com a promoção e garantia da paz entre nações e comunidades fazem parte do DNA do movimento ecumênico”, acrescentou Sauca. “Ao proteger os espaços físicos utilizados para o culto, protegemos os fiéis. A importância dos locais de patrimônio religioso para indivíduos e comunidades, para a realização prática da liberdade de religião e crença e para a promoção e proteção da paz é cada vez mais reconhecida. Como pessoas de fé, nossas identidades humanas estão de fato intimamente ligadas aos nossos locais sagrados e locais de adoração. Isso é algo que temos em comum, em diferentes religiões. Devemos nos esforçar para nos tornar vizinhos em paz, respeitando e protegendo os lares uns dos outros. O povo armênio demonstrou ao longo da história seu compromisso com a justiça, a paz, o diálogo e o respeito mútuo, apesar das circunstâncias e desafios. Creio que é através destes valores que as gentes desta terra vão continuar a dar testemunho da sua fé”, concluiu o dirigente do CEC. Winkler e Sauca, depois da cúpula da Armênia, estarão nos próximos dias na Itália, em Bolonha, para participar do fórum inter-religioso do G20. ...

Ler artigo
Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Martin Luther, 500 anos atrás, a excomunhão do pai da Reforma

Roma (NEV), 3 de janeiro de 2021 – Em 3 de janeiro de 1521, com a bula Decet Romanum Pontificem, Martinho Lutero (1481-1546) é excomungado por Leão X. A acusação é de heresia. Reunimos aqui várias contribuições sobre a história e atualidade do pensamento de Lutero, quinhentos anos depois dessa data. Os quinhentos anos da Reforma foram celebrados em todo o mundo com inúmeras iniciativas em 2017: muitos eventos para comemorar as 95 teses que em 31 de outubro de 1517 Lutero afixou no portal da igreja do castelo de Wittenberg, iniciando assim a Reforma. A Federação Luterana Mundial (WLF) e o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPCU) concordaram, inter alia, durante sua reunião anual conjunta realizada em Genebra em janeiro do ano passado, para comemorar conjuntamente o 500º aniversário da excomunhão de Lutero, que ocorreu em 1521. O Secretário Geral da FLM, Martin Junge e o Presidente do PCPCU, Kurt Kochco-presidiu a reunião no FLM Communion Office. “No espírito do compromisso de continuar trabalhando para passar do conflito à comunhão, o evento conjunto se concentrará nos importantes desenvolvimentos ecumênicos dos últimos tempos. Será delineado como o caminho ecumênico das últimas décadas permitiu relacionar um momento doloroso da história com abertura ao dom da unidade, pelo qual luteranos e católicos continuam a rezar e trabalhar”, escrevem os promotores. Para expressar esta abertura ecumênica, será celebrado um serviço litúrgico em 25 de junho de 2021 em Roma, em antecipação ao 500º aniversário da Confissão de Augsburgo, apresentada naquela data, em 1530. Aqui oferecemos um pequeno texto de Lutero, divulgado nas redes sociais nos últimos meses, que pareceu profético para muitos, a respeito da pandemia em curso: “Vou pedir a Deus, por misericórdia, para nos proteger. Depois vou desinfetar com fumaça, para ajudar a purificar o ar, dar remédios e tomá-los. Evitarei lugares e pessoas onde minha presença não seja necessária, para não ser contaminado e não colocar em perigo outras pessoas, para não causar sua morte por negligência minha. Se Deus quiser me levar, certamente me encontrará e terei feito o que Ele esperava de mim, sem ser responsável nem pela minha própria morte nem pela morte dos outros. Se meu vizinho precisar de mim, não evitarei lugares ou pessoas, mas irei livremente como mencionado acima. Veja, é uma fé temente a Deus, porque não é impetuosa nem temerária e não tenta a Deus”. Da Riforma destacamos o artigo de Paulo Ribet no livro “Relendo a Reforma. Estudos sobre a teologia de Lutero”, publicado por Claudiana em 2020. No site da igreja luterana na Itália, vários insights e leituras. Em abril de 1521, o imperador Carlos V convidou Lutero para a Dieta Imperial em Worms para interrogatório. O Eleitor da Saxônia, Frederico, o Sábio, obteve salvo-conduto para Lutero. Quando perguntado se queria revogar seus escritos, Lutero respondeu que não, a menos que eles provassem que ele estava errado com base na Sagrada Escritura e termina seu discurso com as famosas palavras: “Aqui estou. Eu não posso de outra forma. Deus me ajude. Amém". No caminho de volta de Worms, Frederico, o Sábio, salva sua vida, sequestrando-o com um falso assalto e escondendo-o no castelo "Wartburg" sob o nome de Junker Jörg, onde Lutero traduzirá o Novo Testamento do grego para o alemão. Até 1534 traduziu toda a Bíblia, base importante tanto para o luteranismo quanto para a língua alemã. Nos anos seguintes, ele delineou sua posição, enquanto em 1525 se desenvolvia a Revolta dos Camponeses. Leia mais sobre a biografia de Lutero aqui. Aqui a apresentação do livro do professor Paulo rico “De monge a marido” que contém a tradução de dois escritos de Martinho Lutero sobre casamento e vida familiar. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.