Ucrânia, jovens protestantes: “Perseguir um caminho para a paz”

Ucrânia, jovens protestantes: “Perseguir um caminho para a paz”

Foto de Candice Seplow, unsplash

Roma (NEV), 17 de março de 2022 – “À luz do recente conflito resultante da invasão militar da Ucrânia pelo exército russo, que parece não querer parar mesmo diante dos apelos da comunidade internacional, como jovens Protestantes, membros de
FGEI – Federação da Juventude Evangélica da Itália, queremos nos unir à condenação deste enésimo ato de violência, que se manifesta em solo ucraniano e russo, atingindo civis inocentes e aqueles que manifestam sua dissidência a esta política imperialista”.
O Conselho FGEI escreve em um comunicado: Gabriel Bertin, Annapaola Carbonato, Emanuele DeBettini, Briga Gerard, Rebeca Malla, Roberta Pacílio.
“Expressamos preocupação com a extensão e destrutividade que este conflito pode assumir, considerando a ameaça decorrente do uso de armas nucleares – continua a nota -. Além de nos unirmos à oração por todo o povo ucraniano, unimo-nos ao apelo dirigido às instituições europeias e locais para garantir o acolhimento e apoio às pessoas forçadas a fugir ou permanecer em zonas de conflito. Esperamos que as práticas de ajuda humanitária implementadas neste momento de emergência possam abrir caminho para projetos de acolhimento transversal para garantir a cada pessoa o direito de determinar seu próprio futuro, e não criar discriminação contra aqueles que são forçados a abandonar o próprio país, seja qual for a razão.
As nossas palavras surgem também à luz do valor que o cidadão da União Europeia tem para a nossa geração, que cresceu também através de oportunidades de intercâmbio a nível internacional que se baseiam nos princípios comuns da democracia, liberdade, igualdade e respeito pela dignidade e pelos direitos humanos, bem como uma cultura voltada para a construção e manutenção da paz para todos.
A FGEI, enquanto parte ativa numa rede de federações juvenis a nível europeu e mundial, manifesta proximidade e apoio às federações irmãs e igrejas dos territórios afetados pelo conflito, partilhando os convites para momentos de oração ecuménica propostos por diversas realidades e reconhecendo neles o instrumento para redescobrir irmãos e irmãs amparados e guardados pelas mãos do Senhor em todo lugar e em toda situação. Neste momento queremos fazer nosso o apelo que nos é dirigido a ser luz nos momentos de escuridão e a reconhecer que não são os planos de violência dos poderosos de hoje que fecham o horizonte, mas que este se abre na esperança e na certeza que vem do Senhor e da sua promessa de paz e justiça. Sabemos que isso já se manifestou para nós no rosto e na história de Jesus de Nazaré, que nos ensinou que só a fé e a partilha podem verdadeiramente transformar o mundo, como nos recordam as palavras de Zacarias no Evangelho de Lucas: “Bendito seja o Senhor , o Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo, e nos deu um Salvador para iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte, a fim de guiar os nossos passos no caminho da paz”. Cabe a nós hoje – concluem os jovens protestantes – saber prosseguir juntos aquele caminho já traçado rumo à paz”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Tempo de criação.  O compromisso de cuidar da “casa comum”

Tempo de criação. O compromisso de cuidar da “casa comum”

foto de Francesco Gallarotti, unsplash Roma (NEV), 26 de agosto de 2021 – OOikosdo grego "casa", mas também "família" no sentido de todas as pessoas que compartilham uma casa comum, no centro da declaração conjunta do Cardeal Ângelo BagnascoPresidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), e do pároco Christian Krieger, Presidente da Conferência das Igrejas Europeias (CEC), por ocasião do Tempo da Criação 2021. Segue abaixo o texto da nota ecumênica: "Meu senhor, se achei graça aos seus olhos, não passe sem parar por seu servo" (Gn 18, 3). No deserto, estando Abraão sentado à entrada da sua tenda na hora mais quente do dia, mostrou-se acolhedor e generoso, e a partilha de um pouco de água e um pedaço de pão revelou a promessa de Deus diante dele. cheios de fé, compreenderam que a pobreza de espírito consiste em abandonar qualquer pretensão de encontrar soluções para todos os problemas, colocando a esperança em Deus, com humildade e paciência. O sinal bíblico da tenda de Abraão foi escolhido este ano para representar o compromisso de cuidar da "casa comum", de cuidar da criação, em espírito de acolhida e diálogo. A sabedoria desta passagem bíblica ilumina o caminho e o trabalho das Igrejas cristãs na Europa, que querem revigorar o seu compromisso com o cuidado da criação, para poderem renovar ooikos de Deus, como afirma o tema escolhido para a celebração do Tempo da Criação deste ano, para que se torne a casa de todos os filhos de Deus, sem exclusões de nenhum tipo". Aqui está a versão completa da declaração conjunta. O Tempo da Criação é um período litúrgico observado em todo o mundo para refletir, rezar juntos e agir pela proteção da Criação, retomando o calendário do patriarcado ortodoxo que desde 1989 dedica o dia 1º de setembro, início do novo ano litúrgico, para este tema. Para mais informações: online no site da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM), produzido para o Tempo da Criação 2021, contém materiais litúrgicos e insights que as igrejas e pessoas interessadas podem consultar e usar livremente. O título escolhido para 2021 é “Corpos. Vocêsibilante, invisível, comunidade, habitada pelo Espírito". ...

Ler artigo
Toti Rochat

Toti Rochat

Roma (NEV), 27 de junho de 2023 - Ela faleceu ontem à noite Toti Rochat. Nascida em Pavia em 1937 em uma família protestante, ela era uma pensadora e escritora ativa e comprometida. Referência de várias gerações de homens e mulheres, Rochat foi, entre outras coisas, um dos fundadores do Clube Cultural "Jacopo Lombardini". Com o apoio da Igreja Valdense, o Centro contribuiu durante anos para o desenvolvimento democrático de Cinisello Balsamo com o Clube Cultural e a escola popular para jovens e adultos. Na década de 1980 foi diretora da comunidade evangélica aldeia de Monteforte Irpino (Avellino). Estes foram os anos em que, dentro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Toti Rochat coordenou o trabalho na área afetada pelo terremoto de 23 de novembro de 1980, após o qual as igrejas evangélicas italianas e estrangeiras, juntamente com muitos fiéis , eles se mobilizaram para arrecadar fundos e ajudar. Desde 1992 ela é responsável por receber os visitantes do Waldensian Cultural Center e da Waldensian Foresteria em Torre Pellice, ajudando a construir o sistema de visitas a museus nos vales valdenses. Co-fundador do Museu das Mulheres Valdenses em Val Pellice, Toti Rochat é também autor do volume “Via Monte Grappa 62/b. O município de Cinisello na década de 70 entre a escola popular e as lutas operárias” (Marsilio, 2010) e co-autor do volume “A Palavra e as práticas. Mulheres protestantes e feminismos" (Claudiana, 2007), juntamente com Sabina Baral, Ines Pontet, Giovanna Ribet, Francesca Spano, Federica Tourn, Graziella Tron. Um livro que representa um "marco" entre a memória e o futuro. De fato, a historiadora Gabriella Rossetti escreve sobre nós, mulheres: . Muitas mensagens nas redes sociais dedicadas à figura de Toti Rochat. Abaixo, em memória da pastora Daniela Di Carlo. Para mais informações, leia a entrevista com Toti Rochat divulgada por ocasião da apresentação do livro sobre Cinisello Balsamo. ...

Ler artigo
Campobasso.  Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Campobasso. Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Detalhe da capa da publicação sobre lugares de encontro e lugares de oração em Roma e na Província editada por Caritas-Migrantes Roma (NEV), 11 de dezembro de 2020 - Cristãos de várias confissões (protestantes, católicos, ortodoxos), muçulmanos e representantes do Instituto Budista Italiano Soka Gakkai montaram uma mesa inter-religiosa em Campobasso. A própria Mesa deu-o a conhecer num comunicado divulgado hoje, destacando uma palavra comum para enfrentar a crise pós-covid: “juntos”. As comunidades de fé presentes em Campobasso “decidiram reunir-se em permanente discussão e mesa de apoio para testemunhar publicamente que uma nova forma de comunidade é possível e necessária”, lê-se na nota. “Esta é a era do necessário mascaramento de rostos e do distanciamento mútuo de segurança, é a hora do medo de estar muito perto, é a hora das exclusões sociais, é a hora dos fechamentos e da comunicação sem o corpo, da comunicação quase apenas telemática. . Neste tempo queremos afirmar juntos, nas nossas especificidades mútuas, que este é também o tempo de preparação para o futuro”, prosseguem os representantes religiosos. A Mesa Inter-religiosa pretende colaborar na criação de um sentido de comunidade e cidadania: "As religiões que representamos em Campobasso não se furtarão à responsabilidade da reconstrução social", escrevem novamente, sublinhando a sua vontade e compromisso de intervir contra o racismo, a exclusão, a violência , medo e ignorância. Leia o comunicado de imprensa completo em Riforma.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.