Pela primeira vez na Itália uma delegação de luteranos alemães

Pela primeira vez na Itália uma delegação de luteranos alemães


Roma (NEV), 19 de janeiro de 2011 – Milão, Roma e Cidade do Vaticano: estas são as etapas da grande delegação da Igreja Evangélica Luterana Unida na Alemanha (VELKD) que a partir de amanhã, 20 de janeiro, estará na Itália em visita oficial ao ensina relações ecumênicas. Não é por acaso que a visita, a primeira do gênero, ocorre em conjunção com a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos e haverá muitos momentos de oração e reflexão com representantes da Igreja Católica. A agenda lotada da delegação liderada pelo bispo da igreja da Baviera, Johannes Friedrich, presidente da Conferência Episcopal Luterana da Alemanha, inclui – entre muitos compromissos – uma audiência privada com o Papa Bento XVI no sábado, 22 de janeiro, reuniões com o Pontifício Conselho para a promoção da unidade dos cristãos e com a Comunidade de Sant’Egidio, enquanto nos dias anteriores a delegação se reunirá em Milão com o Cardeal Dionigi Tettamanzi, a Comissão diocesana para o ecumenismo e o diálogo e o Conselho das Igrejas Cristãs de Milão.

A delegação, composta por 19 pessoas, será acolhida pelos representantes da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): momentos de partilha com as comunidades luteranas locais e conferências públicas serão realizadas tanto em Roma como em Milão. De destacar são o plantio de duas “árvores de Lutero” – respectivamente em Roma na Basílica de San Paolo fuori le Mura e em Milão na Basílica de San Marco – uma iniciativa que faz parte dos preparativos para o 500º aniversário da Reforma em 2017 ( veja a notícia a seguir) Para o pastor Holger Milkau, reitor do CELI, a visita da VELKD – entidade que reúne cerca de 11 milhões de luteranos na Alemanha – é “um evento de extrema importância”. Em nota divulgada pelo CELI, ele declarou: “Para uma realidade minoritária e estatutariamente bilíngue (italiano-alemão) como a Igreja Luterana na Itália, esta visita tem um significado intrínseco de grande fraternidade e proximidade concreta.

E, precisamente pelo forte espírito ecuménico e pelos objectivos que a acompanham, assume uma importância ainda maior, cinco séculos depois da passagem de Lutero a Roma e num momento histórico mundial em que é incontornável um diálogo cada vez mais aberto e contínuo entre as suas várias componentes necessidade de todo o mundo cristão. Esta é uma convicção consolidada pela nossa experiência de uma Igreja com origem na Alemanha, quotidiana em Itália e ponto de observação sobre a bacia do Mediterrâneo e sobre os temas teológicos, religiosos e sociais que muitas vezes determinam os seus acontecimentos”. A visita da delegação do VELKD terminará no dia 25 de janeiro com a participação nas vésperas da

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Roma (NEV/Riforma.it), 23 de setembro de 2020 – A Comissão Europeia apresentará hoje, quarta-feira, 23 de setembro, o novo Pacto de Migração, uma reforma do regulamento de Dublin que visa não colocar todo o ônus das chegadas nos países de origem e deve acionar mecanismos de solidariedade estabelecendo certas obrigações, por exemplo, sobre relocações.Ontem, 22 de setembro, uma dezena de organizações religiosas globais e regionais divulgou uma declaração em defesa da situação dos migrantes e refugiados na Europa para definir seu chamado como cristãos para "acolher o estrangeiro e instar a criação de um mundo no qual nos tornemos humanos juntos ". “A solidariedade deve ser o princípio orientador que rege a migração e, especialmente, a recepção de refugiados”, afirmou o comunicado. “Esperamos que a União Europeia rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva baseada nos valores fundamentais em que a UE se baseia. Nossas organizações representam igrejas em toda a Europa e no mundo, bem como agências religiosas particularmente preocupadas com migrantes, refugiados e requerentes de asilo”, continua o comunicado. “Como organizações cristãs, estamos profundamente comprometidos com a dignidade inviolável da pessoa humana criada à imagem de Deus, bem como com os conceitos do bem comum, da solidariedade global e da promoção de uma sociedade que acolhe os estrangeiros, cuida dos que fogem do perigo e protegem os vulneráveis”. A declaração refere-se então ao recente incêndio no campo de Moria, que deixou 13.000 migrantes desabrigados. “Os acontecimentos da noite de 8 de setembro de 2020 no campo de Moria e nos dias seguintes mais uma vez evidenciaram o estado falido da política europeia de migração e asilo e o sofrimento que ela criou. O desespero das pessoas em busca de proteção, muitas vezes obrigadas a viver anos em condições desumanas, a raiva e a frustração dos moradores que sentem que a Europa os deixou sozinhos com o desafio de acolher e assistir, indicam como a resposta atual tem enfrentado os sintomas de um grande problema, mas não a causa real, e a reação da UE expressa simpatia, mas mostra uma profunda falta de responsabilidade e nenhum compromisso real de ajudar aqueles que precisam de proteção, bem como o Estado grego e a população local que os acolhe. A pandemia exacerbou as já desumanas condições de vida dos migrantes”, observou o comunicado. “A COVID-19 e as suas consequências tornaram ainda mais precária a já difícil situação das populações deslocadas em muitos locais: quer pela higiene inadequada nestas estruturas, quer pelos cortes drásticos nas rações alimentares e demais assistências disponíveis”, lê-se. “Restrições generalizadas ao movimento interno e transfronteiriço após a pandemia reduziram ainda mais o acesso das pessoas à proteção. Além disso, a sobrevivência econômica de muitas pessoas em movimento, bem como de seus convidados, foi prejudicada por bloqueios e medidas relacionadas, que atingiram particularmente os empregados no setor informal e afetaram os meios de subsistência. As organizações religiosas comprometem-se, portanto, a "apoiar uma abordagem mais digna para o acolhimento, proteção e cuidado das pessoas em movimento". O texto afirma ainda que "as igrejas e agências foram e serão proativas em oferecer uma recepção compassiva e promover a integração social e uma coexistência justa e pacífica, na Grécia e em toda a Europa e além". A declaração exorta a mídia a “respeitar a dignidade humana de migrantes e refugiados, garantir uma cobertura equilibrada de suas histórias, envolver-se com migrantes e refugiados e capacitá-los a contar suas histórias e evitar expressões negativas estereotipadas, bem como vitimização e simplificação excessiva. Também partilhamos a convicção de que os valores fundamentais da União Europeia de dignidade humana e respeito pelos direitos humanos devem ser refletidos na sua política quotidiana. A política de asilo e migração da UE deve ir além do modo de crise: os canais normais de migração, incluindo passagens seguras e corredores humanitários, serão uma parte essencial da redução dos incentivos para realizar viagens perigosas e minar o negócio do tráfico. Essas passagens seguras devem ser abertas a pessoas que buscam proteção, mas também envolver pessoas que se juntam a suas famílias ou vêm para a Europa para melhorar seu bem-estar e o bem-estar da região trabalhando na Europa. Em conclusão, apoiamos fortemente a assistência humanitária imediata para permitir que as autoridades gregas e os agentes humanitários no terreno respondam às necessidades das pessoas deslocadas, bem como soluções estruturais de longo prazo para a resposta da região às pessoas em movimento. Em particular, pedimos um pacto da UE sobre migração e asilo que assegure que cada estado membro cumpra suas obrigações para que os países nas fronteiras da Europa não enfrentem esses desafios sozinhos. Todos os Estados-Membros da UE, assistidos por intervenientes locais, incluindo igrejas, devem assumir as suas responsabilidades no acolhimento e integração dos refugiados através da reinstalação permanente e outros mecanismos de partilha de encargos. Esperamos que a Europa rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva assente nos valores fundamentais em que assenta a União”. A declaração conjunta é co-assinada pela ACT Alliance, a Comunhão Anglicana, a Comissão das Igrejas para Migrantes na Europa, a Conferência das Igrejas Europeias, a Igreja Evangélica da Grécia, o Centro de Integração para Trabalhadores Migrantes – Programa Ecumênico para Refugiados, Não- Organização Lucrativa da Igreja da Grécia, Federação Luterana Mundial, Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Associação Mundial de Comunicação Cristã, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (Região Europeia), Conselho Mundial das Igrejas e Metodista Mundial Conselho. ...

Ler artigo
“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

“Paz e a mensagem pacífica do Evangelho”

Pastora Sara Heinrich, consagrada no domingo 21 de agosto de 2022 Torre Pellice (Turim), 22 de agosto de 2022 – sara heinrich ontem, 22 de agosto, ela foi consagrada pastora durante a cerimônia de abertura da Assembleia do Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense. Neste vídeo uma entrevista para saber mais sobre o novo pastor, feita por Simona Menghini e publicado pela igreja valdense.org: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=uq6yvOksX28[/embed] Abaixo está a apresentação escrita pelo novo pastor para o semanário Reforma último dia 29 de julho: Meu nome é Sara Heinrich, sou casada e mãe de dois filhos. Desde 2019 acompanho o curso de formação para o pastorado na União das Igrejas Valdenses e Metodistas na Itália. No entanto, o desejo de ser pastor nasceu muitos anos antes e deriva do contexto de fé, mas também do contexto histórico em que cresci: as igrejas evangélicas na Alemanha na transição dos anos oitenta para os anos noventa, mais especificamente o cidade de Gelsenkirchen, a mais pobre da Alemanha Ocidental. Minha igreja local faz parte da United Church of Westphalia e está localizada em um bairro de mineração de carvão antigo, de baixa escolaridade, multicultural e multirreligioso. A vida comunitária, na qual a fé tinha relevância direta para a vida cotidiana, me moldou. Conheci a igreja local como um lugar de culto, um lugar de discussão e debate, um ponto de referência para o bairro e um refúgio, mas também um lugar de educação e resistência com todas as alegrias e problemas que isso trazia. Sendo o segundo de três filhos do pastor, cresci literalmente no meio da comunidade, certamente um dos motivos pelos quais já havia manifestado o desejo de ser pastor desde cedo. Outro elemento também foi decisivo para a minha fé, nomeadamente o protestantismo alemão depois do nacional-socialismo. Cresci como filha de uma geração de herdeiros de culpas esmagadoras, convencida de que a única salvação pode vir de Deus que salva o mundo por amor e que a única maneira de viver é seguir Seu filho e tornar-se construtores de Sua paz. Também por isso a minha fé é de alguma forma uma fé sem reservas, nunca a percebi como uma escolha mas como uma tarefa, não como um privilégio mas como uma responsabilidade, não como segurança privada mas como um convite a envolver-me no destino da criação . Ao me matricular no curso de graduação em Teologia Protestante, descobri um mundo novo. Pode-se dizer que "mergulhei" na alegria de descobrir novos contextos acadêmicos e eclesiásticos, e assim minha carreira universitária me levou a Bonn, Betel (Bielefeld), Roma e Heidelberg, onde pude ficar após a graduação como pesquisador e professor da cadeira de Estudos Religiosos e Teologia Intercultural. Tive meu primeiro contato com o protestantismo italiano durante meu ano no exterior na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, que escolhi porque estava curioso sobre a história desta pequena (pré-) igreja reformada, mas também a perspectiva minoritária: como isso afeta o vida das comunidades, a organização da Igreja e também a identidade protestante, sem imaginar ainda que significado teria para a minha biografia e para a minha vocação. Quando escolhemos a Itália como centro de nossa vida familiar em 2015, tornei-me membro da igreja valdense em Livorno, onde também celebramos a bênção de nosso casamento e o batismo de nosso filho. Para acolher a “vocação externa” precisei me distanciar do contexto em que cresci. Durante o meu período de experiência fui acompanhado – pontual e continuamente – por irmãs e irmãos que depositaram a sua confiança na minha vocação, sou profundamente grato a cada um deles. E é com gratidão que gostaria de viver o ministério, colocando meus dons a serviço de Deus, formando junto com minhas irmãs e irmãos o corpo visível de Cristo para testemunhar nossa fé aqui e agora. ...

Ler artigo
Luteranos do mundo.  Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

Luteranos do mundo. Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

A partir da esquerda: o prefeito de Gotha, Knut Kreuch, a secretária geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o bispo da Igreja Evangélica da Alemanha Central, Friedrich Kramer, por ocasião da entrega do prêmio "Der Friedenstein" a Anne Burghardt . Foto: Lutz Ebhardt Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – O Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), pároco Anne Burghardtrecebeu o prêmio "Der Friedenstein" 2022. Ao receber o prêmio, Burghardt lembrou a urgência de educar os jovens para serem promotores da reconciliação e da paz. A cerimônia de entrega ocorreu no dia 5 de maio na Gotha Cultural Foundation. É sobre a cidade da Turíngia onde Martinho Lutero ele ficou e pregou no período da Reforma. Gotha comemora 500 anos desde a Reforma este ano. Na cerimônia de premiação no histórico Palácio Friedenstein, Burghardt falou sobre o compromisso da FLM em promover "dignidade humana, justiça e paz". O prêmio, disse ele, será “um incentivo significativo para cada um de nossos funcionários e apoiadores, profissionais e voluntários, para continuar contribuindo para o trabalho vital de construção da paz. Tanto dentro das famílias, igrejas e comunidades, tanto nacional como internacionalmente”. Na motivação para o prêmio, o Comitê Organizador falou de Burghardt como um "especialista comprovado em teologia" e um líder "comprometido com o ecumenismo e as relações internacionais". Recebendo o prêmio em nome da comunhão global de igrejas da Federação Luterana Mundial, o pastor destacou a resposta da organização religiosa após o conflito na Ucrânia. Este esforço humanitário é coordenado em estreito contato com as igrejas dos países vizinhos, que estão na vanguarda da ajuda aos refugiados. O secretário luterano também destacou a necessidade de manter longe dos holofotes da mídia outros conflitos e crises que continuam fazendo vítimas e devastando comunidades. “Onde quer que a FLM esteja presente – disse – estamos tentando apoiar e dar voz aos que são marginalizados e sofrem com a guerra e a violência, a discriminação e o deslocamento”. missões de paz O prêmio será doado ao projeto Mensageiros da Paz da FLM para a formação de jovens para a mediação e construção da paz e reconciliação. O projeto é inter-religioso e intercultural. “Como organização de fé – concluiu Burghardt -, entendemos nossa missão como participação na missão holística de Deus, uma missão de serviço aos outros. Falar em favor dos homens e mulheres oprimidos. E pela resistência pacífica às estruturas injustas que oprimem, excluem e dividem povos e nações”. A premiação ocorre no ano em que a FLM comemora 75 anos de fundação. Anteriormente, eles receberam este prêmio, entre outros, a rainha Sílvia da Suéciao maestro alemão Kurt Masur e o dissidente chinês Wei Jingsheng. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.