Sínodo Valdense, “somos pequenos, mas destemidos”

Sínodo Valdense, “somos pequenos, mas destemidos”

Torre Pellice, 25 de agosto de 2023 – O Sínodo Valdense encerrou hoje, sexta-feira, 25 de agosto. Desde domingo, 20 de agosto, cerca de 180 deputados de toda a Itália discutem a vida das igrejas, a organização, os temas e os pedidos mais significativos para os protestantes.

Os cargos dos órgãos executivos da igreja valdense foram eleitos.

Na mesa valdense, o corpo diretivo, além do moderador Alessandra Trottaforam eleitos Erika Tomassone (vice-moderador), Inácio de Lecce, William Jourdan, Ulf Hermann Koller, Dorothea Müller, Andrea Sbaffi. Presidente da Associação das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): pastor reconfirmado Lucas Anciãos. No conselho da Faculdade Valdense de Teologia eles foram reconfirmados Lothar Vogel (reitor) ed Eric Noffke (vice-reitor). O pastor batista Francisca Nuzzolese ela foi eleita para a cátedra de teologia prática, a primeira mulher nesta função. O pastor Francisco Sciotto foi reconfirmado como presidente da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD/Diaconia Valdense).

No final do Sínodo, realizou-se a habitual conferência de imprensa de encerramento. “O adjetivo “pequeno” ressoou várias vezes nestes dias de Sínodo, com um espírito diferente, às vezes em oposição. Sabemos que o elemento de crescimento numérico não é necessariamente uma medida de qualidade evangélica, que a adesão em massa não dá necessariamente origem a comunidades saudáveis ​​– declarou a diácona Alessandra Trotta, moderadora da Mesa Valdense, em seu discurso final -. Mas devemos ser capazes de dizer honestamente a nós mesmos, olhando também para a realidade das nossas comunidades, que nem mesmo qualquer pequena coisa é sinal de coerência e qualidade evangélica. Uma comunidade que sabe exprimir plena e autenticamente o sentido de viver em Jesus Cristo, que sabe exprimir uma fé que, mesmo em potes de barro, na fragilidade e na imperfeição de tudo o que é humano, mantém a alegre consciência do poder do Palavra, sabe tornar o frescor que toca a vida real das pessoas, atingindo-as de forma significativa e relevante nas necessidades mais íntimas e concretas, uma comunidade que sabe se oferecer como lugar de acolhimento, de cura, de relações renovadas , de emancipação, de solidariedade, de amor, de esperança, cresce”.

Entre os temas discutidos, o acolhimento dos migrantes, com a aposta nos corredores humanitários e outras experiências de solidariedade em todo o território, a paz, os direitos das pessoas, a saúde pública, o não à criminalização da gestação para outros e a protecção de meninos e meninas, bem como todos os tipos de famílias. A noite pública do Sínodo, que decorreu na noite de segunda-feira, teve as questões de género no centro do debate, com uma discussão sobre “Mulheres no espaço público”. O Sínodo acolheu também diversas presenças de representantes de Igrejas de outros países, de toda a Europa e não só, bem como de personalidades do mundo ecuménico que trouxeram as suas saudações à assembleia.

Também novidade este ano é a primeira edição do “Sínodo para as crianças”, que contou com a participação de 16 meninos e meninas, filhas e filhos dos delegados e dos párocos presentes em Torre Pellice.

Todos os materiais, cobertura ao vivo das obras e coletivas de imprensa sobre:

www.rbe.it; www.chiesavaldese.org; www.riforma.it; www.nev.it.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Contra o Ódio e o Antissemitismo, um compêndio da FCEI

Foto T. Chick McClure @tchickmcclure de unsplash.com Roma (NEV), 13 de fevereiro de 2020 - Uma espécie de "manual do usuário" da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) sobre a luta contra o antissemitismo e a deriva do ódio, temas centrais da Semana da Liberdade 2020. “Nossa história de minorias discriminadas e às vezes perseguidas nos compromete a estarmos vigilantes contra todas as palavras de ódio, difamação e preconceito”, diz a primeira página do livreto “Contra o anti-semitismo e a deriva do ódio”. Assim, por ocasião dos dias em que se comemora o aniversário da concessão, em 1848, dos direitos de cidadania aos valdenses (e aos judeus no mesmo ano), a FCEI recorda o valor da memória, porque "lembrar significa tropeçando". "Como cristãos, devemos tropeçar - lemos precisamente no texto "marcado" FCEI - no fato de que a inimizade contra os judeus, ideológica antes mesmo de ser "praticada", foi alimentada no seio do discurso cristão e fez parte da bagagem "normal" do "qualquer" cristão. É uma história trágica, da qual tomamos conhecimento nas mortes que se seguiram à Shoah, iniciando uma revisão crítica do nosso passado e buscando uma nova compreensão do judaísmo e uma nova relação com o povo judeu”. Portanto, para melhor compreender o conceito de antissemitismo, o compêndio propõe três documentos, de diferentes fontes, úteis para esclarecer os termos da questão: a definição de antissemitismo pela International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA); o apelo de Beauveau, declaração conjunta de várias denominações cristãs, religiões e organizações de humanidades de 19 de fevereiro de 2019; um documento das igrejas alemãs (a Igreja Evangélica na Alemanha, EKD, a União das Igrejas Evangélicas UEK e a Igreja Evangélica-Luterana Unida da Alemanha VELKD, para ser mais preciso) intitulado "Projeções Perigosas", dedicado a duas áreas de preconceito: o esfera econômica e a relação entre anti-semitismo, sionismo e o Estado de Israel. Tantas fontes e recursos diversos, enfim, para se informar e se educar, porque o conhecimento é o único antídoto possível contra o racismo e porque, "depois do nazismo e do fascismo, todos nós deveríamos ter entendido aonde levam essas palavras (de ódio, ed) e que, no final, oprimem a todos.” Aqui fica o texto para descarregar, imprimir (com moderação, ou apenas em papel reciclado) e partilhar: Opuscolo_SettimanadellaLibertà_2020. ...

Ler artigo
Paolo Naso: não se resigne ao mal

Paolo Naso: não se resigne ao mal

Murais em Katowice, Polônia. Foto Pawel Czerwinski Unsplash Roma (NEV), 25 de outubro de 2022 – Enquanto as comunidades religiosas do mundo se reúnem no Coliseu de Roma para a cerimônia de encerramento do encontro “O grito pela paz”, o Mediterrâneo envolve mais mortos. O "grito pela paz" reúne muitas vozes e entre elas queremos retomar a de Paulo Naso, ex-coordenador do projeto Esperança do Mediterrâneo (MH) e atual pessoa de contato para as relações institucionais do MH dentro da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Paolo Naso falou esta manhã durante o encontro internacional anual de oração e diálogo pela paz entre as religiões do mundo, organizado pela Comunidade de Sant'Egidio. O contexto é o do Fórum sobre a responsabilidade das religiões na crise da globalização. “Os cristãos não aceitam o mal – disse Naso -. Dietrich Bonhoeffer não se resignou ao mal total e absoluto que via crescer ao seu redor; Martin Luther King não se resignou ao mal racista que permeava sua igreja e a própria comunidade cristã; Desmond Tutu ele não se curvou ao mal do apartheid e a um sistema de regras que criava hierarquias baseadas na cor da pele. Cada um à sua maneira enfrentou o problema de contrastar o mal, imaginando como interromper o fluxo de violência e ódio. Este é o desafio que enfrentamos hoje. Tal como acontece com as migrações globais, a política parece não encontrar soluções. Também não vemos aquele 'povo de paz' ​​que no passado marchou junto pelo desarmamento nuclear ou pela guerra no Iraque”. Foto Comunidade de Sant'Egidio Em seu discurso, Paolo Naso sublinhou o valor do que chamou de “a mais importante aventura ecumênica destes anos: o compromisso comum de conceber, implementar e promover corredores humanitários na Europa”. Paolo Naso então aborda a questão ucraniana: “Diante deste massacre da humanidade, até a voz dos cristãos está dividida. Os contrastes também atravessam nossa comunidade de fé. É um escândalo, um obstáculo dramático à credibilidade da nossa fé. Então? Oração é claro, como acontecerá em algumas horas. E então? Somos capazes de dizer e fazer outra coisa, algo mais?”. São três questões, segundo Paolo Naso, para recomeçar. “Podemos dizer que a guerra não pode ser abençoada? […] Podemos dizer juntos que a paz deve ser justa ou não? […] Finalmente, podemos dizer juntos que o uso de armas nucleares não pode sequer ser contemplado entre as opções militares plausíveis? Isso certamente se aplica à Rússia, mas também aos aliados da Ucrânia, aos Estados Unidos e ao campo ocidental no qual a Itália se reconhece”. Para ler o discurso completo de Paolo Naso no encontro internacional de oração e diálogo pela paz entre as religiões do mundo organizado por Sant'Egidio (Roma, 23/25 de outubro de 2022) clique abaixo. Paolo Naso - Não se resigne ao mal. Entre as presenças evangélicas do evento, também o presidente da FCEI, pastor Daniele Garrone. Para ler a meditação de Garrone clique abaixo. Daniele Garrone – A palavra de Deus gera sonhos. Para ver as outras presenças do mundo protestante e reformado clique aqui. ...

Ler artigo
“Cuidem-se”

“Cuidem-se”

Matheus Ferrero, unsplash Roma (NEV), 3 de janeiro de 2022 – Encontrar energia e impulso para concretizar o compromisso de cuidar uns dos outros. Não no sentido privado mas na dimensão mais pública, que vai “além da simpatia e do conhecimento”, ou seja, cuidar dos outros, de todos os outros. Esta é a mensagem central do vídeo com o qual o moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta queria enviar votos de felicidades para 2022. Aqui o vídeo completo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=6gSIkgW_F6M[/embed] De chiesavaldese.org. artigo anteriorUma noite em um jantar com Desmond TutuPróximo artigo501 anos atrás, a excomunhão de Martinho Lutero Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.