Sínodo Valdense, “somos pequenos, mas destemidos”

Sínodo Valdense, “somos pequenos, mas destemidos”

Torre Pellice, 25 de agosto de 2023 – O Sínodo Valdense encerrou hoje, sexta-feira, 25 de agosto. Desde domingo, 20 de agosto, cerca de 180 deputados de toda a Itália discutem a vida das igrejas, a organização, os temas e os pedidos mais significativos para os protestantes.

Os cargos dos órgãos executivos da igreja valdense foram eleitos.

Na mesa valdense, o corpo diretivo, além do moderador Alessandra Trottaforam eleitos Erika Tomassone (vice-moderador), Inácio de Lecce, William Jourdan, Ulf Hermann Koller, Dorothea Müller, Andrea Sbaffi. Presidente da Associação das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): pastor reconfirmado Lucas Anciãos. No conselho da Faculdade Valdense de Teologia eles foram reconfirmados Lothar Vogel (reitor) ed Eric Noffke (vice-reitor). O pastor batista Francisca Nuzzolese ela foi eleita para a cátedra de teologia prática, a primeira mulher nesta função. O pastor Francisco Sciotto foi reconfirmado como presidente da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD/Diaconia Valdense).

No final do Sínodo, realizou-se a habitual conferência de imprensa de encerramento. “O adjetivo “pequeno” ressoou várias vezes nestes dias de Sínodo, com um espírito diferente, às vezes em oposição. Sabemos que o elemento de crescimento numérico não é necessariamente uma medida de qualidade evangélica, que a adesão em massa não dá necessariamente origem a comunidades saudáveis ​​– declarou a diácona Alessandra Trotta, moderadora da Mesa Valdense, em seu discurso final -. Mas devemos ser capazes de dizer honestamente a nós mesmos, olhando também para a realidade das nossas comunidades, que nem mesmo qualquer pequena coisa é sinal de coerência e qualidade evangélica. Uma comunidade que sabe exprimir plena e autenticamente o sentido de viver em Jesus Cristo, que sabe exprimir uma fé que, mesmo em potes de barro, na fragilidade e na imperfeição de tudo o que é humano, mantém a alegre consciência do poder do Palavra, sabe tornar o frescor que toca a vida real das pessoas, atingindo-as de forma significativa e relevante nas necessidades mais íntimas e concretas, uma comunidade que sabe se oferecer como lugar de acolhimento, de cura, de relações renovadas , de emancipação, de solidariedade, de amor, de esperança, cresce”.

Entre os temas discutidos, o acolhimento dos migrantes, com a aposta nos corredores humanitários e outras experiências de solidariedade em todo o território, a paz, os direitos das pessoas, a saúde pública, o não à criminalização da gestação para outros e a protecção de meninos e meninas, bem como todos os tipos de famílias. A noite pública do Sínodo, que decorreu na noite de segunda-feira, teve as questões de género no centro do debate, com uma discussão sobre “Mulheres no espaço público”. O Sínodo acolheu também diversas presenças de representantes de Igrejas de outros países, de toda a Europa e não só, bem como de personalidades do mundo ecuménico que trouxeram as suas saudações à assembleia.

Também novidade este ano é a primeira edição do “Sínodo para as crianças”, que contou com a participação de 16 meninos e meninas, filhas e filhos dos delegados e dos párocos presentes em Torre Pellice.

Todos os materiais, cobertura ao vivo das obras e coletivas de imprensa sobre:

www.rbe.it; www.chiesavaldese.org; www.riforma.it; www.nev.it.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 11º dia.  Cuidadores entre a escravidão e a humanidade

16 dias para superar a violência, 11º dia. Cuidadores entre a escravidão e a humanidade

Detalhe do cartaz do filme ROMA, de Alfonso Cuaron (México, 2018, 135') Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 - Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da a Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 11: 5 DE DEZEMBRO Cuidadores: semi-escravos ou seres humanos? SOLICITARdiscutirComo tornar mais dignoa vida dos cuidadores? PARAConfiamos nossos mais velhos a eles e nãonossas casas, às vezes até nossos filhos, mas oferecemos-lhes salários ridículos, horas inadmissível e, muitas vezes, sem regracontrato. Mais de 60% dos trabalhadores domésticos são estrangeiros e, destes, mais de 80% mulheres.Muitos trabalham ilegalmente para garantir a si mesmos uma compensação um pouco mais substancialreferindo-se, no entanto, ao direito aos cuidados de saúderia, às contribuições e proteções que seriam devidasro de lei. Sem dias de folga, doença, espaços para a vida privada. Em alguns casos, então, atrás do mercado de cuidadores estrangeiros lá são mecanismos idênticos aos do tráfego humano: os recrutadores entram em contato com você para provocê traz trabalho, eles pagam sua viagem para a Itália, para depois "colocar-se" com uma família, com turnos intermináveis, privando-o de seu passaporte, ameaçando te colocar na calçadade se você não cumprir as regras e exigir até mesmo subornos a serem pagos à organizaçãoção. Os membros da família estão cada vez menos presentes com os idosos, são cada vez mais exigentes em econclusão das tarefas domésticas, o ua humanidade tem cada vez menos lugar do que os relacionamentostrabalhar com essas pessoas.O Nós vemos sempre menos.Na web existem anúncios como “Servizio Badanti 7 dias por semana… a partir de € 720”.Sim, você leu corretamente. Este tipo de injustiça, tornada possível pela necessidade das vítimas e muitas vezes silenciadas das paredes domésticas e a cumplicidade entre exploradores e "empregadores", reclama o justotia, requer nossa atenção. Proposta de Visão:ROMA direção Afonso Cuarón México, 2018, 135' História de uma empregada indiana de um família rica da Cidade do México (distrito de Roma), por todos e todas explorados e vilipendiados, mas cheios de dignidade, doçura, capacidade de cuidar. VERSÍCULO BÍBLICO Darei a vocês um novo coração e porei um novo espírito dentro de vocês; Tirarei de seu corpo o coração de pedra e lhe darei um coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei com que andeis nos meus estatutos, observeis e cumprais as minhas prescrições. (Ezequiel 36, 26-27) COMENTE Ezequiel ilustra um transplante: é removidoum coração endurecido, incapaz de garantirre vida, e substituído por um coração molee animado. Até o espírito requer um masmanutenção: o humano é rebelde, esquivote à ação de Deus, mas quando admitimos quanto precisamos Dele, Deus pode “fazer assim” que começamos a andar seEu conduzo suas leis, colocando dentro de nós o Seu Espírito! Sem o novo coração que Deus nos dá ofertas através do sacrifício feito por Jesus, não seremos capazes de amar, estimar, defender os nossos próximo, intercedendo por este mundo injusto. Sem o Seu Espírito não teremos sucessopermanecer sensível e conectado para discernirmal e enfrentá-lo. Como diz um velhohino: “Quem contempla a miséria alheia temeenquanto o choro triste sobe ao céu, alguns para cada um tormento em seu coração não estremece para seu Mestre ele não é mais fiel”. ORAÇÃO Senhor Jesus, obrigado por sua presença em nossas vidas.Você liberta os prisioneiros, levanta os caídos,curar os feridos. Ajude-nos a dizer a verdade,dai-nos coragem para denunciar injustiças ecolaborar na libertação dos explorados.Torna-nos atentos e sensíveis.Que você seja abençoado sempre. Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Ratzinger, um papa muito ‘papal’.  Entrevista com Fúlvio Ferrario

Ratzinger, um papa muito ‘papal’. Entrevista com Fúlvio Ferrario

Foto Wikimedia Commons Roma (NEV), 3 de janeiro de 2023 – Consultamos o teólogo Fulvio FerrarioProfessor Titular de Dogmática na Faculdade Valdense de Teologia em Roma, um dia após a morte de Bento XVI. Do ponto de vista protestante, quais foram as características marcantes, positivas e negativas, do pontificado de Bento XVI? Eu não quero oferecer classificações. Diria que Ratzinger foi um papa muito "papal" que, no século XXI, quis e soube propor um modelo de catolicismo extremamente perfilado, a nível eclesial, disciplinar e teológico. Isso não constituiu um problema particularmente grave para as Igrejas evangélicas: pelo contrário, criou dificuldades para as tendências, dentro da Igreja de Roma, que teriam querido entender o Vaticano II como ponto de partida e não como ponto de chegada. É justo dizer que Ratzinger foi o papa do inverno ecumênico, um inverno que talvez tenha começado quando ele era prefeito da Congregação para a Propaganda da Fé? Não creio que Ratzinger fosse contra o ecumenismo: na verdade, ele repetidamente se mostrou aberto à discussão e, em Erfurt, em 2011, disse talvez as palavras mais profundas que um pontífice já proferiu sobre Lutero (embora um observador malicioso pudesse insinuar que o a concorrência, afinal, não era muito forte...). Certamente, porém, concebeu o confronto em termos estáticos, como clarificação recíproca e não como contaminação, uma troca de carismas. Em todo caso, Bento XVI foi mais atento e perspicaz do que muitos de seus fanáticos, crentes e não (há também ratzingerianos ateus), que fizeram dela, pura e simplesmente, uma bandeira do conservadorismo ou mesmo da reação. Uma personalidade conservadora que, no entanto, surpreendeu a todos com sua renúncia, um gesto corajoso e um tanto revolucionário. Como você avalia esse aspecto? Espero não parecer irreverente se disser que ser emérito aos 85 anos me parece, entretanto, um gesto de bom senso. O fato de ser revolucionário diz algo sobre a instituição da Igreja Católica. Bento XVI era certamente um conservador, mas tinha uma consciência de fé muito lúcida, que lhe permitia distinguir pessoa de função em termos pouco usuais para a sua Igreja, mas dos quais, a partir de agora, creio que os seus sucessores terão de levar em conta. Depois de Bento XVI, foi eleito o Papa Francisco, de papa alemão para argentino. Ratzinger foi o canto do cisne da teologia européia em um mundo onde o cristianismo tem cada vez mais raízes no hemisfério sul? Não é apenas uma questão de teologia: é precisamente o centro de gravidade do cristianismo que se deslocou para o outro hemisfério. Claro que não posso dizer se isso significa o fim do papado europeu. O que é certo é que a verdadeira periferia do cristianismo hoje é a Europa; ou, dito positivamente, as igrejas européias podem ser concebidas como postos avançados missionários in partibus infidelium. ...

Ler artigo
17 de maio, Dia Internacional contra a omobilesbotransfobia

17 de maio, Dia Internacional contra a omobilesbotransfobia

Foto tirada de Roma (NEV), 10 de maio de 2023 – 17 de maio é o Dia Internacional de Luta contra a Homobilesbotransfobia. Várias iniciativas e vigílias em toda a Itália também envolverão as igrejas. Uma liturgia foi elaborada pela Comissão Batista, Metodista e Valdense "FeGeSe - Fé, Gênero e Sexualidade", em colaboração com a Rede Evangélica Fé e Homossexualidade (REFO). O versículo escolhido este ano foi retirado do Evangelho segundo Mateus 10,40: “Quem vos recebe, a mim me recebe, e quem me recebe, acolhe aquele que me enviou”. Este versículo da Bíblia une todas as vigílias e cultos de superação da homotransfobia que acontecerão no mês de maio de 2023. Na apresentação da documentação litúrgica (que contém leituras bíblicas, orações e hinos), lemos: "Como se sabe, em 17 de maio de 1990 a Organização Mundial da Saúde (OMS) eliminou a homossexualidade da lista de doenças mentais, mas, apesar disso, demorou faltam ainda quatro anos para a decisão se tornar operacional, com a posterior edição do Dsm (Manual Diagnóstico e Estatístico das Perturbações Mentais, 1994). Em 2007, na sequência de algumas declarações das autoridades polacas contra a comunidade LGBT, a União Europeia instituiu oficialmente o dia contra a homofobia no seu território”. Precisamente neste período em que se tenta limitar severamente os espaços democráticos, e no campo dos direitos civis há um fechamento cada vez mais forte às famílias homoafetivas, negando direitos adquiridos para o reconhecimento dos filhos nascidos em famílias homoafetivas, pedimos a todos vocês pastores, pastoras e comunidades que organizem reuniões, vigílias, cultos no dia da luta e contraste com a homossexualbotransfobia porque amor é amor e todos somos filhas e filhos de Deus independente de gênero e orientação sexual . O acolhimento e a inclusão são fundamentais para a vida cristã. Assinado fraternalmente e fraternalmente em Cristo pelo coordenador Daniela di Carlo e pelo coordenador Jorge Rainellia liturgia está à disposição de todas as igrejas e interessados ​​(para informações: [email protected]). “É um texto que convida as igrejas à inclusão. Vivemos um momento difícil e complexo onde cresce a discriminação combinada com o ódio social - escreveu o presidente da União Evangélica Batista Cristã da Itália João Paulo Arquidiácono em carta de apresentação às igrejas –. Aqueles que experimentam medos, discriminações e obstáculos odiosos no acesso a direitos em vários contextos sociais (família, escola, redes sociais, trabalho) todos os dias precisam ser reconhecidos precisamente no contexto em que vivem. Isso possibilita a resiliência, ou seja, a possibilidade de uma resistência não violenta e positiva para o bem-estar da sociedade e ao mesmo tempo a valorização da pessoa nas diversas relações humanas”. Entre as nomeações, destacamos: domingo 14 de maio Vigílias contra a homotransfobia. A igreja cristã e metodista de Vomero e a igreja valdense de Nápolesjuntamente com a Federação da Juventude Evangélica da Itália (FGEI), convidam para o culto dominical contra a homofobia e a transfobia em suas respectivas igrejas. Milão. 10h30, culto dominical contra a homotransfobia na igreja batista da Via Pinamonte. Terça-feira, 16 de maio “Quem vos acolhe, acolhe-me a mim”. Génova, 20h45, igreja de San Pietro in Banchi na Piazza Banchi. Vigília de oração pela superação da homofobia, transfobia e intolerância com Pe. Gianni Grondona, Vigário Episcopal da Arquidiocese de Gênova; Haim Cipriani, rabino; Lino Gabbiano, pastor batista; William Jourdan, pastor valdense; padre Marco Torre e padre Stefano Curotto da diocese de Chiavari. Promove o Grupo Bethel de Cristãos LGBTQ+ com o apoio da coordenação Liguria Rainbow. quarta-feira, 17 de maio “Não existe macho nem fêmea”. Turim, 21h, templo valdense em Corso Vittorio. A Igreja Valdense com Arcigay Turin Ottavio Mai e Turin Pride, noite de testemunhos. Descarregue aqui o folheto. Assistir. Trieste, 19h45 na Igreja Evangélica Metodista e Valdense em Scala dei Giganti, 1 perto da Piazza Goldoni. Vigília ecumênica de oração e música pela celebração da diversidade, para ajudar a construir uma sociedade plural. Organizado pela Associação Progetto Rùah, cristãos LGBT de Friuli Venezia Giulia e Veneto Oriental. “Quem vos acolhe, acolhe-me a mim”. Alexandria21h, na Igreja Evangélica Metodista de C.so Borsalino 24. Vigília pela superação da homotransfobia. Assistir. Gravina na Puglia, 19h, na Igreja Batista Evangélica Cristã na via Alcide De Gasperi 20h. "Coloco o meu arco na nuvem e ele servirá de sinal da aliança entre mim e a terra" (Gênesis 9:13) domingo 21 de maio Culto de domingo contra a homotransbifobia. Milão10h45, na Igreja Valdense. sábado, 27 de maio Vigília que reúne os diversos grupos, crentes homossexuais da Igreja Católica, escoteiros e igrejas evangélicas. Nápoles, 18h, igreja valdense na via dei Cimbri. No próximo ano, por alternância, será realizada na igreja católica. Outros agendamentos AQUI. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.