Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

Luteranos alemães ao Papa Francisco para “caminhar juntos”

A delegação do Comitê Nacional Alemão da Federação Luterana Mundial com Mons. Mathias Turco. A primeira da esquerda é Cordelia Vitiello da Igreja Evangélica Luterana na Itália (Foto: DNK/LWB)

Roma (NEV), 4 de junho de 2018 – “Nunca devemos voltar a 2017”. Ele disse para Papa Francisco o bispo luterano Gerhard Ulrichchefe da delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) recebeu hoje em audiência no Vaticano.

Referindo-se ao 500º aniversário da Reforma Protestante iniciada pelo monge agostiniano Martinho Lutero, por ocasião da qual a FLM e o Papa Francisco assinaram uma declaração conjunta em Lund (Suécia), Dom Ulrich admitiu que “há questões eclesiológicas que ainda preciso esclarecer, mas já hoje diante do mundo podemos dar juntos respostas diaconais”, como, por exemplo, o compromisso comum a favor dos migrantes e dos explorados, e no campo da promoção da paz e salvaguarda da Criação. Para o bispo, “o Jubileu da Reforma é um dos maiores dons de Deus do nosso tempo”. Sobre a recente abertura da Conferência Episcopal Alemã sobre a possibilidade de admitir à Eucaristia os cônjuges protestantes de fiéis católicos, Ulrich disse que observava o debate em curso com “atenção e grande esperança”. Sua esperança é que uma solução “unânime e aceitável” seja encontrada sobre o assunto.

O tema surgiu também em Lund e foi retomado na declaração final, onde a FLM e a Igreja Católica expressaram como responsabilidade pastoral conjunta a de “responder à sede e à fome espiritual” de muitos de seus membros “que desejam receber a Eucaristia na mesma mesa, como expressão concreta da plena unidade”.

Para o Papa Francisco, católicos e luteranos devem continuar em suas relações recíprocas “não com o entusiasmo de correr para alcançar objetivos cobiçados, mas caminhando juntos com paciência, sob o olhar de Deus” – conforme relata Vaticano Insider – porque “nenhum diálogo ecumênico pode avançar se ficarmos parados”. Alguns temas – continuou o Papa, citando os três elementos teológicos mais divisores das tradições católica e evangélica (a concepção do termo “igreja”, a Eucaristia e o ministério eclesial) – “merecem reflexões pontuais e bem compartilhadas. O ecumenismo pede também para não ser elitista, mas para envolver na fé o maior número possível de irmãos e irmãs, crescendo como comunidade de discípulos que rezam, amam e anunciam”. Portanto, para Papa Bergoglio, a ideia é continuar garantindo o apoio mútuo também continuando o diálogo teológico. O encontro foi concluído com a oração do Pai Nosso.

Ele também fez parte da delegação Cordelia Vitiellovice-presidente do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) e membro do Conselho da FLM.

Ontem, domingo, 3 de junho, a delegação do Comitê Nacional Alemão da FLM teve sua reunião oficial com o CELI. Bispo Ulrich, pregando durante o culto de domingo no igreja de cristo da via Sicilia em Roma, sublinhou a importância do pluralismo das tradições: “A diversidade é uma vantagem, não um obstáculo. Pelo contrário: a diversidade reconciliada é uma pré-condição para uma comunidade bem-sucedida”. Para Ulrich, a Igreja de Jesus Cristo é aquela da unidade vivida na diversidade.

A visita italiana do Comitê Nacional Alemão (CNT) da FLM segue até 7 de junho. (Para mais informações sobre a visita consulte o nosso artigo aqui). (gc)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Anne Burghardt é a nova secretária da Federação Luterana Mundial

Anne Burghardt é a nova secretária da Federação Luterana Mundial

Burghardt assumirá o cargo de novo secretário-geral da FLM no início de novembro, sucedendo o pastor Martin Junge que liderou a comunhão de 148 igrejas nos últimos onze anos. Ela será a primeira mulher e a primeira representante da Europa Central e Oriental a ocupar esta posição de liderança. Após o anúncio, Burghardt disse: “Sinto-me honrado por este grande papel e profundamente grato pela confiança que os membros do Conselho depositaram em mim. Ao aceitar esta responsabilidade muito especial na comunhão, oro pela orientação do Espírito de Deus. Congratulo-me com a oportunidade de trabalhar com o Conselho, igrejas-membro e vários parceiros enquanto a Federação continua a participar da missão holística de Deus. Que Deus abençoe nossa comunhão para que, por sua vez, seja uma bênção para a igreja em geral e para o mundo”. Parabenizando Burghardt por sua eleição, o presidente da FLM, o arcebispo Panti Filibus Musa, ele declarou: “Parabenizo a pastora Burghardt por sua eleição. Desempenhará um papel vital na liderança de nossa comunhão global de igrejas, ajudando a moldar sua jornada contínua e a dar testemunho do Evangelho, trabalhando pela paz, justiça e reconciliação. Burghardt traz sua inestimável experiência e presentes para sua nova função e estou ansioso para trabalhar com ela." Burghardt possui ampla experiência no campo das relações ecumênicas, tendo também atuado como Secretária de Relações Ecumênicas nos Escritórios de Provisão de Genebra da Federação Luterana de 2013 a 2018. Também foi Coordenadora de Conteúdo da XII Assembleia da Federação Luterana Mundial, realizada em Windhoek , Namíbia em 2017, e nas comemorações dos 500 anos da Reforma no mesmo ano. Ele também é membro do conselho de diretores da Conferência das Igrejas Européias (KEK). O pastor Burghardt estudou teologia na Universidade de Tartu, na Estônia, na Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg, na Alemanha, e na Universidade Humboldt de Berlim. Ele é mestre em Teologia e atualmente está concluindo estudos de doutorado no campo da liturgia ortodoxa. é casado com Arnd Matthias Burghardttambém ordenado pastor da Igreja Evangélica Luterana da Estônia e o casal tem dois filhos. ...

Ler artigo
A Resistência Transmitida – Nev

A Resistência Transmitida – Nev

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de abril de 2023 – Pelo menos quatro gerações se sucederam desde 8 de setembro de 1943, que marcou o período mais difícil da Resistência contra o nazifascismo, em oitenta anos, enquanto as testemunhas diretas partiram. Ao longo desse tempo, os historiadores trabalharam na reconstrução dos acontecimentos, dinâmicas e interpretações, com obras polêmicas como as de Renzo De Felice ou com leituras, como a de Claudio Pavone que reconheceu, a partir do próprio título de seu livro mais famoso , Uma guerra civil. Ensaio histórico sobre a moral na resistência (Turim, 1991), a existência simultânea de três guerras: uma patriótica, uma de classe e uma civil. Também houve muita discussão sobre questões como o papel da dissidência na era fascista quando, entre 1926 e 1943, 15.806 antifascistas (891 mulheres) foram encaminhados ao Juizado Especial de Defesa do Estado e até 12.330 ( 145 mulheres) enviadas para o exílio interno e ainda 160.000 submetidas a “supervisão especial”. O projeto totalitário foi analisado através da educação da juventude e da efetividade dos mitos do Império, da civilização italiana e católica, do legado imperial, etc. Por um lado, foi sublinhada a escolha motivada dos partidários, que depois de terem deixado as suas consciências balançar no vazio, recuperaram a plena responsabilidade individual nos valores da liberdade e da justiça. Por outro lado, a obediência daqueles que, participando na guerra patriótica, consideravam a morte um “feliz martírio”, como recitam várias canções fascistas, necessária para aniquilar o inimigo, identificando-se num projeto total de ação violenta. Esta página da história dividiu a sociedade italiana, mesmo na memória posterior. No entanto, a história da Resistência não pode ser esquecida por pelo menos três razões. A primeira é que sua moral fundamentava os valores da Constituição italiana. Para que se enraizasse, teria sido necessário um sólido projeto de formação das gerações seguintes nas escolas e fora delas, também com o exemplo de uma representação política coerente. A segunda razão é que era preciso admitir que nem todos haviam escolhido, que muitos haviam "olhado", defendendo a própria especial. A Resistência não perturbou apenas os aliados - a 7 e 26 de Dezembro de 1944, nos documentos nascidos das reuniões entre Cinai (Comité de Libertação Nacional da Alta Itália) conhecidos como Protocolos de Roma, os britânicos negaram a este órgão o reconhecimento da função governamental que lhe confiava com um simples papel técnico - mas uma parte dos aparatos institucionais que, com a anistia de Togliatti, retomam a continuidade com o fascismo. A brecha na sociedade italiana, em outras palavras, quase nunca foi sanada com um salutar ato de justiça. A enorme tarefa de curar as feridas da oposição entre os italianos não se cumpriu na franqueza de verdades transparentes, mesmo incômodas, e vemos ela se arrastar até o nosso presente, reverberada na linguagem totalitária e discriminadora daquelas forças políticas de flagrante fascismo antepassados. A terceira razão pela qual a história da Resistência não pode ser esquecida é que, mesmo que não seja dita, ela permanece exatamente com suas divisões na sociedade italiana, porque a Resistência é certamente um acontecimento histórico, mas também um sentimento e um estilo de vida que todos A era fez com que as pessoas se descobrissem não como os brados de hosanas nas praças à guerra e a Mussolini, mas como aquele com quem compartilhar uma nova visão de vida comum, respeitosa uns com os outros. A escolha de ontem, diz Pavone, sempre precisou ser renovada a cada dia. Assim como para nós hoje, todos os dias nos perguntamos o que significam os Princípios da Constituição. Foto de Nadia Ginevra Goglio, Monumento em memória dos guerrilheiros que morreram nas mãos dos fascistas, Fondotoce (VB) ...

Ler artigo
Mulheres e a Bíblia” no início, boom de matrículas

Mulheres e a Bíblia” no início, boom de matrículas

Arquivo. 9 de março de 2015, assinatura no Senado do Apelo Ecumênico contra a violência promovido pela FDEI. Foto Elena Ribet Roma (NEV), 12 de março de 2021 – Atualmente, há 159 inscrições para o curso de teologia online "Violência e poder: mulheres e a Bíblia", que começa no domingo, 14 de março. Estamos falando de 159 homens e mulheres, católicos e protestantes, entre diáconos, teólogos, universitários, professores. Além disso, pastores probatórios, estudantes de faculdades teológicas, candidatos ao ministério e pessoas de diversas origens ecumênicas. Por exemplo, representantes de igrejas latino-americanas, de uma faculdade pontifícia, da Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI), da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Algumas inscrições vêm da Suíça, Argentina e Colômbia. Nos círculos protestantes e reformados, as inscrições vieram de áreas batistas, valdenses, luteranas, metodistas, do Exército de Salvação (SE), bem como de igrejas adventistas e pentecostais. Foto do cartaz do FDEI – detalhe. Imagem de Silvia Gastaldi – aquarela Ester O curso é organizado e promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). “Este é o sinal claro de uma necessidade que se faz presente – declarou o presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio -. Estou muito feliz com essa incrível variedade de inscritos. A esperança é que este seja apenas o começo”. Essa necessidade de conhecimento nasce do desejo “de uma abordagem diferente, uma abertura à leitura dos textos bíblicos para redescobrir contextos e histórias que obscureceram o feminino por séculos – continuou Lio -. O trabalho do FDEI é assim. Contra a violência contra a mulher, sempre, e à luz da palavra”. O curso será ministrado por corinne lanoirestudioso da Bíblia e professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Protestante de Paris, e por Letizia Tomassoneteóloga, professora do curso de "Estudos Feministas e de Gênero" na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Os encontros serão realizados no Zoom de 14 de março a 9 de maio de 2021. Para informações, escreva para [email protected] As pessoas inscritas no curso receberão referências bíblicas e bibliografia aprofundada para cada encontro, além do link para se conectar à plataforma zoom onde será possível interagir com dúvidas e comentários. Os não inscritos ainda poderão acompanhar o curso em vídeo aula, diferido, na página do Facebook da igreja valdense em Florença, neste link. Segue abaixo o calendário de reuniões. Baixe o cartaz do curso de Teologia Bíblica em pdf 1ª REUNIÃO Como lemos a Bíblia. Até as matriarcas sofrem violência de gênero 14 de março das 17:00 às 19:00 zoom 2ª REUNIÃO Histórias de violência e patriarcado 28 de março das 17:00 às 19:00 zoom 3ª REUNIÃO O silêncio das mulheres 18 de abril das 17:00 às 19:00 zoom 4ª REUNIÃO Violência econômica e de poder 9 de maio das 17:00 às 19:00 zoom A Federação de Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) é um movimento de mulheres pertencentes às igrejas batista, metodista, valdense e outras organizações de mulheres na área evangélica (luteranas, adventistas, Exército de Salvação e Igreja Reformada do Ticino). Organiza e participa em iniciativas conjuntas com organizações de mulheres protestantes a nível internacional e mantém relações com organizações de mulheres católicas e seculares a nível nacional e local. Entre as iniciativas, a promoção do Apelo Ecumênico contra a violência contra as mulheres, assinado pela Igreja Católica, a Federação das Igrejas Protestantes da Itália, a Sagrada Arquidiocese Ortodoxa da Itália e Malta, a Diocese Ortodoxa Romena, a administração das paróquias da Patriarcado de Moscou, Igreja Ortodoxa Copta, Igreja Apostólica Armênia, Igreja Católica Bizantina Ucraniana, Igreja Católica Nacional Polonesa dos Estados Unidos da América e Canadá. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.