Fiona Kendall no novo Comitê Executivo da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa

Fiona Kendall no novo Comitê Executivo da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa

Roma (NEV), 16 de outubro de 2020 – Meu colega Fiona Kendallassessora de assuntos europeus e jurídicos da FCEI, passou a integrar o novo comitê executivo da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME), como moderador adjunto.

O CCME, como afirma o site da comissão, é “uma organização ecumênica” que ajuda “as igrejas em seu compromisso de promover a visão de uma comunidade inclusiva, apoiando uma política adequada para migrantes, refugiados e grupos minoritários a nível europeu e nacional. Ao cumprir este mandato, respondemos à mensagem da Bíblia que insiste na dignidade de todo ser humano e na compreensão da ausência de distinção entre estrangeiros e nativos”.

Fiona Kendall, uma advogada, tem fortes laços com a Igreja da Escócia, onde cresceu, e a Igreja Metodista, onde desempenhou um papel ativo durante uma década passada em Yorkshire. Ela está atualmente envolvida com a Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, como parte do programa de migrantes e refugiados, Mediterranean Hope.

Parabéns à Fiona de toda a FCEI e votos de bom trabalho.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 6º dia.  trabalho feminino

16 dias para superar a violência, 6º dia. trabalho feminino

Roma (NEV), 29 de novembro de 2022 - Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da a Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 6: 30 DE NOVEMBRO Trabalho feminino: pouco e frágil, principalmente para as mães SOLICITARdiscutirQue experiênciasexclusão zeou subestimarção que temosmorei em nossa experiênciaRienza funcionavocê quer? cA Itália é a Cinderela na Europapara as taxas de emprego feminino éAmplamente conhecido. Eles têm um emprego na2021 apenas 53 em cada 100 mulheres pertencentes apopulação "em idade ativa" entre 20 e 64 anos,contra 72 homens em 100. Na Europa, apenas oA Grécia regista valores piores que os nossos. Com-temporariamente, entre as mulheres odesemprego e, sobretudo, inatividade, ou seja,a condição de quem desiste mesmo procurando,trabalho, pois se sente privada de qualquer possibilidadecapacidade de encontrá-lo, ou porque o outro trabalho,a do cuidado, também te impede de procurá-la.O trabalho não declarado é maior entre as mulheres, o trabalhotrabalho a termo, trabalho a tempo parcial, especialmente oso involuntário, não escolhido por mulheres, mas sofrido,porque tempo integral não está disponível.Mas vale a pena descobrir para quais mulheres osituação é pior. Não para mulheres comalto nível de escolaridade (e são muitos, porque as mulherescompõem a maioria dos graduados, mesmoque se ainda são muito poucos nas disciplinasciência), não para mulheres sem filhos, maspara quem tem filhos, principalmente os pequenoslá. A taxa de emprego das mulheres de 25-49anos com crianças menores de 6 anos é igual a54%, enquanto o de mulheres da mesma idadesem filhos é de 74%. 20 pontos de diferença, neiqual deve ser buscado o principal motivo paraque na Itália temos tão poucos filhos. Proposta de Visão: StACHAMOS QUE É FEMININA dirigido por Mário Monicelli Itália/Francêsoi, 1986, 120' Retrato irônico, às vezes dramático, de uma família em que fragilidade dos machos e a firmeza dos um universo feminino, representado por personagens inesquecíveis para osua simpatia. VERSÍCULO BÍBLICO Rute, a moabita, disse a Noemi: "Deixe-meir aos campos para respigar atrás daquele em cujos olhos eu terei achado graça". E ela respondeu-lhe: «Vai, minha filha». Rute foi e colheu no campo atrás dos ceifeiros (Rute 2:2-3) COMENTE À primeira vista, a Bíblia aparece dominada pelo estereótipo patriarcal que quer a mulher em casa, excluída do espaço público. Mas uma leitura atenta mostra como esta situação é fruto daquele desejo de dominação que envenena imediatamente a relação entre homens e mulheres. No Jardim do Éden ouvimos apenas a voz de Adão, que define Eva, a quem ele descarrega a responsabilidade pela transgressão. Na cena que denuncia a culpa, o patriarcado é descrito: o homem em posição de dominação, que trabalha a terra; a mulhersuccubus, dando à luz com dor. Mas a Bíblia também apresenta a cena da redenção: outro jardim, o do Cântico, no qual é a mulher que toma a palavra e toma a iniciativa. E depois Rute, outra sulamita, que não tem medo de sair de casa para ganhar o pão e reabrir a história à esperança messiânica. ORAÇÃO Dá-nos a sabedoria de Noemi,que não travamas convida você a ir.Dai-nos a coragem de Rute,o estrangeiro que não tem medo deexponha sua diferença.Concedei-nos, Senhor, ousargnare grande, juntamente com oestudar os pequenos gestos possíveis.E deixe enquanto respigamos nocampos de outras pessoas encontramos o sentidoConheço a dignidade de nossas vidas,além da fome e da paralisia,para gerar futuro. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Luteranos do mundo.  Secretário-geral Junge deixará o cargo em 2021

Luteranos do mundo. Secretário-geral Junge deixará o cargo em 2021

Martin Junge durante a 12ª Assembleia da FLM em Windhoek, Namíbia, maio de 2017. Foto FLM Roma (NEV) 21 de maio de 2020 – O pastor Martin Junge é o primeiro secretário geral latino-americano da Federação Luterana Mundial (FLM). Em comunicado divulgado ontem por Genebra, Junge anunciou sua renúncia a partir de 31 de outubro de 2021, três anos antes do fim de seu mandato. “Acredito firmemente que a mudança regular na liderança é de grande valor para qualquer organização. Ele apóia a inovação, revigora a visão e infunde as organizações com um novo impulso. Isso vale também para a Federação Luterana Mundial – disse o pároco -. Agora é a hora de abrir espaço. Meu mandato deveria ter terminado um ano após a Assembleia de 2023. Uma mudança de liderança em 2021 abre caminho para uma transição e prepara o terreno para uma transferência significativa e para a elaboração de uma nova estratégia, para conduzir a Federação ao futuro em que Deus é chamando comunhão. O meu anúncio surge num momento de grandes desafios relacionados com a pandemia de covid-19. Prometo continuar meu trabalho com constância, empenho e dedicação enquanto permanecer no cargo. Assumirei as responsabilidades da função, reportando-me às igrejas-membro e à FLM. Para isso, continuo contando com a graça de Deus, que nos torna livres para viver e trabalhar juntos por um mundo justo, pacífico e reconciliado”, concluiu Junge. Eleito pelo Conselho da FLM em 2009, Junge assumiu o cargo de secretário geral em 1º de novembro de 2010. Nascido no Chile em 1961, casado, pai de dois filhos, o pároco estudou no Chile e na Alemanha. Dentre seus compromissos e atribuições, destaca-se sua participação em diálogos ecumênicos nacionais, que levaram à assinatura do reconhecimento mútuo do batismo em 1999 por igrejas católicas romanas, sírio-ortodoxas, anglicanas, evangélicas luteranas, reformadas, metodistas e várias pentecostais. Cobriu missão e desenvolvimento, globalização neoliberal e dívida externa ilegítima. Sob sua liderança, a Federação Luterana Mundial trabalhou para construir relacionamentos dentro da comunhão, expandindo suas operações e quase dobrando seu orçamento para atender pessoas pobres e marginalizadas em todo o mundo, incluindo mais de 2 milhões de refugiados. , pela defesa dos direitos, pelo clima justiça e promovendo dentro da FLM uma "Política de Justiça de Género". O secretário-geral agradeceu ao Conselho da FLM, às igrejas e a todas as pessoas que com ele colaboraram ao longo dos anos pela confiança e apoio, considerado “uma honra, um privilégio e uma experiência estimulante”, disse Junge. O presidente da Federação Luterana Mundial, Panti Filibus Musa, ele usou palavras de agradecimento a Junge por seu serviço, realizado "com integridade, sabedoria, imaginação, habilidade e intuição - e também com humor e alegria". O Conselho FLM elegerá um novo secretário geral em junho de 2021. Leia a biografia completa de Martin Junge aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.