A Concórdia de Leuenberg nas palavras de Mario Fischer

A Concórdia de Leuenberg nas palavras de Mario Fischer

O Secretário Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE), Mario Fischer. foto CELI

Roma (NEV), 3 de maio de 2023 – O Secretário Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE), Mário Fisherfalou em 28 de abril passado durante o Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), em Catania.

Fischer dedicou um extenso discurso ao 50º aniversário do “Acordo de Leuenberg”, assinado em 16 de março de 1973. Assim chamado pelo nome da cidade suíça perto de Basel onde este ato foi assinado, o Acordo representa o reconhecimento mútuo e a superação de conflitos históricos divisões entre luteranos e reformados, um passo importante em um processo que levou à formação, em 2003, do próprio CCPE.

Partindo de alguns dados históricos, Fischer falou da estrutura e das atividades da Comunhão e dos desafios atuais. O CCPE reúne diferentes igrejas evangélicas: Luterana, Reformada, Igrejas Unidas. A Igreja Valdense Italiana – União das Igrejas Metodista e Valdense também faz parte dela. Do ponto de vista histórico, antes da Reforma, existiam justamente os Valdenses, em 1200. Depois vieram os Irmãos Boêmios e os Hussitas, no século XV. Depois os Reformados e por fim os Metodistas, no século XVIII. Fischer também citou anglicanos, ortodoxos e batistas.

O ponto crucial é a diferente interpretação da presença de Cristo durante a Santa Ceia. Deve-se dizer que luteranos e reformados não puderam celebrar a Ceia juntos por 450 anos. Diferentes igrejas, milhões de fiéis, que de alguma forma sofreram. “No final da Segunda Guerra Mundial – disse Fischer – muitas pessoas foram expulsas e depois integradas e refugiadas em outras igrejas, mas não puderam celebrar juntas”.

O Acordo de Leuenberg foi fundado, explicou Fischer, “com o objetivo de explicar o que é a comunhão eclesial, como celebrar a Santa Ceia juntos. Se dissermos que temos a mesma base, o mesmo entendimento do evangelho, a mesma doutrina da justificação, se dissermos isso também podemos dizer que pertencemos à mesma igreja que Jesus Cristo. E que os sacramentos são o batismo e a Santa Ceia. Portanto, hoje não estamos mais presos às condenações doutrinárias do século XVI”. São aqueles que querem permanecer divididos que devem explicar por que querem permanecer divididos. Quem quiser estar em comunhão eclesial, disse Fischer, não precisaria dar explicações. Este é o ambiente em que nasceu Concórdia, que certamente não nega questões em aberto ou explicações sobre como alcançar a comunhão eclesial. A ideia não é formar uma “superigreja”, mas sim reunir igrejas mantendo-se independentes: “não queremos a mesma liturgia, mas apesar disso somos uma igreja unida”. Como uma comunidade ecumênica inteira, ele disse novamente, todas as igrejas cristãs devem ser independentes, mas em comunhão.

Entre os pontos-chave da Concord, segundo Fischer, estão o testemunho e o serviço ao mundo. Precisamos de “trabalho teológico contínuo, mesmo em controvérsias”; você precisa de uma organização; precisa de diálogo. “Não estou falando de um diálogo ecumênico – disse o secretário -. Nos diálogos há muitos documentos, uma espécie de mausoléu do ecumenismo. No Concordia era importante começar com um ato performativo. O documento era apenas uma espécie de ‘contrato de casamento’. Uma vez inscritos, precisávamos de tempo para nos conhecermos e crescermos juntos. 50 anos é pouco tempo para as igrejas. Não importa se não concordamos em tudo, não importa se temos uma toga preta ou branca, isso são assuntos secundários. A identidade é importante, mas não afeta o fato de ser cristão”.

A Concórdia de Leuenberg, portanto, diz que a consagração é mutuamente reconhecida. Assim como a comunhão no culto e a vontade de assumir posições evangélicas e atuar conjuntamente, na Europa e localmente, nas questões éticas. Concórdia representa um lugar de reflexão teológica comum, um nível avançado de conversação, inclusive doutrinária, que depois é relatada e discutida nas assembléias gerais e depois trazida de volta para as igrejas. A comunhão eclesial é o instrumento através do qual se pode discutir, orientar e consultar sobre qual é a compreensão da igreja a nível global, sobre o que as igrejas evangélicas e protestantes podem trazer para o diálogo ecuménico.

O site Concordia coleta, por exemplo, materiais em vários idiomas. Entre eles, hinos em cerca de 20 idiomas europeus e manuais sobre como celebrar um batismo em outro idioma. “As traduções exigem os termos certos – explicou Fischer -. Como você responde em inglês quando se casa? ‘Sim, eu vou’ ou ‘Sim, eu faço’? Podem parecer coisas pequenas, mas são importantes.”

A Concórdia de Leuenberg trata também da promoção da unidade dos cristãos, do diálogo com o Dicastério pontifício, promove diálogos com as Igrejas ortodoxas e anglicanas, com as Igrejas da migração, como a Igreja Presbiteriana da Coreia, a do Gana, com a Igreja protestante malgaxe, muito relevante na França, e com as igrejas evangélicas da Nigéria, que tem muitos membros na Holanda e Holanda.

São muitos os projectos realizados, pelos órfãos, pelos direitos humanos, para levar a voz evangélica à Europa a nível institucional, para informar as igrejas nos contextos locais, sobre os mais diversos temas, desde o fim da vida, à sexualidade, à casamentos, às famílias. E, ainda, seminários teológicos, com envolvimento dos jovens, trabalhos a nível internacional, publicações…

Fischer também falou de “teologia da diáspora”, perguntando-se “o que podemos aprender? O que é a igreja? As minorias resistem se tiverem relações e colaborações internacionais”. O CCPE tem 95 igrejas membros, representando 40 milhões de pessoas na Europa, incluindo 20 milhões na Alemanha. O convite de Fischer é “Melhor fazer menos”, ou seja, “concentre-se em poucas coisas, dividindo as tarefas, para unir os poucos recursos e, assim, ter grande margem de ação”. Como serviço das igrejas e para as igrejas, Fischer também pediu que continuemos nos informando e divulgando o que as igrejas já estão fazendo: do pluralismo à aceitação, são muitos os temas em que nossas igrejas têm feito muito. Entre eles, “a migração, mesmo dentro da Europa, e as diferentes línguas. Nossas estruturas eclesiásticas terão que lidar com isso, com forças de trabalho e identidades que se misturam. Temos que dar uma ‘pátria’ para as pessoas, nas igrejas. Depois, há a questão dos jovens e como a Igreja é vivida em diferentes países. Na Roménia. Na Hungria. Na Escandinávia… Finalmente, a secularização. Grande tema de nosso tempo e das gerações futuras, que como igrejas devemos ter em mente”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

24 de fevereiro.  “A paz é a vitória que precisamos”

24 de fevereiro. “A paz é a vitória que precisamos”

Roma (NEV), 22 de fevereiro de 2023 – 24 de fevereiro marca o primeiro aniversário do início da invasão russa da Ucrânia. A Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) e o Interfaith Center for Peace (CIPAX) continuam a jornada inter-religiosa no âmbito das iniciativas da Europa pela paz. Com o lema “Esta guerra tem de acabar!”, as duas siglas pretendem lembrar “que a guerra, todas as guerras têm de acabar, que queremos paz, justiça e desarmamento, incluindo o desarmamento nuclear”. Com esta premissa, convoca-se, portanto, um novo momento de espiritualidade compartilhada. O encontro é em Roma, sexta-feira, 24 de fevereiro, das 18h às 19h30, na Igreja Cristã Evangélica Batista na via del Teatro Valle 27. “Convidamos a aderir crentes de todas as fés e não crentes, associações e movimentos que compartilham o apelo da Europa pela paz. Cada um trará sua própria contribuição de pensamentos, valores, sentimentos e propostas – escreva GLAM e CIPAX -. Gostaríamos que nosso caminho inter-religioso fosse fortalecido em torno de um grupo promotor que pudesse contribuir para a abordagem inter-religiosa, que se mostrou tão crucial também nesta guerra, e fortalecer as atividades da Europa pela paz e da Rede Italiana de Paz e Desarmamento ( RIPD). O Momento de espiritualidade compartilhada também servirá para essa comparação”. Para inscrições no Momento de espiritualidade compartilhada: comissã[email protected] ; [email protected] Para todas as outras iniciativas da Europa pela paz: Abaixo, o apelo da Europa pela paz/RIPD 24 de fevereiro de 2022 - 24 de fevereiro de 2023 VAMOS PARAR A GUERRA NA UCRÂNIA Um ano de guerra é demais! Iniciativas em toda a Itália e em toda a Europa A invasão russa da Ucrânia começou em 24 de fevereiro de 2022. Uma violação da Carta da ONU e do direito internacional que exige justiça imediata."Europe for Peace" convida você a promover mobilizações em cidades italianas e europeias um ano após a invasão da Ucrânia para pedir um cessar-fogo, diálogo e negociações de paz para construir uma Europa segura e pacífica para todos. Mostre solidariedade ao povo ucraniano e às vítimas de todas as guerras, violência, repressão e discriminação no mundo. A paz é a vitória que precisamos! ...

Ler artigo
6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

Um ativista da paz nepalês da Operação Híbrida União Africana-ONU em Darfur (UNAMID) planta uma árvore do lado de fora da sede da UNAMID em El Fasher, Sudão. Foto da ONU/Albert Gonzalez Farran tirada de www.un.org/en/observances/environment-in-war-protection-day Roma (NEV), 3 de novembro de 2022 – No dia 6 de novembro, data em que se celebra desde 2001 o Dia Internacional para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente na Guerra e nos Conflitos Armados, também terá início a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima ( COP27 ). Neste contexto, e às vésperas do encontro nacional de ecocomunidades organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi lançado um documento conjunto. Assinado por GLAM, Pax Christi e pelo Grupo Inter-religioso para as Atividades Ecumênicas de Nápoles, o documento fala daecocídio como "um crime, pois ameaça a paz, a segurança e o bem-estar do mundo". Recordando uma declaração divulgada pelo Observatório sobre conflitos e meio ambiente e outras organizações, os signatários lembram que “O meio ambiente é um objetivo civil. A proteção ambiental é vital para a proteção dos civis. A contaminação ambiental pelo uso de armas explosivas representa riscos agudos e crônicos à saúde dos civis. Os detritos gerados pelo uso intensivo de armas explosivas em áreas povoadas podem criar riscos ambientais persistentes à saúde”. Além disso, sublinhando a coincidência entre o Dia da ONU e o início da COP27, as organizações voltam a escrever: "acreditamos que o termo 'desarmamento climático' exprime a ameaça ao planeta e o sofrimento do resto da criação devido às violentas e armadas gerenciamento de conflitos humanos. O dia 6 de novembro é, portanto, um dia para renovar o compromisso por uma paz justa para a Terra que passe pelo desarmamento e pela libertação das guerras e de uma 'ordem' mundial baseada na agressão, terror e desestabilização”. Para saber mais Baixe aqui o apelo conjunto: Dia da ONU sobre guerras, conflitos e meio ambiente. Para saber mais sobre o VI encontro nacional de ecocomunidades, intitulado "Plantando uma semente" (Nápoles, 4-6 de novembro de 2022), baixe o programa completo aqui: brochura do encontro nacional de ecocomunidades de 4 a 6 de novembro. Entre outras coisas, uma conferência pública, intitulada "Eco teologias para a comunidade da criação", está prevista para 4 de novembro às 18h30. Presença na igreja valdense, via dei Cimbri, 8 em Nápoles ou online na página GLAM no Facebook. Para todos os detalhes clique aqui: Folheto Conferência Pública 4 de novembro Nápoles. a COP27 A COP27 é a 27ª conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas e será realizada de 6 a 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito. Da Itália, o jovem metodista é creditado Irene Abbra, entre os representantes da campanha global Clima SIM (sigla para Youth Ecumenical Summit), liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Irene Abra também é Embaixadora do Clima do Conselho Metodista Europeu. O Climate YES nasceu no contexto da COP26 e da campanha mundial metodista Climate Justice for All (CJ4A). Quarenta jovens ativistas climáticos da Federação Luterana Mundial (FLM) também se juntarão à COP27 em uma espécie de revezamento com o lema "A criação não está à venda". São jovens de todo o mundo que, juntamente com várias organizações religiosas e da sociedade civil, defendem questões ambientais e negociam por justiça climática a nível global, regional e local. A FLM está presente nas conferências de mudanças climáticas das Nações Unidas desde 2011, defendendo o clima e a justiça intergeracional. ...

Ler artigo
Entre o leste e o oeste.  Mulheres transformam relacionamentos construindo pontes

Entre o leste e o oeste. Mulheres transformam relacionamentos construindo pontes

Roma (NEV), 9 de junho de 2021 – O Observatório Inter-religioso sobre a violência contra as mulheres (OIVD) apresenta a dupla consulta intitulada: “Entre o Oriente e o Ocidente. Mulheres que transformam relacionamentos construindo pontes”. Começa hoje, 9 de junho. Segunda reunião em 16 de junho. “Teremos dois bons momentos de diálogo elaborados pelo grupo de trabalho OIVD 'Os inter-religiosos entre nós' – explicam os organizadores -. Elas surgem após uma longa discussão, que identificou afinidades e diferenças sobre os fundamentos comuns do ser mulher de fé. Para esses encontros, escolhemos descobrir juntos a história e o trabalho de duas figuras femininas autoritárias e comprometidas". Aqui está o programa proposto pelo grupo inter-religioso, que é formado por mulheres de diferentes tradições religiosas (cristãs protestantes - luteranas, metodistas, valdenses, batistas, adventistas, pentecostais -, católicas, ortodoxas, judaicas, islâmicas, hindus, budistas). 9 de junho de 2021 às 17h30 Conhecemos e apresentamos Mahérzia Labidi-Mai¨za (Hammamed 1963 – Paris 2021) Intelectual tunisiana, engajada no diálogo inter-religioso, que promoveu os direitos das mulheres na Assembleia Constituinte pós-revolução. Enviado por Chiara Sebastianiem diálogo com Frances Barbano. 16 de junho de 2021 às 17h30 Conhecemos e apresentamos Ayya ​​​​Khema (Berlim 1923 – Uttenbühl 1997) Monja budista, de origem judaica, que revitalizou a ordem monástica feminina, proporcionando às mulheres energia positiva e perspectivas de vida. Enviado por Maria Ângela Falaem diálogo com Paula Morini. Para acesso à plataforma zoom, solicite o link para: [email protected] Abaixo o folheto: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.