“Com a benção de Deus, molde o futuro”

“Com a benção de Deus, molde o futuro”

O KultuuriKatel em Tallinn (Estônia), onde acontece a 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) – 2023

Roma (NEV), 13 de junho de 2023 – A 16ª Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) começa amanhã. Com o título “Com a bênção de Deus – moldando o futuro”, acontece de 14 a 20 de junho de 2023 em Tallinn, na Estônia.

São cinco delegados da Itália: Pastor Peter Ciaccio, para as igrejas metodistas. a pastora Letizia Tomassone, delegado da igreja valdense. O pastor Simone De Giuseppe para a União das Igrejas Evangélicas Batistas na Itália (UCEBI). a pastora Kirsten Thiele, representando a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Estes são os delegados com voz deliberativa. Finalmente, com voz consultiva, delegado da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Irene Grassi. Pedimos a Peter Ciaccio que nos desse alguns detalhes sobre este importante evento internacional.

Qual será o papel dos delegados italianos na 16ª Assembleia do KEK?

Além de ter voz deliberativa ou consultiva, os delegados também exercem determinadas funções na Assembleia. Por exemplo, Irene Grassi é uma das responsáveis ​​pela animação musical litúrgica. Letizia Tomassone fará parte de uma comissão que ajudará a Assembleia a elaborar um documento final sobre as decisões tomadas. De minha parte, fui membro do Comitê de Planejamento e trabalhei com outros ao longo dos últimos anos para definir como esta Assembléia se desenrolaria, principalmente logisticamente.

Como a CEC está se transformando?

Em comparação com a Assembleia anterior (Novi Sad, Sérvia – 2018), houve dois eventos decisivos para a vida das igrejas na Europa e além. A primeira é o longo período da pandemia, caracterizado por restrições e pelo fato de muitas igrejas não terem conseguido se reunir ou terem se reunido majoritariamente por meio eletrônico. E depois, é claro, há a questão da guerra que já dura há mais de um ano a alguns quilômetros daqui – pelo menos no que diz respeito a esta segunda fase da invasão russa da Ucrânia. Quando foi decidida a realização da Assembleia em Tallinn, esta fase ainda não tinha começado, pelo que não havia ideia de lá ir por algum motivo relacionado com o conflito entre a Rússia e a Ucrânia. Quando a guerra estourou, parecia correto manter essa decisão, esperando poder levar uma mensagem de paz e justiça para as proximidades.

O retorno à presença é um momento significativo para as igrejas. O que você acha?

É difícil imaginar como as igrejas poderiam ter passado pelo período da pandemia sem o uso das tecnologias de comunicação. No entanto, é importante voltar a atender. E porque a verdadeira igreja se faz presencialmente, reunindo-se, movendo-se, saindo de seus lugares seguros, indo a um lugar comum louvar ao Senhor. E talvez porque essas grandes possibilidades da tecnologia tenham multiplicado eventos e reuniões, acabando por dar menos importância a cada encontro. Ou tornando difícil destacar quais reuniões foram as mais importantes. Certamente as reuniões a nível europeu estiveram entre as que mais pagaram o preço da pandemia. O sentido de organizações como a Conferência das Igrejas da Europa é precisamente o de criar situações de encontro, de partilha. E esses encontros de partilha acontecem precisamente na presença; incluem momentos culturais, momentos de refeição, momentos litúrgicos que só podem ser realizados presencialmente. E é precisamente no encontro entre pessoas de diferentes culturas, de diversas origens, de diversas confissões que se realiza o ecumenismo. Além da discussão e debate que possa haver sobre diferenças teológicas e eclesiológicas.

Quais são os principais temas desta Assembleia?

São dois os temas fundamentais desta Assembleia. A primeira é entender o que é o CEC, o que ele se tornou. Com efeito, a partir de 2013 iniciou-se um longo processo de reestruturação que mudou radicalmente o rosto da Conferência das Igrejas europeias. Da mudança da sede de Genebra para Bruxelas, à extinção da Comissão para igrejas e empresas. Passando pela transformação dos grupos de trabalho em redes. Ainda não está claro, exceto no papel, o que é o CEC. Será preciso ver como se concretizará a nova Conferência. Este parece ser um assunto interno, um tema de pouco interesse, mas é muito importante para entender como levar adiante o segundo tema, ou seja, o tema da paz e reconciliação na Europa. A paz e a reconciliação têm estado no centro da missão da CEC desde a sua fundação. De fato, a CEC nasceu no final dos anos 1950 como uma tentativa de aproximar os cristãos do Oriente e os cristãos do Ocidente, tendo no centro a Cortina de Ferro, o Muro de Berlim.

Uma das primeiras conferências realizadas em um navio em águas internacionais no Báltico foi histórica, justamente para permitir a participação de cristãos que viviam de um lado ou de outro da Cortina de Ferro. Nesta fase histórica – em que parece reincidir uma divisão entre o Oriente e o Ocidente, numa chave claramente muito diferente e não análoga – importa perceber o que o KEK pode fazer para pôr este continente a falar entre si. Viver um presente e um futuro reconciliados em nome da paz, da justiça e da proteção da criação. Precisamos entender como o KEK conseguirá, em sua nova fórmula e em sua reestruturação, ser tão eficaz quanto foi de fato na história, nas décadas de 1950 e 1960, até as grandes Assembléias Ecumênicas de 1989 em Basileia e 1997 em Graz .

Para mais informações, programa, fotos e direct acesse

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

EffectBible.  A parábola de Jó, um justo sendo testado

EffectBible. A parábola de Jó, um justo sendo testado

Uma imagem do filme "As Maçãs de Adão", retirada de www.teodorafilm.com Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A revista EffettoBibbia foi aberta em 26 de abril deste ano com o título “A parábola de Jó, um homem justo posto à prova”. Oito dias de filmes, debates, leituras e música. O pastor Pedro Ciaccio, especialista em cinema e membro do Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), abriu o EffettoBibbia com uma prolusão dedicada à figura de Jó no cinema. Ciaccio também apresentou a visão do primeiro filme exibido por ocasião da crítica "As Maçãs de Adão", de Anders Thomas Jensen (Dinamarca, 2005). Discurso de abertura de Peter Ciaccio “A Bíblia é uma biblioteca de imagens. Jó é um dos livros mais imaginativos – começou Peter Ciaccio -. Tecnicamente, o cinema é fruto da pintura e da fotografia, mas a alma do cinema é a literatura, especialmente o romance do século XIX”. O cinema, como o romance do século XIX, explora o mal em suas formas. São muitas as referências que nos remetem mais ou menos explicitamente a Jó e, em geral, à questão do "mal", da fragilidade do ser humano, da fé. Ciaccio citou Charles Dickens, Fiódor Dostoiévski, Alessandro Manzonie então Stanley Kubrick, Terrence Malick: “Em Kubrick há explicitamente Nietzsche. O macaco que se torna consciente e se torna homem, que por sua vez se torna consciente e se torna super-homem ou super-homem. Em Malick, por outro lado, seu amado Heidegger está bastante escondido. O homem nasce super-homem e torna-se homem no embate com a realidade, da qual sai destruído”. Em sua fala, Ciaccio uniu crítica cinematográfica e texto bíblico, também por meio da leitura de algumas passagens do livro de Jó. E falou de “Deus oculto”. Um Deus que se esconde de Jó e um segundo Deus oculto Carl Theodor Dreyer, Robert Bresson, Ingmar Bergman, Andrei Tarkovski e muitos outros. “Imagens, muitas imagens – disse o pastor Ciaccio – nascem todas da pergunta sobre a fé de Jó. Vale a pena acreditar em Deus? E se não vale a pena acreditar, então talvez Deus não exista? As perguntas representam uma tentativa de superar as dicotomias entre realidade e instituições, bem e mal, fé e negação. A dúvida atroz é: "E se Deus me odiava, e se ele não existisse, o que estou fazendo aqui nesta terra?". Uma resposta possível é que Deus é Deus, e não nossa projeção de Deus, concluiu Ciaccio. A EffettoBibbia é organizada e promovida pelo Comitê de Cultura Bíblica de Bérgamo, que reúne ACLI, o Centro Cultural da Graça, o Centro Cultural Protestante, a Fundação Serughetti La Porta, Grupos de Leitura Contínua da Palavra de Deus, o Escritório de Estudos Bíblicos Apostolado da Diocese de Bérgamo. Descarregue aqui o folheto. ...

Ler artigo
#Spuc2021 “Frutos em abundância” em Lampedusa

#Spuc2021 “Frutos em abundância” em Lampedusa

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2021 – por don Carmelo la Magra E marta bernardini – “Há alguns anos em Lampedusa, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com a paróquia de San Gerlando, celebra a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) com uma vigília ecumênica que acontece na própria paróquia. Desde que o Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, chegou a Lampedusa em 2014, a amizade e colaboração com a Igreja Católica local sempre foi marcada pela espontaneidade, beleza e fraternidade. No entanto, este ano, tal como noutros locais, esta nomeação não pôde ocorrer devido às restrições impostas pela Covid-19. Mais uma importante ocasião de encontro e união espiritual que perdemos em um ano difícil. As comunidades de fé estão sofrendo muito com as limitações impostas pela pandemia. Por definição, uma comunidade assenta no estar junto, mas a crise do Covid-19 coloca-nos perante o risco do isolamento, da solidão e da desintegração. Em um lugar como Lampedusa, já uma ilha em si, essas oportunidades de testemunho evangélico são um dom que pudemos desfrutar com gratidão ao longo dos anos. Neste último período nos acostumamos com os rostos de sempre, os cômodos de sempre, as paredes de sempre e muitas vezes sentimentos de desânimo, desorientação e preocupação caracterizaram dias longos e lentos. Quantas vezes uma sensação de profundo tédio e inutilidade nos dominou? Quantas vezes a necessidade e impossibilidade de sair, passear, ter relacionamentos mais ou menos profundos nos trouxe frustração e peso? O verso escolhido para o SPUC deste ano foi “Permanecei no meu amor: dareis muito fruto” (Jo 15, 5-9). Encontra-se no Evangelho de João, capítulo 15, com Jesus a dirigir-se aos seus discípulos e parece querer dar as suas últimas palavras, os seus últimos conselhos antes de se separar deles. Quase palavras de despedida antes de uma partida importante. Esses versos propõem a imagem da videira e seus ramos, dos quais um lavrador cuida. Aqui diante de nós está esta árvore, uma videira, com raízes bem plantadas e muitos ramos, pequenos e grandes ramos, alguns cheios de vitalidade, outros secos. Não há muito mistério no fato de que Jesus é a videira, sólida, bem enraizada, cheia de seiva, que o lavrador é Deus e que os ramos somos todos nós. Os ramos podem ser secos, estéreis ou cheios de frutos. Quantas vezes ultimamente nos sentimos e sentimos galhos secos, inúteis, incapazes de expressar vitalidade e focar em objetivos frutíferos? Quantas vezes carregamos o peso da esterilidade, da aridez das emoções, das ideias e das relações? Mas aqui a imagem que nos é apresentada é a de uma planta viva, capaz de produzir em abundância! 'Sozinhos não podeis dar fruto meus irmãos e irmãs, se permanecerdes em mim, se permanecermos unidos entretanto estes frutos nascerão' parece-nos dizer Jesus no texto. Não se esconde o fato de haver galhos secos, mas temos diante de nós a esperança, ou melhor, a certeza de que, ao contrário, a linfa continua a correr mesmo nos galhos mais frágeis, pequenos e periféricos para dar frutos em abundância. Com efeito, na videira os primeiros rebentos surgem precisamente nos ramos mais afastados do tronco. Não sabemos exatamente como serão os frutos que vão nascer, quão grandes, suculentos e doces, nem estamos falando de frutos perfeitos. Provavelmente estes frutos não serão como imaginávamos, mas sabemos que serão muitos, abundantes, nascidos de diferentes ramos mas da mesma planta e cuidados pelo mesmo agricultor. Esta imagem definitivamente nos inspira a pensar sobre a unidade das igrejas cristãs ao redor do mundo. Diferentes ramos podem ser frutíferos e abundantes se permanecerem unidos a Deus e à mesma fonte de vida. Vida recebemos, vida espalhamos, vida criamos juntos em unidade. Aqui está, uma imagem da vida a transbordar, do amor que chega até aos lugares mais marginais, desde as raízes, ao longo do tronco, passando por cada ramo, chegando ao céu. Não há mais medo da estagnação, da esterilidade, da inutilidade, mas da vida, da abundância e do amor. Esta é a indicação que talvez Jesus nos queira dar antes de se despedir. Permaneçamos juntos no amor de Deus, aprendamos a ser ramos de uma mesma planta capazes de dar frutos em abundância. Gozamos da beleza de ver algo crescer de nós, libertos e liberados pela Palavra e pelo amor de Deus, um agricultor cuidadoso que sabe cuidar de suas plantas, com proximidade e ao mesmo tempo dando espaço para o crescimento. Num ecossistema bem conectado todos temos o nosso papel, o nosso espaço, a nossa responsabilidade uns para com os outros com as nossas diversidades, sensibilidades, origens, localizações geográficas, posições centrais ou periféricas. Unidos e unidos pelo amor de Deus, compartilhamos o compromisso e a beleza de dar frutos vivos neste mundo e neste tempo”. ...

Ler artigo
Rumo a uma conferência internacional de paz

Rumo a uma conferência internacional de paz

Foto de Edoardo Ceriani, unsplash Roma (NEV), 20 de julho de 2022 – A guerra não acabou. 150 dias após o início do conflito na Ucrânia, associações, igrejas e sociedade civil lançam um dia de mobilização pela paz. "Estamos e estaremos sempre do lado da população civil, das vítimas da guerra na Ucrânia e dos pacifistas russos que lutam para pôr fim à agressão militar", lê-se no comunicado da campanha Europa pela paz, promovida pela dezenas de realidades entre as quais também pela Comissão de Meio Ambiente e Globalização (GLAM) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. “As fés se encontram pela paz, justiça e desarmamento. Promovemos a Europa pela paz para uma Conferência Internacional de Paz. Desarmamos as relações entre os povos, seja qual for a sua religião, para uma autêntica não violenta”, e por isso organizou-se “um momento de espiritualidade partilhada”, explica GLAM. O encontro é em Roma, no dia 23 de julho de 2022, das 19h às 20h, na Igreja Batista de Trastevere, na via della Lungaretta, 124 e Largo S. Giovanna De' Matha. Promovem: GLAM (FCEI Globalization and Environment Commission); CIPAX (Centro Inter-religioso para a Paz. Primeiros membros: Semi di pace onlus International, ACEBLAM Associação Regional de Igrejas Batistas de Lazio Marche e Abruzzo, Associação Kiryos Odv, Filhos de Abraão, Adista, Comunidade Cristã de Base de San Paolo (Roma), Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano , fronteira do mundo. Para inscrições no momento de espiritualidade compartilhada:[email protected]; [email protected]. Em Roma, os promotores do evento convidam você a participar de outras iniciativas no bairro de Trastevere: na Casa Internacional da Mulher, via della Lungara 19, às 18h00 e no Flash mob em Ponte Sisto às 20h00. Para as iniciativas do dia nacional e para informação: Para adesões à Jornada Nacional: [email protected]; Portal Europa para a Paz: Aqui estão as iniciativas planejadas na Itália: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.