Consulta Metodista: Adoração, Reflexão, Festa.  FOTO

Consulta Metodista: Adoração, Reflexão, Festa. FOTO

Um instantâneo do trabalho – cortesia de Greetje van der Veer

Roma (NEV), 22 de maio de 2023 – Fechou ontem em Ecumene (Velletri), com o culto da Renovação da Aliança, a Consulta Metodista. Marcação habitual das igrejas metodistas da Itália, a Consulta reuniu delegados de toda a Itália.

As três palavras que acompanharam o encontro, disse o presidente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), pároco Luke Elders, foram: adoração, reflexão, celebração. O versículo escolhido para a Consulta de 2023 é retirado de Romanos 5:1-2: “Justificados, pois, pela fé, temos paz com Deus, por Jesus Cristo, nosso Senhor, por meio de quem também tivemos, pela fé, acesso a esta graça na qual permanecemos firmes”. Entre os destaques, o relatório do Comitê Permanente da OPCEMI.

Ação social das igrejas metodistas e colaborações intereclesiásticas são apenas alguns dos temas abordados ao longo do trabalho. O pastor Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), introduziu a discussão. Intervieram também o Coro Nacional do Gana e alguns elementos do Coro da Igreja Metodista Coreana de Roma.

A Consulta Metodista representa um importante momento de reflexão para definirmos juntos a visão do presente e do futuro da OPCEMI. O próximo compromisso é o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense, que será realizado no final de agosto na Torre Pellice, na província de Turim.

Mais informações sobre o NEV em breve. Abaixo está uma galeria de fotos.

artigo anteriorEm 28 de maio adoração evangélica de Pentecostes na Eurovisão
Próximo artigoLuteranos e ortodoxos: 40 anos de diálogo

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

a Personalidade do Ano é o Voluntário Desconhecido

Roma (NEV), 24 de dezembro de 2019 - A Agência NEV propõe uma série de entrevistas com os mais altos cargos das igrejas protestantes italianas. Hoje entrevistamos o Tenente Coronel Massimo Tursiatualmente no comando do Exército de Salvação (EdS) da Itália e Grécia. Tenente Coronel Tursi, o que tem corrido bem no último ano do ponto de vista do Exército de Salvação? Quanto ao Exército de Salvação, o ano de 2019 caracterizou-se por um grande dinamismo, não só no sentido do ativismo do movimento, mas pela força que surgiu nas diferentes comunidades e nos nossos centros. Sempre procuramos novas formas de tornar o nosso serviço mais eficaz, de responder às necessidades e expectativas das pessoas e de alargar os horizontes das próprias pessoas. E o que deu errado e poderia ser melhorado? O que tem se saído menos bem, na minha opinião, é nossa capacidade de encontrar recursos. A nossa é uma realidade pequena no mundo evangélico e no cristianismo italiano, estamos conscientes disso e não permitimos que seja motivo de desânimo. No que diz respeito às igrejas em geral, tenho percebido que questões da sociedade como injustiça, exclusão, desigualdade são muitas vezes apropriadas. Temos feito nossos esses temas, mas tenho a sensação de que temos dificuldade em levar a mensagem da salvação em Jesus Cristo para a sociedade e isso me entristece um pouco. Aproveitamos a onda de protestos, por exemplo, em relação à proteção da criação, um tema com o qual nós, como protestantes, temos lidado há décadas, mas toda vez que esse assunto volta à moda, parece que nós o acompanhamos. Acho que ao invés de acompanhar devemos despertar o interesse da sociedade pela nossa mensagem principal. Imagem retirada do site army ofsalvation.org O que está acontecendo na sociedade e na política, na sua opinião? Há um forte sinal de preguiça. As pessoas sabem o que devem fazer, mas não o fazem e cuidam da própria vida. A indiferença cresce, e quem mais levanta a voz dita regras e diretrizes. Lamento muito o individualismo em nossos partidos políticos, para os quais os objetivos importam menos que as correntes e a estrela do momento aponta o caminho, enquanto as pessoas se envolvem menos, arriscando um populismo fruto da ignorância para vencer. Quais podem ser as soluções para essa indiferença e as estratégias propostas pelo Exército de Salvação para 2020? O problema do individualismo não deixa imunes nem mesmo as organizações que, por natureza ou vocação, são chamadas a servir o próximo, a socorrer as pessoas em momentos de dificuldade. Precisamos trabalhar online. Já vi associações falarem do que fazem, esquecendo-se de referir que não o fizeram sozinhas, mas atingiram determinados objetivos com o apoio de outras organizações. Uma estratégia que adotamos há algum tempo e que tem dado frutos é trabalhar em conjunto, reconhecer que podemos fazer melhor e mais se o fizermos online. Alargando a nossa oferta não tanto, porque não queremos criar dependência, mas alargando a resposta às necessidades das pessoas. Se alguém sabe fazer melhor do que nós, colaboramos, oferecendo nosso conhecimento e nossos recursos. Devemos combater a tendência ao individualismo, lembrando que não somos melhores que os outros e que com apoio mútuo, inclusive financeiro e de competências, podemos alcançar objetivos melhores, além de nós mesmos. Como melhores objetivos podem ser alcançados? Ao participar de licitações e projetos, organizações e até igrejas são cada vez mais solicitadas a estabelecer uma rede. Quanto maior a rede, maior a chance de sucesso. Em alguns casos, competimos com outras associações, escrevemos cartas de intenção e realizamos projetos em colaboração ampliada. Graças a essas redes, é possível fazer muito, sem desperdiçar recursos. Podemos fazê-lo sempre porque não estamos sozinhos, porque não queremos lucrar com isso e porque há outros que também estão comprometidos conosco. É preciso gerir os projetos de forma virtuosa, sem privar os beneficiários de seus direitos. O lucro não é um objetivo: não é otimizado nos direitos das pessoas. Greta Thunberg ela foi, de acordo com a Time, Pessoa do Ano. Quem você elegeria a pessoa do ano? Eu poderia dar a impressão de estar indo contra a maré. Greta Thunberg está bem porque você está procurando um símbolo para apoiar uma ideia, e isso também é importante. Mas para mim a pessoa do ano deveria ser um herói, uma heroína, e aí penso em alguém como o capitão Carola Rackete que realizou apenas uma ação. Carola Rackete não fez campanha durante semanas, percorrendo o mundo inteiro, mas fez algo que considerou eticamente correto, sem medo das consequências. Para mim ela é a pessoa do ano, pela coragem que demonstrou, por ter tirado de uma situação dramática pessoas que já haviam sofrido demais. Imagem retirada do site army ofsalvation.org Quem você acha que merece esse reconhecimento na área da saúde? Há alguns dias visitei o monumento ao soldado desconhecido em Roma. Naquela ocasião, pensei nos muitos soldados que deram uma forte contribuição e disse a mim mesmo que talvez desse um reconhecimento ao "Voluntário Desconhecido". Muitos voluntários fazem uma contribuição fundamental para a sociedade todos os dias. Temos muitos voluntários, não só na Itália, mas em todo o mundo, cujos nomes não são necessariamente conhecidos por todos, talvez sejam conhecidos apenas por aqueles com quem estiveram em contato próximo; seja depois de um tsunami, depois de um terremoto, na entrega da tigela de sopa quente. Sem eles não poderíamos fazer tudo isso. Seus nomes são escritos para mim e são reconhecidos e apreciados. Haverá algumas novidades no Exército de Salvação em 2020. Sim. Haverá uma mudança em relação ao EdS na Itália e na Grécia. Eu e minha esposa, o tenente-coronel Anne-Florence Cachelin, estaremos nos mudando para Londres a partir de 1º de fevereiro. Os cônjuges chegarão à Itália Jacques e Claude-Evelyne Donze, da Suíça, que consolidará os muitos objetivos alcançados nos últimos anos e, como é habitual no Exército de Salvação, responderá de uma nova forma aos desafios que se apresentam. Aproveito para saudar e agradecer aos nossos leitores e aos nossos apoiantes que nos têm acompanhado ao longo dos anos e também aos jornalistas que têm dado espaço às nossas iniciativas. Aguardo vocês no dia 25 de janeiro, data em que poderemos nos despedir durante a inauguração do espaço recém reformado em um de nossos prédios e destinado a receber dublinenses ou beneficiários de corredores humanitários em colaboração com a Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) . Leia também A entrevista com a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI): "Indo além da desertificação material e espiritual". A entrevista com o reitor Heiner Bludau da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI): "A Igreja não deve se tornar um partido". ...

Ler artigo
Bréscia.  Corpos de mulheres, violência, religiões, migrações

Bréscia. Corpos de mulheres, violência, religiões, migrações

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2023 – O Comitê Nacional da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) convida você para dois importantes encontros a serem realizados em Brescia nos dias 11 e 12 de fevereiro. Dirigido a todos os cidadãos, associações, grupos de mulheres de igrejas, os dois compromissos têm como protagonistas, entre outras coisas, mulheres migrantes. “Um encontro que quer celebrar a enorme contribuição oferecida pelas mulheres migrantes na Itália e nas igrejas evangélicas italianas – escreve o Comitê FDEI -. Mulheres portadoras de valores simbólicos e culturais essenciais, onde a interseccionalidade dos nossos corpos é o testemunho mais autêntico. Falamos de interseccionalidade tendo já constatado, várias vezes, a nossa capacidade comum de lidar positivamente com eventos traumáticos. Nossas formas de reorganizar nossa própria vida diante das dificuldades. E como tentamos reconstruir nossa vida à luz da Palavra de Deus, permanecendo abertos às oportunidades que a própria vida nos oferece”. Abre no dia 11 de fevereiro com a sessão pública, das 17h às 19h na Sala del Camino, no Palazzo Martinengo delle Palle (via San Martino della Battaglia, 18 – Brescia). Aqui o cartaz: 11 DE FEVEREIRO DE 2023 Violência de gênero e religiões: desafios locais Apresentação: No contexto multicultural e multirreligioso de Brescia, a realidade da violência de gênero levanta muitas questões, de natureza cultural, mas também sobre a capacidade de defender os direitos de cidadania de cada mulher. Conforme relatado pelo MigraREport 2022, elaborado pelo Centro de Iniciativas e Pesquisas sobre Migração - Brescia (CIRMIB) da Universidade Católica do Sagrado Coração de Brescia, se é verdade que nos últimos anos houve mais instrumentos legais para lidar com do fenómeno (por exemplo o “código vermelho” e a instituição da advertência ao parceiro violento), também é verdade que as mulheres denunciam mais abusos e violências sofridas pelo que o fenómeno está a aumentar, mesmo entre as populações estrangeiras. PLANO Moderado: pastor Leonardo MagriIgreja Valdense de Brescia Caixas de som: Pastora Gabriela Liopresidente da FDEI RomaMadalena ColomboUCSC, Diretor do CIRMIB e Presidente da Associação Dòsti – Festival de Artes e Culturas ReligiosasNaima DaoudaghMediadora cultural nos serviços de saúde, Associação Dòsti Festival de artes e culturas religiosasViviana CassiniPresidente da Women's House Association-Antiviolence Center, BresciaBatool HaidariUniversidade de Cabul, ativista dos direitos das mulheres O evento será tema de um podcast da RADIO DOSTI "um mundo em Brescia".entrada livre Segundo compromisso, em 12 de fevereiro, das 9 às 17h30, na Igreja Evangélica Valdense na Via dei Mille, 4. Aqui o pôster: 12 DE FEVEREIRO DE 2023 Mulheres evangélicas juntas. Ouvindo Abigail: mulher de bom senso e visionária Caixas de som: Pastora Eliade Dias Dos Santosestudante de teologia Heidi Lengler PLANO 9h00 Chegadas – apresentação e boas-vindas9h45 Intervalo Café11h00 Adoração – Igreja Valdense Brescia12h30 Actividades antes do almoço12h45 Almoço14.00 Introdução ao Estudo Bíblico I Samuel 25: História de Abigail e Nabal14.40 Trabalho de grupo16.20 Plenário e propostas para um futuro possível17h30 Conclusões e bênção finalentrada livre ...

Ler artigo
Líbano, a Mesa Valdense atribui 50 mil euros

Líbano, a Mesa Valdense atribui 50 mil euros

Roma (NEV), 17 de setembro de 2020 - O compromisso das igrejas protestantes para ajudar a população de Beirute continua e é fortalecido. Após a assinatura lançada, logo após as explosões de agosto, pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) - que desde 2016 organiza corredores humanitários do Líbano - a Tavola Valdese, por meio do Otto per mille, destinou mais 50 mil euros. “O projeto – explica Paulo Naso, coordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI – foi criada para responder às solicitações imediatas feitas por cidadãos e organizações da sociedade civil em Beirute, onde atuamos através dos corredores humanitários. A quase total inacessibilidade dos cuidados de saúde é a primeira emergência, seguida da crise económica e social que se agravou após a calamidade de agosto. É por isso que sentimos a responsabilidade de poder fazer a nossa parte, graças a esta importante e generosa contribuição da Mesa Valdense, na área que melhor conhecemos. No contexto dos corredores humanitários, de facto, há 4 anos que nos preocupamos, com a Medical Hope, em assistir o maior número de pessoas possível do ponto de vista médico e de saúde, em particular refugiados de origem síria mas não só . Agora, com este novo projeto, esperamos poder oferecer ajuda à população libanesa e de Beirute em particular, que corajosamente tenta reconstruir suas vidas e seu país. Aproveitamos esta oportunidade para agradecer a todas as pessoas e membros da igreja que decidiram doar uma contribuição para a assinatura que lançámos, que arrecadou mais de 18.000 euros em apenas alguns dias”. Em particular, os fundos alocados pelo Conselho Valdense com o Otto per mille da União das Igrejas Metodista e Valdense serão usados ​​para um balcão de saúde social em Beirute, no distrito de Geitawi. Operadores da FCEI, com o médico Luciano Grisorepresentante da Medical Hope, encarregar-se-á da compra e fornecimento de medicamentos aos cidadãos menos favorecidos, contribuirá para apoiar projectos na área médico-sanitária já iniciados por outras realidades da sociedade civil, como ONG e associações locais, pagará despesas médicas intervenções e terapias para pacientes em condições particularmente vulneráveis. “É uma contribuição em favor da parcela mais frágil da população libanesa – declara o moderador do Tavola Valdese Alessandra Trotta – cuja urgência sentimos no cenário de trágica devastação que tanto atingiu um país já exausto por décadas de guerras e pelo esforço de acolher milhões de refugiados do barril de pólvora do Oriente Médio. A credibilidade adquirida ao longo de anos de presença competente e humilde dos operadores da Medical Hope ao lado das pessoas comuns oferece as melhores garantias de que os recursos disponibilizados chegarão da forma mais eficaz onde são mais necessários”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.