Consulta metodista para começar a partir de 19 de maio

Consulta metodista para começar a partir de 19 de maio

No sábado, dia 20, após um discurso introdutório do Comitê Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (Opcemi), três temas centrais serão discutidos. Em primeiro lugar, a aproximação (em 2025) do 50º aniversário do Pacto de Integração com a Igreja Valdense: de onde viemos e para onde vamos? A discussão será apresentada pelo professor e pastor Daniele Garrone.

O segundo tema “forte” será a ação social. Apresentado por um relatório de Luciano Cirica, o assunto também será discutido com representantes de obras sociais: o Instituto Metodista de Intra-Verbania, segunda casa de acolhida para imigrantes (IEEMI); o Centro Casa mia – Emilio Nitti de Ponticelli (NA) e a Opera diaconale de Scicli. Mas Ecumene também vai falar… Ecumene: depois da inauguração, há um ano, de um primeiro lote de obras de reabilitação, a operação está concluída. Mas aqui faremos um balanço do papel da Ecúmena para nossas igrejas (introdução por Sérgio Aquilante). Esses enunciados são realidades não tanto “da” Igreja Metodista, mas que “da” Igreja Metodista se colocam a serviço de toda a Igreja.

Também falaremos sobre o orçamento, e as contribuições para o ano de 2022, ainda parcialmente marcado pela pandemia. A noite de sábado será um momento de festa, com a participação do Coro Triveneto Ghanaian. No domingo de manhã será realizado o culto litúrgico de renovação da Aliança, com Santa Ceia e a participação de alguns elementos do Coro da Igreja Metodista Coreana de Roma.

Um traço tangível das obras será mantido na crônica analítica que será elaborada por David Trangoni. As próprias obras também serão filmadas em vídeo para uso do Comitê Permanente da Opcemi (Trabalho para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Nigerianos fugindo de Kiev são recebidos pelos valdenses em Palermo

Nigerianos fugindo de Kiev são recebidos pelos valdenses em Palermo

Foto aérea, vista do Monte Pellegrino do distrito de Noce. Créditos: Ph. Maghweb Roma (NEV), 31 de março de 2021 – Eles haviam sido rejeitados por uma família, que se dispôs a acolher pessoas que fugiam da Ucrânia, por serem negras. Agora eles encontraram um lar graças aos valdenses. Os protagonistas do agora tristemente famoso episódio são dois rapazes nigerianos, de 27 e 21 anos, que estudavam medicina e outra economia em Kiev antes do início da guerra. Entre outras coisas, essa história foi contada no programa de TV de Geppi Cucciari, "O que acontece?", foi ao ar no dia 29 de março, na Rai Tre. Em particular, ela interveio como convidada da irmã do programa Anna Alonzo, a primeira pessoa, na Sicília, em Casteldaccia, a receber os dois estudantes, que chegaram à ilha provenientes da Ucrânia via Roménia, de autocarro. Da cidade da província de Palermo e da estrutura administrada por Anna Alonzo, os jovens chegaram à capital, onde se espera que possam continuar seus estudos, e foram hospedados por dois dias na habitação social do La Noce Diaconal Center - um instituto valdense. a Cúpula de San Giuseppe dos Padres Teatinos da Piazza Pretoria. Créditos: Ph. Maghweb “Fomos contactados pela Universidade de Palermo, com quem já estamos a colaborar no projeto UNICORE (corredores universitários, ed) – explica Ana Ponente, diretor da estrutura – e de imediato oferecemos a nossa disponibilidade para acolher os dois alunos. O objetivo é dar a eles a oportunidade de continuar seus estudos. Mas antes de tudo é preciso trabalhar o processo de socialização e sobretudo fazer com que eles entendam que têm um espaço seguro, protegido e de escuta para viver. Acima de tudo, é preciso construir uma relação de confiança com eles”. Os dois jovens de origem nigeriana estiveram em Kiev com uma bolsa de estudos, são órfãos e, com a eclosão da guerra na Ucrânia, "experimentaram muitos traumas, vários abandonos, desde a sua terra natal até aquela que os acolheu, até ao último recusa da família que deveria acolhê-los”. E que ela teria recuado depois de descobrir a cor da pele deles. Hoje, em todo o caso, são hóspedes do La Noce, onde, graças ao acolhimento proporcionado pela Diaconia Valdense, vivem em habitações sociais, ou seja, um espaço onde vivem cerca de vinte pessoas, migrantes e não migrantes, estudantes mas também famílias . Têm um quarto à sua disposição e partilham áreas comuns com os restantes hóspedes. Eles começaram a estudar italiano. “Eles estão muito determinados a continuar em seu caminho – acrescenta o diretor de La Noce – mesmo que altamente traumatizados. Por isso iniciámos uma atividade de apoio psicológico”. Quanto à recusa da família que decidiu não acolhê-los, segundo Ponente “fala-se muito em acolhimento e integração, mas é preciso trabalhar a autêntica disponibilidade para com os outros. Conhecemos bem as dinâmicas que envolvem os migrantes, que os tornam visíveis e lhes possibilitam a vida. E que devem sempre se aplicar. No entanto, existem diferenças, infelizmente como demonstra este episódio envolvendo os dois jovens: isso é inaceitável em termos de direitos humanos, que são universais, para todos. Humanamente, ficamos muito impressionados com o aspecto trágico de sermos duplamente vítimas, da guerra e também da rejeição. Nós, de nossa parte, não fizemos nada de extraordinário”. Isso é dar as boas-vindas, sem ses e mas. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Mudança no topo da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa

Mudança no topo da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa

Fiona Kendall com um pequeno beneficiário dos Corredores Humanitários Roma (NEV), 19 de outubro de 2020 – No dia 16 de outubro, a Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) realizou sua assembleia geral. Como previsto, o colega Fiona Kendallassessor jurídico da FCEI sobre relações com instituições e igrejas europeias, integrou a direção da instituição e foi nomeada vice-moderadora. Advogada, nasceu na Escócia e viveu entre a Escócia, França, Inglaterra e Itália, trabalha para a FCEI desde janeiro de 2018 e em particular para o programa de migrantes e refugiados da Federação, Mediterranean Hope. “É um grande privilégio ter sido eleita – declara Fiona Kendall – para o Comitê Executivo do CCME e servir como vice-moderadora. O CCME tem a vantagem única de representar as vozes das comunidades protestantes, anglicanas e ortodoxas de toda a Europa. Tem um papel extremamente importante a desempenhar na articulação da nossa perspectiva sobre a migração. A sua estreita relação com instituições europeias, organizações não governamentais internacionais e ONG proporciona uma plataforma essencial para o lobbying e análise de políticas. O foco do CCME em todos os aspectos da jornada migratória, desde a passagem segura até o direito à vida familiar, política de asilo e esforços anti-discriminação, corresponde claramente ao da FCEI. Fornecer uma perspectiva italiana ao CCME e compartilhar uma perspectiva coletiva com o FCEI nos ajudará a colaborar de maneira ainda mais eficaz nessas questões no futuro." Devido à emergência sanitária, a assembléia do CCME foi realizada por escrito, com os membros votando antecipadamente.O Conselho Cristão da Noruega e a Fundação Mesa Redonda Armênia foram aceitos como membros do CCME. A assembleia também aprovou o orçamento para 2021 e estendeu o atual programa de trabalho até o próximo ano.Depois de renunciar à diretoria anterior e adotar seu relatório de atividades e finanças de 2017, a assembleia também elegeu uma nova diretoria para o período 2020-23. Goos Mindermannomeado pelo Conselho Holandês de Igrejas, foi eleito moderador e presidente, enquanto o novo conselho é composto por: P. Iakovos Andriopoulos (Igreja da Grécia), Sabine Dressler (EKD Alemanha), Dana Gabriel (AIDRom – Associação Ecumênica de Igrejas da Romênia), Fiona Kendall (Federação das Igrejas Protestantes da Itália), Ulla Siirto (Igreja Evangélica Luterana da Finlândia, apoiada por membros nórdicos do CCME). Além disso Dana Gabriel e Fiona Kendall foram nomeadas vice-moderadoras.Comentando sobre sua eleição, o novo moderador do CCME, Goos Minderman, disse: “Estou realmente honrado por ter sido eleito novo moderador do CCME, a Comissão das Igrejas para Migrantes na Europa. Fortalecer a voz de tantas igrejas sobre migrantes, refugiados e anti-racismo é uma grande responsabilidade. Estou ansioso para trabalhar com o novo Comitê Executivo, o escritório em Bruxelas, o Conselho Mundial de Igrejas, o Conselho Mundial de Igrejas e as muitas pessoas nas igrejas que cuidam dos migrantes todos os dias. Vamos tentar fazer o máximo pelos corredores humanitários, pelos direitos das famílias, para mudar a narrativa sobre a migração e na luta diária contra o racismo”. ...

Ler artigo
Migrantes, os valdenses dos EUA escrevem para Von Der Leyen

Migrantes, os valdenses dos EUA escrevem para Von Der Leyen

foto de Clément Dellandrea, unsplash Roma (NEV), 20 de maio de 2021 – Uma carta ao Presidente da Comissão Europeia Ursula Von Der Leyen pela American Waldensian Society, para pedir um maior empenho em favor do acolhimento dos migrantes. “Nós escrevemos para vocês como americanos que têm laços profundos e duradouros com a Europa e em particular com os cristãos italianos. […] valorizamos os valores europeus de tolerância, inclusão e abertura a estrangeiros. Como descendentes de imigrantes da Europa, adoramos a ideia europeia, expressa por Emma Lázarofilha de judeus portugueses, em seu poema para a Estátua da Liberdade no porto de Nova York, que diz: “… me dê seu cansaço, seus pobres, suas massas amontoadas desejando respirar livremente, o miserável refugo de sua costa fervilhante. Envie-me os sem-teto, sacudidos pela tempestade". Muitas dessas "massas amontoadas" acabaram se tornando a espinha dorsal da sociedade americana", diz a carta, assinada em particular por Carol Bechteldiretoria executiva, Brad Lewispresidente e Duncan Hansoncoordenador de comunicação da North American Waldensian Society. “Tememos que esta antiga visão de acolher os migrantes, trazida pelos nossos antepassados ​​da Europa para os Estados Unidos, esteja agora a morrer em ambos os lados do Atlântico. Vimos o sofrimento dos migrantes que tentam cruzar o Mediterrâneo em direção à ilha de Lampedusa - continuam os valdenses - e quantos deles perdem a vida antes mesmo de chegar às costas da Europa. Mas também estamos dolorosamente cientes da situação dos migrantes que tentam atravessar o Mar Egeu para Lesbos, bem como de outros migrantes que tentam entrar na Europa através do enclave espanhol de Ceuta e ainda outros expulsos à força da Hungria. Não podemos ver nada desse sofrimento sem pensar também na angústia indescritível dos migrantes que tentam entrar em nosso país pela fronteira sul”. Em particular, os valdenses americanos pedem à UE “que apoie a criação de novos corredores humanitários para que os migrantes mais vulneráveis ​​possam entrar na Europa de forma legal e segura; exortar os Estados-Membros da UE a aumentarem as suas quotas nacionais de reinstalação ao abrigo do Pacto Global das Nações Unidas sobre Refugiados e da Estratégia Trienal sobre Reinstalação e Vias Complementares; facilitar o processo de realocação de migrantes da Itália e de outros países da linha de frente, para que todos os Estados-Membros da UE tenham sua parcela justa de responsabilidade europeia compartilhada para receber migrantes; desenvolver um plano de ação abrangente da UE que considere a migração global não como uma emergência, mas como um processo normal e de longo prazo que requer estratégias de cooperação, integração e inclusão social”. Por último, uma referência ao discurso do Presidente do Parlamento Europeu David Sassoli do último dia 25 de fevereiro no Conselho Europeu, que “expressa perfeitamente nossa oração pela Europa e pelos Estados Unidos: “Não podemos voltar ao mundo em que estávamos antes da pandemia. Precisamos de mais democracia, mais solidariedade, mais Europa”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.