Marrocos.  10 anos de atividade do Instituto Ecumênico de Teologia Al Mowafaqa

Marrocos. 10 anos de atividade do Instituto Ecumênico de Teologia Al Mowafaqa

Imagem retirada de www.almowafaqa.com

Roma (NEV), 17 de março de 2023 – O Instituto Ecumênico de Teologia Al Mowafaqa (que em árabe significa “o acordo”) celebra dez anos de vida este ano. O Instituto nasceu por iniciativa das Igrejas Evangélica e Católica de Marrocos e é apoiado pela Faculdade de Teologia Protestante da Universidade de Estrasburgo e pelo Institut Catholique de Paris. Nos últimos anos, a colaboração também se expandiu para a Universidade Católica da África Central em Yaoundé, Camarões. O Instituto formou mais de 350 alunos de trinta países, tanto na perspectiva ecumênica quanto na de diálogo com o Islã.

Para este aniversário, entre ontem e hoje, decorre em Rabat uma conversa sobre o tema “Minorias religiosas no Mediterrâneo e na África subsaariana. O desafio, a força e a graça de ser minoria”. O professor de ética está presente de Estrasburgo Frédéric Rognon.

Pedimos à pastora Elizabeth Ribetdoutor em teologia protestante na Universidade de Estrasburgo, onde leciona teologia prática e ética, seu comentário sobre a história deste Instituto.

“É uma experiência verdadeiramente única no seu género – diz-nos o Pr. Ribet -. A Faculdade de Teologia Protestante colabora ativamente na vida da universidade, financeiramente e certificando diplomas. O reconhecimento na França e, portanto, na Europa, da qualificação garante que as trocas lucrativas possam ser ativadas. Um professor de Estrasburgo é membro do Conselho Científico, e outros viajam para lá todos os anos para liderar as sessões de treinamento ao lado de um colega católico. Além disso, os alunos do Al Mowafaqa têm acesso a cursos online em Estrasburgo. Esses interlocutores representam um verdadeiro diálogo. Podemos olhar para o mundo graças aos estudantes da África subsariana, com estágios e mestrados que ligam o Quénia a Estrasburgo, só para dar um exemplo”. Em suma, conclui Ribet, trata-se de um contexto interessante e “verdadeiramente intercultural e ecumênico”.

O site do Instituto fala de uma “abordagem ecumênica de aprendizado”, mas também de perspectivas Norte-Sul e da possibilidade de uma descoberta do Islã em uma sociedade muçulmana. O Instituto Ecumênico de Teologia Al Mowafaqa oferece formação universitária para o Bacharelado em Teologia na Faculdade de Teologia Protestante de Estrasburgo ou no Instituto Católico de Paris. Os temas de estudo vão desde as ciências bíblicas até a exegese do Antigo e do Novo Testamento, línguas bíblicas (hebraico e grego), teologia sistemática (dogmática, eclesiologia), mas também filosofia, ética, história e teologia prática. Além disso, fala-se de “formação ecumênica original”, como define o próprio Instituto. De fato, a maioria dos cursos de teologia são ministrados por dois professores juntos, um católico e outro protestante, em uma única sessão. Os alunos são protestantes (de todas as Igrejas) e católicos. Cada aluno segue toda a aula também ouvindo a voz da outra confissão.

O encontro destes dois dias prevê as conclusões do arcebispo de Rabat, o cardeal Cristobal López Romerodo que com a pastora Karen Smith, Presidente da Igreja Evangélica no Marrocos, juntos ocupam a Presidência do Instituto. Em vez disso, o pastor é o diretor do Al Mowafaqa Jean Kulagna.


Para saber mais

Sobre o significado de ser uma minoria religiosa na África mediterrânea e subsaariana, leia também o artigo de Alessandro Di Bussolo em Vaticannews.va.

Abaixo, o tweet de lançamento da iniciativa e a gravação de parte da entrevista.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Martin Luther King, aquele sonho que perdemos há 52 anos

Martin Luther King, aquele sonho que perdemos há 52 anos

Roma (NEV), 3 de abril de 2020 – Em 4 de abril de 1968 nos Estados Unidos, em Memphis, Tennessee, Martin Luther King foi morto por um tiro de espingarda enquanto estava na varanda de um motel, baleado de James Earl Ray, um criminoso racista e defensor da segregação. Condenado a 99 anos de prisão, ele morreu enquanto cumpria sua pena em 1998 de hepatite. Martin Luther King esteve em Memphis em solidariedade aos catadores de lixo da cidade, que estavam em greve para exigir o reconhecimento de seus direitos. Washington, protestos após o assassinato de MLK Durante os distúrbios que se seguiram ao assassinato do pastor batista, líder do movimento pelos direitos civis, protestos que duraram vários dias, dez pessoas morreram, várias casas foram incendiadas e lojas foram saqueadas.Hoje, 52 anos depois, o mundo inteiro, incluindo os Estados Unidos, vive a pandemia global de Covid19, com milhares de mortos, feridos, uma emergência sanitária sem precedentes, a consequente crise social e económica.Repassemos, pois, a mensagem de uma das figuras carismáticas mais importantes do século passado, que só hoje mais do que nunca pode testemunhar valores e ideias essenciais, para sair da crise atual, para recomeçar, quando será possível. Martin Luther King nasceu em uma família de pastores da Igreja Batista em 15 de janeiro de 1929 em Atlanta, Geórgia, no extremo sul dos EUA. Seu pai, Martin Luther King Sr., era um pregador da igreja batista e sua mãe, Alberta Williams, um professor. Em 1948, Martin mudou-se para Chester, Pensilvânia, onde estudou teologia e ganhou uma bolsa de estudos que lhe permitiu obter um doutorado em filosofia em Boston. Aqui ele sabe Coretta Scottcom quem se casou em 1953 e desde o mesmo ano é pastor da Igreja Batista em Montgomery, Alabama, um dos lugares onde a situação racial era uma das piores de todos os Estados. Em 1955, naquela mesma cidade, uma costureira de família metodista, Rosa Parques, tornou-se, com seu gesto histórico, recusar-se a ceder seu lugar a um homem branco em um ônibus, A Mãe do Movimento dos Direitos Civis. Foi o pastor Martin Luther King, após aquele episódio extraordinário, quem liderou o protesto que se seguiu, promovendo uma campanha massiva de boicote de todos os afro-americanos contra o transporte público local. Após o sucesso da campanha, em 1956 King e outros líderes do movimento pelos direitos civis afro-americanos fundaram a Southern Christian Leadership Conference, que ele presidiu, uma organização dedicada a alcançar a igualdade e os direitos civis por meio de formas não públicas de protesto. a mensagem de Jesus Cristo e o método de Gandhi. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=_IB0i6bJIjw[/embed] A luta pacífica durará toda a sua vida, apesar das prisões e ameaças que sofreu. A Marcha de Washington Em 1963, em Washington, diante do Lincoln Memorial e de 200.000 pessoas, ele fez seu discurso mais famoso, "I have a dream", no final da marcha "For work and freedom". Em 1964 ele ganhou o Prêmio Nobel da Paz; no ano seguinte organizou a marcha antirracista de Selma. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=tVymzWrBTww[/embed] Por fim, abaixo propomos, em um vídeo do Guardian, não seu discurso mais famoso, mas seu último, "Eu estive no topo da montanha“, que ele realizou em 3 de abril, 52 anos atrás, esperando que pudesse ser uma mensagem de esperança ou conforto para esses tempos sombrios. “Não sei o que vai acontecer agora. Dias difíceis nos esperam. Mas eu realmente não me importo agora, porque já estive no topo da montanha. E eu não me preocupo. Como qualquer pessoa, gostaria de viver uma vida longa; longevidade tem seu valor. Mas agora não me preocupo com isso. Eu só quero fazer a vontade de Deus e ele permitiu que eu subisse a montanha. E olhei para baixo e vi a Terra Prometida. Posso não alcançá-lo com você. Mas eu quero que você saiba esta noite que nós, como povo, iremos. Estou tão feliz esta noite. Não me preocupo com nada, não temo homem algum. Meus olhos viram a glória da vinda do Senhor”. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=e49VEpWg61M[/embed] As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
“A gramática do cuidado”.  Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

“A gramática do cuidado”. Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

foto por Tim Mossholder, unsplash.org Roma (NEV), 23 de dezembro de 2020 - "A gramática do cuidado", como a pandemia nos mudou, o novo significado que nossos lares adquiriram. ele falou sobre isso Lídia Maggi, Pastor batista, biblista e teólogo, convidado de um episódio do programa "La cura" da Rádio Rai 3, em um diálogo, dias atrás, com Marinho Sinibaldi, diretor da Rádio3. Ela não é a primeira convidada evangélica desta resenha. Outro erudito, outra mulher protestante, a historiadora Bruna Peyrot, aliás, foi protagonista do mesmo programa em agosto passado, no primeiro ciclo da jornada da Rádio 3 composta por “conversas em torno da pandemia”. No centro da reflexão, o sentido de “casa”, entendida como um lugar físico e além. Também nós quisemos, a partir deste diálogo radiofónico, aprofundar este tema juntamente com o pároco. Você mencionou que há uma disparidade de gênero em casa. Alguma coisa mudará nesse sentido após a crise? “A crise nos permitiu enxergar um problema estrutural: é no lar que a desigualdade de gênero se amplifica. Esses meses aceleraram uma disparidade atual, com escolas fechadas, smartworking e o "mito" da mulher eficiente e multitarefa: uma representação que é uma armadilha. Mas pode ser uma oportunidade de voltar a questionar o modelo existente”. Descreveu a casa como uma metáfora da vida, da sua complexidade, dos vários espaços. Mas há espaço para a complexidade, na mídia, na velocidade das redes sociais, no mundo pós-moderno? “Existe se os sujeitos responsáveis ​​pela comunicação a colocarem no centro. Os sujeitos não são apenas jornalistas, mas também ouvintes e leitores. Onde haverá leitores que se rebelam contra a banalização da informação, isso estimulará cada vez mais aqueles que fornecem informações. E agora que passamos mais tempo na mídia, temos a oportunidade de aprofundar, ir além das simplificações, buscar a complexidade”. “A Bíblia nasceu na Babilônia”, lembrou ele. Você realmente acredita que grandes oportunidades podem surgir da crise, das carências? “Eu realmente acho que sim, a crise é uma oportunidade de parar automaticamente. Acho que sim porque a história que herdei me conta, a história antropológica e minha experiência pessoal me contam. O parto também ocorre através de dores de parto. A crise pode ser uma oportunidade para transformar a realidade, porque ela nos questiona: não há mudança sem questionamentos. Claro que também envolve riscos, se não for acompanhada de um impulso vital pode levar à entrega, à imobilidade do olhar. É como você está em uma crise que faz a diferença. Nesse contexto, a sabedoria bíblica pode ajudar – e isso é demonstrado pela atenção do mundo secular a esses instrumentos, demonstrada também por uma transmissão como a da Radio3, que me emocionou – nos faz perceber a crise como uma possibilidade e ver o nascimento do novo, precisamos mudar de postura”. Ele pediu para "ficar em desconforto". Cesare Pavese escreveu que “Você não se livra de algo evitando-o, mas apenas passando por ele”. Como você passa pelo desconforto da doença, do medo, da morte? “Definitivamente não negando. Não pensar que a doença e o luto são um tempo suspenso. Pensamos neles como um interlúdio, embora talvez seja um limite, porque também é a vida. Li que nestas horas muitos desejam “cancelar” 2020. Mas tal ano não pode ser negado ou cancelado, deve ser elaborado. Devemos encontrar ritos, linguagens, espaços narrativos para revisitar este ano. Tudo o que é removido, mais cedo ou mais tarde, retorna. Assim como de uma doença não voltamos como antes, assim este ano nos marcou. Querer afastá-lo sem uma análise séria é ingenuidade”. Em outra de suas entrevistas, na Famiglia Cristiana, refletindo sobre o significado da casa, disse que “não é um lugar para idealizar”. Nem a família é um refúgio, mas na verdade pode ser um espaço de negação de direitos, para quem sofre violência, para quem não tem recursos materiais ou simbólicos para escolher onde morar. Por que comemorar, então? “Temos que lidar com a família porque é lá que aprendemos a gramática das relações que nos permitem permanecer no mundo. Precisamos ficar atentos a essas línguas agramaticais que nos colocam no mundo sem ter adquirido sabedoria. Fora da metáfora, todo tipo de relação afetiva, de amor, cuidado e intimidade é um espaço onde aprendemos a confiança e a alteridade. Sempre que há um mal-estar na família, não afeta apenas o presente, mas o nosso olhar mais amplo para a realidade. Por isso é muito importante estar vigilante: este é o papel das igrejas. A fé cristã não é familista. De fato, em Jesus há uma recusa do patriarcal, uma forte crítica social, uma crítica feroz à família como espaço de poder. O celibato de Cristo vai nessa direção. Só Deus é pai. Tirando o poder dos humanos e especificamente dos machos. E nisso Jesus, que era uma expressão do gênero masculino, trabalhou muito”. A partir de amanhã estaremos todos de volta, devido ao lockdown, para ficar em casa, para quem tem, pelo menos. Você tem um desejo, uma mensagem ou mesmo apenas um conselho para dar? “Não é fácil desejar algo, mas talvez aprender a mudar o olhar sobre a própria história já seja uma possibilidade. Não fique parado, mas encontre forças para voltar ao caminho rumo ao novo que vem. Recomece, teimosamente, de uma forma diferente, mas recomece”. No momento em que saímos de uma imagem de autossuficiência para reconhecer que somos criaturas necessitadas dos outros, o cuidado assume um papel central. A experiência espiritual e de vida de Lidia Maggi a #A curaaqui pic.twitter.com/VmLejxfLmt — Rai Radio3 (@Radio3tweet) 21 de dezembro de 2020 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
batistas.  Em setembro o festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

batistas. Em setembro o festival nacional pelos 150 anos de presença na Itália

Roma (NEV), 14 de agosto de 2013 – Será antes de tudo uma celebração que trará os batistas italianos a Roma de 5 a 8 de setembro para celebrar os 150 anos de presença de suas igrejas na Itália. “Em outubro vamos organizar uma conferência histórica com cunho acadêmico. Agora, porém, queremos dar espaço à alegria de estarmos juntos, à fraternidade, à gratidão por aqueles que nos precederam nesta história que nos trouxe até hoje desde 1863”, explica o pastor Raffaele Volpe, presidente da Associação Cristã Evangélica União Batista da Itália (UCEBI). “Isso não significa que não haverá momentos de reflexão”, aponta Volpe, apresentando um programa de encontros que faz um levantamento dos principais desafios que as igrejas batistas estão enfrentando atualmente em nosso país. O Festival Baptista que se realizará no GB Taylor Institute no bairro Centocelle de Roma incluirá, de facto, conferências e entrevistas públicas, workshops, concertos e apresentações teatrais sobre os mais variados temas: acolhimento de estrangeiros e imigração; a "igreja verde" e o meio ambiente; as relações entre as diferentes gerações; o mundo da prisão; relacionamentos com valdenses e metodistas e com outros evangélicos. Tudo sob a bandeira do arco-íris batista. “O mundo batista é um mundo plural – acrescenta Volpe – unido por um mínimo denominador comum além do qual podemos desfrutar da rica diversidade de cada um”. Uma mensagem que as igrejas batistas não querem trazer apenas em suas celebrações, mas também em seu testemunho evangélico na sociedade italiana. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.