o encontro de pessoas LGBTQIA+ na Assembleia do KEK

o encontro de pessoas LGBTQIA+ na Assembleia do KEK

O KultuuriKatel, a sede da Assembléia CEC em Tallinn / CEC photo site

Roma (NEV), 5 de julho de 2023 – “Meus pronomes são eles/eles” é uma frase intraduzível em italiano: basicamente, significa que a pessoa que a pronuncia não quer ser dirigida nem ao masculino nem ao feminino. Uma maneira de traduzi-lo em nosso idioma é o uso do schwa (ə, ɜ) que, de fato, usei neste artigo.

Porém, nunca tinha ouvido essa frase ao vivo, e nunca esperei ouvi-la durante oAssembleia Geral da Conferência das Igrejas Européias (KEK) que aconteceu em Tallinn (Estônia) de 14 a 20 de junho, durante um workshop vespertino no qual falamos sobre nossas igrejas, os desafios que elas enfrentam na sociedade e como ser crentes hoje.

Mas então, por que eu não deveria ter esperado isso? Talvez eu não saiba que as pessoas LGBTQIA+ existem em todos os contextos e, portanto, podem ser facilmente encontradas em uma Assembleia Ecumênica? De facto, o encontro não tardou: entre um workshop, um debate, um jantar, um momento de oração e um passeio por Tallinn, a certa altura apareceu um letreiro feito à mão, com um arco-íris desenhado, que convidou os presentes a participarem de uma noite indiscutivelmente temática queer. Gostaria de lembrar o que foi escrito, gostaria de ter fotografado; infelizmente, algumas horas depois, o sinal desapareceu.

O logotipo do Fórum Europeu de Grupos Cristãos LGBTQIA+

Alguém diz que é porque não era uma reunião oficial, outra pessoa porque a reunião teria acontecido no local usado como capela, onde de manhã e à noite nos reuníamos em oração. Cartel ou não cartel, a reunião, porém, transcorreu igual: não constava do programa oficial, semi-clandestino se quiserem, ao qual nos referimos então no dia seguinte chamando-o simplesmente “a reunião”, com uma piscadela final.

O reunião foi em uma noite de domingo. Na manhã daquele mesmo dia, descobri que a Igreja Metodista da Estônia se retirou da Igreja Metodista Unida (UMC), a partir de 1º de julho de 2023, por “motivos de consciência e ética”. Agora, neste caso específico, como no caso de outras igrejas metodistas ao redor do mundo, esta frase significa que a única ideia que a Conferência Geral da UMC em 2024 pode considerar eliminar a afirmação de que “a prática da homossexualidade é incompatível com a vida cristã”, constitui motivo de ruptura entre as igrejas filiadas a esta denominação no mundo. Assim, a UMC ainda não “descriminalizou” oficialmente a homossexualidade, e já a Igreja Metodista da Estônia, assim como outras, decidiram abandoná-la.

Apesar disso, há aspectos positivos, e não são poucos. Por exemplo, é claro que as pessoas LGBTQIA+ estão presentes em todos os níveis em todas as denominações cristãs e, portanto, também na Assembleia da CEC. Além disso, há grandes mudanças em curso que ocorrerão ao longo deste século e estamos apenas começando a ver: dentro do Exército de Salvação na Grã-Bretanha, por exemplo, um movimento de acolhimento e aceitação de identidades LGBTQIA+ foi ativado e há uma Fórum Cristão LGBTQIA+ que organiza encontros e eventos.

Um distintivo de mordomo com a bandeira do arco-íris

Para mim, o ponto alto foi ver tantos dos comissários muito jovens na convenção terem uma bandeirinha de arco-íris em seus crachás, e ver amizades e laços florescerem entre aqueles que tinham e aqueles que não tinham. Espero ver grandes coisas desta geração, que pratica o ecumenismo também nesta frente, de forma direta e sem tirar nada de sua fé e de seu compromisso com as igrejas.

Nós do “encontro” criamos um pequeno grupo de Whatsapp para nos manter atualizados sobre o andamento das coisas, e espero muito que na próxima Assembléia do KEK o encontro seja oficialmente anunciado e esteja acessível e visível a todos aqueles que queiram trabalhar no sentido de um inclusivo e não repelente.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Encerrado o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense: Alessandra Trotta reconfirmada como moderadora da Mesa Valdense

Encerrado o Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense: Alessandra Trotta reconfirmada como moderadora da Mesa Valdense

A moderadora da Mesa Valdense Alessandra Trotta. Foto de Daniele Fly Torre Pellice (TO), 26 de agosto de 2022 - Encerrou com a fala do reconfirmado moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trottao Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense. — Coletiva de imprensa ao vivo e a ser revista em: —- "Queremos nos enraizar no compromisso - que em nosso modo de entender a fé só pode ser renovado e que, de fato, renovamos também neste Sínodo - de dar uma contribuição, não apenas com palavras, mas com a participação e a ação concreta em debates culturais e sociais e nas lutas sobre temas importantes como o cuidado dos idosos e do trabalho, a proteção do meio ambiente, a construção da paz e da democracia. Importantes porque são essenciais para a dignidade da humanidade e de toda a criação de Deus, que como crentes e cidadãos somos sempre chamados a defender” declarou o moderador. Alessandra Trotta partiu de uma crítica à 'fraqueza', utilizada como “álibi para a preguiça e o desleixo; pela ignorância causada por um analfabetismo cultural e bíblico original ou recorrente; por preguiça (não querer assumir a responsabilidade de fazer escolhas) ou por indiferença (vale tudo, são todos iguais)”. Em seguida, falou da "necessidade de concretude" e de não olhar para baixo, "para não perder o horizonte de esperança da qual temos o dever de prestar contas como cristãos e cristãs; e guiado pelo desejo – palavra amplamente utilizada na noite pública dedicada ao tema da paz – que abre caminho também nas inquietações, nas contradições, com tenacidade e humildade, com a ajuda do Senhor”. O trabalho deste ano concentrou-se não apenas nos aspectos organizacionais da igreja, no ecumenismo e nas relações internacionais, mas também nas obras sociais e na formação. O mandato para o ano que se inicia é continuar trabalhando com empenho e confiança ao lado dos pobres, últimos e em dificuldade. Entre as moções aprovadas, a documento de trabalhoque exorta para que não haja "trabalhadores pobres", pede o reconhecimento de um salário mínimo e destaca os direitos de quem trabalha: uma postura contra as privatizações e as desigualdades econômicas, em nome da proteção do trabalho, garantias sociais e ambientais, políticas migratórias, igualdade de oportunidades e igualdade fiscal. Um parágrafo é dedicado à segurança no trabalho e ao surgimento do trabalho não declarado. Importante também é o ato em vista das eleições políticas, com o convite para o exercício do direito de voto, o apelo à extensão do direito de cidadania e uma "oração pelo bem da cidade" (Jeremias 29). Realizada na Torre Pellice a partir de 21 de agosto, nos dois primeiros dias em sessão conjunta com a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) na chamada Assembléia-Sínodoo Sínodo Valdense e Metodista, o mais alto órgão de decisão dessas históricas igrejas protestantes, contou com a participação de cerca de 200 delegados e convidados de toda a Itália. ELEIÇÕES Na mesa valdense, além do moderador Alessandra Trottaforam eleitos Erika Tomassone (vice-presidente), Inácio de Lecce, William Jourdan, Ulf Hermann Koller, Dorothea Müller, Andrea Sbaffi. Nova presidência da Sociedade das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI): o pároco Luke Elders. O presidente cessante Mirella Manocchio assim passa o bastão após seis anos de serviço. Manocchio recebeu palavras de agradecimento e elogios pelo trabalho realizado. No conselho da Faculdade Valdense de Teologia, eles foram reconfirmados Lothar Vogel (reitor) ed Eric Noffke (vice-reitor). O pastor Francisco Sciotto reconfirmado como presidente da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD/Diaconia Valdense). Explore o Sínodo 2022 Oito por mil valdenses, assinaturas e projetos estão crescendo Luca Anziani é o novo presidente da Opcemi, a organização das igrejas metodistas na Itália Em chiesavaldese.org as histórias em vídeo do Sínodo Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org Foto de Daniele Fly ...

Ler artigo
O direito à saúde no centro do Sínodo Valdense

O direito à saúde no centro do Sínodo Valdense

Torre Pellice (nev/sv06), 24 de agosto de 2023 – O direito à saúde para todos, de Norte a Sul, sem desigualdades, com maior atenção às pessoas mais vulneráveis, às novas formas de pobreza, aos cidadãos marginalizados. Isto foi discutido hoje no Sínodo Valdense em curso em Torre Pellice (TO), numa conferência de imprensa sobre os temas da agenda dos deputados reunidos nos vales valdenses. O órgão de decisão das igrejas Metodista e Valdense aprovou de facto uma lei intitulada "Para uma igualdade saudável", que sublinha a importância do serviço nacional de saúde. Ao mesmo tempo, para os valdenses é essencial proteger a saúde pública como elemento fundador da democracia. Diante, portanto, dos cortes previstos para este setor, as igrejas valdenses pedem uma inversão de tendência e uma relação entre Regiões e Estado que possa reduzir e não aumentar o fosso entre Norte e Sul, como poderia fazer a autonomia diferenciada. “Segundo o Sínodo, a questão da relação entre público e privado precisa ser revista – disse Daniel Massa, membro da Comissão Sinodal para a Diaconia (CSD - Diaconia Valdense) - no sentido de que cerca de 10 milhões de pessoas neste país têm uma 'sociedade mútua externa' não é apenas um elemento impróprio porque o acesso deveria ser a um sistema universal, mas também enfraquece o próprio sistema de serviço público. O sistema público universalista deve permanecer no centro”. “Até no assunto da saúde física e mental das pessoas – declarou Ciuffreda Grátisoncologista, membro do Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, deputado ao Sínodo Valdense - estamos comprometidos como leigos com uma sociedade aberta e inclusiva, que não deixa ninguém para trás e fazemos isso em nome de Jesus Cristo que menos se importava e interpretou a sua ação terapêutica em sentido amplo como sinal e contribuição eficaz para o advento do reino de Deus aqui e agora“. Amanhã, último dia do Sínodo, o Serviço Nacional de Saúde (SSN) como bem a preservar e valorizar estará também no centro de uma agenda ad hoc, ontem apresentada, que volta a falar do direito à saúde, no face a um desmantelamento contínuo do SSN e à sua privatização. Este texto refere-se também ao carácter universal desta área da vida das pessoas e sublinha a importância do serviço público de saúde, que aliás deveria ser ainda mais apoiado pelas instituições, em termos económicos e não só, também para uniformizar os serviços e o desempenho cuidados de saúde em diferentes regiões. Para rever a conferência de imprensa de hoje e todos os materiais do Sínodo: www.nev.it; www.rbe.it; www.riforma.it; www.chiesavaldese.it ...

Ler artigo
Os direitos como elemento essencial de qualquer democracia

Os direitos como elemento essencial de qualquer democracia

Roma (NEV), 4 de julho de 2022 – A “Escola para a Democracia”, promovida pela Valdensian Cultural Center Foundation e pelo Waldensian College, em colaboração com a Sapienza University, teve início ontem em Torre Pellice, nos vales valdenses, na província de Torino de Roma, Departamento de História Antropologia Religiões Artes Entretenimento, o Centro de Estudos Comparados, a Escola Política Tullio Vinay e a Comissão de Estudos da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. O senador foi o convidado do primeiro dia de posse Louis Manconique em seu discurso falou dos "direitos como elemento essencial de toda democracia", referindo-se ao direito à liberdade de pensamento, ao direito à proteção da pessoa - lembrando Stefano Cucchi – até o direito a um fim de vida digno. “Falando aos valdenses e com os valdenses. O protestantismo como religião da modernidade: o Espírito sopra onde se afirma a autonomia da consciência individual e a autodeterminação do sujeito”, escreveu Manconi posteriormente em um post. Hoje, 4 de julho, primeiro dia de estudos, com o MEP Lia Quartapelle E Marcos Ventura, da Universidade de Siena, intitulado "A soberania pertence ao povo". Aqui o programa completo da iniciativa, que se prolonga até 9 de julho. O projeto “Escola para a Democracia” foi criado para “criar um espaço de estudo e investigação para que as palavras voltem a ser expressões para contrariar as falsas verdades que geram impulsos racistas, soberanos e totalitários”, como se afirma na apresentação da iniciativa. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.