“Protestantismo” vai para Nuremberg – Nev

“Protestantismo” vai para Nuremberg – Nev

Roma (NEV), 22 de julho de 2023 – Na celebração das igrejas protestantes na Alemanha
Novo compromisso na Rai3 com Cláudio Paravati e “Protestantismo”, o programa de
Rai Cultura com curadoria da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália. domingo, 23
às 8h00 de julho, a transmissão será em Nuremberg, onde mais de cem mil pessoas já
participou do Kirchentag, a celebração das igrejas protestantes na Alemanha: um fato
importante que contradiz aqueles que pensam que há cada vez menos pessoas nas igrejas.
“Protestantismo”, também é repetido na terça-feira 25 e quarta-feira 26 às 13h10 e segunda-feira 31
julho, às 13h45, sempre na Rai 3.

Para revisar todos os episódios e serviços individuais:

artigo anterior90 anos de adoração em Colle della Croce
Próximo artigoIgrejas inclusivas para novas mulheres e novos homens

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Morrendo de esperança.  No dia 18 de junho, oração ecumênica em transmissão ao vivo

Morrendo de esperança. No dia 18 de junho, oração ecumênica em transmissão ao vivo

Roma (NEV), 17 de junho de 2020 – A oração habitual em memória daqueles que perdem a vida em suas viagens para chegar à Europa será realizada na quinta-feira, 18 de junho, a partir das 18h30, com transmissão ao vivo de Roma. O Secretário Executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco, participa Luca Barato. A nomeação insere-se no contexto do Dia Mundial do Refugiado, instituído em 2001 pelas Nações Unidas, que se celebra em todo o mundo a 20 de junho. A cerimônia será presidida pelo secretário geral da Conferência Episcopal Italiana (CEI) Stefano Russo. A transmissão ao vivo da Basílica de Santa Maria em Trastevere em Roma será transmitida na página inicial e na página do Facebook da Comunidade de Sant'Egidio, que organiza esta oração ecumênica há vários anos junto com a Associação Centro Astalli, Caritas Italiana, Fundação Migrantes, Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Rede Scalabrini Migration International (SMIN), ACLI e Associação Comunitária Papa João XXIII, a ACSE. Durante a oração, serão lidos os nomes daqueles que perderam a vida em suas viagens à Europa. Você pode enviar nomes para lembrar [email protected] ou pelo numero 3249981674 Para maiores informações: baixe o flyer em pdf Para o Dia Mundial do Refugiado, os protestantes italianos da FCEI, através do seu programa para migrantes e refugiados, Mediterranean Hope, lançaram também a iniciativa “kneel-in” precisamente para 20 de junho: “Vamos nos ajoelhar, como Martin Luther King 55 anos atrás, para dizer que vidas negras importam, vidas de imigrantes importam, vidas de todos importam." #RefugeeDay #WorldRefugeeDay #WithRefugees #WorldRefugeeDay ...

Ler artigo
Chuva

Chuva

foto de Geetanjal Khanna, unsplash Roma (NEV), 22 de março de 2023 – No Dia Mundial da Água, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) nos convida a refletir sobre este elemento vital. “A Comissão sempre se manifestou muito sobre a água e continuará a fazê-lo, mas hoje propõe a partilha de um poema como contribuição própria – declara a coordenadora Maria Elena Lacquaniti -. A água refere-se a muitos temas, o mar, a água que sai da torneira, um poço, ribeiras de rios, mas o tema que neste momento parece concretizá-los a todos e que nos faz muita falta é a chuva”. “CHUVA de Federico García Lorcana tradução de Cláudio Rendina, contém sabores, emoções, memórias e vida. Esperamos receber seu apoio de boas-vindas”, escreve a GLAM em uma nota emitida por ocasião do Dia. CHUVA A chuva tem um vago segredo de ternura,uma vaga sonolência resignada e amável,a música humilde desperta com elaque torna vibrante o espírito adormecido da paisagem. É um beijo azul que a Terra acolhe,o mito primitivo que se concretiza novamente.O agora frio contato do velho céu e terracom um clima ameno de noites intermináveis. É o alvorecer da fruta. Aquele que nos dá florese nos unge com o espírito santo dos mares.Aquele que espalha a vida em sementese na alma tristeza de algo vago. A terrível saudade de uma vida perdida,a fatal sensação de ter nascido tarde,ou a ilusão inquieta de um amanhã impossívelcom a preocupação iminente da cor da carne. O amor desperta em seu ritmo cinza,nosso céu interior tem um triunfo de sangue,mas nosso otimismo se transforma em tristezavendo as gotas mortas no vidro. São as gotas: olhos de infinito que olhamo branco infinito que era sua mãe. Cada gota de chuva treme no vidro sujodeixar feridas de diamante divinas.São poetas da água que viram e meditamo que a massa dos rios não sabe. Ó chuva silenciosa, sem tempestades nem ventos,chuva calma e serena de retumbante e doce luz,chuva boa e pacífica, você é o verdadeiroque desce amorosa e tristemente sobre as coisas! Oh chuva franciscana que trazes com as gotasalmas de fontes claras e mananciais humildes!Quando você desce os campos lentamenteabra as rosas do meu peito com seus sons. A canção primitiva que sussurra ao silêncioe a história sonora que você conta às frondesmeu coração deserto comenta chorandoem uma pauta preta profunda sem uma chave. Minha alma está triste com a chuva serena,resignado com tristeza de coisas irrealizáveis,e meu coração me impede de admiraruma estrela que se ilumina no horizonte. Oh chuva silenciosa que as árvores amame você é pela pura doçura das emoções;conceder à alma as mesmas brumas e ressonânciasque você coloca no espírito da paisagem adormecida! Federico García Lorca Granada, janeiro de 1919 (Tradução de Cláudio Rendina) de "Poems (Libro de poemas)", Newton Compton, Roma, 1970 ∗∗∗ Chuva A chuva guarda um vago segredo de ternura,algo de sonolência resignada y lovable,uma música humilde dorme com elaque faz vibrar a alma dormida da paisagem. É um besar azul que a Terra recebe,o mito primitivo que vuelve a realizarse.El contato ya frio de cielo y tierra viejoscon una mansedumbre de atardecer constante. É o alvorecer da fruta. La que nos trae las florese somos ungidos com o espírito santo dos mares.La que derrama vida subre las somenterase na alma tristeza do que não se sabe.A terrível saudade de uma vida perdida,a fatal sensação de ter nascido tarde,ou a ilusão inquieta de uma manhã impossívelcom a inquietação em busca da cor da carne. O amor se perde no gris de seu ritmo,nosso céu interior tem um triunfo de sangue,mas nosso otimismo se convence na tristezacontemplar as gotas mortas nos cristais. E são as bochechas: olhos de infinito que olhamal infinity blanco que les sirvió de madre. Cada face da chuva tiembla no cristal turbioy le dejan divinas heridas de diamante.São poetas da água que viram e que meditamlo que la muchedumbre de los ríos não sabe. Oh chuva silenciosa, sem tormentos nos ventos,a chuva mansa e serena de esquila e a doce luz,Chove bem e tranquilo que tu és o verde,la que amorosa y triste sobre las coisas caes! ¡Oh a chuva franciscana que te levanta os olhosalmas de fontes claras y humildes manantiales!Cuando sobre los campos desce lentamentelas rosas de mi pecho con tus sonidos abres. El canto primitivo que dices al silencioy la historia sonora que conta al ramajelos comentários llorando meu coração desertoem um pentágrama negro e profundo sem clave. Minha alma tem tristeza da chuva serena,tristeza cheia de uma coisa irrealizável,tengo en el horizonte un lucero encendidoe meu coração me impede de correr para contemplá-los. Oh a chuva silenciosa que as árvores amamy eres sobre el piano dulzura emocionante;das almas las mismas nieblas y ressonânciasque pones en el alma dormida del paisaje! Federico García Lorca Granada, janeiro de 1919 de “Libro de poemas”, Maroto, Madrid, 1921 ...

Ler artigo
O que está acontecendo em Lampedusa

O que está acontecendo em Lampedusa

Roma (NEV), 8 de dezembro de 2022 – Um pequeno barco, transportando 42 migrantes, colidiu com as rochas do Vallone delle Acque, em Lampedusa. É o que lemos hoje nas agências de notícias. O grupo, composto por 14 mulheres e 5 menores, foi resgatado pelos homens da CP324 e 327 barcos patrulha da Guarda Costeira. O barco, que partiu de Sfax às 6h do último domingo, afundou. Os migrantes, originários de Gâmbia, Camarões, Mali, Costa do Marfim e Chade, foram todos levados para o hotspot do distrito de Imbriacola. Nestas horas as pessoas no interior da estrutura seriam, sempre segundo fontes da imprensa, mais de 1.200, face a uma capacidade de 350 lugares sentados. Nos últimos dias, houve numerosos desembarques em Lampedusa, um corpo chegou, vários desaparecidos, como contam os operadores do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, neste post no Facebook . E apenas alguns dias atrás, uma menina de alguns meses morreu dentro do hotspot. “O Mediterrâneo ainda é um lugar onde as pessoas morrem, uma das rotas mais perigosas do mundo – declara marta bernardini, coordenadora do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI – . Como igrejas protestantes, há anos construímos corredores humanitários, uma maneira segura de levar as pessoas à Itália, mas queremos continuar dizendo que as pessoas também devem ser salvas no Mediterrâneo com a ajuda de ONGs ou, em qualquer caso, de uma organização europeia de defesa do mar. resgate, que o acolhimento deve ser digno para todos aqueles que chegam à Itália e que, além dos corredores humanitários, também devem ser garantidos outros acessos legais e seguros. A Europa deve assumir a sua responsabilidade, cuidar de quem continua a viajar em busca de um futuro melhor, que o próprio Ocidente não permite que seja garantido nos locais de onde fogem”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.