Os quartos do silêncio

Os quartos do silêncio

Roma (NEV), 15 de maio de 2018 – “Secularismo, espiritualidade e instituições: a sala do silêncio e/ou do culto como ferramenta de integração entre instituições e comunidades” é o título da conferência que será realizada na quinta-feira, 17 de maio de 2018, às Palazzo Marino, na Piazza della Scala em Milão. A linha comum é o significado dos lugares dentro de estruturas públicas onde uma pessoa pode se retirar em meditação ou oração. Salas de silêncio estão presentes, por exemplo, em hospitais e aeroportos.

A conferência é organizada pelo grupo de trabalho nacional “A sala do silêncio e/ou cultos” e contará com a participação, entre outros, da pastora valdense Daniela DiCarlo com uma intervenção sobre o diálogo entre as fés. A partir das 9 da manhã e até à hora de almoço falaremos de espiritualidade, espaços de despedida entre tradição e novas necessidades rituais, liberdade religiosa em locais de cuidado, perspetivas estéticas e arquitetónicas, com alguns testemunhos como o da “Estância” de Ferrara e o Panteão da Certosa do Cemitério de Bolonha.

A origem da “Sala do Silêncio” deve-se ao Secretário Geral da ONU Dag Hammarskjoeld, político e economista luterano sueco que ocupou o cargo de 1954 a 1961. Foi o próprio Hammarskjoeld quem montou uma “Sala Silenciosa” ou “Sala do Silêncio” na sede da ONU em Nova York. Como ele mesmo explicou, “num edifício inteiramente dedicado ao trabalho e ao debate, deve existir uma sala dedicada ao silêncio, no sentido externo, e à quietude, no sentido interno. Um lugar aberto a pessoas de todas as fés e desprovido de qualquer símbolo, porque é dever de quem entra preencher o vazio com o que encontra no centro do seu coração”. (mup)

Faça o download do programa: A sala do silêncio Cartaz da conferência 17 de maio de 2018

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Simona Menghini entre os 100 diretores de sucesso

Simona Menghini entre os 100 diretores de sucesso

Simona Menghini, à direita na foto, entrevista a moderadora do Tavola Valdese, Alessandra Trotta Roma (NEV), 5 de novembro de 2020 – Um comunicador protestante entre os 100 diretores de marketing e comunicação italianos de sucesso escolhidos pela revista Forbes. Formado em Economia pela Bocconi e mestre em gestão de empresas (concluído com bolsa), anos de experiência nos mais altos níveis em empresas e multinacionais, especialmente no setor de alta tecnologia, Simona Menghini é membro da Comissão de Comunicação da Mesa Valdense, do Otto per mille Valdensian e da Comissão de Evangelização. Depois de ter trabalhado durante anos numa agência de comunicação e de ter sido diretora de comunicação e marketing da Lenovo, está há mais de dois anos diretor de comunicação da Oracle, uma das maiores empresas do setor de informática. Ontem ele "descobriu" que estava entre os 100 diretores de marketing italianos de sucesso, segundo a prestigiada revista. E compartilhou a novidade com um tweet e uma postagem em seu perfil no LinkedIn, recebendo elogios de diversos colegas. Uma satisfação, para uma “viagem longa e cansativa. Uma vida no avião, até antes da pandemia. Sempre gostei de comunicação - diz Simona Menghini - e me interesso por informação desde menina. Fui jornalista freelancer, sou publicitário, e por isso, muito naturalmente, primeiro no editorial e depois no mundo da comunicação, marketing e relações públicas”. Tese em políticas de inovação da Comunidade Européia, Simona Menghini é uma das mulher autodidata, "Tive que arregaçar as mangas, tanto meu irmão quanto eu ficamos ocupados". E nesse percurso profissional de sucesso também há a história de uma aproximação ao mundo protestante. “Minha família era católica, mas senti que precisava encontrar um lugar para mim, uma igreja onde pudesse pensar por mim mesma, como cristã. Sempre senti que Jesus tinha coisas para me dizer. Mas não encontrei correspondência entre minhas questões éticas, minha experiência humana em contato com a dor e o sofrimento, e o que me foi transmitido. Então fiz uma espécie de pesquisa de marketing, diga-se de passagem, e conheci a igreja valdense”, continua Menghini. Sua abordagem do mundo protestante é, na verdade, uma história dentro da história: “Não havia internet então, então procurei nas páginas amarelas da época os nomes das igrejas que queria “analisar”, como se estivesse fazendo um estudo setorial. Fui a um templo valdense, o de Milão, que é minha cidade e comunidade que ainda frequento, mas me enganei no endereço. Entrei pela via della Signora, que fica atrás do pastor, que estava Salvatore Ricciardi. Sentei-me e ouvi, e finalmente me pareceu que estava no lugar certo. Então, no domingo seguinte, voltei ao culto”. Desde então tornou-se valdense, e com os valdenses encontrou um lugar e um espaço simbólico e religioso "onde posso dizer em voz alta o que penso". “Compreendi que se salva porque se crê, se salva pela graça e não porque se é melhor que os outros – prossegue -. Eu entendi perfeitamente o significado do Parábola dos trabalhadores de horas diferentes (Mateus 20, 1-16). Entre os comentários e elogios de que mais gostou, ao saber do reconhecimento que lhe foi dado pela Forbes, precisamente os que se referem à "ética", diria a ética protestante, "que também procuro trazer para o trabalho que faço ". As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
valenzi.  A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

valenzi. A necessidade de uma lei-quadro sobre a liberdade religiosa

Roma (NEV), 28 de fevereiro de 2023 – Segundo “episódio” do especial da Agência para retomar os temas da conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”, realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Após a primeira entrevista com Paulo Nasohoje é a vez de Ilaria Valenzi. A grande participação na conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias" realizada recentemente em Roma e que contou com a participação de representantes de diversas religiões, especialistas, juízes, juristas, jovens universitários, "confirma o crescente interesse pela liberdade religiosa e pelos direitos fundamentais na esfera intercultural – aponta Ilaria Valenzi, assessor jurídico da FCEI –. A reunião - recorda - nasceu por iniciativa da Fundação Basso e de algumas vozes do Poder Judiciário, algumas vindas do Supremo Tribunal de Cassação. As sessões de trabalho dedicadas ao tema “direito e religiões” abordaram um tema essencial de forma interdisciplinar: interagir com o mosaico cultural e de fé presente no nosso país. As orientações religiosas entram diariamente nas sentenças do Tribunal de Cassação. Os juízes têm de lidar com situações inusitadas, como a poligamia ou o repúdio conjugal, distantes do nosso ordenamento jurídico e da nossa sensibilidade jurídica e cultural. A Fundação Basso e a revista Comparar eles vêm promovendo programas de estudo sobre o pluralismo religioso há algum tempo. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália foi o interlocutor natural para a experiência adquirida no campo da liberdade religiosa. As comemorações da Semana da Liberdade e do 17 de fevereiro, mais uma ocasião para enriquecer o debate geral”. A liberdade religiosa (e a vontade de chegar a uma lei-quadro) sempre foi uma questão decisiva para a FCEI, porquê? Porque está presente na ideia fundadora da Federação. Há muito que a FCEI reclama a superação da obsoleta lei dos "cultos admitidos" de 1929 e promove iniciativas a favor de uma lei geral da liberdade religiosa, precisamente para adequar o quadro constitucional vigente em matéria de protecção dos direitos e liberdade religiosa para as comunidades de fé e alargada às associações e aos seus membros individuais. De facto, existe uma Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS) constituída para o efeito e que reúne também as Igrejas Evangélicas não federadas em torno do tema da liberdade religiosa. Por estatuto, é presidido pelo presidente da FCEI. A situação legislativa em matéria de liberdade religiosa na Itália é "piramidal", diferentes níveis dão acesso a diferentes direitos. Nossa Constituição, apesar da garantia abrangente, não consegue desvendar as pequenas disparidades ainda presentes. Existem, de fato, níveis hierárquicos de tratamento em relação às diversas confissões religiosas. Começa da Concordata com a Igreja Católica aos Acordos com 13 confissões religiosas, à lei de 1929 dos "cultos permitidos" que acomoda todas as outras religiões, mas no nível mais baixo. Os "admitidos", por exemplo, podem nomear seus ministros ou construir locais de culto, mas a aprovação do governo costuma ser muito complexa. Disparidades que aumentaram após a promulgação de algumas leis regionais, também erroneamente definidas como "leis anti-mesquitas", porque afetam indistintamente todas as denominações religiosas minoritárias. Falou-se do princípio da laicidade do Estado? Foi o pano de fundo de nossas discussões. O espaço dos direitos deve ser inserido em uma moldura e essa moldura é o princípio supremo da laicidade; o lugar onde todos somos chamados a nos mover com respeito. O pluralismo religioso é garantido pela neutralidade não confessional do Estado. Entre os modelos de secularismo, além do italiano, foram citados o francês e o britânico. O modelo italiano, já foi dito, está em contínua evolução, devido à natureza da concordata. Você mencionou o degrau mais baixo da pirâmide em termos de liberdade religiosa, de quem estamos falando e de quais números? Quem se encontrar sob a proteção da legislação de 1929, antes de poder recorrer a uma Entente, deve obter o reconhecimento legal. Este é um primeiro passo, mas também um primeiro obstáculo. Portanto, as confissões religiosas que estão na base da pirâmide muitas vezes são obrigadas a empreender uma longa jornada para obter o reconhecimento institucional. Estamos falando de milhões de pessoas, por exemplo, as duas confissões de origem imigrante que são parte integrante e viva de nosso tecido social: o Islã e a comunidade ortodoxa romena. O último tem cerca de 1.700.000 membros, o primeiro cerca de 1.400.000. Durante a pandemia, por exemplo, surgiu a necessidade de se chegar a uma lei-quadro o quanto antes. Entre as dificuldades que surgiram estava a de conseguir encontrar lugares para sepulturas rituais para acolher os corpos dos crentes muçulmanos; e, novamente, para garantir assistência espiritual em prisões e hospitais. Algumas leis regionais no passado intervieram para resolver disputas, mas às vezes de forma arbitrária. Uma lei-quadro nacional certamente poderia enquadrar e fixar princípios fundamentais no campo da liberdade religiosa, eliminando pela raiz as atuais anomalias. ...

Ler artigo
Luteranos por Moria – Nev

Luteranos por Moria – Nev

Crédito Kirsty Evans Roma (NEV), 24 de setembro de 2020 – Ajuda para o novo campo de refugiados na ilha de Lesbos, após o incêndio devastador das últimas semanas. Isso é solicitado pela Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), que compartilha o apelo de muitas organizações para uma intervenção imediata da União Européia em Lesbos. Através de um dos seus jovens representantes a trabalhar na ilha, o CELI conseguiu estabelecer contacto direto com a ONG Refugee4Refugees e decidiu apoiar a sua ação. O Consistório do CELI na sua última reunião aprovou um apoio de emergência de 7 mil euros para esta organização e decidiu lançar uma angariação de fundos. “Há alguns dias – explica o CELI em nota – soldados, policiais, colaboradores da UNCRH começaram a reconstruir o campo de refugiados de Moria, na ilha de Lesvos. Mais de 10.000 pessoas já foram realocadas para o acampamento. Até os colaboradores das várias ONGs presentes na ilha voltaram a ter acesso ao terreno. Uma dessas organizações é Omar Alshakal Refugee4Refugees, uma ONG fundada em 2017 por um refugiado sírio, Omar Alshakal, desembarcou em 2014 em Lesbos. Muitos dos voluntários ativos em sua organização são migrantes que vivem no acampamento. O novo acampamento foi construído diretamente à beira-mar, as barracas são leves e pouco adequadas para resistir ao mau tempo e ao frio. A Refugee4Refugees, especialmente atenta às necessidades dos mais vulneráveis ​​- grávidas, menores desacompanhados e famílias jovens - estabeleceu como objetivo tornar o novo campo "à prova de inverno". Acima de tudo, trata-se de equipar as tendas com piso de madeira como proteção contra água, lama e frio, ao mesmo tempo em que torna as estruturas mais robustas para melhor resistir ao vento, às fortes chuvas de inverno e aos respingos das ondas. Além disso, os voluntários procuram fornecer às grávidas e crianças alimentos complementares, frutas e legumes, por exemplo, laticínios e ovos, e distribuir a todos cobertores, casacos, botas e tudo o mais necessário para enfrentar os próximos meses”. Depois da campanha de angariação de fundos "Juntos contra a Covid-19" lançada em Março passado a favor dos Hospitais Evangélicos de Génova e Nápoles e do Hospital Giovanni XXIII de Bérgamo, empenhados na linha da frente contra a Covid, o CELI agora "apela à generosidade de todos para aliviar o sofrimento dos refugiados na ilha de Lesbos, pedindo apoio a quem trabalha para enfrentar uma situação de emergência absoluta". Para doar uma contribuição financeira: “CELI PER MORIA” Refugiados4Refugiados IBAN: GR30 0171 3550 0063 5514 0495 233; Código BIC/Swift: PIRBGRAA Endereço do Banco: Piraeus Bank, Mytilene, Lesvos, Grécia 811 00 Número de identificação fiscal (registrado na Grécia): 997257688 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.