Tertio Millennio Film Fest no início

Tertio Millennio Film Fest no início

Foto do filme “Alganesh – Esperança no horizonte”, fora de competição

Roma (NEV), 5 de dezembro de 2018 – “Um lugar de diálogo inter-religioso e intercultural entre as comunidades católica, protestante, ortodoxa, judaica e islâmica” é a apresentação do Tertio Millennio Film Fest (TMFF), que abre em Roma em 11 de dezembro. A partir deste ano “a família se expandiu: a União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), a União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI) e as Igrejas Ortodoxas Russa e Georgiana quiseram seguir o mesmo caminho que nós. A revolta começou. Pequeno, silencioso, escondido. Como uma semente de esperança”. A XXII edição do festival do diálogo inter-religioso, este ano tem como título “Os dias da revolta. Guerra, revolução e redenção”.

São 17 filmes em cartaz, vindos de todos os continentes, com prévias, eventos especiais e reuniões com os diretores. Dos filmes em competição, sete são primeiras e segundas obras, todas inéditas na Itália. Além disso, 3 estreias mundiais, 4 internacionais, 2 europeias.

O júri inter-religioso, presidido por Claudia DiGiovannichefe da Cinemateca do Vaticano, Zanolo Yahya Abd al-Ahaddelegado da comunidade religiosa islâmica italiana (COREIS), Sir Fatuccidelegado Centro Judaico Italiano “Il Pitigliani”, Ben Mohamed Alidelegado da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), Pavel Zelinskydelegado da Igreja Ortodoxa Russa, Filipe Rivadelegado do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, Elena Ribet, Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi”, selecionará, entre os filmes em competição, o vencedor do Prêmio Tertio Millennio. A cerimônia de premiação acontecerá no sábado, 15 de dezembro, às 17h30, no Cinema Trevi.

Inúmeras iniciativas paralelas, entre as quais o concurso de curtas-metragens “Estamos aqui – Jovens, vontade de participação e procura de sentido” com o relativo prémio do júri de jovens e o “Prémio Opera Prima” atribuído pelo júri de leitores do revista de cinema ele nasceu em cinematografo.itque será entregue na tradicional noite dos Prêmios RdC, na sexta-feira, 14 de dezembro, na Sala Trevi.

O TMFF é organizado pela Fundação Entretenimento (FEdS) sob o patrocínio, entre outros, do Pontifício Conselho para a Cultura e do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé, com a direção artística de Marina Sanna E Gianluca Arnone. O Festival acontece no Cinema Trevi (Vicolo del Puttarello 25). Entrada livre com reserva sujeita a disponibilidade. Três exibições por convite são realizadas na Cinemateca do Vaticano.

Baixe o programa

Baixe o catálogo

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Começa o Sínodo Luterano: continuidade, mudança, futuro

Começa o Sínodo Luterano: continuidade, mudança, futuro

Foto do CELI - imagem de arquivo do Sínodo 2020 Roma (NEV/CS09), 28 de abril de 2021 – A 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa na quinta-feira, 29 de abril. Os 56 sínodos, conectados por todas as comunidades da Itália, estão prontos para a sessão digital. Título desta sessão: "Continuidade, mudança, futuro - A Misericórdia como responsabilidade da Igreja". Dois dias e meio de insights, reflexões e decisões, que incluem também 6 “salas virtuais” temáticas. No centro do Sínodo, discussões sobre: ​​meio ambiente, jovens, atividade diaconal, justiça de gênero, processamento do coronavírus, igreja digital. Os trabalhos sinodais começam na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 9h. Começam com o Relatório do Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau. Bludau é decano há sete anos e, com este Sínodo, inicia seu último mandato. Sobre seus anos na Itália, ele diz que foram "mais emocionantes do que qualquer coisa que já experimentei em minha vida profissional". O programa (resumo) O Sínodo começa oficialmente na quinta-feira, 29 de abril, às 17h30, com as inscrições. Às 18h, o culto de abertura. O Secretário Geral Luterano Mundial Martin Junge e o Papa Francisco na Comemoração Conjunta da Reforma em Malmö. 2017 – Foto: Igreja da Suécia Grandes expectativas para o Convidado de Honra, que será o pároco Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF). Seu discurso estará disponível em streaming na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 15h (em alemão com tradução simultânea para o italiano). O bispo também é esperado Leon Novak da igreja evangélica da confissão de Augsburg na Eslovênia com o presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI) Mons. Ambrogio Spreafico (sexta-feira, 30, às 10h35). o bispo Michael Chalupka da Igreja Luterana na Áustria (sexta-feira, 30, às 12h50). Por fim, o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), sábado, 1º de maio, às 14h30. convidados italianos Entre os convidados italianos, aliás, também o diácono Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese. a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI). John Archdeacon, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). a pastora Gabriela Liopresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Para saber mais: Fotos retiradas do site do CELI Nos destacamos pela nossa liberdade. Entrevista com Cordelia Vitiello, representante legal do CELI e conselheiro da FLM, além de presidente do Hospital Evangélico Betânia de Nápoles. Envolvido em vários projetos diaconais em Nápoles e arredores. Filho de mãe alemã e pai napolitano, Vitiello representa "a alma bicultural do CELI". A Igreja é visível sobretudo através da diaconia. Entrevista com Christine Fettig, leigo consistorial de Trieste. “Christine Fettig é segurança. Em sua comunidade, em Trieste, sabem que podem contar com ela para tudo”. Um de seus temas é a justiça de gênero. É importante começar as coisas. Entrevista com Kirsten Thielevice-reitor CELI. “A decisão sobre uma posição oficial do CELI em relação à justiça de gênero está muito próxima do meu coração. O documento não precisa conter todos os aspectos do assunto. Nem tudo tem que estar ali, não temos que ficar atolado querendo exagerar. É importante votar um documento que seja a posição oficial do CELI como ponto de partida para todos os trabalhos futuros”… Novo formato – novas rotas?. Entrevista com Ingrid Pfrommer, vice-presidente do Sínodo do CELI, sobre os desafios de um sínodo online. “Uma experiência completamente nova”. Pela primeira vez, ela é responsável por todo o planejamento do Sínodo junto com o presidente Wolfgang Prader. ...

Ler artigo
Em direção a Karlsruhe.  Em nome da justiça climática

Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática

Logotipo da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) - 31 de agosto/ 8 de setembro de 2022, Karlsruhe Roma (NEV), 19 de agosto de 2022 – Estão em andamento os preparativos para a 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que acontecerá de 31 de agosto a 8 de setembro em Karlsruhe, Alemanha. 4.500 pessoas de todo o mundo se reunirão sobre o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Um programa denso, acompanhado nas últimas semanas, mas também nos últimos meses, por inúmeras iniciativas preparatórias. Grande atenção é dada à questão das mudanças climáticas. O secretário-geral interino, padre Ioan Sauca, falou sobre isso em uma entrevista recente. Sauca destacou a importância do compromisso climático: “Se não mudarmos nosso comportamento, em 50 anos nosso planeta estará inabitável. Temos que agir agora." De fato, em vista da assembléia na Alemanha, o líder do Conselho Ecumênico pretende mobilizar ações pela justiça climática. É preciso cuidar da criação, disse. Na assembléia, ele acrescentou: “Os líderes serão solicitados a agir agora para cuidar de nosso planeta comum, a Terra”. A primeira plenária temática do encontro será realizada no dia 1º de setembro, dia em que as Igrejas de todo o mundo celebram o Tempo da Criação, período litúrgico celebrado em todo o mundo e que se inicia em conjunto com este importante evento global . “A ênfase na criação será muito destacada nesta primeira plenária – disse Sauca -. É uma questão teológica. O plano de Deus em Cristo era também a reconciliação e a cura de toda a criação”. Sauca também anunciou que haverá mensagens de líderes cristãos mundiais em Karlsruhe, incluindo o Patriarca Ecumênico Bartolomeu I e o Papa Francisco. A entrevista também fala sobre os esforços do CMI para colocar a questão da justiça climática na agenda global, desde a conferência do clima COP21 em Paris em 2015 até a COP26 em Glasgow em 2021, e em outros contextos institucionais e religiosos. O CMI, prosseguiu o secretário, “trata a criação não como uma questão de moda para o nosso tempo, mas como um elemento fundamental da sua própria identidade”. O WCC também é a única organização religiosa que teve presença permanente no processo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), observou Sauca, e esteve presente em todas as conferências climáticas das Nações Unidas desde a Cúpula da Terra do Rio de Janeiro em 1992 No entanto, o CEC desempenhou um papel importante ao destacar os perigos ao meio ambiente antes mesmo da cúpula do Rio, disse Sauca. E citou a Conferência Mundial de Ciência e Tecnologia para o Desenvolvimento Humano que lançou, em 1974, um apelo a uma "sociedade sustentável e justa". Em 1979, então, a conferência no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, já trazia alertas sobre as mudanças climáticas devido ao acúmulo de dióxido de carbono. Em torno da Assembleia de Karlsruhe há muitas questões em aberto: da Ucrânia aos outros conflitos em curso. Desde a decisão de não suspender a Igreja Ortodoxa Russa como membro do CMI, à denúncia da situação vista como “uma guerra ilegal e injustificável infligida ao povo e Estado soberano da Ucrânia”. Sobre Israel e Palestina, Sauca abordou muitas das questões existentes, e concluiu: “Esperamos que um dia estes dois povos possam coexistir no caminho da paz, da reconciliação, de uma paz justa”. A entrevista é editada por Stephen G. Browneditor da revista do CEC A Revisão Ecumênica. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=WwDWxboiIpg[/embed] Para saber mais Em torno de Karlsruhe… O livro de recursos, (Livro de Recursos) O Livro de Recursos é uma ferramenta útil para os participantes da Assembleia no local ou remotamente online de suas casas ou igrejas. Contém dados práticos essenciais, uma reflexão sobre o tema da assembleia, documentos e relatórios e um calendário de fácil consulta. Disponível em quatro idiomas. Disponível para download neste link: ...

Ler artigo
As lições de Rosarno – Nev

As lições de Rosarno – Nev

Roma (NEV), 31 de janeiro de 2023 – Um ano após a abertura do primeiro albergue social em Piana di Gioia Tauro, chamado Dambe sabe, a "casa da dignidade", a FCEI relança o seu compromisso com o acolhimento digno dos trabalhadores migrantes que trabalham na agricultura. Por isso, o Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas visitou Rosarno nos últimos dias. "O albergue social - explica o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Daniele Garrone – é simplesmente uma casa digna e equipada onde os migrantes possam viver e estabelecer a sua residência: a alternativa mais realista aos campos de contentores ou aos guetos insalubres e humilhantes em que muitos deles são forçados a viver. Os migrantes residentes no albergue – continua Garrone – contribuem para a gestão da casa, onde também são realizados programas de integração e orientação. Agora queremos expandir esta experiência e alargá-la a outros territórios - acrescenta o presidente da FCEI - na convicção de que estamos a propor um modelo replicável e sustentável que muda a qualidade de vida tanto dos migrantes como dos italianos residentes no mesmo território. Tanto mais num contexto marcado pela exploração, pelos interesses da grande distribuição que impõe preços, pelo trabalho não declarado e pelas condições de vida desumanas dos trabalhadores confinados em verdadeiros guetos, por vezes construídos com dinheiro público, que geram degradação e alimentam racismo”. Segundo o pastor metodista Pedro Ciaccio “Rosarno é uma metáfora para a Itália, um deserto do qual as pessoas querem sair. Vimos, nos dias passados ​​na Planície, quanto há para fazer e quanto pode ser feito. Vimos as condições absurdas em que vivem os migrantes e também a pobreza de uma agricultura que deveria ser muito rica. Mas Rosarno não é uma peça separada da Itália. De forma concentrada e paradoxal, neste local parecem ocorrer e revelar-se todos os problemas do nosso país: desde as dificuldades dos trabalhadores em encontrar casa, em ganhar o que é justo e necessário para viver, em constituir família, até os muitos problemas burocráticos e a um mercado que muitas vezes não é justo, mas que não se diz ser o único mercado possível. Os projetos do MH procuram demonstrar que é possível uma economia diferente, inserida no modelo atual, mas sustentável, onde todos os sujeitos possam extrair dignidade de seu trabalho”. “Uma experiência que me enriqueceu – explicou o conselheiro luterano Maria Antonieta Caggiano -, tenho visto operadores entusiasmados em assumir seu trabalho. Foram muitos momentos emocionantes. Fiquei impressionado com os testemunhos, pessoas corajosas em querer quebrar uma certa cultura deste lugar e esperança. A acolhida que têm em um lugar onde se constitui uma família é um grande testemunho da fé evangélica. Trago para casa grandes emoções, fiquei emocionado, principalmente depois de ver as cidades de tendas onde vivem muitos jovens... Mas é uma motivação para melhorar aquela situação, fazer de tudo para que eles possam ter uma vida melhor”. Também para o representante do Exército de Salvação, Luca Longo, foi "Um fim de semana bastante exigente em termos de conhecimento e emoções, um desafio pessoal, porque se depara com uma realidade - que já tinha vivido na Sicília, noutros campos e "guetos" - o berço da civilização que ainda temos tão triste situações de privação social e condições de vida intoleráveis. Vimos em primeira mão as muitas realidades que colaboram. Agora, quando vir uma laranja de Rosarno, verei pessoas, rostos, vidas e histórias que sempre estarão em minhas orações”. Para Free Ciuffreda, valdense, médico: “Foram dias intensos nos quais percebemos que este projeto não quer lidar com uma emergência, mas com um problema estrutural que a Itália e a sociedade devem assumir. Nossas igrejas estão fazendo isso, com testemunhos e atividades que vão além do contingente. Queremos gritar à política que este fenómeno - a exploração do trabalho - é epocal e devem ser disponibilizados todos os recursos úteis para o resolver, incluindo aqueles que estão à margem, os "invisíveis" que garantem a cobrança, em Rosarno de frutas cítricas e, em geral, os vegetais e os alimentos que comemos são ricos para nós. De aspectos que parecem quase simples, derivam raciocínios muito complexos que devem nos fazer refletir sobre o que queremos fazer com nossa sociedade e nosso compromisso como igrejas evangélicas na Itália”. Sara Comparatti, battista, disse: “Fundamental da nossa metodologia é trabalhar em colaboração com as pessoas que vivem na área, porque baixar as coisas de cima não funciona. Temos tido uma experiência extraordinária disso, com os nossos operadores que têm um conhecimento muito profundo desta realidade, sem eles não teríamos conseguido nada do que foi feito. Nossas igrejas colaboram com o Sos Rosarno há vários anos comprando laranjas solidárias: ver onde e como isso acontece, conhecer sua história, me impressionou muito, cada um de nós trará o que entende de volta para nossas comunidades de origem, tentando desenvolver este caminho. Uma forma de concretizar a proximidade que não é uma forma de assistência, mas uma participação num projeto, numa visão. E depois há os guetos… Tentar ajudar essas pessoas “a sair da escuridão” é o mínimo que um crente pode fazer. Para nós, protestantes, a fé não pode ser dissociada da ética: "faça o bem à cidade em que você está". E Rosarno, que é uma “concentração” das contradições da Itália, pode ser também um laboratório, para nos ajudar a entender que existem alternativas. Como aconteceu com os corredores humanitários, há alguns anos, quando pela primeira vez apostamos neste instrumento, que se tornaram agora um modelo e um exemplo reconhecido em toda a Europa e fora dela”. Como, à sua maneira, também poderia acontecer com o albergue Dambeso. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.