Toti Rochat

Toti Rochat

Roma (NEV), 27 de junho de 2023 – Ela faleceu ontem à noite Toti Rochat. Nascida em Pavia em 1937 em uma família protestante, ela era uma pensadora e escritora ativa e comprometida. Referência de várias gerações de homens e mulheres, Rochat foi, entre outras coisas, um dos fundadores do Clube Cultural “Jacopo Lombardini”. Com o apoio da Igreja Valdense, o Centro contribuiu durante anos para o desenvolvimento democrático de Cinisello Balsamo com o Clube Cultural e a escola popular para jovens e adultos.

Na década de 1980 foi diretora da comunidade evangélica aldeia de Monteforte Irpino (Avellino). Estes foram os anos em que, dentro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Toti Rochat coordenou o trabalho na área afetada pelo terremoto de 23 de novembro de 1980, após o qual as igrejas evangélicas italianas e estrangeiras, juntamente com muitos fiéis , eles se mobilizaram para arrecadar fundos e ajudar.

Desde 1992 ela é responsável por receber os visitantes do Waldensian Cultural Center e da Waldensian Foresteria em Torre Pellice, ajudando a construir o sistema de visitas a museus nos vales valdenses. Co-fundador do Museu das Mulheres Valdenses em Val Pellice, Toti Rochat é também autor do volume “Via Monte Grappa 62/b. O município de Cinisello na década de 70 entre a escola popular e as lutas operárias” (Marsilio, 2010) e co-autor do volume “A Palavra e as práticas. Mulheres protestantes e feminismos” (Claudiana, 2007), juntamente com Sabina Baral, Ines Pontet, Giovanna Ribet, Francesca Spano, Federica Tourn, Graziella Tron. Um livro que representa um “marco” entre a memória e o futuro. De fato, a historiadora Gabriella Rossetti escreve sobre nós, mulheres: <>.

Muitas mensagens nas redes sociais dedicadas à figura de Toti Rochat. Abaixo, em memória da pastora Daniela Di Carlo.

Para mais informações, leia a entrevista com Toti Rochat divulgada por ocasião da apresentação do livro sobre Cinisello Balsamo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Pacto pelas migrações, igrejas mundiais: “Solidariedade e acolhida”

Roma (NEV/Riforma.it), 23 de setembro de 2020 – A Comissão Europeia apresentará hoje, quarta-feira, 23 de setembro, o novo Pacto de Migração, uma reforma do regulamento de Dublin que visa não colocar todo o ônus das chegadas nos países de origem e deve acionar mecanismos de solidariedade estabelecendo certas obrigações, por exemplo, sobre relocações.Ontem, 22 de setembro, uma dezena de organizações religiosas globais e regionais divulgou uma declaração em defesa da situação dos migrantes e refugiados na Europa para definir seu chamado como cristãos para "acolher o estrangeiro e instar a criação de um mundo no qual nos tornemos humanos juntos ". “A solidariedade deve ser o princípio orientador que rege a migração e, especialmente, a recepção de refugiados”, afirmou o comunicado. “Esperamos que a União Europeia rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva baseada nos valores fundamentais em que a UE se baseia. Nossas organizações representam igrejas em toda a Europa e no mundo, bem como agências religiosas particularmente preocupadas com migrantes, refugiados e requerentes de asilo”, continua o comunicado. “Como organizações cristãs, estamos profundamente comprometidos com a dignidade inviolável da pessoa humana criada à imagem de Deus, bem como com os conceitos do bem comum, da solidariedade global e da promoção de uma sociedade que acolhe os estrangeiros, cuida dos que fogem do perigo e protegem os vulneráveis”. A declaração refere-se então ao recente incêndio no campo de Moria, que deixou 13.000 migrantes desabrigados. “Os acontecimentos da noite de 8 de setembro de 2020 no campo de Moria e nos dias seguintes mais uma vez evidenciaram o estado falido da política europeia de migração e asilo e o sofrimento que ela criou. O desespero das pessoas em busca de proteção, muitas vezes obrigadas a viver anos em condições desumanas, a raiva e a frustração dos moradores que sentem que a Europa os deixou sozinhos com o desafio de acolher e assistir, indicam como a resposta atual tem enfrentado os sintomas de um grande problema, mas não a causa real, e a reação da UE expressa simpatia, mas mostra uma profunda falta de responsabilidade e nenhum compromisso real de ajudar aqueles que precisam de proteção, bem como o Estado grego e a população local que os acolhe. A pandemia exacerbou as já desumanas condições de vida dos migrantes”, observou o comunicado. “A COVID-19 e as suas consequências tornaram ainda mais precária a já difícil situação das populações deslocadas em muitos locais: quer pela higiene inadequada nestas estruturas, quer pelos cortes drásticos nas rações alimentares e demais assistências disponíveis”, lê-se. “Restrições generalizadas ao movimento interno e transfronteiriço após a pandemia reduziram ainda mais o acesso das pessoas à proteção. Além disso, a sobrevivência econômica de muitas pessoas em movimento, bem como de seus convidados, foi prejudicada por bloqueios e medidas relacionadas, que atingiram particularmente os empregados no setor informal e afetaram os meios de subsistência. As organizações religiosas comprometem-se, portanto, a "apoiar uma abordagem mais digna para o acolhimento, proteção e cuidado das pessoas em movimento". O texto afirma ainda que "as igrejas e agências foram e serão proativas em oferecer uma recepção compassiva e promover a integração social e uma coexistência justa e pacífica, na Grécia e em toda a Europa e além". A declaração exorta a mídia a “respeitar a dignidade humana de migrantes e refugiados, garantir uma cobertura equilibrada de suas histórias, envolver-se com migrantes e refugiados e capacitá-los a contar suas histórias e evitar expressões negativas estereotipadas, bem como vitimização e simplificação excessiva. Também partilhamos a convicção de que os valores fundamentais da União Europeia de dignidade humana e respeito pelos direitos humanos devem ser refletidos na sua política quotidiana. A política de asilo e migração da UE deve ir além do modo de crise: os canais normais de migração, incluindo passagens seguras e corredores humanitários, serão uma parte essencial da redução dos incentivos para realizar viagens perigosas e minar o negócio do tráfico. Essas passagens seguras devem ser abertas a pessoas que buscam proteção, mas também envolver pessoas que se juntam a suas famílias ou vêm para a Europa para melhorar seu bem-estar e o bem-estar da região trabalhando na Europa. Em conclusão, apoiamos fortemente a assistência humanitária imediata para permitir que as autoridades gregas e os agentes humanitários no terreno respondam às necessidades das pessoas deslocadas, bem como soluções estruturais de longo prazo para a resposta da região às pessoas em movimento. Em particular, pedimos um pacto da UE sobre migração e asilo que assegure que cada estado membro cumpra suas obrigações para que os países nas fronteiras da Europa não enfrentem esses desafios sozinhos. Todos os Estados-Membros da UE, assistidos por intervenientes locais, incluindo igrejas, devem assumir as suas responsabilidades no acolhimento e integração dos refugiados através da reinstalação permanente e outros mecanismos de partilha de encargos. Esperamos que a Europa rejeite o discurso e a política do medo e da dissuasão e adote uma posição de princípio e uma prática compassiva assente nos valores fundamentais em que assenta a União”. A declaração conjunta é co-assinada pela ACT Alliance, a Comunhão Anglicana, a Comissão das Igrejas para Migrantes na Europa, a Conferência das Igrejas Europeias, a Igreja Evangélica da Grécia, o Centro de Integração para Trabalhadores Migrantes – Programa Ecumênico para Refugiados, Não- Organização Lucrativa da Igreja da Grécia, Federação Luterana Mundial, Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos, Associação Mundial de Comunicação Cristã, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas, Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (Região Europeia), Conselho Mundial das Igrejas e Metodista Mundial Conselho. ...

Ler artigo
Mulheres de fé.  Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Mulheres de fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina

Roma (NEV), 30 de setembro de 2020 - A conferência organizada pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC) intitulada "Mulheres de Fé. Diversidade espiritual de uma perspectiva feminina". A presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), pastora, participa Gabriela Lio. A conferência faz parte do "Projeto Saber" dedicado ao estudo das minorias religiosas na Itália e das diferentes formas como estas últimas se inserem no contexto social italiano. O objetivo é promover o diálogo e a troca de experiências através dos testemunhos de alguns representantes de diferentes religiões, comprometidos com a promoção e proteção dos princípios fundamentais da dignidade do homem e da mulher. As organizadoras escrevem no convite da iniciativa: “As mulheres de fé desempenham um papel vital não apenas dentro de suas respectivas comunidades religiosas, mas também na sociedade multicultural e multirreligiosa de hoje”. A conferência, anteriormente adiada devido às disposições da emergência do coronavírus, será realizada em plataforma digital no dia 5 de outubro de 2020, das 16h30 às 19h. Para participar, cadastre-se no seguinte link: PLANO 16h30 Saudações Sen. Valéria Fedeli Pedro Nocita Presidente Honorário do Centro de Estudos LIREC Apresentar e moderar Raffaella DiMarzio Diretor do Centro de Estudos LIREC CAIXAS DE SOM Gabriela Lio Presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) Mariangela Fala Presidente da Fundação Maitreya e da Mesa Inter-religiosa de Roma Paula Cavallari Professor de história e filosofia, promoveu o Observatório Inter-religioso contra a violência contra as mulheres (OIVD) do qual é presidente. Swamini Hamsananda Ghiri Freira hindu e vice-presidente da União Hindu Italiana França Coen Co-presidente da Federação Italiana de Judaísmo Progressista e vice-presidente da Religiões pela Paz seção italiana. Elizabeth Nistri Presidente da Federação Feminina para a Paz Mundial-Itália Susana Giovannini Membro da Igreja Pentecostal Betel e do Grupo de Diálogo Inter-religioso pela Paz de Cosenza Marisa Iannucci Islamologista e ativista de direitos humanos. presidente da ônus vitalício. Os parceiros do evento são: a Associação Internacional para a Defesa da Liberdade Religiosa (AIDLR), a revista Consciência e Liberdade, o Observatório Inter-religioso sobre a Violência contra a Mulher (OIVD) e a Federação Feminina para a Paz no Mundo-Itália (WFWP). ...

Ler artigo
O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

O que vai acontecer em Karlsruhe – Nev

Karlsruhe. Foto de Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2022 – 800 delegados de igrejas-membro de todo o mundo, outros 500 entre observadores, convidados e crentes de várias religiões, mais de 300 estudantes e voluntários. Esses são apenas alguns dos números de participantes - um total de mais de 1.500 pessoas por dia - na próxima cúpula do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que será inaugurada em poucos dias, no dia 31 de agosto, em Karlsruhe, na Alemanha . Sobre o que é isso? Da 11ª Assembleia do CMI, um “Encontro de Fé e Fraternidade” do mais alto órgão de governo do Conselho Ecumênico Mundial, que se reúne normalmente a cada 8 anos (a última vez foi em Busan, na Coreia do Sul, em 2013). O que isso faz? Ele elege o Comitê Central e os presidentes, estabelece a direção "política" do Conselho Mundial de Igrejas, prepara declarações públicas, revisa o trabalho do Conselho, faz quaisquer mudanças na constituição e nos regulamentos, decide as diretrizes financeiras. As decisões são tomadas usando o método de consenso. Para suas igrejas membros, o WCC (WCC em inglês) é, como explica o pastor Michael Charbonnier, que será delegado em Karlsruhe e é membro do Comitê Central do CMI, “um espaço único: um espaço no qual eles podem refletir, conversar, agir, louvar a Deus e trabalhar juntos, questionar e apoiar uns aos outros, compartilhar dons e desafios, e discutem entre si e com a sociedade civil”. O CMI é, por sua vez, "a mais ampla e inclusiva das muitas expressões organizadas do movimento ecumênico moderno, um movimento cujo objetivo é a unidade cristã". O trabalho diário, na Alemanha, será dividido em vários momentos: haverá pré-assembléias sobre mulheres e homens, jovens, indígenas, pessoas com deficiência, oração matutina e vespertina, cinco plenárias e reflexões teológicas, grupos de estudos bíblicos e de formação, conversas ecumênicas, encontros confessionais e regionais, assim como momentos mais "institucionais" e técnicos como Comissões, relatórios e eleições. Haverá também espaços "no estilo de um fórum social", ou seja, i Brunnen (literalmente 'fonte', em alemão), onde acontecerão oficinas, exposições e atividades culturais, performances. “Pequenos passos mas juntos” Qual será a relevância deste evento internacional? “É um momento importante para o cristianismo que tem consciência da necessidade de trabalhar juntos e ter lugares, momentos, momentos em que nos encontramos, nos conhecemos e nos reconhecemos”, declara o pároco Michael Charbonnier. Pr. Michel Charbonnier “Será uma forma de recarregar as baterias espirituais. Para igrejas muito pequenas como as nossas italianas é importante se encontrar em um contexto com igrejas diferentes, de tamanhos diferentes, para se reconhecer como parte de um cristianismo maior e ver que sua voz é preciosa e é ouvida naquele contexto. Além da parte de decisão, há uma parte importante da comunidade, nos encontramos para descobrir ou redescobrir uma enorme diversidade que é uma riqueza em termos de modos de ser Igreja. Isto é funcional para recarregar as baterias mencionadas. E também será importante a comparação com muitas ONGs ligadas às igrejas, associações, redes que trabalham em vários temas, desde a paz na Palestina e em Israel, passando pelo direito à água, até os dos povos apátridas…” Quais são suas expectativas antes de começar a trabalhar? “Será a minha terceira assembleia e por isso saio sabendo que não será possível acompanhar tudo mas que só de estar imerso neste evento será por si só uma experiência única e um grande privilégio. Uma parte importante será o networking, a possibilidade de construir novos relacionamentos”. As convergências serão encontradas em muitas questões e o caminho compartilhado será crucial: "pequenos passos, mas dados juntos". Na mesa de Karlsruhe, um dos assuntos mais quentes será inevitavelmente a guerra na Ucrânia e, em particular, as posições expressas pelo Patriarca Kirill. “A declaração do CMI, em junho passado, sobre a Ucrânia lança as bases para um trabalho mais ponderado e pode neutralizar o risco de conflitos – explica Charbonnier -. A assembléia trabalhará, portanto, no sentido de baixar os braços, físicos e outros, ou seja, para não elevar o nível de confronto também em termos de diplomacia eclesiástica. Por outro lado, deve-se lembrar que as igrejas ortodoxas não são monolíticas, há dissidência interna e também na política paralela há certamente uma oposição à linha de Putin. Em todo caso, o comitê central, por unanimidade por consenso - incluindo, portanto, os delegados do patriarcado de Moscou - já considerou que a tarefa do conselho não era aumentar o nível de confronto, como eu disse. A tarefa dos cristãos é trabalhar pela reconciliação e expulsão só isto de uma igreja – o que nunca aconteceu nem para igrejas durante o apartheid na África do Sul – acho que é um atalho”. E quanto à exploração da fé? “Devemos continuar denunciando e abrindo espaços contra esse uso perverso da fé”, conclui o pároco valdense. não ao eurocentrismo o pastor estagiário Simone De Giuseppe Simone De Giuseppe, battista, pároco probatório nas igrejas de Gravina e Altamura, na Puglia, 30 anos, está em sua primeira experiência como delegado à Assembleia da CEC. “Mesmo sendo um geração do milênioacho que a questão do clima, como você já apontou também Ioan Sauca, estar grávida, para qualquer outro discurso. Por isso, acho que deve ter um destaque particular e espero que sejam tomadas posições fortes sobre isso porque o futuro depende do clima e, infelizmente, percebemos a irreversibilidade do que está acontecendo”, declara De Giuseppe. Do ponto de vista humano e pessoal, o jovem Batista está "animado por poder compartilhar um encontro tão internacional, um compromisso global que certamente dará uma oportunidade preciosa para a riqueza de crenças e experiências, que já tive em parte em meus estudos teológicos no instituto ecumênico de Bossey, na Suíça, centro do Conselho Ecumênico de Igrejas”. Uma ocasião, portanto, mais única do que rara, aquela em que “mais de 4500 pessoas se reunirão, num momento histórico particularmente significativo como este que vivemos na Europa. Será um momento para realmente nos perguntarmos "Que Europa queremos construir?" Gostaria que tudo não fosse feito em chave eurocêntrica - conclui De Giuseppe -, há um risco neocolonial de viver o cristianismo com uma perspectiva autorreferencial que deve ser superada. Olhemos para os muitos hemisférios do sul, partamos das necessidades das populações e territórios que mais sofrem com o estilo de vida ocidental, escutemos as vozes dos oprimidos. A começar pelos rumores de que estarão presentes em Karlsruhe. Espero sinceramente, dado o caminho já percorrido pelo concílio ecumênico nessa direção, que possamos dizer 'não' à armadilha do eurocentrismo”. O CMI reúne igrejas, denominações e associações de igrejas em mais de 120 países e territórios em todo o mundo, representando mais de 580 milhões de cristãos* e incluindo a maioria das igrejas ortodoxas, anglicanas, batistas, luteranas, metodistas e reformadas, bem como muitas igrejas unidas e independentes igrejas. Enquanto a maioria das igrejas fundadoras do WCC eram européias e norte-americanas, hoje a maioria das igrejas-membro são encontradas na África, Ásia, Caribe, América Latina, Oriente Médio e Pacífico. Existem atualmente 352 igrejas membros. A agência de notícias NEV acompanhará o evento na Alemanha com seu editor. Artigos, entrevistas e insights serão publicados por Karlsruhe durante o encontro, a partir de 31 de agosto. Para saber mais: “Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática" “CEC. Rumo à Assembleia na consciência do valor de um organismo global”, da Reforma Todos os materiais aqui: www.oikoumene.org Aqui estão as últimas declarações do CEC: sobre a Ucrânia a-matar-e-todas-as-outras-consequências-miseráveis-que-acarrete-é-incompatível-com-a-própria-natureza-dos-deuses sobre Israel e Palestina direitos humanos iguais para todos na terra santa sobre a emergência climática de ação contra as mudanças climáticas sobre exploração sexual, abuso e violência e-assédio chama-igrejas-para-desafiar-a-injustiça-conscientizar- sobre as necessidades da Etiópia no chifre da África sobre o recém-eleito secretário-geral Relatório da Comissão Executiva de maio de 2022 oferece espaço para ouvir e cuidar uns dos outros Entrevista com o secretário-geral sobre a guerra na Ucrânia As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.