uma entrevista com Maurizio De Giovanni

uma entrevista com Maurizio De Giovanni

Roma (NEV/Reforma), 18 de julho de 2023 – “Giallo Ecumene”. Nenhum crime ou mistério envolvendo o centro metodista de Velletri: este é, ao contrário, o título do fim de semana, de 14 a 16 de julho, dedicado ao renovado sucesso literário e televisivo dos romances policiais. Uma reflexão feita na companhia da professora Isabella Merzagoraprofessor de criminologia do Instituto de Medicina Legal da Universidade de Milão e presidente da Sociedade Italiana de Criminologia, e sobretudo por um autor excepcional: Maurice De Giovanni, o criador do comissário Ricciardi e muitos outros personagens, protagonistas de tantas séries de detetives. Nós o entrevistamos.

Vamos começar com esta primeira consideração: como você explica o sucesso atual do gênero thriller?

Na realidade, os romances policiais sempre tiveram sucesso em termos de leitores e vendas de livros. No entanto, houve uma mudança, introduzida por Camilleri, que levou à passagem destes romances das bancas, onde ainda se compram títulos de famosas séries de suspense, para as livrarias. Camilleri e seu Vigata transformaram histórias de detetives de simples histórias de um crime para narrações de um território e suas particularidades. Minhas histórias contam Nápoles; os de De Cataldo, Roma; Lucarelli, Bolonha; Carofiglio, Bari; e assim por diante. O amarelo torna-se uma forma de contar as diferentes identidades italianas e de explorar a sociedade do nosso país.

Um escritor de mistério deve de alguma forma entrar na mente dos criminosos sobre os quais ele fala. É uma experiência difícil?

Claro, é difícil. É uma experiência complicada e muitas vezes dolorosa, mas é preciso entender com que frequência crimes hediondos podem ser cometidos. Tomemos como exemplo uma notícia que se passou na zona milanesa: aquele homem que matou a noiva grávida de sete meses. Aquele homem devia ter família, parentes, amigos, colegas, nenhum dos quais conseguiu desviar ou interromper sua trajetória criminosa. Descrever como ideias, obsessões, violências passam pela cabeça de quem comete um crime é como destapar a tampa de um bueiro e mostrar que a rua por onde andamos todos os dias não é tão limpa nem tão tranquila. E que todos temos responsabilidade pelo que acontece diante de nossos olhos sem que percebamos.

O inspetor Ricciardi diz que se mata de fome ou de amor. O que isso significa?

Claro que é uma simplificação. A fome indica a necessidade, mas também o desejo de poder, de posse. Da mesma forma, o amor que mata é uma distorção do amor, é o amor que quer possuir. Quando alguém diz: “Eu matei por amor”, está mentindo, o amor se sacrifica, mas não mata. Pessoalmente não acredito no Mal, com M maiúsculo. Em vez disso, penso que o mal de que estamos tratando deriva do extremo egoísmo do ser humano que o leva a não valorizar a vida alheia ou o bem comum.

O comissário Ricciardi tem a capacidade de ouvir as vozes das vítimas dos assassinatos que investiga. O que significa um comissário que ouve a voz dos mortos?

Gostaria de dizer que, na verdade, Ricciardi não ouve a voz dos mortos, palavras que vêm do além, porque Ricciardi não acredita no além. Ouve antes o último pensamento das vítimas antes de morrer, uma vida cuja morte violenta pede, por um lado, que a justiça, por outro, seja acompanhada ao seu descanso.

Vem à mente que, na Bíblia, a ação da ajuda de Deus começa a partir de Sua capacidade de ouvir o clamor do sofrimento, até mesmo o clamor do sangue inocente subindo ao céu.

Eu diria que, afinal, ouvir é o verdadeiro superpoder, hoje esquecido, ao alcance de todo ser humano. Eu gostaria que todos, especialmente as novas gerações, redescobrissem o poder da escuta que consegue nos tirar de uma narrativa centrada em nós mesmos e nos abrirmos para a comunidade mais ampla, para sabermos que fazemos parte dessa comunidade.

Você explicou que o amarelo hoje fala de um território. Você é napolitano; que imagem de Nápoles sai de seus livros?

Espero que meus livros sejam capazes de dar uma imagem composta e polifônica de Nápoles. Nápoles é uma cidade que tem muitas outras cidades dentro dela, uma em cima da outra. Em todos os meus romances quero dar conta dessa multiformidade e não me limitar a contar um único aspecto. Pintar apenas um lado daria uma imagem distorcida da realidade. Em particular, gostaria que meus leitores notassem como em Nápoles o contato entre diferentes classes sociais é constante. Turmas que em outras cidades são separadas com mais clareza, até por distâncias de quilômetros e quilômetros. Não é assim em Nápoles.

De Giovanni, à esquerda, no auditório Ecumene.

Ela é uma grande fã do futebol Napoli e também escreveu sobre futebol. A conquista do Scudetto foi uma grande alegria para a cidade e a festa que floresceu foi um grande ritual coletivo. O que essa vitória e essa alegria podem trazer para a cidade?

O Scudetto no final dos anos 80 veio quando Nápoles era uma cidade de joelhos. Nápoles veio da cólera, do terremoto e de sua reconstrução, viu as grandes rixas da Camorra pelo governo do território baseado no narcotráfico. A cidade de hoje é muito diferente: é uma capital da Europa, com uma vida muito animada e uma oferta cultural, cheia de turistas. Nápoles é muito mais contada do que ontem. Por isso diria que este campeonato é mais um motivo de enriquecimento numa cidade certamente cheia de sombras, degradações, problemas, mas consciente de si como nunca.

A última pergunta diz respeito aos evangélicos. Por que você aceitou o convite de Ecumene?

Encontrei protestantes italianos em outras ocasiões. Fui duas vezes convidado no “Una Torre di libri”, o evento realizado nos vales valdenses todo verão. Pude conhecer um pouco da história dos valdenses e da realidade dos protestantes hoje. Então, quando Ecumene me chamou, aceitei de bom grado!

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Formas radicalmente novas de viver para proteger nossa casa comum

Formas radicalmente novas de viver para proteger nossa casa comum

Roma (NEV), 1º de setembro de 2020 - Cristãos de todo o mundo celebram a partir de hoje o Tempo da Criação 2020. "A celebração deste ano - declara o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em nota - tem uma ressonância particular. As crises sanitária, económica e ambiental que abalaram o nosso mundo exigem que os cristãos iniciem um “jubileu pela nossa Terra”, que é precisamente o tema desta edição, e que encontrem “maneiras radicalmente novas de viver”. Para o Rev. Prof Dr. Ioan Sauca, secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas, “O Tempo da Criação é um grande exemplo de um verdadeiro espírito ecumênico para orar e agir juntos para enfrentar os desafios globais em que vivemos hoje. A fé é um elemento indispensável para mudar o mundo e torná-lo mais sustentável e justo. O Tempo da Criação testemunha isso”, disse o líder do CMI. Ao longo do evento, milhares de compromissos digitais e centenas de reuniões locais acontecerão: de Nanyuki, no Quênia, onde serão plantadas árvores frutíferas para proteger um local ambientalmente ameaçado, até o Rio de Janeiro, Brasil, onde mais árvores serão plantadas para trazer atenção ao desastre ecológico da Amazônia, até Wellington, Nova Zelândia, onde um grupo ecumênico fará uma caminhada de reflexão sobre a história da criação do Gênesis. Aqui o guia para a celebração em inglês e na versão italiana. ...

Ler artigo
O caminho comum das igrejas Batista, Metodista e Valdense

O caminho comum das igrejas Batista, Metodista e Valdense

Roma (NEV/Riforma), 18 de novembro de 2020 – sábado, 21 de novembro, de 10 a 13, o webinars intitulado: “O sonho de uma Itália protestante. História e atualidade de um percurso comum. Reconhecimento mútuo entre as igrejas batista, metodista e valdense cem anos após a Primeira Conferência das Igrejas Evangélicas Italianas". O seminário online é a primeira etapa de um caminho que levará as igrejas batista, metodista e valdense rumo à 5ª sessão conjunta da Assembleia Geral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) e do Sínodo das Igrejas valdenses e metodistas , denominada “Assembleia-Sínodo”, a ser realizada em 2022. O caminho inclui uma segunda etapa na primavera de 2021, na qual serão refletidas três áreas temáticas: formação teológica, intercultura e colaboração territorial. O webinar será aberto com saudações institucionais de: Alessandra Trottamoderador da Mesa Valdense; Mirella Manocchiopresidente da Associação das Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália (OPCEMI); John Archdeaconpresidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI); Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI); Annapaola Carbonatosecretário da Federação da Juventude Evangélica da Itália (FGEI). A intervenção de Émile Florio, professor de história e filosofia, com uma retrospectiva histórica das relações entre as igrejas batista, metodista e valdense (BMV) cem anos após o 1º Congresso Evangélico Italiano. Eles então se alternarão Gianna Urzio, Cláudio Paravati E John Bremner que oferecerão um vislumbre dos desafios futuros e do potencial da jornada comum. O encontro do próximo sábado será uma oportunidade para as igrejas BMV refletirem sobre esta colaboração plurianual e entenderem como continuar o caminho do testemunho comum e da fidelidade ao Evangelho em uma sociedade e em um tempo marcado por particularismos e divisões. Acesse o FACTSHEET sobre a Assembleia-Sínodo das igrejas Batista, Metodista e Valdense ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.