A outra metade do céu.  Trinta anos de pastorado feminino na Igreja Batista Italiana

A outra metade do céu. Trinta anos de pastorado feminino na Igreja Batista Italiana

Roma (NEV), 18 de setembro de 2013 – A última edição da revista “Il Seminatore”, a evangelização trimestral da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI), é inteiramente dedicada ao trigésimo aniversário do pastorado feminino batista. Um número especial para comemorar um marco nada óbvio, alcançado com a decisão histórica tomada pela Assembleia da UCEBI em 1982. A publicação exclusivamente feminina, além de uma introdução histórico-bíblica da teóloga Elizabeth Green, reúne os testemunhos de vida e fé de 12 pastores batistas, entre eles, para citar alguns, o de Anna Maffei, a primeira mulher a presidir a UCEBI; Gabiela Lio, membro do Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI); Lídia Maggi teóloga do Serviço de Educação e Educação (SIE) da FCEI. Os batistas italianos seguiram por vinte anos a decisão do Sínodo valdense que já em 1962, após 14 anos de discussões e debates, reconheceu “às irmãs que foram chamadas, a plena validade do ministério da Palavra”. A primeira pastora valdense foi consagrada em 1967, e em 1979, seguindo o Pacto de integração entre as igrejas valdenses e metodista na Itália, o pastorado foi aberto também para mulheres metodistas. Quanto à Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), as pastoras estão em serviço desde o início dos anos 1990. Hoje, 30% da pastoral das igrejas membros da FCEI é composta por mulheres.

Nos últimos dias, os pastores adventistas da Itália reunidos para a conferência pastoral nacional apoiaram fortemente a introdução de pastorados de mulheres também na igreja adventista, um tema que, no entanto, dada a forma como a Igreja Adventista do Sétimo Dia está estruturada, deve ser debatido em nível mundial. . Eles decidiram por unanimidade propor à próxima Conferência Geral – o órgão máximo da Igreja Adventista mundial que se reúne a cada 5 anos – uma mudança de rumo: os pastores adventistas da Itália pedirão que prossigamos com a ordenação de mulheres e, se não acordo for alcançado, que as várias uniões e divisões nacionais sejam deixadas livres para proceder de acordo com a consciência, decidindo por conta própria.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Somente pela graça, uma perspectiva de unidade

Somente pela graça, uma perspectiva de unidade

Imagem de arquivo retirada de www.lutheranworld.org Roma (NEV), 1º de abril de 2019 – De 26 a 28 de março, a Universidade de Notre Dame (Indiana, EUA) recebeu representantes das cinco famílias cristãs mundiais formalmente associadas à declaração conjunta sobre a Doutrina da Justificação pela Fé (JDDJ) . Inicialmente assinado por luteranos e católicos em 1999, o JDDJ efetivamente resolveu um dos principais conflitos da Reforma e pôs fim às suas respectivas excomunhões. Nos anos seguintes, também reuniu membros do Conselho Metodista Mundial (WMC), da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC) e da Comunhão Anglicana, presentes em Indiana, juntamente com os líderes da Igreja Católica Romana e da Federação Luterana Mundial (FLM ). A consulta sublinhou a atualidade da mensagem evangélica de salvação: “somente pela graça, na fé na obra salvífica de Cristo e não por qualquer mérito nosso, somos acolhidos por Deus e recebemos o Espírito Santo, que renova os nossos corações, ele nos chama e nos torna capazes de boas obras”. A intenção é continuar no caminho de uma maior comunhão eclesial e de um testemunho mais visível, também na esteira dos laços mais profundos que se desenvolveram nas últimas duas décadas. Os participantes saudaram o imperativo de Lund, o primeiro de cinco assinados por Papa Francisco e pelo bispo luterano Munib Yunan, presidente da FLM, por ocasião das comemorações dos 500 anos da Reforma, ou seja, aquela que indica partir de uma perspectiva de unidade e não do ponto de vista da divisão. Também foi decidido usar o método de consenso para chegar a acordos sobre crenças comuns, mantendo as diferentes expressões denominacionais. Entre os temas da mesa, o reconhecimento mútuo dos ministérios, a cooperação na pastoral e no campo social, a justiça, os instrumentos catequéticos, o vínculo comum do batismo. Os participantes reconheceram a necessidade de aplicar o Princípio de Lund* de 1952, que exige agir em conjunto em todas as coisas, exceto quando diferenças significativas de crença nos obrigam a agir separadamente. Na consulta, que abriu com uma celebração ecumênica de oração e encerrou com a conferência "Do conflito à comunhão: o futuro dos cristãos juntos no mundo", estiveram presentes, entre outros, Tim Macquibanpároco da igreja de Ponte Sant'Angelo e diretor do Escritório Ecumênico Metodista de Roma (MEOR), representando o WMC. *Princípio de Lund, já declarado pelo Arcebispo de York William Temple, é definido pela comissão de Fé e Constituição em 1952 com estas palavras: "Mais uma vez ficou claro que quanto mais tentamos nos aproximar de Cristo, mais nos aproximamos uns dos outros". Fé e Constituição nasceu em 1910 e em 1948 tornou-se uma comissão teológica do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC), incluindo também representantes católicos. @macquibant prazer em representar @WMCouncil em nome de @methodist_rome neste importante evento ecumênico em Notre Dame #JDDJ — Escritório Ecumênico Metodista Roma (@methodist_rome) 1º de abril de 2019 ...

Ler artigo
As mulheres libertam o sagrado

As mulheres libertam o sagrado

Foto Adista Roma (NEV), 26 de junho de 2020 - O semanário de informação independente "Adista" relata em um dossiê "o caminho nada fácil que levou as mulheres das Igrejas cristãs não católicas ao acesso a ministérios e pastorados, ainda excluídas da Igreja de Roma" . Uma história multifacetada da qual emergem as tentativas de desmantelar estruturas e privilégios machistas, autoritarismo e clericalismo. “Os companheiros de viagem deste número da Adista – lê-se na apresentação –, pela ordem em que aparecem os seus ensaios, são o pastor valdense Alexandre Esposito; o luterano Gabriela Woller; o pastor batista Cristina Arquidiácona; Maria Vitória Longhitanopresbítero da Convocação das Igrejas Episcopais na Europa; Basil Petràdecano da faculdade de teologia da Itália central; David Romanodiretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA)”. A imagem inteiramente masculina de Deus "influencia não só as práticas religiosas, mas também as culturas, o bom senso e as práticas cotidianas" escrevem novamente os editores, que nos convidam a investigar a palavra bíblica "a partir de uma leitura mais cuidadosa, crítica, historicista das Escrituras", o que significa também "contextualizar e libertar a mensagem bíblica das superestruturas culturais do passado, das 'traduções' inadequadas e insuficientes que derivam de uma má compreensão dos textos, para tornar as religiões não mais dogmáticas, fechadas e separadas dos recintos do sagrado ' (sempre declinado no singular masculino), mas inclusivo e plural”. O dossiê faz parte da série de números especiais da Adista intitulado "As Igrejas face à violência de género" e pretende explorar temas como os preconceitos e os instrumentos de repressão e exclusão das mulheres na Igreja e na sociedade, os "carismas" femininos e a presença feminina no púlpito, na pregação da Palavra ou na administração dos sacramentos, elementos que tornam visível "a diferença dos corpos, presença muitas vezes perturbadora - sobretudo aos olhos católicos e por ocasião das celebrações ecumênicas - porque manifesta a existência de um ministério não mais vinculado ao corpo masculino e à masculinidade de Jesus e da Igreja". O dossiê também foi compartilhado na página do Facebook da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). ...

Ler artigo
o encontro de pessoas LGBTQIA+ na Assembleia do KEK

o encontro de pessoas LGBTQIA+ na Assembleia do KEK

O KultuuriKatel, a sede da Assembléia CEC em Tallinn / CEC photo site Roma (NEV), 5 de julho de 2023 – “Meus pronomes são eles/eles” é uma frase intraduzível em italiano: basicamente, significa que a pessoa que a pronuncia não quer ser dirigida nem ao masculino nem ao feminino. Uma maneira de traduzi-lo em nosso idioma é o uso do schwa (ə, ɜ) que, de fato, usei neste artigo. Porém, nunca tinha ouvido essa frase ao vivo, e nunca esperei ouvi-la durante oAssembleia Geral da Conferência das Igrejas Européias (KEK) que aconteceu em Tallinn (Estônia) de 14 a 20 de junho, durante um workshop vespertino no qual falamos sobre nossas igrejas, os desafios que elas enfrentam na sociedade e como ser crentes hoje. Mas então, por que eu não deveria ter esperado isso? Talvez eu não saiba que as pessoas LGBTQIA+ existem em todos os contextos e, portanto, podem ser facilmente encontradas em uma Assembleia Ecumênica? De facto, o encontro não tardou: entre um workshop, um debate, um jantar, um momento de oração e um passeio por Tallinn, a certa altura apareceu um letreiro feito à mão, com um arco-íris desenhado, que convidou os presentes a participarem de uma noite indiscutivelmente temática queer. Gostaria de lembrar o que foi escrito, gostaria de ter fotografado; infelizmente, algumas horas depois, o sinal desapareceu. O logotipo do Fórum Europeu de Grupos Cristãos LGBTQIA+ Alguém diz que é porque não era uma reunião oficial, outra pessoa porque a reunião teria acontecido no local usado como capela, onde de manhã e à noite nos reuníamos em oração. Cartel ou não cartel, a reunião, porém, transcorreu igual: não constava do programa oficial, semi-clandestino se quiserem, ao qual nos referimos então no dia seguinte chamando-o simplesmente "a reunião”, com uma piscadela final. O reunião foi em uma noite de domingo. Na manhã daquele mesmo dia, descobri que a Igreja Metodista da Estônia se retirou da Igreja Metodista Unida (UMC), a partir de 1º de julho de 2023, por “motivos de consciência e ética”. Agora, neste caso específico, como no caso de outras igrejas metodistas ao redor do mundo, esta frase significa que a única ideia que a Conferência Geral da UMC em 2024 pode considerar eliminar a afirmação de que "a prática da homossexualidade é incompatível com a vida cristã”, constitui motivo de ruptura entre as igrejas filiadas a esta denominação no mundo. Assim, a UMC ainda não "descriminalizou" oficialmente a homossexualidade, e já a Igreja Metodista da Estônia, assim como outras, decidiram abandoná-la. Apesar disso, há aspectos positivos, e não são poucos. Por exemplo, é claro que as pessoas LGBTQIA+ estão presentes em todos os níveis em todas as denominações cristãs e, portanto, também na Assembleia da CEC. Além disso, há grandes mudanças em curso que ocorrerão ao longo deste século e estamos apenas começando a ver: dentro do Exército de Salvação na Grã-Bretanha, por exemplo, um movimento de acolhimento e aceitação de identidades LGBTQIA+ foi ativado e há uma Fórum Cristão LGBTQIA+ que organiza encontros e eventos. Um distintivo de mordomo com a bandeira do arco-íris Para mim, o ponto alto foi ver tantos dos comissários muito jovens na convenção terem uma bandeirinha de arco-íris em seus crachás, e ver amizades e laços florescerem entre aqueles que tinham e aqueles que não tinham. Espero ver grandes coisas desta geração, que pratica o ecumenismo também nesta frente, de forma direta e sem tirar nada de sua fé e de seu compromisso com as igrejas. Nós do "encontro" criamos um pequeno grupo de Whatsapp para nos manter atualizados sobre o andamento das coisas, e espero muito que na próxima Assembléia do KEK o encontro seja oficialmente anunciado e esteja acessível e visível a todos aqueles que queiram trabalhar no sentido de um inclusivo e não repelente. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.