Culto da Reforma na Eurovisão de Prali (Turim)

Culto da Reforma na Eurovisão de Prali (Turim)

Roma (NEV), 30 de outubro de 2019 – O protestantismo especial para o culto evangélico da Reforma será transmitido no domingo, 3 de novembro, às 10h, no RAIDUE, em Eurovisão, da igreja valdense de Prali, nos vales valdenses do Piemonte.

O culto da Reforma, no domingo da Reforma Protestante, é presidido pelos párocos e diáconos das comunidades do Val Germanasca e centra-se na relevância dos princípios fundadores da Reforma: só graça, só escritura, só fé , somente Cristo.

Era Martinho Lutero, o reformador e professor de Bíblia em Wittenberg, que definiu a ideia da justificação pela fé segundo a qual a salvação é dada por Deus somente em Cristo (Solus Christus) somente pela graça de Deus (Sola Gratia) à qual o ser humano responde com fé (Sola-fé). Estas são as três afirmações fundamentais da Reforma, às quais se acrescenta uma quarta: a autoridade fundadora de cada afirmação da Igreja está somente na Bíblia (Sola Scriptura).

A liturgia do culto é animada pelos jovens das comunidades de Prali, Perrero, Riclaretto e Pomaretto e pelas crianças da catequese.

Participando, entre outras coisas, do grupo coral Eiminal dirigido por Pierpaolo Masselos coros valdenses do vale de Germanasca e os solistas Serena Civra na flauta e Valentina Ferrero no violoncelo. ao órgão, malte dahme. A procissão de entrada, que serpenteia desde o antigo templo de Prali, construído em 1556 – o único que não foi destruído durante as perseguições do século XVII – é acompanhada ao som do Semitùn, instrumento tradicional occitano desta vale alpino.


Em todo o mundo, no dia 31 de outubro, são realizadas iniciativas e serviços para celebrar o dia da Reforma Protestante. Em 31 de outubro de 1517 Martinho Lutero afixou no portal da igreja do Castelo de Wittenberg suas 95 teses, evento que se convencionou considerar como o início da Reforma. Há dois anos foi celebrado o 500º aniversário da Reforma.


Para rever os episódios do protestantismo visite o site

VÍDEO

Protestantismo no Facebook

[email protected] [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#PapalVisit.  O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

#PapalVisit. O CMI se veste de preto toda quinta-feira para dizer não à violência contra a mulher

Genebra (NEV), 20 de junho de 2018 - Amanhã, quinta-feira, 21 de junho, para comemorar o 70º aniversário do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Genebra é esperada Papa Francisco. Mas amanhã, para o movimento ecumênico mundial, haverá também a marcação semanal das “quintas-feiras negras”. quintas-feiras em preto é a Campanha de Conscientização, nascida dentro do WCC há vários anos, que se opõe ao estupro e à violência. Todas as quintas-feiras, aqueles que reconhecem a violência contra as mulheres como um flagelo de nossas sociedades – igrejas incluídas – são instados a usar preto. “A violência contra a mulher está generalizada, podemos falar em pandemia – disse a anglicana à NEV News Agency Agnes Abuom, moderador do Comitê Central do CMI, originário do Quênia -. É por isso que, com a nossa campanha, convidamos todos os homens e mulheres de boa vontade, independentemente da sua fé, a juntarem-se a ela vestindo algo preto”. “É uma questão que diz respeito a todos nós. Acontece em todo o lado, nas nossas sociedades, nas nossas famílias, nas igrejas, nas comunidades e nos espaços públicos”, acrescentou Abuom, confirmando que amanhã não seria exceção. Pelo contrário. Os 150 delegados de igrejas de todo o mundo que estão reunidos em Genebra nestes dias para os trabalhos do Comitê Central, o órgão de decisão entre as duas Assembléias Gerais do CMI, foram convidados não apenas a vestir preto, mas também a vestir o selo da campanha. As decisões do Comitê Central do CMI Durante uma coletiva de imprensa realizada hoje no Centro Ecumênico de Genebra, foram apresentadas algumas decisões do Comitê Central, em primeiro lugar a localização da próxima Assembleia Geral do CMI: a escolha recaiu sobre Karlsruhe (Alemanha), na fronteira com a França . O convite partiu da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD). Satisfação foi expressa pelo bispo Petra Bosse-Huber, EKD responsável pelo ecumenismo e relações internacionais: “Faz cinquenta anos que uma Assembleia do CMI foi realizada no continente europeu. A escolha da Europa em um momento em que a falta de políticas de refugiados minam o valor da solidariedade e do acolhimento é um sinal significativo”. O pastor Olav Fykse Tveit, secretário-geral do CMI, listou as prioridades de trabalho resultantes do Comitê Central. Isso inclui o processo de paz entre as duas Coreias, um tema caro ao CMI há muitos anos. Nos últimos dias em Genebra, as delegações das igrejas da Coreia do Norte e da Coreia do Sul tiveram intensos intercâmbios. De acordo com alguns observadores amanhã Papa Francisco ele pode querer cumprimentá-los expressamente. Entre outras prioridades, o combate ao racismo com homenagem ao Martin Luther King; fluxos migratórios; a questão do estatuto de Jerusalém com uma clara condenação da mudança da embaixada dos Estados Unidos para a cidade que é expressão das três religiões monoteístas, decisão que tem causado mortes e violência. Finalmente, o Comité Central quis recordar que este ano não só se comemora o 70º aniversário do CMI, mas também da Declaração Universal dos Direitos do Homem, considerada mais necessária do que nunca, com um forte apelo lançado às igrejas: "Dar prioridade mais uma vez ao apoio dos direitos humanos”. #QuintasDePreto: Leia mais sobre isso aqui. Para mais informações sobre a visita do Papa amanhã, clique aqui. Para informações sobre o CMI e sua relação com o Vaticano, clique aqui. ...

Ler artigo
Diálogo entre a Igreja Católica e a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa

Diálogo entre a Igreja Católica e a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa

Foto PCPCU/CPCE, Basel, abril de 2022 Roma (NEV), 10 de maio de 2022 – A primeira sessão de diálogo entre o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC) e a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (GEKE/CCPE) aconteceu em abril passado em Basel, na Suíça. Este é um processo que começou em 2018. A reunião aconteceu no palácio episcopal da Catedral de Basel, a convite da Igreja Evangélica Reformada da cidade de Basel, e coordenada pelo secretário cessante do GEKE Martin Friedrich. O objetivo do diálogo é a elaboração de um documento com o título provisório "Auf dem Weg zu einem gemeinsamen Verständnis von Kirche. Vergewisserung, Vertiefung, Ausblick” [In cammino verso una comprensione comune delle Chiese. Confronti, approfondimenti, prospettive]. Os objetivos desta primeira sessão foram aprofundar o conhecimento mútuo e identificar temas e ações para o futuro. A segunda sessão está marcada para Augusta, no início de novembro. O GEKE foi fundado em 2003 como um corpo ecumênico continental que reúne 106 igrejas luteranas, metodistas, reformadas e unidas de mais de 30 países europeus, representando cerca de 50 milhões de cristãos protestantes. Sua história, no entanto, tem suas raízes no período da Reforma. O diálogo com a Igreja Católica, até poucos anos atrás, era construído principalmente em encontros bilaterais com as diversas confissões. O encontro de Basileia representa uma novidade no panorama ecumênico mundial. As igrejas do Concorde de Leuenberg Como é bem sabido (aqui o arquivo NEV que fala sobre isso em detalhes), no século XVI os dois principais ramos da Reforma – os luteranos e os reformados – estavam divididos quanto ao entendimento da Ceia do Senhor. Martinho Lutero acreditava que Cristo estava corporalmente presente nos elementos do pão e do vinho. Huldrych Zwinglio em vez disso, ele acreditava que a presença de Cristo era espiritual. Durante muito tempo, as duas famílias protestantes não se reconheceram em plena comunhão. A divergência amenizou-se ao longo dos séculos e encontrou solução em 1973 com a formulação e assinatura do chamado "Acordo de Leuenberg". O fato de as igrejas de Concordia e da Igreja Católica se encontrarem é, portanto, um passo a mais no diálogo. “O Concorde de Leuenberg é um exemplo concreto (e talvez único) de 'unidade na diversidade' – continua o perfil aprofundado -. Graças a ela, hoje, as igrejas autônomas e independentes reconhecem mutuamente seus ministros do culto, a validade dos sacramentos, praticam a intercomunhão e acolhem os fiéis de outras igrejas em suas comunidades”. Este documento expressa “uma compreensão comum do evangelho e da administração dos sacramentos compartilhada pelas igrejas que assinaram o acordo. Cumprindo assim os dois únicos requisitos que, segundo a teologia protestante, determinam a unidade da Igreja. Com base no que afirma a Confissão de Augsburgo (1530), quando se chega a um acordo sobre a pregação do Evangelho e a celebração dos sacramentos, segue-se automaticamente a comunhão eclesial, para além das diferentes estruturas, ritos e tradições de cada Igreja”. A Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense e a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) também aderem ao Acordo de Leuenberg. Para ver a composição das delegações católica e protestante presentes em Basileia em abril, clique AQUI (leia mais em alemão, inglês, italiano e francês). ...

Ler artigo
Igreja Evangélica Reformada na Suíça.  Um “Sínodo de crise” em andamento

Igreja Evangélica Reformada na Suíça. Um “Sínodo de crise” em andamento

Foto Gaëlle Courtens Roma (NEV), 15 de junho de 2020 – O Sínodo da Igreja Evangélica Reformada na Suíça (ESRB) está em andamento em Berna. De forma distanciada e respeitando as normas anticontágio, o primeiro Sínodo da Igreja Reformada na Suíça, antiga Federação das Igrejas Evangélicas Suíças (FCES), foi aberto com um discurso do presidente do Sínodo, pároco Pierre de Salisque falou de um "Sínodo de crise". “O debate promete ser animado, após a renúncia do presidente Gottfried Locher para questões a serem apuradas”, tuitou a jornalista do Voce evangelica Gaëlle Courtensque está acompanhando os trabalhos. O Sínodo da ESRB será encerrado hoje, ocorrendo em um único dia conforme anunciado pela própria Igreja no final de abril, após a emergência do coronavírus. O trabalho do Conselho foi complexo desde a manhã. Foi rejeitado um ponto de ordem sobre a possibilidade de reunião à porta fechada e que exigia uma maioria de dois terços. A transparência prevalece, apesar da dificuldade, que parece não desestabilizar a assembléia, convocada para discutir tanto questões processuais quanto o relatório da Comissão Examinadora, que avalia os trabalhos do Conselho. PARA #Berna começa em #Kursaal no modo #coronavírus o primeiro Sínodo da Igreja Evangélica. reformado em #Suíço ⁦@EKS_EERS(antiga Fed. das igrejas evangélicas) - o debate promete ser animado, após a demissão do pres. Gottfried Locher para perguntas pouco claras. pic.twitter.com/OKkh7Cpwa0 — Gaëlle Courtens (@gaelle14juillet) 15 de junho de 2020 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.