Conferência.  De Lutero a Marchionne.  Ética de trabalho e globalização

Conferência. De Lutero a Marchionne. Ética de trabalho e globalização

Roma (NEV), 15 de dezembro de 2010 – Na terça-feira, 7 de dezembro de 2010, uma conferência intitulada “De Martinho Lutero a Sergio Marchionne. Ética de trabalho e globalização”.

A noite, organizada pelo Centro Evangélico de Cultura Arturo Pascal e pela editora Claudiana, que teve como inspiração a recente publicação do volume de Mario Miegge intitulado “Vocação e trabalho”, contou não apenas com a presença do autor do livro, Luciano Gallino , professor emérito de sociologia da Universidade de Turim, e Marco Revelli, professor de ciência política da Universidade do Piemonte Oriental. O volume de Miegge reconstrói as etapas pelas quais o trabalho, uma atividade tradicionalmente confinada à reprodução da vida biológica e desprovida de relevância política, ganhou a luz da esfera pública.

Os dois momentos fundamentais que marcaram a emancipação do trabalho como atividade e a emancipação do movimento operário como sujeito político são, segundo a reconstrução precisa de Miegge, a doutrina calvinista e puritana do trabalho como vocação, que redime essa atividade de sua dimensão tradicional ligada ao biológico e às trevas da esfera doméstica, e a doutrina marxista do trabalho como fator de produção de um mundo autenticamente humano. O debate, em particular, abordou as questões mais dramaticamente urgentes da centenária parábola do trabalho, que agora atingiu uma crise e um ponto de inflexão, exemplificada pela história de Pomigliano.

Os palestrantes questionaram se os processos de globalização colocaram em risco a possibilidade do trabalho construir uma esfera pública, ao fazer do trabalho uma atividade descontínua, precária e desprovida de direitos, que perde aquela dimensão de construção de sentido que permitiu sua emancipação. Qual é, então, o futuro do trabalho na sociedade ocidental? E qual é a sua relevância política futura? Hoje não é permitido responder à questão propondo soluções do passado; ao contrário, é necessário repensar a dimensão vocacional da atividade laboral e seu significado profundo em chave renovada.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Para mulheres.  O compromisso do Hospital Evangélico Internacional de Gênova

Para mulheres. O compromisso do Hospital Evangélico Internacional de Gênova

Foto Daniela Grill. A diácona Alessandra Trotta (à esquerda) e a presidente da OEIGE, Barbara Oliveri Caviglia Roma (NEV), 20 de abril de 2023 – Em Riforma.it Daniela Churrasqueira assinar um relatório sobre o importante conferência organizada pelo Hospital Evangélico Internacional de Gênova (OEIGE) sobre questões relacionadas com a proteção e assistência às vítimas de abuso. Eles falaram Alessio Parodi, diretora-geral do OEIGE, que falou das “dimensões insuportáveis” que o flagelo da violência de gênero vem assumindo há alguns anos; o presidente, Bárbara Oliveri Cavigliaque recordou a forte aposta do hospital em oferecer cuidados de saúde diferenciados, precisamente "evangélicos"; Denise Ashing Dardanivice-presidente, que falou sobre os acordos e colaborações com alguns consulados, incluindo Equador, Albânia, Romênia, República Dominicana, para ajudar e acolher os estrangeiros presentes na cidade de Gênova, especialmente mulheres. O diácono também esteve presente na conferência Alessandra Trotta, atual moderador do Tavola Valdese, que lembrou como a esperança é “ajudar a criar uma humanidade mais serena, feliz e solidária”. Foram muitos os testemunhos de representantes de associações e centros anti-violência, entre os quais, particularmente comovente, o do pai de Martina Rossi, a jovem que morreu em 2011 ao cair da sacada do hotel onde estava de férias para escapar de uma tentativa de estupro. “O pai e a mãe de Martina, com muita coragem e força, tentaram sobreviver à dor devastadora comprometendo-se com os outros, desde as mulheres vítimas de violência até as pessoas mais frágeis, fundando a associação Martina Rossi. Para todos nós são um exemplo de compromisso civil e social”, recordou Barbara Oliveri Caviglia. ...

Ler artigo
O dia em que o mundo disse não à guerra

O dia em que o mundo disse não à guerra

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2023 – “As manifestações antiguerra deste fim de semana nos dizem que podem restar duas superpotências no planeta: os Estados Unidos e a opinião pública mundial”. Foi assim que o New York Times descreveu a onda de 110 milhões de pessoas que saíram às ruas em 15 de fevereiro de 2003 em todo o mundo, de acordo com seu próprio fuso horário, para se manifestar contra a guerra iminente no Iraque. “Uma superpotência de que o mundo ainda precisa”, disse ele Alfio Nicotraco-presidente da associação "Un ponte per", na abertura da conferência "Deserto a terceira guerra mundial em pedaços" - realizada em Roma na igreja metodista na via XX Settembre por iniciativa de "Un ponte per" e o “Rete paz e desarmamento” – que com exatos vinte anos quis relembrar aquelas manifestações para tentar refletir sobre o presente. Chris Nineham “Depois o movimento pacifista viu-se em ligação com a maioria da população mundial, propondo uma análise partilhada da realidade e uma clara rejeição da guerra”, recordou Chris Nineham, por Stop the War Coalition, via link de vídeo de Londres. Um contexto muito diferente do atual em que “a análise da guerra na Ucrânia é controversa e não há consciência de que o Ocidente segue uma política de guerra que se faz passar por uma luta de libertação”. “As manifestações de 2003 não impediram a guerra, mas certamente a detiveram. Os governos sabiam que estavam sob o escrutínio da opinião pública”, destacou. Piero Bernocchi Porta-voz do COBAS, recordando o papel crucial desempenhado pelo I Fórum Social Europeu realizado em Florença em 2002, do qual nasceu a ideia de um dia mundial de mobilização contra a intervenção no Iraque. Se aquela experiência rendeu frutos, a rede que hoje a sustentava encontra-se dispersa pela crise económica que mudou as pautas da opinião pública, pelo vício de duas décadas de guerras permanentes, mas também pela dificuldade de identificar um antagonista claro se opor: “Em 2003, o poder de oposição era claro: os Estados Unidos; enquanto deve ser dito que o anti-imperialismo e a hostilidade à guerra sempre funcionaram menos bem quando a URSS ou a Rússia lideravam as guerras”. Na realidade, voltou a sublinhar Bernocchi, "hoje existem muitos 'bandidos'" porque o mundo está repleto de conflitos regionais que podem ser percebidos como distantes, mas todos potencialmente capazes de gerar um efeito em cadeia e desencadear um conflito global . Bernocchi não tem ilusões sobre o cessar-fogo na Ucrânia: “Terminará quando os Estados Unidos decidirem que não podem mais apoiar esse oneroso apoio militar à Ucrânia. A essa altura, o desafio será definir um acordo negocial que não humilhe a Ucrânia e não recompense a Rússia, distinguindo os agredidos dos agressores”. Também segundo Raffaela Bolini, chefe de relações internacionais da ARCI, "o mundo de hoje não pode ser interpretado com as velhas visões", é preciso saber relê-lo. Nisso, porém, “a experiência de vinte anos atrás ainda pode nos ensinar muito. Antes de tudo a capacidade de não sucumbir à narrativa dominante, mas de desconstruí-la”. Em 2003 significou, por exemplo, resistir ao chamado daqueles que "identificavam o Islã como o inimigo"; hoje, pode ser afirmando que na "Ucrânia não se deve buscar a vitória, mas a paz". A tarefa do movimento pacifista, então como agora, é, segundo Bolini, "estar do lado das vítimas e do direito internacional, não do lado dos governos" e promover uma "segurança comum compartilhada: somente quando meu inimigo se sente seguro, estou seguro também." Filadélfia Bennis Muitas contribuições internacionais propuseram diferentes pontos de vista sobre a guerra na Ucrânia: o dos EUA Phyllis Bennis, do Instituto de Estudos Políticos, recordou os gravíssimos custos colaterais da guerra: a crise alimentar em várias partes do mundo, o drástico recuo das políticas ambientais, a crise energética que provoca uma maior utilização dos combustíveis fósseis, o perigo de um conflito nuclear. São consequências que devem pesar ao se pensar no conflito na Ucrânia. da América do Sul Edgardo Landerdo Transnational Institute and Global Dialogue, convidado a distinguir a guerra travada na Ucrânia, cuja responsabilidade recai sobre a Rússia, da guerra geopolítica global travada pelos EUA no confronto com a China de que também faz parte o conflito na Ucrânia. o iraquiano Ismaeel Daewoodda Iniciativa de Solidariedade da Sociedade Civil Iraquiana deu seu testemunho sobre as consequências de longo prazo da guerra no Iraque. No link do vídeo, Alexandre Belikdo Movimento Russo de Objetores de Consciência, contou como as autoridades russas não respeitam o direito à objeção de consciência e reprimem as "manifestações de luto" pelas vítimas da guerra. Eles também participaram Marga FerréTransformar a Europa; Moussa ThangariEspaço Alternativo Citoyens; Ada DonnoAssociação de Mulheres da Região do Mediterrâneo; Emanuele Genovesesextas-feiras para o futuro; Parisa Nazariativista iraniano; Sérgio Bassoli, Europa para a Paz. Ele moderou a reunião Fábio AlbertiUma ponte para. A reunião aconteceu na igreja metodista na via XX Settembre em Roma, em nome da qual o pároco cumprimentou Mirella Manocchio. ...

Ler artigo
Igrejas conciliares ecumênicas.  Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Igrejas conciliares ecumênicas. Ioan Sauca mantém-se no cargo até 2021

Da esquerda para a direita, Ioan Sauca, Odair Pedroso Mateus, Doug Chial. foto CEC Roma (NEV), 4 de junho de 2020 - O secretário geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), padre Ioan Sauca, permanecerá no cargo até o próximo Comitê Central, marcado para junho de 2021, após os adiamentos devido à emergência do coronavírus. O moderador do WCC Agnes Abuom apelou às igrejas-membro para apoiar esta renovação de liderança. Isabel Apawo Phiri continuará seu trabalho na função de secretária geral adjunta no setor de Diaconia, bem como Elaine Dykes (finanças) e Marianne Ejdersten (comunicação). Também reconfirmado Odair Pedroso Mateus como secretário-geral adjunto ad interim para o programa do CMI "Unidade e missão". como diretor ad interim e até 2021 do Escritório da Secretaria-Geral foi nomeado em seu lugar Doug Chial. Leia a análise aprofundada e as biografias em Riforma.it artigo anterior“Supremacia branca não é mais aceitável”Próximo artigoRacismo: vírus para derrotar Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.