Teologias feministas cristãs e muçulmanas: penetrando nos espaços masculinos

Teologias feministas cristãs e muçulmanas: penetrando nos espaços masculinos

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos – imagem de arquivo festivaldirittiumani.it

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2020 – “Teologias feministas” foi o tema de uma conferência com Nesma Elsakaan E Adriana Valério realizada em 23 de janeiro passado no Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX), uma associação ecumênica e inter-religiosa que, além disso, estará presente hoje na mobilização nacional “Vamos iluminar a paz” em Roma. A conferência faz parte do “Worksite 2019-2020” intitulado “Women hope for peace”.

Adriana Valerio é teóloga e historiadora, há anos está envolvida em pesquisas sobre mulheres e fé e mulheres na igreja, e é autora de vários ensaios, incluindo “Mulheres e a Igreja. Uma história de gênero”, Carocci, Roma 2016; “O Poder das Mulheres na Igreja. Judite, Clara e as outras”, Laterza, Roma-Bari 2016.

O historiador e teólogo começou citando o livro de pastor batista Elizabeth Green e de Christine Simonellipresidente da Coordenação dos Teólogos Italianos (CTI) Onamorando. Memórias e perspectivas da teologia feminista” (San Paolo Edizioni) onde eue dois autores comparam suas diferenças confessionais e ministeriais em tópicos como hierarquias patriarcais e linguagem sobre Deus.

Valerio também falou da pastoral da mulher e da antropologia, traçando um afresco da história do feminismo cristão protestante e católico, onde os movimentos de mulheres, as igrejas e a Academia se entrelaçam. Segundo Valerio, são três áreas vastas e complexas que se encontram e têm raízes no pacifismo e no feminismo do final do século XIX como lugar de elaboração.

Adriana Valerio falou então sobre o entrelaçamento de feminismos, ecofeminismo e movimentos pacifistas, destacando várias figuras históricas que deram uma importante contribuição para o desenvolvimento do pensamento e das práticas femininas em questões sociais, científicas, filosóficas, políticas e teológicas: Dora (Dorette Marie) Melegari, intelectual e escritora de origem valdense que em 1894 fundou em Roma, com Giulio Salvadori E Antonieta Giacomellia união para o bem; Bertha von SuttnerPrêmio Nobel da Paz em 1905; Jane AddamsPrêmio Nobel da Paz em 1931, e novamente Maria Montessori E Dorothy Daysó para citar alguns.

Hoje as feministas questionam o que significa ser igreja e como interpretar criticamente o texto sagrado – argumenta a historiadora -. Não existe masculino ou feminino universal, existe uma dimensão particular da qual se deve partir para construir relações com os outros e com o cosmos”.

Nesma Elsakaan é membro da Union Européenne des Arabisants et Islamisants, é pesquisadora e professora da Universidade de Palermo; estudou a participação feminina na vida política nos Emirados Árabes Unidos. Entre outras coisas, ela é autora do volume “Feminismo islâmico no Egito. Religião, mulheres e justiça de gênero” (Aracne Editore).

A teologia feminista islâmica nasceu no início dos anos 1900, explica Elsakaan, com movimentos ativos na comunidade muçulmana, com o objetivo de afirmar os direitos das mulheres no espaço público e mudar suas condições de dentro. Esses movimentos veem o Islã como uma ferramenta de emancipação. As teólogas feministas, apesar de suas diferenças, pretendem assim “penetrar no espaço religioso dominado pelos homens, sancionar formas de discriminação e elaborar um discurso religioso alternativo para a igualdade de gênero”.

A estudiosa traçou um afresco do feminismo islâmico em vários países, incluindo Estados Unidos, Irã e Egito, enfatizando os princípios nos quais se baseia: “Al-Tawhid”, ou seja, a singularidade de Deus; “Al’-aal”, Deus é justo; “Al-Taqwà”, o temor de Deus “Se Deus é único e acima de todas as criaturas, isso significa que homens e mulheres são iguais, sem distinção de raça e gênero – explica Elsakaan -. Qualquer um que mude este plano está quebrando a lei do Islã. Interpretar os versos do Alcorão de tal forma que o homem é superior também seria uma contradição do próprio Islã e dos preceitos de Deus que, de fato, são baseados na justiça. Portanto, a discriminação e a desigualdade são contrárias à lei islâmica. Finalmente, o temor de Deus é o único fator discriminante: seremos julgados pelo que fizemos”.

A pesquisadora, portanto, citou algumas feministas islâmicas, incluindo Ziba Mir-Hosseiniantropóloga e ativista jurídica pela justiça de gênero que deseja modificar as leis baseadas na “Sharìa”, como as do casamento e do divórcio, a partir de uma comparação da jurisprudência islâmica com os juristas, e Amina Waduda imã feminina, que releu o Alcorão em busca de sua identidade feminina.


Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html

A noite foi moderada pelo editor da NEV News Agency, Elena RibetQue ela interveio mencionando o papel dos monoteísmos e das religiões tradicionais e indígenas. “A violência patriarcal ao longo da história excluiu cada vez mais as mulheres da liderança nas sociedades e religiões, por exemplo, relegando o xamanismo feminino e os movimentos espirituais à marginalidade”, disse ela. Citando o arqueólogo Maria Gimbutas, Ribet lembrou como a chamada “civilização da Deusa” da Velha Europa, pacífica, igualitária e altamente evoluída nos campos da cerâmica, tecelagem, agricultura, metalurgia e comércio, foi quase exterminada pelos Kurgans, ou proto-indo-europeus ou Yamna, que entre o sexto e o terceiro milênio aC caiu na Europa e depois no Cáucaso e na Índia, trazendo guerra e devastação. De acordo com Gimbutas, “O choque entre essas duas ideologias e estruturas socioeconômicas leva a uma transformação drástica da Europa antiga. As mudanças se expressam como uma transição da ordem matrilinear para a patrilinear, da teocracia erudita para o patriarcado militante, da sociedade sexualmente equilibrada para a hierarquia dominada pelos homens, da religião da Deusa ctônica para o panteão masculino indo-europeu orientado para o céu.

Por fim, ao destacar como a linguagem afeta também a construção do pensamento, no imaginário coletivo e nas hierarquias de poder, citou o pastor batista Silvia Rapisarda, segundo o qual: “No princípio era o hokmah: conhecimento, sabedoria. Então nos voltamos para o grego e ele se tornou o logos: a palavra, o discurso, a razão. Então nos inclinamos para o latim e ficou: o verbo. No princípio era o ruah: poder vital. Então nos inclinamos para o latim e se tornou: o espírito. No princípio era Shaddai: Deus dos seios. Então nos inclinamos para o grego e o latim e ficou: o todo-poderoso”.

A conferência contou com a presença, entre outros, do vice-presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI), pároco José MiglioE Frances Kochex-presidente da Casa Internacional da Mulher em Roma.

O canteiro de obras da Cipax também foi criado graças à contribuição da Otto per mille Waldensian – União das Igrejas Metodistas e Valdenses.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Troca da guarda na liderança do protestantismo

Troca da guarda na liderança do protestantismo

Roma (NEV), 15 de outubro de 2021 – Um novo rosto para o protestantismo. Vai ser Cláudio ParavatiDiretor de Compararde fato, para apresentar, a partir do próximo episódio, domingo, 17 de outubro, o programa religioso da Federação de Igrejas Evangélicas, que é transmitido todos os domingos de manhã no Rai Due. Paravati recebe o bastão do jornalista e apresentador Cátia Barãoque apresentou a transmissão nos últimos anos. “Agradecemos a Cátia pela competência, profissionalismo e frescor com que tem sido a cara do “protestantismo” nos últimos anos – declara Luca Baratto, secretário executivo da FCEI -, porta-voz dos estúdios de televisão RAI sobre os temas que caracterizam a reflexão e o testemunho dos protestantes na Itália. Ao mesmo tempo, saudamos Claudio Paravati, que apresentará o programa a partir de domingo e acompanhará os espectadores nos próximos anos”. ...

Ler artigo
Começa o Sínodo Luterano: continuidade, mudança, futuro

Começa o Sínodo Luterano: continuidade, mudança, futuro

Foto do CELI - imagem de arquivo do Sínodo 2020 Roma (NEV/CS09), 28 de abril de 2021 – A 2ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) começa na quinta-feira, 29 de abril. Os 56 sínodos, conectados por todas as comunidades da Itália, estão prontos para a sessão digital. Título desta sessão: "Continuidade, mudança, futuro - A Misericórdia como responsabilidade da Igreja". Dois dias e meio de insights, reflexões e decisões, que incluem também 6 “salas virtuais” temáticas. No centro do Sínodo, discussões sobre: ​​meio ambiente, jovens, atividade diaconal, justiça de gênero, processamento do coronavírus, igreja digital. Os trabalhos sinodais começam na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 9h. Começam com o Relatório do Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau. Bludau é decano há sete anos e, com este Sínodo, inicia seu último mandato. Sobre seus anos na Itália, ele diz que foram "mais emocionantes do que qualquer coisa que já experimentei em minha vida profissional". O programa (resumo) O Sínodo começa oficialmente na quinta-feira, 29 de abril, às 17h30, com as inscrições. Às 18h, o culto de abertura. O Secretário Geral Luterano Mundial Martin Junge e o Papa Francisco na Comemoração Conjunta da Reforma em Malmö. 2017 – Foto: Igreja da Suécia Grandes expectativas para o Convidado de Honra, que será o pároco Martin Junge, Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (WLF). Seu discurso estará disponível em streaming na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 15h (em alemão com tradução simultânea para o italiano). O bispo também é esperado Leon Novak da igreja evangélica da confissão de Augsburg na Eslovênia com o presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo da Conferência Episcopal Italiana (CEI) Mons. Ambrogio Spreafico (sexta-feira, 30, às 10h35). o bispo Michael Chalupka da Igreja Luterana na Áustria (sexta-feira, 30, às 12h50). Por fim, o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), sábado, 1º de maio, às 14h30. convidados italianos Entre os convidados italianos, aliás, também o diácono Alessandra Trotta, moderador do Tavola Valdese. a pastora Mirella Manocchiopresidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI). John Archdeacon, presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). a pastora Gabriela Liopresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). Para saber mais: Fotos retiradas do site do CELI Nos destacamos pela nossa liberdade. Entrevista com Cordelia Vitiello, representante legal do CELI e conselheiro da FLM, além de presidente do Hospital Evangélico Betânia de Nápoles. Envolvido em vários projetos diaconais em Nápoles e arredores. Filho de mãe alemã e pai napolitano, Vitiello representa "a alma bicultural do CELI". A Igreja é visível sobretudo através da diaconia. Entrevista com Christine Fettig, leigo consistorial de Trieste. “Christine Fettig é segurança. Em sua comunidade, em Trieste, sabem que podem contar com ela para tudo”. Um de seus temas é a justiça de gênero. É importante começar as coisas. Entrevista com Kirsten Thielevice-reitor CELI. “A decisão sobre uma posição oficial do CELI em relação à justiça de gênero está muito próxima do meu coração. O documento não precisa conter todos os aspectos do assunto. Nem tudo tem que estar ali, não temos que ficar atolado querendo exagerar. É importante votar um documento que seja a posição oficial do CELI como ponto de partida para todos os trabalhos futuros”… Novo formato – novas rotas?. Entrevista com Ingrid Pfrommer, vice-presidente do Sínodo do CELI, sobre os desafios de um sínodo online. “Uma experiência completamente nova”. Pela primeira vez, ela é responsável por todo o planejamento do Sínodo junto com o presidente Wolfgang Prader. ...

Ler artigo
Suíço.  Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Suíço. Culto em Grossmünster e 500 anos desde a primeira disputa de Zwingli

Foto acima: Grossmünster (de www.grossmuenster.ch) Foto abaixo: Disputa de Zurique (de www.zb.uzh.ch/de/zuerich/reformation) Roma (NEV), 20 de janeiro de 2023 – O culto habitual das várias denominações protestantes de Zurique é realizado no domingo, 22 de janeiro, em Grossmünster. As comunidades reformadas valdenses de língua italiana, de língua francesa, de língua húngara e de língua tcheca e a comunidade luterana participam do culto. Haverá partes litúrgicas em diferentes idiomas e um sermão multivocal. Para a igreja valdense, celebra o pastor Herbert Anders. A pastora preside com ele Krisztina Michnao pastor Jiří Přečeko pastor Christophe Kochero pastor Thomas Risel e o pastor Martin Rusch. Segue-se um aperitivo na capela de Helferei. No mesmo dia também é possível participar da inauguração da exposição “Disputation – Reformation im Kreuzfeuer” “Disputa. A Reforma no Fogo Cruzado”, na galeria Grossmünster. A exposição visa celebrar os 500 anos da primeira disputa de Zurique. De fato, 2023 celebrará “500 anos das disputas de Zurique”. A primeira, por escrito, ocorreu em 29 de janeiro de 1523. Os organizadores escrevem que a forma de assembléia inaugurada com a primeira disputa de Zurique, então completamente nova e que mais tarde se desenvolveu em um "modelo de sucesso além da fronteira suíça, representou para Zurique o passo decisivo para a renovação social e eclesiástica. Nas disputas, aconteceram debates públicos perante o Concílio, abrindo caminho para a Reforma”. E também levando ao que é considerado a invenção zwingliana do sínodo e a vitória da Reforma. Isso é bem explicado por um blog de reformados suíços “locais”, que tentam “entrar na filosofia de uma disputa. Um método de trabalho interessante que permitirá a muitas cidades introduzir a Reforma. O Concílio convoca as partes para a disputa, anunciando que a disputa será em alemão e que o tema será a relação entre a Escritura e a tradição humana. O bispo de Constança envia sua delegação, mas não como parte envolvida na disputa, mesmo que seja. São cerca de 600 participantes e eles se reúnem na câmara do conselho. Há pelo menos dois relatos da disputa e, obviamente, do lado oposto. Alguns momentos da disputa são importantes. A primeira diz respeito à reivindicação de Zuínglio sobre a validade de uma assembléia local convocada pela autoridade civil e com poderes para deliberar sobre questões relativas à fé. Desta afirmação surge o modelo da invenção zwingliana do sínodo. A segunda é, obviamente, sobre o valor das tradições. Ao final da disputa, é uma vitória clara para o Zwingli. A Reforma pode continuar”. Para saber mais, leia também: o ensaio de Sérgio Ronchi: Huldrych Zwingli, o reformador de Zurique. No documento, Ronchi explica como a disputa terá que estabelecer a linha de demarcação entre heresia e fidelidade evangélica na pregação de seus pastores. Poucos dias depois da disputa, Zuínglio redigiu suas 67 Teses, que deveriam ter sido a base do debate, mas que mais tarde se tornaram o fundamento da "Sola Scriptura", um dos princípios cardeais do protestantismo. E, em particular, “a independência da palavra de Deus em relação à Igreja, como lemos na tese 1: 'Todos aqueles que afirmam que o evangelho não tem valor sem a aprovação da igreja, erram e desprezam a Deus'. Jesus Cristo como único meio de salvação (teses 3 e 4); a Igreja autêntica constituída pelo seu corpo, ou seja, por todos os fiéis sem distinções clericais (tese 7-9); o papa não tem razão de existir, porque apenas 'Cristo é o único e eterno sumo sacerdote' (tese 17); a missa é rejeitada porque 'Cristo se ofereceu uma única vez como sacrifício que dura na eternidade e tem valor expiatório pelos pecados de todos os crentes; daí deduzimos que a missa não é um sacrifício' (tese 18); Cristo é o único mediador entre o céu e a terra e, por isso, a intercessão dos santos é rejeitada (tese 19-21). […] Terminada a disputa, o Concílio reuniu-se em sessão extraordinária, durante a qual oficializou (e definitivamente) estabeleceu que 'o mestre Ulrich Zwinglio pode proceder na linha seguida até agora, isto é, pregar o santo evangelho e a verdadeira Sagrada Escritura, quando e como ele quiser, desde que alguém não o convença de uma doutrina melhor. E todos os outros sacerdotes, párocos e pregadores seculares, nas suas respectivas cidades, vilas e senhorios, nada proponham e preguem senão o que se pode demonstrar com o santo evangelho e com a verdadeira Sagrada Escritura. E não devem surgir mais brigas, heresias ou palavras desonrosas, porque aqueles que se mostrarem desobedientes e não observarem estas prescrições serão repreendidos de tal forma que poderão entender que cometeram um erro.' O princípio da sola scriptura foi agora definitivamente ratificado'”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.