na terra como no céu!

na terra como no céu!

“Cidade Santa com Herald” por Brian Whelan – Creative Commons

Roma (NEV), 25 de dezembro de 2022 – Publicamos o sermão do professor Henrique Benedito foi ao ar no episódio de Natal de culto evangélico, a transmissão da RADIO1 RAI produzida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A tradução do texto bíblico é de responsabilidade do pregador.


Feliz Natal! Feliz Natal, porque o Natal é bom. Não somos nós que somos bons; é a bondade de Deus, é a bondade do Criador que investe as criaturas, 2022 anos atrás como esta manhã.

Porque o anjo do Senhor passou por seu país, sua cidade, sua metrópole esta noite. Passou na sua vida, tanto na das pessoas que você ama quanto na das pessoas que você não gosta, hostil. Ele passou por cima de seus medos, seus arrependimentos, suas frustrações; como transmitiu suas alegrias, seus entusiasmos e suas aspirações.

Ele não é um anjo de berço, não desce pela chaminé como o Papai Noel; nem sequer é o anjo exterminador do apocalipse: é um anjo que percorre o mundo – o mundo conhecido no tempo de Jesus e o descoberto desde então.

É um Anjo sem nome, mas que tem um nome: Jesus, o Salvador. E Jesus não desce das estrelas como um marciano em uma nave espacial, mas pousa na terra como todos nós: desde o ventre de sua mãe. um parto ar livre, na noite; uma semente de esperança, um grito que se tornará um grito na cruz e uma promessa cumprida de ressurreição. O anjo passou mas sua passagem não passa, ele está presente e é o futuro de todos e de todos dois milênios depois. Vamos cantar nossa exultação!

* * * * * *

Domínio público da imagem

Enquanto José e Maria, sua noiva, estavam em Belém para o censo ordenado por César Augusto, chegou a hora de dar à luz a Maria: E ela deu à luz o seu filho primogênito, enrolou-o e colocou-o numa manjedoura, porque não havia lugar na hospedaria. Havia naquela região pastores que pernoitavam nos campos a cuidar dos seus rebanhos. O anjo do Senhor surgiu diante deles, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles. Ficaram apavorados, mas o anjo lhes disse: Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria que está destinada a todo o povo da cidade de Davi: hoje vos nasceu um Salvador, que é o Cristo, o Cavalheiro. E isto vos servirá de sinal: encontrareis um recém-nascido, enfaixado e colocado numa manjedoura. E num instante uma multidão do exército celestial juntou-se ao anjo, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens em quem Deus se agrada.”. (Lucas 2:1-14).

* * * * * *

Um anjo, pastores. Esta é a primeira epifania, não a dos Magos! Epifania, ou seja, manifestação do alto, instantânea. Jesus nasce incógnito, mas permanece assim por alguns momentos. Aqui está outra epifania, na verdade outro anúncio. O anjo anuncia mas não há ninguém anunciado, Maria, como no Evangelho de Lucas no capítulo anterior; e não há sequer aquele anunciado, José, como no Evangelho de Mateus. Há uma multidão indistinta, os pastores, que não têm nome como o anjo não tem nome.

Depois disso ampliação na manjedoura, nossa história de Natal usa a teleobjetiva e aponta para o céu: o que há para ver no céu, no meio da noite? Pouco ou nada! Dá para ver o escuro, talvez até estivesse nublado porque o cometa dos Magos não faz parte da nossa narrativa!. Ou melhor, aqui o cometa é um anjo com um megafone; ele fala para uma massa desqualificada que está ali quase por engano, certamente por acaso e em todo caso por motivos puramente profissionais. Eles teriam preferido ficar aquecidos em suas camas como nós na noite de Natal, mas não há cães pastores na Bíblia, então os pastores fazem o trabalho noturno, trabalho canino!

Nômades por natureza como os Magos por cultura; nômades não por contingência, como Maria e José chamados de volta a Belém por um censo imperial. São eles, os pastores, os primeiros destinatários da boa nova, e também da invocação que, trinta anos depois, Jesus não deixará de repetir: “Não tenha medo“! Sim, porque a boa notícia, boas notícias, então como agora eles são assustadores. Estamos tão equipados para os maus!

E aqui um exército celeste se soma ao anjo, de modo que os leitores, os ouvintes – os radiouvitores que somos hoje – encontram-se suspensos entre duas multidões: a celeste, os anjos, e a terrestre, os pastores. Multidões correlacionadas pelo anúncio salvífico e salutar do nascimento de Jesus. A cena ilustra pela primeira vez a conexão feita pelo próprio Jesus no “Pai Nosso” com a fórmula “tanto no céu como na terra”.

Aqui estão as primeiras testemunhas da glória e da graça de Deus para os homens, diz o nosso Evangelho, os homens em quem Ele se compraz. Seu protótipo são os pastores sonolentos e desavisados ​​abaixo, completos com um rebanho encolhido pelo frio esperando o amanhecer. Mas há um problema, um grande problema: Deus escolheu, escolheu como primeiras testemunhas do cristianismo nascente, pastores que não poderiam testemunhar em nenhum tribunal rabínico.

Na época, os pastores eram considerados a priori portadores de testemunhos falsos e, se não falsos, duvidosos. Sem educação, muitas vezes analfabetos, eles eram acusados ​​pela reputação popular de roubar as ovelhas uns dos outros e, de fato, faziam isso regularmente. Mentirosos profissionais! E depois, com a desculpa das ovelhas, nem foram à missa nem ao culto… desculpepara a sinagoga!

Mas quem são esses pastores abençoados, até agora sem nome? Bem, agora podemos arriscar um nome: estes pastores… são vocês, sou eu, somos nós, somos vocês. Deus não chama os qualificados, ele qualifica os chamados! E começou imediatamente, desde a noite de Natal, a favorecer não as canelas de um santo, não os pastorinhos do presépio, mas os humanos que procuram abrigo e paz numa noite incómoda, esperando muitas vezes sem saber – porque já não sabem esperança – por uma palavra, uma luz, uma voz que os liberte da escravidão de uma escuridão rotina. Eles estão, como nós, ao lado de Maria, José e Jesus.Sim, somos nós, esta manhã, o presépio vivo, chamados a testemunhar porque finalmente dignos da fé, embora indignos; chamados a ser, pela graça de Deus, o que não sabíamos e não esperávamos ser. Feliz Natal!

* * * * * *

Henrique Benedito

Confessamos a fé cristã com as palavras de suas primeiras testemunhas. Com João Batista”Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Com André: “Nós encontramos o messias”. Com Natanael: “Mestre, tu és o filho de Deus, o rei de Israel”. Com os samaritanos, os hereges: “Sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo”. Com Pedro: “Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo”. Com Marta: “Tu és o Cristo, o Filho de Deus, aquele que vem ao mundo”. Com Tomé, o apóstolo da dúvida: “Meu Senhor e meu Deus”. Que suas palavras, confiadas à eternidade, habitem nossos corações e se unam às nossas para anunciar graça, paz e salvação a todos. Porque Jesus, dirá Pedro no Pentecostes, veio para abençoar a humanidade. Recebamos esta benção hoje, amanhã e sempre, desça sobre nós como o orvalho do monte Hermon. Amém

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“O cuidado do mundo me preocupa”

“O cuidado do mundo me preocupa”

Roma (NEV), 22 de outubro de 2021 – O 20º Dia do Diálogo Cristão-Islâmico é celebrado em 27 de outubro. O tema e título desta edição especial é "O cuidado do mundo me preocupa". O dia é dedicado à memória do Diretor da revista "Il Dialogo" John Sarubbi, faleceu recentemente. Sarubbi foi um dos promotores da iniciativa, perseguindo tenazmente seus objetivos por vinte anos. Em particular, Sarubbi será lembrado durante a reunião nacional de zoom marcada para 26 de outubro às 20h45. eles participam Brunetto Salvarani, Rosanna Maryam Sirignano, Marisa Iannucci, Letizia Tomassone. Haverá um momento de testemunho gratuito. Para obter o link escreva para [email protected] Leia em Reforma o programa mais detalhado. Várias iniciativas estão planejadas em outras cidades da Itália. O O comitê promotor nacional do Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico escreve: "A dimensão do cuidado, que ganhou destaque na época da pandemia de Covid-19, continua mais atual do que nunca. Os crentes encontram suas raízes em suas respectivas revelações e tradições religiosas. Reavivando nossa relação com Deus, receberemos força e humildade para honrar um compromisso que nos constitui”. Parafraseando o discurso do Papa Francisco em 5 de março em Ur dei Caldei, o Comitê também declara: “Cabe a nós, cristãos e muçulmanos de hoje, transformar nossos fechamentos identitários em diálogo e confronto vital. Cabe a nós zelar e cuidar da casa comum junto com todos os seus seres vivos. Cabe a nós rejeitar a guerra e fazer a paz. Cabe a nós promover o direito ao cuidado e à alimentação para todos. Cabe a nós proteger os desempregados, libertar os novos escravos e as mulheres exploradas e violentadas. Cabe a nós enxugar as lágrimas, assumir com coragem o caminho traçado por Giovanni e pelos outros criadores do Dia, e celebrá-lo em sua memória olhando para o futuro que já está aqui”. Todos os amigos da paz e do diálogo, todas as comunidades cristãs e muçulmanas, todas as instituições democráticas que têm no coração a defesa da Constituição, concluem os organizadores, são convidadas a mobilizar-se para o dia 27 de outubro, “com uma saudação fraterna de shalom, salaam, paz”. . Breve história do Dia do Diálogo Cristão-Islâmico A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. "Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã - disse o primeiro apelo - acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui um desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”. Os promotores pretendiam evitar "um alarme preocupante", nomeadamente que o sucedido poderia "pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”. Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da "Nostra Aetate" e o da "Charta Oecumenica" assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua vigésima edição e que, já há alguns anos, se realiza no dia 27 de outubro "no espírito de Assis": o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria. ...

Ler artigo
Nascem corredores para insetos polinizadores

Nascem corredores para insetos polinizadores

Aaron Burden, desobstruir Roma (NEV), 1º de abril de 2022 – Os “corredores ecológicos” para insetos polinizadores estão ganhando vida. "Caminhos ecumênicos para polinizadores", este é o nome do projeto com o qual algumas igrejas evangélicas da Itália (luterana de Nápoles, batista Centocelle, batista Civitavecchia, adventista de Bolonha, metodista de Milão), participaram do concurso "Roman Juriga" da Comunidade Cristã Rede para o ambiente (ECEN). A ideia nasceu dentro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Os corredores tornaram-se realidade nos dias de hoje, com um primeiro encontro em Bolonha há alguns dias. Em particular, os batedores Aisa da capital emiliana já participaram do projeto "Corredores ecológicos para insetos polinizadores" proposto pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (Glam) da FCEI, conforme afirma este artigo de Monica DePaolis no site Hopemedia.it. "Na tarde de sábado, 26 de março - lê-se no texto -, juntamente com o clube Aisa de Modena, tivemos a oportunidade de nos encontrar Paul Versari, professor da escola agrícola de Castelfranco Emilia e conhecedor do mundo das borboletas. Aprendemos a conhecer um mundo que precisa ser protegido e defendido de perto. Os insetos polinizadores são fundamentais dentro do nosso ecossistema. Ao transportar o pólen de uma flor para outra, de fato, permitem a polinização e a formação do fruto. A nossa horta comunitária vai tornar-se um lugar importante, um “jardim de borboletas”, um projeto para proteger o meio ambiente e dar testemunho do nosso bairro”. Neste vídeo, feito por Monica De Paolis e Maria Elena Lacquanitium tutorial sobre polinizadores:[embed]https://www.youtube.com/watch?v=89fGzHW9rpU[/embed] A Comissão GLAM está a serviço das comunidades e indivíduos que desejam abordar essas questões a partir de uma perspectiva de fé. O trabalho busca a rede dentro e fora das igrejas, nacional e internacionalmente. Um dos focos da GLAM é o trabalho de construção da rede comunidade ecológica. Existem ecocomunidades "iniciadas", "em andamento" e "graduadas", com base na adesão a um determinado limite de 40 critérios ambientais relativas ao culto e outros momentos litúrgicos, trabalhos de manutenção visando a poupança de energia, eliminação do plástico, educação, implementação de comportamentos virtuosos na administração, nas compras, na utilização da energia, mobilidade e gestão de resíduos, até verificação da ética dos bancos onde estão localizadas as contas correntes das igrejas. O comunidade ecológica em Itália, algumas dezenas candidataram-se ao diploma GLAM, num universo de mais de uma centena de simpatizantes. ...

Ler artigo
igrejas européias.  Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

igrejas européias. Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

Roma (NEV), 27 de junho de 2022 – “Segurança, inteligência artificial e direitos humanos. O que os desenvolvimentos sociais e tecnológicos nessas três áreas significam para o futuro de sociedades livres, porém seguras?” Esta é a pergunta que pessoas de toda a Europa tentaram responder na 9ª Edição da Summer School on Human Rights da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Realizada de 13 a 16 de junho em Malmö, Suécia e parcialmente online, a escola de verão explorou diferentes aspectos. Das implicações morais e éticas da tecnologia aos riscos à privacidade individual. Do reconhecimento facial em locais públicos ao risco de discriminação. O último, potencialmente, pode acontecer no acesso a serviços sociais e cuidados de saúde se for deixado muito espaço para os algoritmos fazerem o trabalho. Finalmente, falou-se de ligações entre questões teológicas, antropológicas e éticas da inteligência artificial. Neste momento, porém, não existe um quadro regulamentar europeu que salvaguarde os direitos humanos e a dignidade neste domínio cada vez mais complexo e em rápida transformação. Relatório “Temos que ajudar as pessoas a entender as novas realidades que colocam questões éticas. Acima de tudo, mantendo o princípio cristão como chave do debate", sublinhou Johan Arvid Tyberg, Bispo de Lund da Igreja da Suécia, em seu discurso de abertura. E convidou as igrejas a se manterem atualizadas sobre os assuntos relacionados à inteligência artificial. “Os Estados europeus devem responsabilizar seus cidadãos. Deve ser possível se opor às decisões relacionadas à inteligência artificial, se forem discriminatórias e potencialmente capazes de violar os direitos humanos”, disse o presidente do CEC, pastor Christian Krieger. Durante a escola de verão, o espaço foi também dedicado à segurança das comunidades religiosas e à proteção dos locais de culto. Danny Choueka do Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu realizou uma sessão de formação sobre gestão de crises. Dentro do projeto inter-religioso Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), ficou claro que as legislações nacionais são muito diferentes umas das outras. Não é possível adotar uma abordagem comum em toda a Europa. Isso se aplica, por exemplo, às leis que regem o uso de câmeras de CFTV em espaços públicos e em propriedades privadas abertas ao público. O SASCE é financiado pela União Europeia e o KEK participa ativamente nele. A anual Human Rights Summer School é organizada pelo CEC Human Rights Focus Group, este ano pela primeira vez em cooperação com o Bioethics Focus Group. Organizado pela Igreja da Suécia, foi financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O diálogo inter-religioso e a cooperação no campo dos direitos humanos são as principais áreas de interesse desta experiência. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.