Testamento Vital – Nevada

Testamento Vital – Nevada

Roma (NEV), 24 de novembro de 2010 – A possibilidade de deixar a própria vontade em termos de tratamentos de saúde a serem submetidos no caso de não poder expressá-la diretamente ao pessoal de saúde é uma consequência lógica da prática do consentimento informado. Esta prática, se conduzida de forma honesta e correta, estabelece uma nova relação entre o médico e o paciente ao relacionar dois sujeitos dotados de autonomia de decisão e vinculados por uma relação de colaboração e respeito. O chamado “testamento vital” é o meio pelo qual a prática do consentimento informado pode ser estendida na eventualidade da incapacidade do paciente de se expressar.

É a forma como se imagina a autonomia decisória do paciente, daquele que pode nos enviar sua decisão para além de sua capacidade de expressá-la. Isso deve ser saudado como uma grande oportunidade. No entanto, na Itália não existe uma lei que regule o assunto, pelo contrário, este assunto foi fortemente ideologizado a ponto de reduzir uma questão complexa a lados opostos. Quem é a favor do testamento vital seria contra a vida, portador de uma cultura da morte, adepto de práticas de eutanásia, na verdade tanto o fim dos tratamentos como a sua continuação podem ser expressos nas diretivas antecipadas, dependendo das decisões dos as pessoas individuais. Na Itália, muitos cidadãos recorreram a municípios, igrejas e associações que organizaram a coleta antecipada de testamentos. Em Milão, Nápoles, Trieste, Turim e outros lugares, as igrejas valdenses e metodistas estabeleceram pontos de encontro, abertos a todos.

A motivação para esta escolha por parte das igrejas cristãs significa, antes de tudo, avaliar positivamente a autonomia de decisão de um sujeito humano que, por ter tido a capacidade de escolher no auge de sua vida, pode tê-la em vista de sua morte. Em segundo lugar, esta abordagem é portadora de uma concepção de Estado que é chamada a regular as escolhas dos cidadãos do ponto de vista da convivência civil e não a impor escolhas privadas com base em princípios morais inequívocos. Infelizmente, na semana passada, foi emitida a circular dos Ministérios da Saúde, Previdência e Interior dirigida aos municípios italianos, segundo a qual, não havendo lei que atribua competência aos municípios na matéria, declara os registros nos quais a vontade dos cidadãos. A competência nesta matéria é do legislador nacional que, no entanto, ainda não legislou. A iniciativa das autarquias foi apresentada como escárnio dos cidadãos porque aqueles testamentos não têm valor legal. A tentativa de conter, senão intimidar, essas iniciativas da sociedade civil e a opinião expressa pelos cidadãos parece evidente.

Pensar que no caso Englaro, justamente a ausência de testamento escrito constituía mais um obstáculo para o fim dos tratamentos. Estes acontecimentos são, em última análise, a prova de que o Estado não pretende dar valor à decisão, e às escolhas éticas dos cidadãos que são necessariamente plurais e continua a perseguir a ideia de um Estado ético que acredita poder também coagir escolhas tão privadas e pessoal, passando por cima dos corpos e das suas histórias reais, e das relações humanas em que se desenrolam as escolhas individuais: família, amigos, mas também médicos e profissionais de saúde.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

No Hospital.  Ouvir que cura

No Hospital. Ouvir que cura

Diácono Máximo Longo Roma (NEV), 11 de outubro de 2022 – O diácono valdense Máximo Longo acaba de concluir o período de "Educação Pastoral Clínica" (CPE), formação pastoral clínica. Esta disciplina nasceu por volta de 1920 nos Estados Unidos da América, por iniciativa do pastor presbiteriano Anton Theophilus Boisen. O curso, que confere uma Certificação reconhecida, é em si aberto a todos os interessados, sendo obrigatório para os que iniciam o ministério pastoral e a consagração. Em particular, destina-se, portanto, aos alunos da Faculdade Valdense de Teologia em Roma, provenientes das igrejas Batista, Metodista e Valdense. No entanto, houve participações maiores, inclusive ecumênicas. Uma psicóloga, por exemplo, o primeiro caso de "não-teólogo" a participar, havia pedido para fazer esse tipo de treinamento. E, novamente, alguns capelães e freiras católicos participaram de um seminário da CPE com o supervisor, pároco Sérgio Maná. Outros cursos de formação pastoral clínica também são propostos e implementados nas igrejas locais, onde existem grupos que visitam doentes em hospitais. No entanto, é necessária uma formação teológica básica, pois os momentos de pregação e adoração são conduzidos alternadamente por todos os participantes. Perguntamos ao Diácono Massimo Long sobre a experiência como aprendiz. Ela ele é um diácono da igreja valdense. O que isso significa? Quais são as suas funções e qual é o seu papel? A igreja valdense reconhece algumas pessoas, a quem uma vocação foi dirigida e que se prepararam adequadamente, papéis específicos que são definidos como ministérios. Uma delas é a do diácono. Em meus mais de 30 anos de serviço à igreja, desempenhei várias funções: fui animador de jovens nas igrejas de Val Pellice (TO), onde estive particularmente envolvido na catequese e animação de grupos de jovens nas várias comunidades; Fui diácono comunitário na igreja de Rio Marina (Ilha de Elba), onde minhas funções eram de caráter pastoral, mas também tive a experiência de administrar uma “casa de veraneio”; em Turim, servi durante 16 anos e foi a minha experiência mais longa e diversificada: estive envolvido na coordenação do secretariado, na catequese juvenil, nas atividades musicais e sobretudo na coordenação das atividades diaconais, ou seja, nos serviços de apoio e assistência às pessoas em problema da cidade. Agora, há três anos, estou a serviço da igreja de Pomaretto e compartilho, com um colega pároco, o cuidado da comunidade e, portanto, das várias áreas: pregação, catequese, celebração de batismos e funerais e cuidado de almas às famílias e aos enfermos. No entanto, mantive um papel mais "diaconal" graças a um pequeno serviço de ajuda a pessoas em dificuldade que a comunidade local realiza. Um momento de formação pastoral clínica "Educação pastoral clínica" (CPE). Foto Sérgio Maná Em outubro você participou do curso “Educação pastoral clínica” (CPE), com o supervisor, pastor Sergio Manna. Quatro semanas intensivas no'Hospital de Gênova. Você pode nos contar sobre o dia “cara”? O nosso dia típico começava pela manhã às 9, com um culto preparado à vez por um de nós (3 formandos e o supervisor); seguiu-se um momento de briefing sobre o dia que nos esperava e, em geral, começaram as visitas aos pacientes nas enfermarias que nos foram atribuídas. Às 13h30 fazia-se uma pausa para almoço e às 14h retomava-se com uma parte teórica por parte do supervisor (sobre as várias vertentes da pastoral clínica) ou pelos médicos das várias especialidades que nos apresentavam alguns problemas relacionados com as várias patologias. Às 15h30/16 as visitas às enfermarias recomeçavam e terminavam às 17h. Depois, todas as semanas, havia encontros marcados que mudavam um pouco o nosso dia: cada estagiário tinha uma reunião individual de supervisão, havia a discussão de textualmente das visitas realizadas e na sexta-feira concluiu com um momento de avaliação do grupo. Quais tópicos são abordados no curso? O tema principal é o da pastoral hospitalar, que é tratado em várias passagens: introdução geral, escuta como elemento fundamental, diagnóstico pastoral ou das necessidades e problemas espirituais dos pacientes, identificação e uso pastoral dos recursos, pastoral do morrendo. Temas que também são abordados com a ajuda de suportes audiovisuais, de textualmente e discussões em grupo. No que diz respeito às reuniões com médicos especialistas, pudemos explorar, por exemplo, a telemedicina na gestão do doente idoso frágil, as novas tecnologias na cirurgia e na qualidade de vida dos doentes, o doente traumatizado, os problemas do internamento social, a comunicação na patologia neonatal e nos casos de privação social, a abordagem das adições e comportamentos abusivos, cuidados paliativos e cuidados em fim de vida. Qual era para ela lá'visual mais desafiador? O hospital geralmente é o local onde se chega porque é forçado por uma situação clínica comprometida e, portanto, é uma concentração de sofrimento e doença e nem sempre as pessoas voltam para suas casas curadas ou com perspectiva de voltar à vida anterior. Não era fácil entrar nos quartos das enfermarias e ouvir as histórias, os sofrimentos e até a raiva daqueles que não conseguiam superar sua condição de doente. Foram 4 semanas que me marcaram profundamente emocionalmente, mas também me ajudaram a enfrentar essas questões com maior serenidade. E qual, ao invés, o momento mais feliz? Eu poderia muito facilmente responder dizendo que os momentos mais felizes foram as minhas visitas ao departamento de neonatologia e obstetrícia, quando conheci as mães que tinham dado à luz e tudo tinha corrido bem… mas isso seria muito fácil! Em vez disso, os momentos mais felizes foram quando compartilhei a alegria dos pacientes da enfermaria que finalmente voltaram para casa, talvez depois de passar semanas no hospital. Lembro também, no último dia de visitas no final do curso, do abraço com o marido de uma paciente que permaneceu em coma farmacológico por vários dias: tivemos boas conversas sobre a fé com ele, todas as manhãs eu passava no quarto e o encontrou ao lado da esposa. Como o próprio Sergio Manna explica em um'entrevista, esse tipo de treinamento é único na Itália. Há (mais) necessidade de pastoral clínica? Depois de ter vivido pessoalmente esta experiência, posso confirmar a absoluta utilidade da pastoral clínica. E fico feliz que agora faça parte da formação daqueles que estão se preparando para ocupar o cargo de pastor ou diácono em nossa igreja. É uma pena que nossas forças atuais não nos permitam estabelecer um papel de capelania nos dois principais que ainda administramos: Nápoles (Villa Betania) e Gênova (Hospital Evangélico Internacional). Também seria bom poder estabelecer um serviço de capelania ecuménica, formando adequadamente os ministros das várias confissões e garantindo assim um serviço de qualidade nos hospitais. A partir da esquerda, Sergio Manna e Massimo Long. Entrega do Certificado de "Educação pastoral clínica" (CPE) Se você fosse recomendar esse caminho para alguém, o que gostaria de dizer? Quando comecei minha formação para ser diácono, essa possibilidade de formação não existia. No entanto, estou muito feliz por poder fazê-lo, sobretudo porque será muito útil para o serviço pastoral que estou desempenhando no momento. Espero que nossa igreja possa continuar garantindo essa possibilidade de formação para o futuro, talvez abordando uma vocação para que outras pessoas possam ser formadas como supervisores. Seria uma pena se tudo parasse com a aposentadoria do pastor Manna. ...

Ler artigo
Coronavírus.  Ecumenismo e caridade segundo a Pastora Ilenya Goss

Coronavírus. Ecumenismo e caridade segundo a Pastora Ilenya Goss

Foto de Branimir Balogović - detalhe, Unsplash Roma (NEV), 5 de julho de 2020 – Em Interris.it, James Galeazzi entrevistar a pastora valdense Ilenya Goss sobre o compromisso comum dos cristãos durante a pandemia devido ao coronavírus. Com um olhar para o futuro. Ilenya Goss Goss é formado em Medicina e Cirurgia, Filosofia e Teologia e é membro da Comissão de Bioética das igrejas Batista, Metodista e Valdense. Na entrevista ao jornal digital fundado por Aldo Bonaiuto falamos não só de pandemia, mas também de fragilidade e oportunidade, de fé, de diálogo, de teologia e dos efeitos da emergência a nível individual e coletivo. “Todo choque pode provocar um impulso ao amadurecimento e ao crescimento, mas também pode provocar um bloqueio – diz a pastora Ilenya Goss -: as situações devem ser sempre observadas de perto, além de um dado geral que pode ter um caráter sociológico e estatístico, mas que pouco diz sobre o natureza das mudanças pessoais. Leia a entrevista em Interris.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.