Hungria.  Um simpósio para o 50º aniversário do Acordo de Leuenberg

Hungria. Um simpósio para o 50º aniversário do Acordo de Leuenberg

Foto tirada de

Roma (NEV), 7 de março de 2023 – De 9 a 11 de março em Debrecen, Hungria, a conferência acadêmica é realizada para comemorar o 50º aniversário da assinatura do Acordo de Leuenberg.

Da Itália o pároco participa Pawel Gajewskimembro do Conselho da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE) e representante oficial da Igreja Valdense.

Organizado pelo próprio CCPE e pela Universidade Teológica Reformada de Debrecen, o simpósio acadêmico internacional faz parte de uma série de eventos comemorativos deste aniversário.

“Este simpósio oferecerá uma oportunidade especial para refletir crítica e construtivamente sobre a importância do Acordo de Leuenberg e sobre os resultados do consequente processo de trabalho teológico comum – escrevem os organizadores -. A ênfase será colocada no significado contemporâneo da realidade eclesial comum iniciada pelo Acordo de Leuenberg e em como isso pode e deve ser no futuro”.

Várias intervenções e insights estão programados em Debrecen, com relatórios sobre:

Trindade e igreja (comunhão).
Realizar a comunhão eclesial nos aspectos compartilhados da vida eclesial.
Dimensão ecumênica da comunhão eclesial.
Hermenêutica bíblica e comunhão eclesial.
Comunhão eclesial diante das diferenças éticas.
Comunhão eclesial em diferentes experiências e realidades sociais.
O potencial reconciliador do modelo de Leuenberg para a vida em igrejas e sociedades.

Outras marcações podem ser consultadas no site criado especialmente para este aniversário, neste link:

Concórdia de Leuenberg

O Acordo de Leuenberg foi assinado em 1973. É um documento que recompôs as divergências doutrinárias que dividiam protestantes luteranos e reformados, especialmente em torno do entendimento da Ceia do Senhor: um exemplo exitoso de ecumenismo da chamada “unidade na diversidade”. As igrejas da comunhão, enquanto permanecem independentes, reconhecem os ministérios, sacramentos e membros da igreja uns dos outros.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Livro.  Mulheres da Palavra.

Livro. Mulheres da Palavra.

Roma (NEV), 17 de agosto de 2020 - Abaixo está a versão completa de uma entrevista com a pastora valdense Letizia Tomassone foi ao ar, de forma resumida, no episódio do programa de rádio "Culto evangélico" da RAI Radio1 no domingo, 16 de agosto. A entrevista diz respeito ao livro “Donne di Parola. Pastor, diácono e pregadores no protestantismo italiano”, (editora Nerbini, pp. 168, euro 16) da qual Tomassone é curador. "Mulheres da Palavra". Pastora Tomassone, o que significa este título e que história ele descreve? A Palavra, com "P" maiúsculo, no mundo protestante indica a Palavra de Deus.As mulheres sempre foram afastadas da Palavra. Em muitas igrejas, eles também são proibidos de ler o Evangelho em público. Portanto, mulheres da Palavra significam exatamente isso: mulheres que se envolvem na Palavra de Deus e que de alguma forma a retribuem através de uma novidade que passa pela vida, pela existência, pela diferença de ser mulher. Letizia Tomassone Os vários artigos do livro refazem as etapas e os temas que acompanharam as pastoras nas igrejas protestantes italianas. Qual é o caminho percorrido e onde estamos? O mundo protestante italiano iniciou a discussão sobre a presença de mulheres em ministérios reconhecidos pela igreja após a Segunda Guerra Mundial. Uma discussão também solicitada pelo Conselho Mundial de Igrejas. No entanto, foi apenas em 1962 que o Sínodo valdense conseguiu abrir às mulheres a possibilidade de ingressar no ministério ordenado, até então reservado apenas aos homens. Ela vem com forte apoio de organizações de mulheres evangélicas da época; com o apoio de algumas comunidades sicilianas muito ativas no apoio ao ministério das mulheres. Hoje estamos em uma situação em que, na Itália como no exterior, nas igrejas valdenses, metodistas, batistas e luteranas, não só temos muitos pastores, mas também mulheres presentes nos órgãos de governo da igreja. As históricas igrejas protestantes italianas seguiram esse caminho e permitiram uma maior amplitude de pregação, tanto por meio de palavras de mulheres quanto de homens. Em um dos artigos do livro, ele nos conta que entre as primeiras pastoras valdenses havia aquelas que lidavam de maneira especial com os migrantes, com as comunidades migrantes. Que migrantes eram eles? Sim, é verdade. Inicialmente, algumas pastoras foram enviadas para comunidades migrantes. Eram migrantes do sul da Itália para a Alemanha e a Suíça, que viviam em uma situação muito difícil, a começar pelo fato de que muitas vezes chegavam sem família. O ponto que motivou esse envio de pastores pelas igrejas não foi tanto o fato de as mulheres serem mais ativas ou sensíveis nessa área, mas sim que as igrejas italianas ainda não viam com bons olhos o ministério de uma mulher e, portanto, pensavam em ser capaz de mandá-los para lugares mais marginais. Foi uma marginalização da qual, porém, emergiu uma grande riqueza. A experiência na Suíça e na Alemanha, contada em primeira mão no livro da Giovanna Pons – uma de nossas reitoras – é realmente emocionante e dá a sensação de uma época – em que os italianos eram migrantes e em que as mulheres davam seus primeiros passos rumo ao pastorado. Algumas semanas atrás, chegou a notícia de que na Igreja Luterana da Suécia o número de pastoras superou o de homens. O que você acha? Quando as pastoras, ou outras mulheres em cargos governamentais, superam os homens, os homens imediatamente se sentem marginalizados. Fala-se da feminização da igreja e há um temor por parte dos homens de que não contarão mais. E estamos assistindo a uma espécie de autoexclusão por parte dos homens. Esse é um risco apontado de várias maneiras por diferentes estudos: os homens têm dificuldade em permanecer em um lugar um pouco mais do que o habitual moldado pelas decisões das mulheres. Esta é uma grande dificuldade: na verdade, deve-se ter em mente a necessidade de um equilíbrio entre as vozes masculina e feminina, mas é igualmente necessário que os homens aprendam a dar um passo atrás. O caminho descrito no livro e percorrido por mulheres evangélicas pode ser uma referência para mulheres de outras denominações cristãs, por exemplo, para mulheres católicas? “Mulheres da Palavra” também contém artigos escritos por mulheres católicas. Isso porque com eles caminhamos juntos como teólogos, leitores das Escrituras, mas também como ativistas pelos direitos das mulheres, contra a violência contra menores e contra as mulheres dentro das igrejas. Um caminho no qual nós, evangélicos, apoiamos o pedido de mulheres católicas para poderem acessar ministérios ordenados, da Palavra, dentro de sua igreja. Um pregador local e um diácono também aparecem entre os artigos do livro. Então não estamos falando apenas do pastor? Sim, entre os autores do livro também há um pregador local no livro, Erica Sfredda que presidiu o culto de abertura do Sínodo das igrejas metodista e valdense no ano passado, e um diácono, Alessandra Trotta, atual moderador da Mesa Valdense. Nossas igrejas se distinguem por uma variedade de ministérios, inclusive locais, que são exercidos por mulheres e homens. Em todos esses ministérios pesa a diferença de ser mulher: é ver a realidade a partir de uma posição diferente. É muito importante não manter as mulheres no gueto, mas misturar as coisas. Portanto, estar juntos e superar de um só salto as divisões que nos tornam italianos ou migrantes, pastores ou diáconos. Hoje as mulheres podem ser uma força capaz de renovar a igreja e responder ao evangelho com nova energia. ...

Ler artigo
Tertio Millennio Film Festival.  Estão abertas as inscrições para a competição de curtas-metragens

Tertio Millennio Film Festival. Estão abertas as inscrições para a competição de curtas-metragens

Roma (NEV), 19 de setembro de 2018 – Estão abertas as inscrições para a competição de curtas-metragens da XXII edição do Tertio Millennio Film Fest, um festival de diálogo inter-religioso envolvendo protestantes, católicos, judeus e muçulmanos. O tema deste ano, “Estamos aqui. Jovens, desejo de participação e busca de sentido”. O prazo para inscrição de curtas-metragens é 31 de outubro de 2018. “Este ano o tema é dedicado aos jovens, aos seus valores, ao seu mundo e às dificuldades que têm de enfrentar na sociedade moderna”, lê-se no comunicado de apresentação da iniciativa. Os participantes devem ter entre 18 e 29 anos e são convidados a realizar um curta-metragem que conte a história de "uma juventude que sai, que se entrega, que se renova sem lágrimas, porque é capaz de se regenerar, primeiro de todos com seus pais, seus primeiros guias”. Os 3 primeiros classificados serão premiados no dia 15 de dezembro de 2018 por ocasião da noite de entrega dos RdC Awards, os prestigiosos prêmios da Rivista del Cinematografo atribuídos no âmbito do Tertio Millennio Film Fest que este ano acontecerá em Roma a partir de 11 até 15 de dezembro de 2018. O Tertio Millennio Film Fest é organizado pela Entertainment Foundation (FEdS) e conta com a colaboração, entre outras, da Protestant Cinema Association"Roberto Sbaffi”, do Centro Judaico Italiano Pitigliani, da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS). Para anúncio, requisitos e formulário de participação clique AQUI ...

Ler artigo
Assim a ecoteologia une os cristãos

Assim a ecoteologia une os cristãos

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash Roma (NEV), 14 de julho de 2020 - Mais um encontro com o pensamento protestante no Interris.it, graças à entrevista de James Galeazzi pastora Daniela DiCarlo. Daniela DiCarlo Os temas delineados vão do ecumenismo à unidade entre os cristãos, passando pela bioética e pela violência contra a mulher. Da necessidade de uma "conversão ecológica" a uma autocrítica corajosa em relação aos caminhos ainda por trilhar, o pastor Di Carlo identifica alguns marcos que podem fazer a diferença no caminho cristão, mas também em geral na sociedade como um todo . “Certamente ainda não é hora de falar sobre recepção eucarística ou sacerdócio feminino – começa Di Carlo -. Porém, é muito importante que as igrejas, unidas, digam uma palavra radical sobre a criação”. Leia a entrevista com Daniela Di Carlo em Interris.it. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.