Igreja Batista de Ohio nomeia pastor transgênero

Igreja Batista de Ohio nomeia pastor transgênero

Roma (NEV), 3 de outubro de 2019 – A Peace Community Church (PCC), uma igreja batista em Ohio, nos Estados Unidos da América, nomeou o pastor transgênero como líder da comunidade Erica Saunders. A comissão encarregada de selecionar o guia pastoral examinou 16 candidatos, depois reduziu para 5 e finalmente para 2. “Ambos os candidatos eram muito fortes, mas Erica se destacou como uma candidata com qualidades únicas – relata Baptist News -. Brilhante, compassivo, cheio de fé e guiado pelo espírito.”

Erica Saunders, formada em 2019 pela Wake Forest University School of Divinity, foi ordenada ao ministério do evangelho na primavera passada pela Wake Forest Baptist Church e foi empossada como pastora da Peace Community Church em Oberlin, Ohio, em 1º de julho. Saunders começou o processo de mudar sua apresentação de gênero em seu primeiro ano de seminário.

A Peace Community Church, fundada como a primeira igreja batista de Oberlin em julho de 1866, é afiliada à Baptist Peace Fellowship of North America, à Association of Welcoming & Affirming Baptists, à Alliance of Baptists e às American Baptist Churches of the Rochester/Genesee Region. É assim que o PCCh é descrito hoje, como uma “congregação pequena, mas ativa e voltada para a ação”.

Saunders disse que estava “agradecida pelo testemunho evangélico da Peace Community Church. Com a ajuda de Deus, juntos podemos seguir o exemplo de Cristo e criar uma comunidade marcada pela paz constante, amor inclusivo e justiça radical, não apenas em Oberlin”.

A igreja, que adotou o nome Peace Community Church em 2000, tomou uma decisão consensual de receber pessoas LGBTQ desde 2005.

Oberlin é uma cidade de cerca de 8.600 residentes a 35 milhas a sudoeste de Cleveland e abriga o Oberlin College, fundado como uma escola cristã pelos presbiterianos em 1833. Esta escola produziu três vencedores do Prêmio Nobel e vários vencedores de prêmios (Pulitzer, Academia, Grammy, Tony , Emmy e Globo de Ouro) e é classificado como um dos campi mais LGBTQ-friendly da América.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Alemanha.  A igreja é o futuro.  “Vá e veja!”

Alemanha. A igreja é o futuro. “Vá e veja!”

Roma (NEV), 2 de outubro de 2020 - A Alemanha se prepara para o 3º Kirchentag ecumênico, programado para 12 a 16 de maio de 2021 em Frankfurt. Este evento, entre os mais significativos do gênero, reuniu centenas de milhares de pessoas de diferentes tradições religiosas e convidados internacionais nas últimas edições. Enquanto isso, a Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) está lançando uma campanha sobre o futuro da igreja na qual convida os participantes a participar, propor e comentar alguns dos grandes temas que acompanham a sociedade e as igrejas. O grande encontro ecumênico na Alemanha tem como título “Ide e vede!”, inspirado no versículo bíblico do Evangelho de Marcos (6:38), e acontecerá de forma reduzida devido à pandemia de covid-19. Os organizadores protestantes e católicos esperam a presença de cerca de 30.000 pessoas em Frankfurt, com um programa presencial e virtual e em streaming. “O Terceiro Kirchentag Ecumênico é necessário, especialmente agora – declarou o protestante presidente do evento, Bettina Limperg -. Diálogo, amizade, discussão e conflito também precisam de espaço na arena pública”. O presidente católico do evento, Thomas Sternberg, falando da mudança que a pandemia está trazendo para o mundo, antecipou que em breve será apresentado um plano de saúde e segurança: “Podemos organizar o Kirchentag ecumênico com responsabilidade, cuidado e de uma maneira nova; ao mesmo tempo será um Kirchentag autêntico e intenso”. Enquanto isso, a EKD, com a campanha “A igreja é o futuro”, tenta dar um novo impulso às reflexões sobre a fé “numa sociedade em evolução caracterizada pela digitalização, pluralização e individualização”. Viver e transmitir a fé neste contexto é possível “só se a Igreja mudar também”, de forma aberta, flexível e contemporânea. A discussão é aberta e gira em torno de diferentes áreas, desde a fé até o papel das igrejas no espaço público. A impressão é que o debate na Alemanha é vivo e vital, em um país onde a união entre Estado e religião é fortemente sentida. “Há um paradoxo – diz à Agência NEV Cynthia Sciuto, jornalista e ensaísta radicado em Frankfurt –; se por um lado aqui na Alemanha parece que a distinção entre Estado e Igreja está consolidada, com uma política 'autônoma', ao mesmo tempo há uma forte relação no tecido social com a religião como fato público, ao invés de privado. Além disso, o debate envolvendo as igrejas ocorre de forma menos 'clerical' do que na Itália, mas aqui é mais difícil falar de 'laicidade'”. Alemanha de Martinho Lutero parece querer estar em primeiro plano em vários níveis: por exemplo, hoje em dia está muito viva a discussão sobre a hospitalidade eucarística, ou seja, a possibilidade de celebrarmos juntos a "santa ceia" (protestante) e a eucaristia (católica). A Congregação Romana para a Doutrina da Fé enviou um retumbante "não" ao documento do Grupo de Trabalho Ecumênico Católico-Protestante (ÖAK), que afirma que a participação mútua na Eucaristia é teologicamente justificada. O documento estava em discussão na assembléia plenária da conferência episcopal alemã. No 3º Kirchentag Ecumênico, católicos e protestantes poderão "estar juntos à mesa do Senhor"? Algumas igrejas já o fazem, inclusive na Itália. Para saber o que vai acontecer em Frankfurt em maio de 2021, só falta "ir e ver". Cinzia Sciuto é jornalista e ensaísta, editora da "MicroMega". Autor de “Não há fé que resista. Manifesto secular contra o multiculturalismo” (Feltrinelli, 2018; nova edição revisada em 2020), recém-lançado em alemão para Rotpunktverlag. Ela lida principalmente com direitos civis, secularismo e feminismo. ...

Ler artigo
17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

17 de fevereiro, Dia da Liberdade (em tempos de pandemia)

foto de Elisa Biason, o céu de Lampedusa Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2021 – Como a liberdade pode ser recusada e celebrada em tempos de pandemia? Isso será discutido em um encontro promovido pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália por ocasião do dia 17 de fevereiro, Dia da Liberdade. Título do debate, marcado para 17 de fevereiro das 17 às 18h30 (no zoom), é justamente “Cidadania, liberdade e cuidado em tempos de Covid”. “A habitual iniciativa da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália para comemorar o dia 17 de fevereiro – explica Paulo Naso, – este ano gira em torno de três temas, sugeridos e ditados pela emergência covid, uma emergência que se está a tornar claramente uma verdadeira lente para ler não só a realidade destes dias mas também a dos próximos meses, talvez anos. As três palavras-chave são ciência, cuidado e liberdade. Ciência porque temos um problema não só de informação objetiva e precisa, mas também de compartilhamento e transparência dos processos de saúde que acompanham a administração de vacinas. Entendemos que também existem problemas de democracia, ligados ao acesso a tratamentos e vacinas: precisamos pensar em todas essas questões. O segundo foco é o do tratamento: a Covid também é um problema pastoral. Pensamos nas pessoas que morreram em absoluta solidão, acompanhadas por parentes que não puderam se despedir de seus entes queridos da maneira mais adequada. A terceira e última é a da liberdade: é claro que a prevenção e o combate à pandemia limitam as nossas potencialidades - pensemos em quem trabalha, em quem estuda, em quem precisa de se deslocar - mas também limita a possibilidade de celebrando livremente cultos e outros momentos religiosos. Não estamos falando apenas do mundo protestante, portanto, mas de todas as pessoas que têm uma fé e frequentam um lugar religioso, de espiritualidade”. Sobre estas questões, “juntamente com especialistas altamente qualificados, queremos refletir – conclui Naso -, com referência específica ao dia 17 de fevereiro, que começou como um dia de liberdade. Um dia que também nasceu como um momento em que se sonha com a libertação de normas e leis que minaram uma liberdade fundamental como a liberdade religiosa para os valdenses e judeus, até 1848. Hoje queremos ler este conceito de liberdade e libertação em um momento excepcional e particular que estamos vivendo por causa do Covid19”. Na reunião, após as saudações do presidente Luca Maria Negroeles vão intervir Alberto Mantovanidiretor científico do instituto clínico Humanitas, Elena Bein Richprofessor de filosofia, Daniele Garroneteólogo e membro do Conselho da FCEI, Abril Máximopastor batista, Francesco Piobbichi da Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália. A nomeação será moderada pelo advogado Ilaria Valenzi da Comissão de Estudos da FCEI. O webinar acontecerá ao vivo no zoom no endereço e na página do fb da revista Comparação e centro de estudos. 17 de fevereiro é o dia em que comemoramos o 173º aniversário da patente de cartas com a qual o rei da Sardenha, Carlo Alberto, concedeu direitos civis aos seus súditos protestantes, os valdenses.A decisão foi recebida com entusiasmo e saudada pelos valdenses ao redor de grandes fogueiras. A tradição das fogueiras da liberdade continua hoje e todos os anos, na noite entre 16 e 17 de fevereiro, muitas delas são acesas não apenas nos lugares históricos da presença valdense, como um sinal que se espalha de vale em vale para renovar o notícias , mas também em outros lugares da península onde existem igrejas protestantes. Desde então, para os valdenses e para todos os evangélicos, o dia 17 de fevereiro é um dia de festa.No mês seguinte daquele mesmo ano, em 29 de março de 1848, o rei também concedeu direitos civis aos judeus. ...

Ler artigo
a liberdade é concreta se diz respeito a todas as mulheres

a liberdade é concreta se diz respeito a todas as mulheres

Foto Sammie Vasquez - Unsplash Roma (NEV), 21 de março de 2023 – Poucos dias antes do XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que está prestes a começar em Florença, entrevistamos o presidente cessante, pastor batista Gabriela Lio. O Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália será realizado em Florença de 24 a 26 de março: ainda é possível participar? Como? Sim certamente. Você ainda pode participar presencialmente. O que não podemos garantir é o lugar na pousada Gould. A conexão online do Congresso não está prevista, porém estamos tentando registrar as duas Mesas Redondas. Para informações clique aqui. Gabriela Lio. Foto de Laura Caffagnini Uma avaliação destes 4 anos de trabalho e presidência: dos dossiês às campanhas, da formação às reflexões sobre a prostituição e a luta contra a violência, dos encontros sobre as mulheres nas religiões e na igreja às numerosas colaborações em toda a Itália com as realidades locais. Na sua opinião, quais foram os momentos mais marcantes? Os momentos mais significativos decorrem do compromisso assumido pela FDEI com a inclusão, no seu Estatuto, de um artigo que a obriga a trabalhar “continuamente na questão da violência de género”. A primeira foi aderir à campanha global "Quinta-feira Negra" promovida pelo Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em apoio ao movimento global que se opõe a todas as formas de violência e injustiça, oferecendo às igrejas cartazes e broches para promover o campo localmente. Isto porque nos interessa que os irmãos e irmãs das nossas igrejas a que pertencem possam encontrar na FDEI apoio e estímulo para uma reflexão comum não só sobre a questão da violência de género, mas também sobre o papel da mulher no igreja e na sociedade. É por isso que continuamos a publicar as nossas Newsletters da FDEI, não só como elo entre as mulheres federadas, mas também como informação sobre o nosso empenho e sobre as iniciativas da FDEI e dos vários movimentos que a integram. O mesmo vale para o Dossiê dos 16 dias pela eliminação da violência contra a mulher, concebido como um acervo de material útil para reflexão, oração e debate sobre essas questões nas igrejas. São muitos momentos significativos, porque cada encontro enriquece, seja online ou presencial, porque nos confrontamos, mas também com mulheres cristãs, mulheres de outras religiões e com associações de mulheres engajadas em várias frentes. Claro, a pandemia nos fez parar, tivemos que nos adaptar, mas não desanimamos. Mas pensamos que poderíamos estar próximos um do outro em um momento tão difícil e também conseguimos trazer momentos de reflexão e debate sobre o futuro. O projeto "Recomeçar com você", para dar outro exemplo, nos ajudou a voltar às igrejas, nos deu a oportunidade de nos abraçarmos e de recomeçarmos na tentativa de ativar mulheres e cada vez mais homens para a compreensão dos fundamentos da desigualdade de gênero. Foi um projeto importante, onde o networking entre nós e com a área local permitiu o envolvimento de muitas pessoas. No domingo, você passará o bastão para um novo presidente. Que mensagem você sente que quer compartilhar para o presente e o futuro do FDEI? A mensagem que o Comitê Nacional cessante da FDEI quer compartilhar está contida no texto bíblico escolhido para o nosso Congresso: “Onde está o Espírito de Deus, aí há liberdade”. E também o subtítulo, que juntamente com Dorothee Sölle afirma: "Onde está o Espírito cresce a libertação, cresce o desejo combativo de libertação e a experiência de uma maior concretude da liberdade". Continue a ser todas as testemunhas de ruah/pneuma, em meio às dificuldades da vida. Deixe o "espírito"/ruah [il termine in ebraico è femminile, ndr] definem nossa vida, determinam que nossas relações mútuas sejam respiração, brisa suave, vento, coragem. Libertação crescente até que a liberdade seja alcançada pelos outros e por nós mesmos; até que estejamos livres das armas, livres da violência; da discriminação, do racismo, de um trabalho alienante. Devemos crescer "na experiência de uma maior concretude da liberdade" porque o mundo deseja a liberdade/libertação em sentido profundo e não pode ser alimentado apenas com palavras de liberdade. Lá spirita/ruah motiva a nossa luta pelos direitos e encoraja o nosso esforço para responder ao chamado ao serviço, promove a vida e cria comunidades de solidariedade, numa rede de relações com outras irmãs, amigas, companheiras de intenção. Quais foram os pontos críticos do seu mandato e que soluções conseguiu implementar? A maior criticidade durante o mandato foi durante o período de confinamento, devido à pandemia de Covid 19. Com o Comitê Nacional nos reunimos várias vezes online, juntamente com as lideranças e presidentes dos grupos denominacionais de mulheres, para refletir sobre a delicada situação. Compartilhamos nossas preocupações - poderia dizer com lágrimas - e nossas reflexões com os executivos de nossas igrejas, com alguns ministros italianos, com os líderes locais dos movimentos, conscientes de quanto a pandemia agravou as desigualdades para as mulheres em nível social atingindo suas vidas mais fortemente. E decidimos juntos nos comprometer com uma necessária mudança de paradigma. Também passamos por momentos difíceis quando tivemos que implementar as diferentes moções do Congresso. Por exemplo, cabe ao Comitê “colaborar para a criação de cursos de capacitação em igrejas evangélicas”. E não sabíamos quanto tempo duraria o confinamento. No entanto, organizamos o primeiro curso bíblico teológico a distância: "Violência e poder - as mulheres e a Bíblia" atingindo muitas pessoas de diferentes denominações evangélicas e católicas, nativas e migrantes. Pessoas que se inscreveram da Itália, Europa e América Latina. Além das nossas expectativas! Quais foram os momentos mais felizes e gratificantes? Acredito que para mim, mas também posso dizer para o Comitê Nacional da FDEI, os momentos mais felizes são aqueles em que todos estamos envolvidos e juntos organizamos encontros significativos para a vida e o testemunho da Federação. Ciclone Pam II: 13 de março de 2015. Pintura de Juliette Pita. Uma mãe que ora protege seu filho. As ondas quebram atrás deles, mas uma palmeira se curva e os protege também. A saia da mulher é inspirada nas roupas tradicionais de Erromango. No horizonte, pequenas cruzes representam as vítimas causadas pelo ciclone Pam em 2015. Levaremos em nossos corações o encontro organizado online junto com o Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher (OIVD) com Edith Bruck – Lembrete para “Deseducar para odiar”; o encontro com o Comitê do Dia Mundial de Oração (GMP), com a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), com as Comunidades de Base, com mulheres ortodoxas e religiosas católicas, por ocasião da Celebração Ecumênica do GMP preparada por mulheres de Vanuatu. Esta experiência abriu-nos a possibilidade de começarmos a organizar juntos diferentes celebrações ecumênicas no Pentecostes, Natal e Páscoa. Assim como foram apreciados os convites que recebemos para participar de eventos já organizados ou para serem organizados em conjunto. Penso na nossa participação nas iniciativas do Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX), daquelas organizadas pela Coordenação Teológica Italiana (CTI). E a possibilidade de conceder bolsas para 30 mulheres participarem de seu curso online. Depois, os vários convites para conferências organizadas pelo Centro de Estudos sobre Liberdade de Religião, Crença e Consciência (LIREC). Nossa participação na conferência "Casais e religiões: unidos na vida, diferentes na fé" organizado pelo grupo Mulheres de Fé em Diálogo - Religiões pela Paz Itália, em colaboração com a Comissão de Igualdade de Oportunidades do Município de Roma. E novamente os encontros online organizados junto com a OIVD sobre o tema da prostituição, que então surge para nós em uma reflexão a ser compartilhada com as igrejas por ocasião do dia 25 de novembro. Foi com muita felicidade que fomos contactados em 2021 pela RvS, que nos ofereceu um espaço na rádio para um dos nossos programas Donne FDEI – Donne in rete. Sentimos a mesma alegria quando o Centro Cultural Protestante de Torre Pellice convidou a FDEI para organizar conjuntamente quatro encontros sobre "Histórias Femininas", em diálogo com Bruna Peyrot E David Rosso. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.