Roma, as novas luzes do templo valdense na Piazza Cavour

Roma, as novas luzes do templo valdense na Piazza Cavour

Roma (NEV), 13 de março de 2023 – Novas luzes para o templo valdense na capital. O Grupo Acea renovou de fato a iluminação da Igreja Valdense na Piazza Cavour – Roma. A inauguração aconteceu na última sexta-feira, na presença de instituições e representantes da comunidade protestante.

A inauguração contou com a presença, entre outros, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e Moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta.

“O que há por trás desta igreja que domina a Piazza Cavour, um dos símbolos da Itália liberal, e que agora é realçada pela monumental iluminação disponibilizada pela ACEA? Vou tentar destacar brevemente o “atrás” da história que viu na construção da igreja um local de pouso fundamental e os “envolventes” do complexo, do complexo protestante em uma das áreas em desenvolvimento da capital Roma.

Por detrás desta fachada que exprime também a consciência de fazer parte de uma nova e tão esperada era – que não por acaso também se referia ao “Iluminismo” – o orgulho de pertencer a ela e a vontade de serem os seus protagonistas, estão antes de mais os séculos de clandestinidade e dissimulação forçada para os valdenses. A fé vivia à noite, no escuro: esse era o destino dos “pobres” na Idade Média. As coisas mais importantes para a identidade de alguém viviam nas sombras, reuniões clandestinas organizadas no abrigo da noite. A visibilidade, que hoje é um dos critérios de comunicação e um dos indicadores de sucesso, significava então incorrer em repressão. Só se podia ser você mesmo nas sombras. Lembro-me não para ter pena dos nossos antepassados, nem para nos alegrar com o sofrimento dos outros, mas porque esta ainda é a dura realidade em muitas partes do mundo.

Com a adesão à Reforma no século XVI, a postura dos descendentes e herdeiros dos pobres mudou: a Reforma convenceu-os de que deviam ser vistos, deviam vir à tona, a Palavra que testemunhavam – lux lucet in tenebris – teve que ser trazido à luz do Sol. Foi assim que os valdenses da Calábria se revelaram. No entanto, aplicava-se também a eles a palavra do filósofo do Antigo Testamento, “nada de novo debaixo do sol”… Uma vez nascidos, recaiu sobre eles uma cruel repressão, feita de matanças, prisões e escravizações como remadores no Mediterrâneo. Talvez não seja por acaso que hoje nos interessamos pelos barcos de pessoas desesperadas que atravessam o Mediterrâneo. Seu pastor, Giovan Luigi Pascale, foi julgado em Roma. A luz que se acendeu foi a das chamas da sua estaca (1560), após o estrangulamento. Este foi o fim que ele compartilhou com dezenas e dezenas de outros, antes e depois dele, incluindo o cardeal Pietro Carnesecchi (1567), que, no entanto, foi decapitado primeiro.

Também aqui me lembro dessas páginas trágicas para não despertar simpatia. Ainda hoje o saindo, a livre expressão das próprias ideias, a livre implementação das próprias escolhas podem ser pagas com a própria vida, está tudo diante de nossos olhos, Irã Afeganistão etc. e ainda hoje o obscurantismo também tem defensores e argumentos religiosos… A iluminação capaz de derrotar essa escuridão ainda não chegou a todos os lugares e em muitos lugares a escuridão parece inviolável.

É somente após o rompimento da Porta Pia que os valdenses, os judeus finalmente libertados do gueto, os outros evangélicos que chegam imediatamente àquela que já é a capital do Reino Unido pela qual muitos deles lutaram, podem finalmente contar com uma visibilidade desobstruída. Não apenas ileso, mas orgulhoso e engenhoso. O primeiro templo valdense foi inaugurado na via IV de novembro de 1883; em 1895, um enorme complexo episcopal metodista foi inaugurado na via XX Settembre. Em frente à ilha do Tibre, depois da demolição do antigo gueto, foi construída em 1904 uma enorme sinagoga que, olhando mais de perto, tem a mesma postura urbana da nossa igreja: estamos aqui, podemos ser vistos e vocês devem nos ver. .. é o início de um caminho que levará Roma a se tornar a encruzilhada das religiões que é hoje.

Vamos voltar para nós. Estamos numa praça, com duas torres que não escapam ao olhar. Não é apenas um local urbano feliz; ainda em 1883 a igreja da via IV de Novembro teve de ser disfarçada com feições de palácio burguês. É uma metáfora; é o lugar de quem quer fazer parte do discurso que se dá na ágora. Poucos, mas presentes e vocais, como diriam na América, extrovertidos. A vontade de ser voz no debate público foi fortalecida com a República, ou seja, desde que a ágora foi palco de uma democracia parlamentar constitucional, onde cresce uma democracia discursiva. Aqui queremos fazer um discurso que não é só de ideias, mas também de compromisso social.

Uma vez construído o edifício, começaram de imediato as actividades sociais, por exemplo a favor dos militares dos numerosos quartéis próximos, com serviços médicos e oferecendo espaços de utilização das saídas gratuitas também para leitura e formação… Hoje as formas dessa acção são mudando, mas a vocação de fazer a nossa parte junto com os outros não falha.

Ao redor da igreja, os demais elementos do complexo. No outono de 1922 – a coincidência com a marcha sobre Roma é puramente acidental e pedimos desculpas aos ouvintes – foi inaugurada a sede da Faculdade de Teologia (fundada em Torre Pellice em 1855, transferida para Florença como capital em 1861 e depois daqui para Roma onde ainda está), que hoje forma pastores e pastoras em particular das igrejas metodistas, valdenses e batistas, mas não só, e que desenvolve uma atividade ecumênica de formação teológica cultural com ensino a distância. Abriga uma biblioteca cada vez maior, agora com mais de 110.000 volumes, que é um centro de excelência para a pesquisa acadêmica do protestantismo. A biblioteca, que durante décadas não foi apenas um meio de acesso à cultura protestante, mas – em torno da Prof. Subilia, um círculo de interlocução intelectual. Os cidadãos romanos conhecem sobretudo as duas grandes salas – a Aula Magna da Faculdade e a sala da via Marianna Dionigi 59 – como locais de concertos, debates – até mesmo sobre questões polêmicas, como divórcio, aborto, “fim da vida” etc. – de convenções e conferências. Mas também de funerais seculares… Tudo não só à luz do sol, mas agora iluminado mesmo quando está escuro. Obrigado a quem forneceu a iluminação monumental. Ao concluir estas breves reflexões relacionadas com a luz, não posso deixar de partilhar uma imagem, aliás, uma realidade completamente oposta. Recentemente visitei o albergue social para trabalhadores que nossa Federação de Igrejas Evangélicas da Itália abriu em San Ferdinando, na planície de Gioia Tauro. Depois do pôr-do-sol, contornamos os chamados campos – favelas e cidades-tendas – construídos com dinheiro público, onde vivem em condições precárias quem recolhe as laranjas que vão para grandes varejistas e que compramos em supermercados. As ruas que levam até ela são repletas de postes de iluminação modernos, mas sempre apagados, pois a iluminação dificulta o tráfico do crime organizado. Essas estradas que estão sempre no escuro são atravessadas por trabalhadores negros. Também nisso são os “invisíveis” de hoje. De vez em quando alguém é atropelado. Também estamos lá para fornecer a eles coletes refletivos e refletores para destacar suas bicicletas. Mas isso não elimina a deficiência mais grave, a da iluminação pública que, olhando mais de perto, é a luz da República. Nós gostamos disso aqui. E você o intensificou. Mas a República não termina na Piazza Cavour, continua até Marsala e Lampedusa. Sentimos que devemos dizê-lo também na Piazza Cavour, ou seja, na ágora da República”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Faculdade Valdense.  Abertura do ano letivo 2021/22

Faculdade Valdense. Abertura do ano letivo 2021/22

Roma (NEV), 6 de outubro de 2021 – A abertura do ano acadêmico 2021/22 da Faculdade Valdense de Teologia (FVT) será oficialmente realizada no sábado, 9 de outubro, às 17h30, com a Prolusão na Aula Magna pelo professor Oswald Bayer (Tubinga). Tema de seu discurso: . A Prolusão pode ser acompanhada em transmissão ao vivo na seguinte página: (Participação no local é limitada a pensionistas, alunos da Licenciatura em Teologia residentes em Roma, alunos Erasmus e Melantone Center, funcionários e professores do corpo docente, párocos. Green Pass necessário para log em). Domingo 10 de Outubro, habitual Culto de Abertura, a partir das 11. Pregação do pároco Lothar Vogel. O culto é realizado na Igreja Valdense na Via IV Novembre, participação no culto de abertura somente no local. Nos próximos dias, estão previstas várias iniciativas para a “Semana introdutória”. No site da faculdade todos os detalhes. Reportamos na segunda-feira, 11 de outubro, horário: 9 a 11, a apresentação dos cursos da Faculdade. 11-13 e 15-17, Fulvio Ferrario sobre: ​​“A teologia cristã na presença das ciências. Cinco teses. Zoom ao vivo ativado Terça-feira, 12 de outubro, às 9h, a introdução à Biblioteca. 11-13, com Lothar Vogel sobre: ​​“Considerações históricas sobre a gênese do problema fé-ciência”. Às 15h, encontro com estudantes internacionais. Zoom ao vivo sempre para cima Quarta-feira, 13 de outubro, de 9 com Lothar Vogel: leitura de passagens selecionadas das Cartas Copérnicas por Galileu Galileizoom direto em Aos 18, a apresentação do livro "As palavras da fé" (de José LorizioFúlvio Ferrario Germano Marani) Por motivos de organização, por favor, confirme a participação no local enviando um e-mail para: [email protected] Green Pass necessário para acessar. Acompanhe a transmissão ao vivo em Finalmente, na quinta-feira, 14 de outubro, haverá uma excursão para os alunos da Licenciatura em Teologia, Erasmo, Centro Melantone. Cursos “Tudo o que você pode aprender” Na oferta formativa da Faculdade, também os cursos abertos a todos, segundo a modalidade “All you can learn”: ao inscrever-se como “auditor” durante um ano letivo completo, tem acesso a todos os cursos indicados no FVT catálogo e programa. Os cursos “Tudo que você pode aprender” já agendados para este ano são: História do Cristianismo na época da Reforma (1400-1650), com Lothar Vogel. Curso de teologia feminista e de gênero "Construindo a igreja juntos, pessoas de todas as cores e gêneros", com Letizia Tomassone. “Que proveito tira o homem do esforço com que trabalha debaixo do sol? (Qoh 1,3)” – Leitura completa do Eclesiastes ou Qohelet, Curso de exegese do Antigo Testamento, com Daniele Garrone. Por fim, com Fulvio Ferrario, haverá: “Ao som da última trombeta. Introdução à doutrina cristã da esperança". “O problema teológico na filosofia grega. Das suas origens a Sócrates". “História da teologia moderna e contemporânea. Momentos e figuras da teologia do século XX". “Introdução à Teologia Sistemática. Estruturas fundamentais da fé cristã”. A Faculdade Valdense de Teologia A Faculdade Valdense de Teologia é o instituto mais antigo da Itália para o estudo universitário de teologia evangélica. Foi fundada em 1855 na Torre Pellice (TO), e depois mudou-se para Florença para o Palazzo Salviati de 1860 a 1921, e para Roma, na via Pietro Cossa, ao lado da igreja valdense na Piazza Cavour. A Faculdade representa um ponto de encontro e diálogo, dada a participação de muitos estudantes estrangeiros e em virtude de uma acentuada sensibilidade ecuménica. ...

Ler artigo
Não apenas orações.  Aquela “estranha” Semana da Unidade dos Cristãos

Não apenas orações. Aquela “estranha” Semana da Unidade dos Cristãos

Foto de Ismael Paramo - Unsplash Roma (NEV), 18 de janeiro de 2023 – Começa hoje a habitual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Convocado este ano pelo Conselho de Igrejas de Minnesota, com sede nos Estados Unidos, o SPUC envolve igrejas cristãs em todo o mundo até 25 de janeiro. O versículo da Bíblia escolhido para 2023 é retirado do livro de Isaías, capítulo 1 versículo 17: “Aprenda a fazer o bem; buscar a justiça". Igrejas cristãs de todas as denominações, católicas, protestantes, ortodoxas, anglicanas… se encontram e trocam púlpitos. Uma oportunidade de entrar pela primeira vez em um templo, uma catedral, um mosteiro, uma igreja greco-ortodoxa ou uma paróquia católico-bizantina, enfim, um local de culto de uma igreja diferente, uma igreja "irmã". É uma semana em que falamos das injustiças, do racismo e dos conflitos de ontem e de hoje. Desde o assassinato de George Floyd à violência sofrida pelos nativos americanos, até a guerra na Ucrânia e em muitas outras partes do mundo. Também falaremos sobre como Deus, na Bíblia, se declara cansado de orações e sacrifícios hipócritas. O presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Daniele Garrone, no vídeo de abertura da Semana, retomou o versículo de Isaías e comentou: “O povo é censurado por associar o culto à violência e ao abuso. E Deus diz: 'Não quero sua adoração. Aprenda a fazer o bem, busque a justiça'. Com estas palavras é como se nos dissessem: cada um deve olhar para dentro de si, para os seus pecados, para juntos percorrermos o caminho da conversão”. “A unidade entre os cristãos pode ser de grande ajuda na luta contra as guerras e as violências que oprimem a todos. A ferida do mal pode representar mais um motivo para crescer como crentes profundamente inquietos que procuram encontrar respostas cristãs para os desafios do nosso tempo”, disse o cardeal Mateus Maria Zuppipresidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), entrevistado em chiesavaldese.org na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. O clima um tanto apocalíptico encontra luz justamente na jornada a dois. Parece que este ano o caminho ganhou força, com linguagens novas e compartilhadas. Será um renascimento pós-pandemia, será o desejo de nos encontrarmos novamente em comunhão, será o impulso para um novo ecumenismo determinado pela instabilidade social e econômica. O fato é que a pauta é muito densa e original. Entre as várias iniciativas, de Norte a Sul, contam-se também concertos, vigílias, encontros, mas também culto internacional, vigília com tochas, conferências, apresentação de livros e celebrações ecuménicas. Por exemplo, em Alba (na província de Cuneo), uma está marcada para amanhã noite de oração carismática ecumênica organizada pelo grupo "Renovação no Espírito" da diocese, juntamente com a Igreja Evangélica Pentecostal. Estão programados momentos dedicados às gerações mais novas, por exemplo, em Bolonha (dia 25) e Milão, onde no dia 21 as 18 vai ter um lleitura multi-voz de “O Conto do Anticristo” por Vladimir Sergeevich Soloviev apresentado por Estevão Caprioprofessor de Teologia Oriental, e discutido pelos jovens das igrejas cristãs milanesas, na Via Pinamonte da Vimercate 10. em Lucca, ssábado 21, atividades para crianças e adolescentes; “jornalistas ecumênicos para descobrir três personagens da tradição católica, ortodoxa e protestante. A partir das 15 na igreja de San Michele. Segue-se a oração ecumênica pelas crianças e famílias. Em Bari, no dia 19, uma conferência dentro do ciclo "Cidades da Bíblia, lugares da humanidade" sobre "Hebron, cidade de refúgio." Em Cantù (Como), no dia 18, após a celebração ecumênica, ele canta o coro da "Igreja Evangélica Apostólica da Nigéria". Clique AQUI para ver os compromissos na Itália ...

Ler artigo
Esplendores e misérias da Copa do Mundo

Esplendores e misérias da Copa do Mundo

Foto de Lionel Andrés Messi tirada de seu site oficial, messi.com Roma (NEV), 19 de dezembro de 2022 – A vigésima segunda edição da Copa do Mundo da FIFA no Qatar terminou. Foi uma Copa do Mundo bastante polêmica, principalmente pelo número impressionante de trabalhadores que morreram durante a construção dos estádios e da infraestrutura necessária. Em um artigo de Pete Pattisson E Niamh McIntyre de 23 de fevereiro de 2021, em Guardião falou de 6.500 trabalhadores migrantes do subcontinente indiano que estão desaparecidos. Para fazer uma comparação, trinta e dois anos atrás, o boletim relativo da Itália '90 era de 24 mortos e 678 feridos, o que já era um número muito alto e inaceitável. Esta figura se eleva sobre todas as outras questões controversas. Entre eles, destaca-se o impacto ambiental de sete novos estádios, embora com todas as precauções para limitar as emissões, num país essencialmente sem campeonato nacional de futebol: a expressão “catedral no deserto” nunca pareceu tão adequada . Além disso, há a questão da corrupção direta ou indireta, do tipo “investir em mim vai render para você”. As notícias que nos chegam do Parlamento Europeu não são reconfortantes deste ponto de vista. Por último, mas não menos importantehá a questão dos direitos humanos, em particular no que diz respeito aos cidadãos estrangeiros (ou seja, 87% da população do Catar), mulheres e homossexuais. Questões polêmicas monumentais, que deram origem nos países ocidentais a movimentos que pedem o boicote à Copa do Mundo. Esses movimentos tiveram adesão considerável, mas sucesso limitado. De fato, as partidas do Catar 2022 tiveram público adequado para o evento e uma das finais mais emocionantes já vistas em campo. O Catar merecia sediar a Copa do Mundo? Não, não era. Por outro lado, o mesmo pode ser dito da Itália 1934, Argentina 1978 e Rússia 2018, três ocasiões para os respectivos regimes se mostrarem belos e respeitáveis ​​aos olhos do mundo. O mesmo poderia ser dito para a atribuição dos Jogos Olímpicos. A esse respeito, lembro que se falava em suborno de membros do Comitê Olímpico Internacional com o objetivo de atribuir as Olimpíadas de Inverno de 2002 a Salt Lake City. Talvez o Qatar 2022 deva ser uma oportunidade para refletir sobre nossa sociedade. De facto, sem o consentimento dos países ocidentais e da confederação mais forte, nomeadamente a UEFA, decisões tão importantes não são tomadas. A UEFA tem um grande poder político e há poucos dias conseguiu, por exemplo, obter o monopólio do jogo de futebol nos países da União Europeia, instituição que tem no livre mercado e na livre concorrência uma das suas bandeiras. Ou seja, sem o apoio dos “nossos” países e dos nossos representantes eleitos democraticamente, a Copa do Mundo não teria acontecido na Rússia (que já ocupava o Donbass) e no Catar. Diante do grande número de mortes relacionadas ao trabalho e das condições dos trabalhadores estrangeiros no Catar, a pergunta que devemos fazer não é “Que tipo de sociedade existe no Catar”, mas “Que tipo de sociedade somos nós?” O presidente da FIFA, Gianni Infantino, e ex-vice-presidente do Parlamento Europeu, Eva Kaili (presos por terem recebido dinheiro de um "país do Golfo", segundo o Ministério Público de Bruxelas) tiveram um jogo fácil para dizer que as críticas da Europa ao Qatar são hipócritas, dadas as milhares de pessoas que mata no Mediterrâneo. E precisamente a alegada corrupção das instituições europeias evidencia a forte permeabilidade da nossa sociedade, economicamente viciada e fundada na dívida pública e privada, relativamente a quem tem reservas monetárias ou energéticas inimagináveis, como a Rússia ou o Qatar. Longe de mim dizer que morar na Itália ou no Catar é a mesma coisa. A questão é que em nossa fatia do mundo, que muitas vezes reivindica uma primazia moral, com igrejas, partidos e movimentos que reivindicam as raízes cristãs de nossa civilização, agora falta uma cultura de confissão do pecado, que foi substituída por uma cultura de repressão. Refiro-me à confissão do pecado no sentido protestante, ou seja, aquela consciência da própria insuficiência e maldade que só pode esperar o perdão na intervenção sobrenatural de Deus. Já a cultura da repressão é autoabsoluta: «Eh, o mundo é assim; o que posso fazer sobre isso?” É por isso que a Copa do Mundo é um sucesso de qualquer maneira. É por isso que o governo do futebol tem esse poder. É por isso que o dinheiro se torna o ídolo a ser adorado e obtido a qualquer custo. Estamos prontos para nos indignar com os contratos milionários dos jogadores de futebol, mas a cultura da repressão bloqueia as verdadeiras questões: "Quem tem dinheiro para pagar 100 milhões de dólares por ano por um jogador como Kylian Mbappé? Como ele conseguiu o dinheiro? O que há para ele?" Talvez a resposta a essas perguntas nos assuste, porque no final nos leva a nos questionarmos e como aceitamos uma sociedade injusta. O futebol, como tudo o que move as massas, deve ser objecto de uma análise cuidada e séria, precisamente porque nos diz quem somos. Quando desprezamos o futebol, nos colocamos fora de nossa sociedade de forma irresponsável. Quando toleramos violência, homofobia, misoginia nos estádios, toleramos violência, homofobia, misoginia em nossa sociedade. O estádio é o espelho e o ginásio do que acontece lá fora. Neste quadro sombrio, porém, não podemos afastar a luz que emana do futebol, uma luz que atrai bilhões de pessoas a um espetáculo litúrgico, vivido de forma espiritual. É a luz da redenção de comunidades esquecidas e marginalizadas; é a luz dos heróis dessas comunidades, que não são divindades que desceram do céu, mas pessoas que "conseguiram" das periferias do mundo. Ontem assistimos ao culminar da extraordinária carreira de Lionel Messi, terceiro filho (de quatro) de uma trabalhadora e de uma faxineira. Ele mostrou algum talento futebolístico quando criança, mas aos 11 anos foi diagnosticado com hipopituitarismo, uma glândula pituitária com defeito, com consequências potencialmente graves para o crescimento e desenvolvimento. Nenhum clube na Argentina estava disposto a pagar os cerca de US$ 1.000 por mês necessários para tratar aquela criança, mas na Europa o Barcelona se ofereceu para apoiar seu tratamento, fazendo com que ele e sua família se mudassem para a Espanha. O grande sucesso como futebolista profissional no Barcelona fez com que fosse alvo de várias invejas, que o atingiram com comparações injustas: «Nunca serás como Diego Armando Maradona: ele era D10svocê no máximo é Pulga!» Ontem “A Pulga” Lionel Andrés Messi ergueu a Copa da FIFA aos céus. Será retórica, será fumo construído pelos patrocinadores, mas como não ver aquela luz que brilha apesar da corrupção, da hipocrisia e por vezes da gestão criminosa do futebol e da nossa sociedade? Pedro Ciaccio ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.