#WCC70.  O Conselho Mundial de Igrejas em Amsterdã para o 70º aniversário de sua fundação

#WCC70. O Conselho Mundial de Igrejas em Amsterdã para o 70º aniversário de sua fundação

Roma (NEV), 14 de agosto de 2018 – O ponto alto das comemorações do 70º aniversário do corpo ecumênico mundial acontecerá em Amsterdã, local da fundação do Conselho Mundial de Igrejas (CMI).

As comemorações, anunciadas oficialmente pelo secretário geral do CMI, o pároco luterano Olav Fykse Tveitem janeiro na igreja metodista de Chongwenmen em Pequim (China), teve várias etapas, incluindo a inauguração em Genebra durante a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, a conferência mundial em Arusha na Tanzânia e a homenagem do Papa Francisco na sede do CMI em junho passado .

“Feliz aniversário, na esperança de que nos próximos anos o CMI possa contribuir para dar passos significativos no caminho da unidade. Da unidade das igrejas assim como de toda a humanidade”, disse o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, pároco Luca Maria Negro na coluna ecumênica, aos microfones do Culto Evangélico transmitido no último domingo pela Rádio1 RAI.

A primeira assembléia do Conselho Mundial de Igrejas em Amsterdã, 1948 (foto CEC)

O evento de 23 de agosto inclui uma celebração na histórica Nieuwe Kirk, uma igreja do século XV, e contará com a presença do secretário Tveit, moderador do CMI Agnes Abuom e numerosos expoentes ecumênicos. Está programada também uma peregrinação juvenil “On the Move” e uma marcha pela paz com participantes, entre outros, da Coreia do Sul, Colômbia, Gana, Grécia, Holanda. Também no contexto do 70º aniversário, a Universidade Teológica Protestante organiza o simpósio “Hospitalidade no caminho da paz e da justiça”. As reuniões estão marcadas Mathilde Sabbagh do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano e com Mpho tutudiretor do Fundação Desmond e Leah Tutu na África do Sul.

O CMI reúne cerca de 350 igrejas ortodoxas, católicas antigas, anglicanas, batistas, evangélicas, luteranas, menonitas, metodistas, reformadas, igrejas livres independentes e algumas igrejas pentecostais, totalizando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

SAE formação ecumênica: o Deus dos pobres

Foto de Laura Caffagnini Roma (NEV), 26 de julho de 2019 - A sessão de formação ecumênica 2019 na Domus Pacis de Santa Maria degli Angeli em Assis termina amanhã com o tema "Deus escolheu os pobres aos olhos do mundo (Tg 2, 5) . As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra”, uma espécie de pesquisa ecumênica em duas edições, organizada pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE). Ontem o foco foi o “Deus dos pobres”. Durante uma celebração ecumênica envolvendo cerca de 200 participantes, migrantes, refugiados, sem-teto, mães que perderam seus filhos no Mediterrâneo e no deserto, prisioneiros em campos de detenção, que ainda estão no caminho para escapar da pobreza extrema. O tema do Deus dos pobres foi apresentado na manhã de meditação bíblica do padre bolonhês Mateus Prodi que comentou a passagem do Evangelho de Lucas sobre o chamado do rico Zaqueu, na verdade um pobre que procura ver Jesus ao entrar em Jericó. A seguir, conforme informa o comunicado da SAE, uma mesa redonda inter-religiosa cujo título foi inspirado em uma frase de Martinho Lutero: “Somos mendigos, isso é verdade”. Uma mesa para quatro vozes: judaica, Anna Foa, com intervenção remota; católico, Stephanie Monti; valdense, Paulo rico; muçulmano, Yassine Lafram. O teólogo valdense Paolo Ricca, decano do ecumenismo na Itália, relata novamente a SAE, comentando sobre Martinho Lutero, ele se deteve sobre a pobreza no sentido existencial, encontrando três sentidos para a afirmação do reformador: “Somos mendigos de sentido porque temos dificuldade de compreender . Tudo está envolto em mistério. Quanto mais prossigo e menos sei, mais o mistério se torna mais espesso. No final da vida, só Deus poderá iluminar o mistério”. Um segundo significado da frase de Lutero segundo Ricca é que o cristão é pobre em poder. Deus é o Deus dos pobres de poder, mas não no sentido mundano da palavra poder. Aqui está a ambivalência do discurso bíblico sobre o futuro. Por um lado, o próprio Jesus diz: “Todo o poder me foi dado”. Também é verdade que está escrito "Vocês receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês". E mesmo antes disso ele chamou seus discípulos para si e deu-lhes poder para expulsar os espíritos malignos. A outra promessa impressionante de Jesus mencionada por João é sobre o perdão dos pecados. Por outro lado, Jesus diz: "Sem mim nada podeis fazer". Estamos totalmente desamparados. Como sair dessa contradição? Ricca observa: “Não temos poder, mas temos o Espírito Santo e a Palavra, esta é a dialética. Não podemos fazer nada e podemos fazer tudo. Somos mendigos do poder de Deus em nós, estamos de mãos vazias”. Finalmente, “somos mendigos de graça, porque não temos mérito. A fé chegou até nós misteriosamente, 'contra' nós. Fomos levados cativos pela Palavra de Deus e aqui estamos. E nossas boas obras – como a zedaqah da qual falamos – foram preparadas por Deus para praticarmos. Os gestos de amor são uma iniciativa de Deus que nos introduz no reino da gratuidade onde já não há vanglória, arrogância ou orgulho. Porque 'aquele que se gloria, glorie-se no Senhor'”. Leia o comunicado de imprensa completo AQUI. ...

Ler artigo
A memória não é apagada

A memória não é apagada

Foto de Camila Cataldi Roma (NEV), 24 de janeiro de 2023 – “Precisamos dar um bom exemplo. É possível e desejável para o bem de todos fazer alguma coisa, não olhar para o outro lado. E para concretizar as ideias precisamos nos unir”. Vera Vigevani Jarach, "Partidário da Memória", expoente das Madres de Plaza de Mayo, jornalista e ativista, foi protagonista hoje de um encontro com estudantes do ensino médio romano, organizado com a contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense, União das Igrejas Metodistas e valdenses e em colaboração com a Associação 24 Marzo. Uma oportunidade de reflexão sobre o tema da memória, no dia e para o dia 27 de janeiro, Dia da Memória, de fato, e sobre o uso cuidadoso das fontes e a coleta de testemunhos. A reunião foi moderada por Valério Cataldijornalista da Rai e presidente da Associação Carta di Roma, e apresentado pela saudação de Marco Forneronepároco da Igreja Valdense na Piazza Cavour em Roma, que sediou a nomeação. No centro do diálogo, a experiência de Vigevani Jarach, que narrou sua vida até a realidade dos migrantes, dos “novos desaparecidos no mar Mediterrâneo”. Desde criança judia obrigada a emigrar para a Argentina, até a luta com as Mães da Praça de Maio: “Não éramos heroínas, só queríamos saber onde estavam nossos filhos. E nós estávamos com medo." Na sala adjacente ao templo valdense onde ocorreu o encontro, também foi montada uma exposição de objetos pertencentes às vítimas do naufrágio de 3 de outubro de 2013 em Lampedusa. A memória de Lampedusa. (Foto de Camilla Cataldi) Valerio Cataldi com Vera Vigevani Jarach Pastor Marco Fornerone Foto de Camila Cataldi Para saber mais: ...

Ler artigo
carta de jovens protestantes e católicos

carta de jovens protestantes e católicos

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2021 – A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) termina hoje. A Federação Juvenil Evangélica da Itália (FGEI) e a Federação Universitária Católica Italiana (FUCI) assinam um documento que representa o caminho comum dos jovens, em nível ecumênico. “Os desafios que tivemos de enfrentar ao longo do ano passado e no limiar deste recém-começado nos lembram o chamado que Jesus Cristo nos dirige a sermos unidade e agirmos juntos com uma urgência cada vez maior” escrevem FGEI e FUCI. Agradecendo "pelos frutos e passos partilhados no caminho do caminho ecuménico", os jovens e as jovens dos dois movimentos cristãos sublinham a alegria da partilha, que "nos leva a olhar em frente com esperança e com uma visão mais ampla, reconhecendo que aindahá muitos passos a dar: ainda há muitas motivações, os momentos que levam a uma separação ou a uma comunhão de forma, mas não de espírito. O encontro que lança as bases do diálogo teológico e da cooperação como trabalhadores na vinha do Senhor ainda precisa ser trabalhado e vivido”. O tema da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, «permanecei no meu amor: dareis muito fruto» (Jo 15,5-9), continua a carta, «convida-nos a reconhecer, para além do teológico, histórico e eclesiológico que nos caracterizam, a unidade do batismo como comumfonte da fé.Por isso, de fato, nos sentimos desafiados e desafiados a um chamado comum ao discipulado, vendo na comunhão fraterna e na troca de lugar para amadurecê-la e confirmá-la diariamente”. O documento enfoca a Palavra, a conversão, o acolhimento e o apoio mútuo. E, novamente, a criação: “poder cuidar dela, percebendo que fazemos parte de um projeto maior que nós”. O documento conclui com estas palavras: “O ritmo que marca estes oito dias nos convida a olhar e tomar consciência dessa parte desconhecida e inesperada que a pandemia do Covid-19 colocou diante de nós: a morte, o sofrimento, a desconfiança e o medo invadiram nossas vidas, mas sabemos que não podemos isolá-los, mas que devemos reconectá-los a todos aqueles aspectos de impotência e dificuldade real que foram expostos. Nossas comunidades têmredescobriu a fragilidade da existência, mas também a vulnerabilidade dos vínculos sociais, a precariedade dos sistemas econômicos e de saúde, a fragilidade das estruturas políticas e sociais.Limites estruturais diante dos quais não queremos encalhar, mas que queremos trazer para a força transformadora da oração, começando por reconhecer o nosso papel nesta crise. Mas confiamos que podem ser também os lugares de onde partir para uma nova realidade para viver e uma nova consciência da proteção do bem supremo. Como ramos da única videira na qual somos chamados e somos chamados a viver, para juntos podermos dar fruto e vivê-lo em vista da reciprocidade e da caridade. Este poderia ser outro trecho de estrada para compartilhar? Concordamos em responder 'sim'”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.