20 de agosto.  O Sínodo Valdense começa em Torre Pellice

20 de agosto. O Sínodo Valdense começa em Torre Pellice

Casa Valdense, sede do Sínodo das igrejas Metodista e Valdense. Torre Pellice (Turim)

Roma (NEV/CS17), 16 de agosto de 2023 – O Sínodo das Igrejas Metodista e Valdense terá início no domingo, 20 de agosto, em Torre Pellice (Turim). Inicia-se com a habitual procissão, desde a casa valdense até ao templo onde se realiza o culto de abertura, às 15h30. A pregação é confiada ao pastor Sérgio Maná. As obras decorrem de 20 a 25 de agosto. A habitual noite pública (segunda-feira, 21 de agosto, às 20h45, no templo valdense de Torre Pellice) tem como título: “Opressão, resiliência, transformação: mulheres no espaço público”.

O Sínodo reúne 180 delegados de toda a Itália e representa o órgão máximo de decisão e democrático para estas igrejas históricas.

Temas

Entre os principais temas deste Sínodo 2023 estão o compromisso da Igreja na sociedade, a fé, a ética, o papel da mulher nos ministérios e na vida política, religiosa, social e cultural. Outro compromisso importante sobre o qual o Sínodo irá delinear as linhas de trabalho para o próximo ano está em preparação. Na verdade, 2024 será um marco fundamental para os valdenses, que celebrarão o 850º aniversário do nascimento, em Lyon, do Pedro Valdo.

Convidados

O Sínodo deste ano regista um elevado número de convidados de toda a Itália e do estrangeiro. Foram convidadas diversas personalidades religiosas e leigas, entre as quais o teólogo e pároco Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O pastor Gênero João Pedro, Presidente da Conferência das Igrejas Protestantes dos Países Latinos da Europa. O Decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), pároco Carsten Gerdes. O presidente da Federação das Igrejas Pentecostais, pastor Alfredo Giannini. A pastora Mirella ManocchioPresidente da Federação de Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI).

Também entre os convidados estavam representantes da Igreja da Escócia (Igreja da Escócia) e da Sociedade Valdense de Ajuda Missionária, da Igreja Evangélica Alemã (Evangelische Kirche em Hessen und Nassau), da Sociedade Valdense Americana e da Igreja Metodista Unida. Mais uma vez, representantes religiosos da Áustria, Bélgica, Alemanha, Grã-Bretanha, Holanda, Portugal, República Checa, Estados Unidos, Suíça e Hungria.

O moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trotta, será convidado do Culto Evangélico no próximo domingo | Rai Radio 1 entrevistado por Gian Mário Gillio. É possível solicitar entrevistas, materiais, fichas informativas escrevendo para [email protected] – A agência NEV estará presente em Torre Pellice como assessoria de imprensa do Sínodo.


Eventos paralelos:

18 de agosto

Jornada Teológica “John Miegge”

19 de agosto

Os jovens pré-Sínodo (nev.it)

O pré-Sínodo das mulheres (nev.it)

Par ou ímpar? Uma questão de gênero. 19 de agosto com a Diaconia (nev.it)

31 de agosto

Mattarella na Torre Pellice em agosto. O sonho pró-europeu nasceu aqui. (nev.it)


Para saber mais:

FORMA. Igrejas Metodistas e Valdenses na Itália – Novembro

FORMA. Os Valdenses – Novembro

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conselho Ecumênico na Itália, “acolhimento e dignidade das pessoas”

Conselho Ecumênico na Itália, “acolhimento e dignidade das pessoas”

Foto Marcelo Schneider/WCC Roma (NEV), 25 de maio de 2022 – Últimas horas na Itália para a delegação do Conselho Mundial de Igrejas (CEC em italiano, WCC em inglês). “O Conselho Mundial de Igrejas, no âmbito da Peregrinação de Justiça e Paz, quis organizar uma visita à Itália sobre a questão dos migrantes e pediu o envolvimento do CCME e da FCEI – explicou um dos chefes da delegação, Torsten Moritz, secretário geral da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME) – . Fomos primeiro a Palermo, depois a Lampedusa e Roma, para entender como as igrejas interagem com os migrantes e as migrações. Há aspectos de trabalho prático e social, que vimos por exemplo em Palermo, mas também o compromisso ecumênico, até o acolhimento de pessoas que chegam à Europa desembarcando em Lampedusa, por exemplo. Ou a comemoração de pessoas que já faleceram. É um trabalho muito importante, não só do ponto de vista prático, mas também do ponto de vista espiritual: dar um nome e um rosto a pessoas que muitas vezes são esquecidas. Outra coisa fundamental desta delegação é que ela inclui representantes que vêm de vários cantos do mundo, das Filipinas, Hong Kong, Canadá, Quênia. As pessoas com quem partilhei a viagem poderão então regressar aos seus países e testemunhar esta experiência, convidando os seus colegas e os expoentes das suas igrejas a virem à Europa e esperamos que todos encontrem "braços abertos" e não "portas fechadas". É um encorajamento para as igrejas, significa ver com os próprios olhos a importância do nosso trabalho, especialmente para as nossas igrejas: somos uma minoria, mas realizamos muitas iniciativas e projetos, tentando ajudar as pessoas mais pobres e vulneráveis ​​e em neste sentido, servir a Deus". Foto de Marcelo Schneider/WCC Para o outro chefe da delegação, membro da Igreja Anglicana do Quênia, Agnes Regina Murei Abuoma visita à Itália foi uma “experiência aberta e enriquecedora, aprendemos muito e também compreendemos o compromisso das Igrejas sobre a questão dos migrantes e sobre os novos desafios” que haverá em relação a este fenômeno. Mudando de assunto, e tendo em vista as eleições gerais a realizar no Quénia a 9 de Agosto, "Infelizmente todas as eleições comportam o risco de violência mas a sociedade civil está muito envolvida e o diálogo continua com a classe política, para não repetir o vive experiências negativas nos últimos anos. Mas esperamos e acreditamos que podemos ser e viver em um país um pouco mais pacífico do que no passado”, acrescentou Agnes Regina Murei Abuom (neste artigo da BBC, uma visão interessante sobre a relação entre igrejas e política no Quênia, ed). Ontem, a delegação se reuniu com o subsecretário de Estado Ivan Scalfarotto e foi convidado da Comunidade de S. Egidio em Trastevere, entre outros eventos institucionais e ecumênicos. Hoje termina a missão e os participantes partirão de Roma. Aqui o artigo de Marcelo Schneider do site do Conselho, na primeira parte da visita à Itália. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Meio Ambiente, jovens cristãos pedem justiça climática

Li-An Lim, não salpique Roma (NEV), 5 de julho de 2022 – Em novembro de 2021, um grupo de jovens ativistas se reuniu durante a COP26, a Cúpula do Clima das Nações Unidas, em Glasgow, para explorar possibilidades de trabalho conjunto rumo à COP27 a ser realizada no Egito. Durante estes encontros, explicam os promotores, “percebeu-se um forte sentido de energia e entusiasmo em juntar esforços para ter um maior impacto nas questões relacionadas com a justiça climática”. Este grupo de ativistas de várias denominações, organizações e países reunia-se regularmente para dar forma à campanha “Clima SIM”. “Como jovens ativistas climáticos cristãos, com idades entre 18 e 30 anos, sentimos a necessidade de responsabilizar os líderes políticos pelas decisões e promessas feitas na COP26. Ao nos unirmos, queremos compartilhar nossas preocupações ambientais e aprofundar o vínculo comum de nossa fé. Queremos criar uma comunidade climática jovem ecumênica global, que incluirá representantes do Norte e do Sul globais. Refletiremos sobre COPs anteriores (Cúpulas do Clima da ONU) e COY (Conferência do Clima para Jovens) e falaremos conjuntamente com uma voz global para representantes políticos sobre o que acreditamos que precisa ser feito no futuro. Queremos criar uma plataforma ecumênica global da juventude sobre o clima, incluindo representantes de todos os continentes, do Norte global e do Sul global”, explica ele. Irene Abbragerente de projetos internacionais na Itália, ex-pessoa de contato do projeto Young Methodist para a COP26. Em preparação para a COP27 que este ano será realizada no Egito, em Sharm El-Sheikh, de 7 a 18 de novembro de 2022, na qual se espera a participação do Climate YES, a coordenação da campanha está organizando eventos em todos os continentes: Europa, África, Ásia, Ilhas do Pacífico, América do Norte e América do Sul. Nos dias 16 e 17 de setembro de 2022 (o programa seguirá em breve), o evento nacional italiano será realizado em Milão, na Chiesa del Carmine, que será conectado simultaneamente com os outros eventos que ocorrerão na Europa e na África. O evento ecumênico envolve o envolvimento de organizações juvenis evangélicas e católicas e estará aberto à participação intergeracional e leiga. ...

Ler artigo
Ucrânia, o compromisso da FCEI – Nev

Ucrânia, o compromisso da FCEI – Nev

foto CESVI @Spucches Roma (NEV), 20 de fevereiro de 2023 – A participação no reinício de seis creches e um projeto de ponto de aquecimento são as duas atividades financiadas pela Federação das Igrejas Evangélicas Italianas na Ucrânia, graças à colaboração com a Fundação CESVI. Ambas as intervenções foram realizadas em Bucha, uma cidade geminada com o município de Bergamo que, novamente graças à Fundação CESVI, participa ativamente na reconstrução da cidade a noroeste de Kiev. Apagões frequentes, combinados com custos crescentes de fornecimento de gás e eletricidade, além da condição de prédios danificados por bombas, expõem milhares de pessoas às condições extremas do inverno. O CESVI criou, portanto, graças à contribuição da FCEI com o Otto per mille Waldensian e o Município de Bergamo, 11 pontos de aquecimento, estruturas aquecidas onde a população civil pode se refugiar durante o dia para se aquecer, conectar-se à Internet, receber alimentos e bebidas quentes. Dentro dos pontos de aquecimento também são fornecidas as necessidades básicas: leite, barras energéticas, papinhas para crianças menores de 3 anos, biscoitos, açúcar, chá e café. Trata-se, portanto, de unidades móveis constituídas em colaboração com a administração local, nomeadamente em algumas zonas próximas de escolas para poderem utilizar as instalações sanitárias e os abrigos de proteção em caso de ataques com mísseis. Eles têm uma área de pelo menos 17 metros quadrados e podem ser usados ​​por mais de 20.000 pessoas que poderão se refugiar durante as horas de apagão e receber alimentos e bebidas quentes. Eles serão equipados com sistemas de aquecimento que podem ser alternados entre eletricidade, madeira e gás, dependendo da disponibilidade. Além disso, com o fornecimento de lençóis e colchões, o projeto também previa a reorganização e recuperação das áreas de descanso das creches da cidade, atendidas por cerca de 500 crianças, que foram ocupadas durante a invasão da área e utilizadas como base apoiada pelo Militar russo, e por isso precisava de reposição de todos os materiais, desde camas a lençóis passando por material didático. Também neste projeto, a FCEI tem contribuído financeiramente para apoiar a atividade do CESVI. Enquanto isso, 24 de fevereiro fará um ano desde o início da guerra. De acordo com as últimas estimativas do escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, há mais de 7.000 vítimas entre os civis ucranianos. Quase oito milhões de pessoas fugiram do país. “Estamos próximos da população ucraniana – declara Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – Não esqueçamos os sofrimentos sofridos e todas as dificuldades de quem teve que deixar seu país. E daqueles que estão tentando reconstruí-lo e terão que continuar a fazê-lo. Por isso, temos o prazer de colaborar com uma ONG como o CESVI, presente nessa área, para dar nossa contribuição e ajudar as pessoas de forma concreta. Continuaremos a apoiar mulheres, homens, crianças, na Ucrânia, bem como em qualquer outra situação de guerra, crise, pobreza". “Ao medo das bombas soma-se outro perigo: o frio. A Organização Mundial da Saúde estima que até três milhões de pessoas poderiam deixar suas casas em busca de lugares mais quentes e seguros. Graças ao apoio da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, esperamos atingir cerca de 20.000 pessoas, principalmente mulheres, crianças e idosos - declara Roberto Vignola, vice-diretor geral da Fundação CESVI – Nossa equipe de emergência atua no distrito de Bucha com base operacional, desde maio de 2022, para a promoção de atividades e iniciativas voltadas principalmente para os mais vulneráveis. O reinício dos jardins de infância quer ser o símbolo da esperança de que possamos voltar à normalidade mesmo em pleno conflito e que cada criança, graças a este gesto, possa encontrar o seu quotidiano feito de companheiros, professores, sonhos e projetos de crescimento”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.