Temporada da Criação 2023. O Dossiê da Comissão GLAM

Temporada da Criação 2023. O Dossiê da Comissão GLAM

A Penitente Madalena de Bartolomé-Esteban Murillo

Roma (NEV), 5 de junho de 2023 – Como todos os anos, a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) propõe o “Dossiê para o Tempo da Criação”. Este ano o título é “Conversão – abraçando a mudança”. Ele contém materiais litúrgicos e insights que as igrejas e pessoas interessadas podem consultar e usar livremente.

O versículo escolhido para acompanhar o tema é retirado de Oséias 6, 1-3.

<< E eles dirão: 'Vinde, voltemos ao Eterno, porque ele nos despedaçou, mas ele nos curará; ele feriu, mas ele nos amarrará. Em dois dias ele nos dará vida novamente; ao terceiro dia nos porá de pé, e viveremos na sua presença. Conheçamos o Eterno, esforcemo-nos por conhecê-lo! Seu nascer é certo, como o da aurora; ele virá a nós como a chuva, como a chuva da primavera que rega a terra'.>>

O ponto de partida que animou as reflexões, explica GLAM, é o documento divulgado pela Assembleia do Conselho Ecumênico de Igrejas (CEC) 2022 “O Planeta Vivo – por uma comunidade global justa e sustentável” que abre com estas palavras: “Juntos acreditamos… a terra é do Senhor e tudo o que ela contém… Uma compreensão antropocêntrica estreita de nossa relação com a Criação, que deve ser revisada em uma compreensão de toda a vida, para alcançar um ecossistema global sustentável. Somos todos interdependentes em toda a criação de Deus.Como o amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade, somos chamados à metanóia e a uma relação renovada e justa com a Criação, que se expressa na nossa vida prática”.

“Conversão”, escreve GLAM, é “um tema complexo porque está exposto a uma infinidade de temas entre os quais escolhemos alguns: somos chamados a uma conversão à justiça, ao bem-estar global, às fontes renováveis ​​e à linguagem”.

Para além dos dossiês anteriores, este ano existe uma secção de testemunhos “que consideramos aberta a contribuições que qualquer pessoa pode enviar e que serão recolhidas juntamente com o dossiê”.

Download: Tempo de Criação – Dossiê 2023.

O Dossiê GLAM está disponível desde 5 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente, simultaneamente com o lançamento do Guia Oficial das Celebrações do Tempo da Criação 2023. Líderes religiosos ecumênicos de todo o mundo, justamente neste dia, apresentaram o Guia e celebraram a preparação para este tempo litúrgico. O Tempo da Criação acontece de 1º de setembro a 4 de outubro e envolve cristãos de todo o mundo e de todas as tradições, que rezam e agem para proteger o meio ambiente. O título desta edição, mundial, é: “Que a justiça e a paz fluam”.

Também nesta data, a Comissão Mundial de Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC) lançou sua Década pela Justiça Climática. Fê-lo durante um webinar centrado no tema: “Aprender com a terra: testemunhar a justiça climática”.

Para mais informações e para compartilhar suas histórias de conversão no Dossiê GLAM, escreva [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A experiência produz esperança”.  Apoiar redes de mulheres e comunidades

“A experiência produz esperança”. Apoiar redes de mulheres e comunidades

Foto por notas de thanun / Unsplash Roma (NEV), 20 de março de 2023 – A Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM) inicia, no dia 23 de março, em Florença, quatro dias de encontros para mulheres evangélicas e protestantes, mas não só. Na ordem do dia, entre outras coisas, a eleição do novo Conselho do BCE (agendada para 24 de março). Seguiu-se o Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) de 25 a 26 de março. Também estão agendadas duas mesas redondas públicas (detalhes no final da página). Gabriella Rustici Nós conversamos sobre isso com Gabriella RusticiPresidente da FFEVM: “Há muitas mulheres nas igrejas, mas elas não sentem a necessidade de estar juntas como antes, para fortalecer seu ser dentro da igreja. Muitos deles podem pensar que não têm tempo, mas com nosso congresso queremos reverter essa preocupação. Na verdade, a federação de mulheres valdenses e metodistas apóia todas as mulheres nas igrejas”, explica o presidente Rustici. Como? “Oferecendo ferramentas essenciais de formação, desde notícias teológicas, lidas e vivenciadas, à exegese bíblica, à formação específica sobre tarefas e papéis. Com nossas atividades temos contribuído para repensar o cuidado, entendido não como um 'acessório feminino', mas como uma forma de interpretar e viver em pólisportanto, como um ato político”. A FFEVM propôs recentemente várias reuniões de norte a sul. Entre elas, a conferência "Ambiente, trabalho e território" no Christian Service, na Sicília. E então “Ore, conte, pregue. Teologia feminista no devir das comunidades”, em Ecumene (Velletri, província de Roma). O encontro sobre as associações de mulheres nas igrejas, em Torre Pellice (na província de Turim). Escutando os territórios “Como crentes, mulheres valdenses e metodistas, nos interessamos pela teologia na formação de comunidades circulares. Estamos interessados ​​em rezar juntos, contar histórias e ouvir. Isso ajuda a fortalecer as atividades da comunidade e também dos pastores. Perguntamo-nos, por exemplo, se o pastorado feminino deveria ser totalmente igual ao masculino. O debate está aberto”, continua Gabriella Rustici. Outro nó fundamental diz respeito a como responder e ajudar as comunidades em suas diversas necessidades organizacionais: “Uma igreja pequena pode ter dificuldade em organizar uma reunião ou uma atividade. A Federação pode apoiar comunidades individuais. Nossa indicação mais forte neste momento é fazer alianças entre as igrejas. O circuito [insieme di chiese territoriali, ndr] é um elemento importante de nossas igrejas e deve ser valorizado. Desde a possibilidade de organizar sermões conjuntos até catequese. Aliás, já há catequese no circuito”. Apoiar redes de mulheres e comunidades Em suma, a Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas pretende “Apoiar as redes. Os grupos estão bem, os sindicatos de mulheres estão bem, mas é preciso criar redes territoriais, em sintonia com o que poderíamos chamar de um movimento de repensar os módulos organizacionais. Há algum tempo ouvimos falar disso e talvez seja a hora de fazê-lo. Não se pode viver comunidade a comunidade”. O Presidente Rustici nos convida então a redescobrir o “contato vivo com as igrejas, no sentido de estarmos juntos fisicamente”. Trabalhar durante a pandemia, “em condições absolutamente diferentes das vividas no século passado – continua Rustici – não nos impediu de organizar múltiplas atividades. No entanto, certas questões exigem uma discussão aberta e a presença do nosso corpo. Pensemos, por exemplo, nas questões relativas à superação da violência contra a mulher”. Em virtude desse novo desejo de estar juntos, o tema do encontro da FFEVM é justamente o versículo “A experiência produz esperança” (Romanos 5, 4). “Toda a igreja precisa florescer e se abrir” “Toda a igreja precisa florescer e se abrir. Se a igreja em crise quer se renovar, também é bom se reunir nas garagens, nas praças, nas estações. Não faz sentido chorar porque somos poucos. Uma nova história de evangelização se abre para nós – prossegue o presidente -. A pandemia nos mudou, para melhor ou para pior. Agora, com humildade, coragem e esperança, podemos seguir em frente. Relembrando as uniões de mulheres, para mim que sou apaixonada pelos antigos bordados de nossas mulheres, penso em quantas antes de nós fizemos, lavamos, passamos e engomamos guardanapos. Eram as empresas de costura do início do século XX. Hoje estamos nos anos 2000 e podemos trazer esse ardor para o nosso tempo”. Semear de graça, sem necessariamente esperar para ver os frutos E à nossa pergunta sobre a presença dos jovens, Gabriella Rustici conclui: “Acho que temos que ir além da questão geracional. Sim, nossos meninos e meninas, até filhos e filhas de pessoas da igreja, confirmam e desaparecem. Devemos ter a linguagem dos jovens? Educá-los? Não é correndo atrás da juventude que se resolve. Em vez disso, devemos ser como alguém que semeia uma semente. Somos uma comunidade de fé onde a esperança pode ser encontrada desde o berço até a velhice. Somos uma minoria, é verdade, mas isso é relevante? O cristianismo hoje dá esperança? Tem o frescor que você precisa? A esperança protestante, a esperança evangélica, é a certeza das coisas que se esperam. Em cada semente que plantamos. Enquanto isso vamos semear, essa é a nossa vocação no mundo, desde a ética protestante do trabalho até todos os outros grandes temas contemporâneos. Ser 'semeador', como diz a histórica revista protestante de evangelização. Podemos não colher, mas acho que não devemos ter tanto orgulho de nós mesmos a ponto de querermos ver os frutos. Quem ensina sabe disso. Ensina-se, como um dom gratuito que não se sabe que rumos vai tomar e onde vai brotar”. Os congressos FFEVM e FDEI acontecerão em Florença de 23 a 26 de março. “A escolha de uma fórmula 'combinada' – lê Riforma.it – é motivada pela necessidade de conter custos, mas também para facilitar a participação em ambos os congressos”. Aqui o programa completo: Congresso de Cartazes. ...

Ler artigo
Há cinco anos em Turim, um dia histórico

Há cinco anos em Turim, um dia histórico

Moderador Eugenio Bernardini e Papa Francisco no templo de Turim, 22 de junho de 2015 Roma (NEV), 22 de junho de 2020 – Um dia histórico: assim descrevi o evento de segunda-feira, 22 de junho de 2015, em Turim, cinco anos atrás, para esses mesmos microfones, quando pela primeira vez um papa cruzou a soleira de um templo valdense , local de culto de uma igreja que aderiu à Reforma Protestante em 1532, relembrando mais de três séculos de vida e perseguições, como um movimento evangélico centrado na pobreza e na pregação gratuita do Evangelho. “Em nome da Igreja Católica – disse o Papa Francisco no templo valdense de Turim – peço seu perdão pelas atitudes e comportamentos não cristãos, até mesmo não humanos, que, na história, tivemos contra você. Em nome do Senhor Jesus Cristo, perdoe-nos!”. Esse pedido de perdão, declarou o então moderador da Mesa Valdense, pároco Eugênio Bernardini, “nos tocou profundamente e nós o acolhemos com alegria. Naturalmente, o passado não pode ser mudado, mas há palavras que a certa altura precisam ser ditas, e o Papa teve a coragem e a sensibilidade de dizer a palavra certa”. Um dia histórico, portanto: cinco anos depois podemos certamente confirmá-lo. Também pela franqueza fraterna e pela qualidade dos discursos proferidos pelas duas partes. Particularmente importante, no discurso do Papa Francisco, é a afirmação de que “a unidade que é fruto do Espírito Santo não significa uniformidade. Na verdade, os irmãos compartilham a mesma origem, mas não são idênticos entre si. Isso fica muito claro no Novo Testamento, onde, embora todos aqueles que compartilharam a mesma fé em Jesus Cristo sejam chamados de irmãos, entende-se que nem todas as comunidades cristãs a que pertenciam tinham o mesmo estilo ou uma organização interna idêntica. Com efeito, dentro de uma mesma pequena comunidade podiam-se discernir diferentes carismas (cf. I Cor. 12-14) e também no anúncio do Evangelho havia diferenças e às vezes contrastes (cf. At 15, 36-40). Infelizmente aconteceu e continua acontecendo que irmãos não aceitam suas diferenças e acabam fazendo guerra entre si”. Com estas palavras, o Papa mostrou que aceitava plenamente uma ideia de ecumenismo - definida como "diversidades reconciliadas" - que está a anos-luz daquele "ecumenismo de retorno" (o regresso a Roma dos "irmãos separados") que caracterizou abordagem católica até algumas décadas atrás. A visita do Papa Francisco ao templo valdense em Turim abriu novos horizontes para a colaboração ecumênica na Itália; poderíamos citar como exemplos o fato de que desde 2016 as conferências ecumênicas nacionais da Conferência Episcopal foram organizadas em conjunto com protestantes e ortodoxos, ou a iniciativa ecumênica de corredores humanos promovida pela Federação de Igrejas Evangélicas e a Comunidade de Sant'Egidio. Claro, ainda há um longo caminho a percorrer; mas, para citar a saudação de despedida do diácono Alessandra Trotta (que era então presidente da Obra Metodista e hoje é o novo moderador da Mesa Valdense) devemos continuar caminhando juntos “com esperança, para levar esperança”. ...

Ler artigo
Afeganistão.  As histórias do povo

Afeganistão. As histórias do povo

Roma (NEV), 29 de novembro de 2022 – A vida após 15 de agosto de 2021 tornou-se um "pesadelo". Mohammad repete isso várias vezes enquanto fala sobre como o Afeganistão mudou com o retorno do Talibã. Ele os chama de "monstros". Ele tem dois livros na mesa de cabeceira do quarto onde mora com sua família, um é um livro de medicina, seu trabalho em Cabul, o outro é "Italiano para leigos", para aprender o básico do italiano, tendo em vista a partida . Não há livros, mas folhas para desenhar na casa da segunda família que encontramos: são dois filhos pequenos, um casal, uma irmã adulta. Outros parentes moram nas proximidades. São um grande núcleo, vêm da província de Bamiyan, no centro do Afeganistão, onde em 2001 as estátuas de dois Budas foram destruídas pelos talibãs. Eles nos oferecem um chá de açafrão. Pergunto-lhe como é que os pais se conheceram: “somos primos”, eles respondem, coram e sorriem, “ela passava por baixo da minha janela e reparei nela”. Será o único momento em que a história deles não será tensa, difícil, dura. Eles são da etnia hazara, assim como outro grande núcleo que encontramos em um apartamento a alguns quilômetros de distância, em Islamabad. Marido, esposa e filha de poucos meses, avô e avó, ambos muito pequenos, e mais quatro filhos, pouco mais que adolescentes. É ciclista mas também fotógrafo (com 12.000 seguidores no instagram): vendeu a bicicleta, quer saber quando poderá voltar a correr. Não era possível praticar esportes sob o Talibã. E não era possível ou seguro para ele continuar morando no Afeganistão, porque ele treinou as meninas. A mãe sempre esteve envolvida na política, a nível local e regional. Toda a família tem uma história de engajamento e ativismo. Em uma mala, ao se preparar para o voo para a Itália, trouxeram toda uma louça. Foto de Niccolo Parigini O Sr. Sediqi, nascido em 1956 e com vários problemas de saúde, viajou de carroça para cruzar a fronteira. Ele foi jardineiro anos atrás e reencontra a família que já está na Itália. Tem sido acompanhado nos últimos meses – superando obstáculos de todo o tipo e várias vicissitudes – por um rapaz de apenas 17 anos, que essencialmente se encarregou dele. “Viramos uma família”, disse, olhando para o smartphone, como qualquer adolescente. Ele abraçou sua mãe, que havia conseguido partir em julho passado com o primeiro vôo dos corredores humanitários, em Fiumicino, alguns dias depois de nosso encontro, ela trouxe para ele uma poinsétia. Ele vem de Bamiyan - que era "famosa pelos direitos humanos, pela participação das pessoas na vida pública, um dos centros mais democráticos e avançados do país" - HS, jornalista, fotojornalista, ativista de direitos humanos, também trabalhou como intérprete e fixadores. Ele conta de muitos colegas que ficaram lá e não conseguiram se comunicar. “Depois de 2001 eu tinha esperança de que nosso país pudesse ser um lugar de liberdade e eu estava fazendo todo o possível, como ativista, para que isso acontecesse, mas com a chegada do Talibã perdemos tudo, tudo o que conquistamos em termos de direitos. ", explica. As mulheres não podem “participar da vida pública, ir à escola, não podem fazer nada”, as minorias “são alvos, constantemente em perigo”. Quem protesta é. Ele fala de "tortura pública", julgamentos sumários, negação de todos os direitos. “O Afeganistão será um problema para o mundo inteiro se as coisas continuarem assim: precisamos acabar com essa ditadura, apoiar verdadeiramente os valores dos direitos, e não com slogans”, conclui. Foto de Niccolo Parigini Nisar, que ensinava inglês para meninas em Cabul, também fala de mulheres e por isso teve que fugir. Mora com a mãe, ela gostaria de se colocar à disposição dos outros, trabalhou em salão de beleza quando era mais nova, diz saber costurar e cozinhar, principalmente o Bor pilau, prato feito com arroz e carne. “Tive que me esconder, mudei de casa e de endereço constantemente, até conseguir chegar ao Paquistão”, explica o filho. Porque "ninguém sabe o que realmente está acontecendo naquele país, agora", acrescenta Hakim Bawar, um jovem que partirá com seu irmão para Roma, que trabalhou durante anos com organizações locais e internacionais, ONGs, pelos direitos humanos. “Acredite ou não, às vezes penso que teria sido melhor morrer no Afeganistão, com meu povo, do que fugir. Existem milhões de pessoas que não têm escolha, têm que ficar lá. Mulheres. Que hoje elas não têm chance, senão de sofrer, senão de serem submetidas à violência”. E ele aponta o dedo para os governos ocidentais. “As pessoas se sentiram traídas. Mulheres, milhões de mulheres, foram entregues nas mãos do Talibã, é um inferno para elas. O Oeste? Vieram há vinte anos e prometeram-nos democracia, prosperidade e, em vez disso, trouxeram-nos o Talibã”. O que deveriam, poderiam, os países europeus, o Ocidente, de fato, fazer? "É tarde demais. Não confiamos mais neles." O projeto dos corredores humanitários do Afeganistão é realizado por: Federação de Igrejas Evangélicas (FCEI), Tavola Valdese, Arci, Caritas, Sant'Egidio, OIM. Os corredores humanitários das igrejas evangélicas são financiados pelo Otto per mille das igrejas metodistas e valdenses; o acolhimento dos beneficiários é administrado e executado pela Diaconia Valdense e pela FCEI. Para maiores informações: do Programa de Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes na Itália, Mediterrâneo Esperança) e Nota do editor, os nomes das pessoas entrevistadas foram alterados, aparecem apenas como siglas ou não estão completos com nome e sobrenome por motivos relacionados à sua segurança e à vulnerabilidade de suas situações, de suas famílias e daqueles que permaneceram no Afeganistão. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.