#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

Roma (NEV), 17 de janeiro de 2020 – Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos em Lampedusa como sinal de boas-vindas.

Um momento ecumênico de oração acontecerá na ilha siciliana na próxima sexta-feira, 24 de janeiro, às 18h, na paróquia de San Gerlando. Ele falará pela Federação das Igrejas Evangélicas na Itália marta bernardiniWaldensian, operador do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, que trabalhou alguns anos na ilha.

“Pela terceira vez – declara Marta Bernardini – estamos organizando um evento ecumênico em Lampedusa para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Todos os anos procuramos oferecer não só um momento de oração e reflexão, mas também uma oportunidade de envolver as pessoas. Em 2019, por exemplo, distribuímos folhetos com frases a partir do tema escolhido, que foi “Tente ser verdadeiramente justo”, notas que por sua vez os participantes da oração deveriam deixar ou endereçar a alguém”.

Este ano, o tema “Eles nos trataram com bondade” foi escolhido pelas Igrejas de Malta e é retirado de uma passagem dos Atos do Apóstolo Paulo, que conta como ele foi acolhido pelos malteses.

“Eles propõem o naufrágio de Paulo nos capítulos 27 e 28 do livro de Atos – explica a pastora valdense maria bonafede em Riforma.it hoje – , do navio em que o apóstolo Paulo é um dos prisioneiros que os centuriões romanos devem trazer para Roma, naquelas mesmas águas dos naufrágios dos últimos anos. Um naufrágio de 276 pessoas, incluindo marinheiros que são contrabandistas, e estão prontos para escapar do barco para se salvar, votando todos os outros até a morte; os prisioneiros, incluindo Paulo, que seriam julgados em Roma; os soldados, centuriões romanos, que planejam matar todos os prisioneiros para não deixá-los escapar, exceto um deles que tomou o apóstolo sob sua proteção e que, para salvar Paulo, evita o massacre dos outros e insta todos se joguem do navio que entretanto encalhou num banco de areia: primeiro os que sabem nadar, depois os outros que se agarram aos destroços do navio. “E assim aconteceu que todos chegaram sãos e salvos à terra” (27, 44). O autor do texto bíblico registra que havia 276 naquele navio, um número verdadeiramente grande de pessoas, um número semelhante aos dos últimos anos, nas mesmas costas, nas mesmas rochas”.

Assim, as migrações estão no centro da reflexão ecumênica de 2020, um fio vermelho que liga Malta à outra ilha, local de desembarque de muitas pessoas, ambas envolvidas diariamente no acolhimento daqueles que são obrigados a seguir a rota marítima para fugir da Líbia ou de outros países do outro lado do Mediterrâneo.

“Para nós é muito significativo – explica Marta Bernardini – organizar e promover este evento ecumênico em Lampedusa, um lugar que é precisamente o emblema da acolhida dos migrantes e, infelizmente, também dos naufrágios de tantas mulheres, crianças, homens que morreu no Mediterrâneo. É também uma forma de testemunhar a nossa presença na ilha, onde estamos envolvidos desde 2014 com o observatório das migrações e onde tentamos, todos os dias, colocar em prática aquela “gentileza” com quem desembarca na ilha. Um momento importante, junto com o aniversário de 3 de outubro, da obra ecumênica que realizamos em Lampedusa com dom Carmelo la Magra“.

Amanhã, sábado 18, em Cagliari, para a abertura da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, haverá outro encontro com marta bernardiniintitulado “Viagem, desembarque e hospitalidade: práticas ecumênicas”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Daniele Garrone: “Pensar na liberdade”

Daniele Garrone: “Pensar na liberdade”

Foto DODJI DJIBOM / Unsplash Roma (NEV), 16 de fevereiro de 2022 – Também neste ano, em muitas localidades, a “Semana da Liberdade” se desenvolveu em torno da tradicional festa valdense de 17 de fevereiro, aniversário da concessão, em 1848, dos direitos de cidadania aos valdenses da Reino da Sardenha (e depois, em 29 de março do mesmo ano, para os judeus), é uma ocasião de reflexão e mobilização. Entre as iniciativas agendadas, para além das tradicionais fogueiras e cultos, estão vários encontros sobre os temas da liberdade, responsabilidades individuais e coletivas, direitos humanos, livre informação. Destacamos em particular o encontro agendado para Florença, quinta-feira, 17, sobre o tema “Liberdade na responsabilidade. A laicidade do estado na sociedade plural”, com Valdo Spini, Daniele Garrone E Alessandro Martini. Em Milão, porém, a videoconferência intitulada "Liberdade religiosa na Itália: uma questão não resolvida", com Ilaria Valenzi. Na agenda NEV todos os detalhes e outros compromissos na Itália. Perguntamos ao presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Daniele Garrone, sobre o significado da palavra "liberdade" na véspera deste aniversário. Abaixo está o seu reflexo. Por que tematizar a liberdade e fazê-lo em conexão com um acontecimento do passado? Em primeiro lugar porque a liberdade precisa da memória: é preciso saber o que é viver sem liberdade, é preciso saber o que foi preciso para ela existir. A liberdade nasce de uma libertação. Por exemplo, a abolição de um gueto, seja ele feito de muros, fronteiras ou discriminação. A memória da libertação não é apenas fundamental para as minorias, mas é um elemento essencial da consciência civil. Devemos recordar que as liberdades e os direitos de que hoje gozamos - sancionados, por exemplo, nas cartas constitucionais das democracias europeias - foram afirmados em reacção às ditaduras fascista e nazi, aos nacionalismos racistas e foram colocados na base de uma reconstrução sobre as ruínas de a segunda Guerra Mundial. A memória da liberdade, a história dos erros e horrores que se venceram e das conquistas que se fizeram necessárias é parte essencial da cultura da cidadania e da postura do cidadão. A começar pela escola. Pensando na liberdade A memória da liberdade é uma memória exigente. A liberdade certamente deve ser desfrutada, mas ser livre traz consigo uma vocação, a de ver também quem ainda não tem liberdade, quem não a tem plenamente. Compromete-nos a considerar que a liberdade é uma e a mesma para todos; se existem diferentes níveis de liberdade, gradações de liberdade, significa que ainda há privilégios para alguns e discriminação para outros. Este é o sentido de nossa vigilância sobre a liberdade religiosa em nosso país e por uma laicidade plena, que permita a todos, crentes de todas as orientações e não crentes, falar de uma posição igualitária, além de privilégios. Basta olhar para cima para ver quantos e quantos, no mundo, estão sem liberdade, cujos direitos são negados ou violados. Nossa liberdade nos compromete com aqueles que não são livres, ou que são menos livres ou cuja liberdade está ameaçada. Para isso, devemos estar vigilantes contra as palavras de ódio, os desvios nos discursos, a disseminação e o enraizamento de preconceitos que - a história nos ensina - anunciam o fim da liberdade para todos. Por fim, a memória da liberdade chama-nos a "pensar" a liberdade, compromisso difícil mas tanto mais precioso, no tempo das palavras gritadas, dos relatos humorísticos e das mensagens curtas, da erupção do sentimento individual, em que a "liberdade" pode significa apenas "eu faço o que eu quero" e não há outro critério para guiar nossas escolhas além do que eu sinto que é certo para mim. Se “pensamos” na liberdade, se nos questionamos sobre ela, surge outra palavra, a de responsabilidade. Isso também está em nossa memória de liberdade e precisamos pensar nisso, sem hesitar. Daniele Garrone ...

Ler artigo
Em 1º de maio, encerra-se o XXIII Sínodo Luterano

Em 1º de maio, encerra-se o XXIII Sínodo Luterano

foto CELI Catânia (NEV/CS11), 30 de abril de 2023 – A 4ª sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) termina amanhã, segunda-feira, 1º de maio. Um rico programa, acompanhado pelo versículo retirado do Evangelho de Mateus: "Vós sois o sal da terra". Vários relatos foram discutidos nos dois primeiros dias de trabalho. O trabalho do Consistório, após relato do Reitor, pároco Carsten Gerdesrecebeu a aprovação do Sínodo. Hoje prevê a aprovação de várias moções, entre elas as de diaconia e compromisso social, rede de mulheres, meio ambiente através de ecocomunidades, que promovem temas e práticas para a sustentabilidade. Entre eles, os corredores para insetos polinizadores, em colaboração com a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Além disso, no que diz respeito ao compromisso eclesial, o CELI continua a manter elevada a sua atenção e o seu papel de apoio nos territórios e através de várias colaborações inter-religiosas, tanto a nível nacional como internacional. Durante o Sínodo, foi apresentada a nova campanha Otto per mille do CELI, que retoma o versículo de Mateus 5 com a hashtag #siamosale e que começará oficialmente no dia 5 de maio. Para mais informações, é possível acompanhar as atualizações do Sínodo Luterano no site do CELI em Esta página. Em particular, destacamos as intervenções de Michael Chalupkabispo da Igreja Evangélica na Áustria; Olaf Wassmuth, representante da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD); Vestir Antonino De Mariadelegado regional para o ecumenismo e o diálogo da CEI, que também trouxe as saudações fraternas do Bispo de Palermo, Mons. Conrado Lorefice; mons. Cesare Di Pietro, Bispo Delegado Regional para o Ecumenismo e Diálogo e Bispo Auxiliar de Messina. Um foco no 50º aniversário do Acordo de Leuenberg foi tratado diretamente pelo Secretário Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE-GEKE), Mário Fisher. Entre as inúmeras saudações e mensagens, também a do presidente da FCEI, pároco Daniele Garrone. Fundado em outubro de 1949, o CELI é um caso único no âmbito das congregações luteranas fora da Alemanha. Independente da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), o CELI reúne 15 comunidades na Itália. Comunidades que surgiram nos séculos passados: desde a mais antiga, Veneza, nascida em 1650, até Turim em 2006. A Comunidade Siciliana, que reúne as realidades de Messina, Taormina, Catania, Siracusa, Vittoria e Palermo, foi estabelecida como uma realidade autônoma desde 1996. A Igreja Luterana está entre os membros fundadores da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). FORMA. A Igreja Evangélica Luterana na Itália ...

Ler artigo
Procura-se jovens para conferência de paz em Paris

Procura-se jovens para conferência de paz em Paris

Roma (NEV), 7 de junho de 2019 – Você tem até 21 de junho para enviar sua candidatura para participar da Conferência de Paz 2019, que será realizada em Paris, França, de 10 a 12 de setembro. A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) convida os jovens das suas igrejas-membro a enviarem as suas perguntas e documentos através do formulário disponível para download nesta página. O CEC facilitará a formação ecumênica e a experiência internacional de cinco pessoas selecionadas entre 18 e 30 anos. Entre os requisitos, preferencialmente conhecimento de inglês e francês, forte motivação e entusiasmo. Os organizadores selecionados terão um papel especial na condução da conferência, auxiliando o coordenador e a equipe em diferentes áreas de trabalho, como gestão do programa e da plenária, comunicação e mídia, orientação e informação sobre as sessões. A CEC cobrirá os custos de alimentação e acomodação, enquanto os custos de viagem, passaporte, visto e outras despesas pessoais serão pagos pelo candidato e/ou pela igreja proponente, corpo ecumênico ou conselho nacional a que pertença. O comparecimento é obrigatório de segunda-feira, 9 de setembro de 2019, na hora do almoço, até quinta-feira, 12 de setembro de 2019, à tarde. Os voluntários trabalharão em contato direto com o pessoal do KEK coordenado por Charlotte (Charlie) Belot e são encorajados a ouvir e participar nas diferentes sessões plenárias, seminários e fóruns. A Conferência de Paz realiza-se no contexto do 60º aniversário da CEC e explorará a Conferência de Paz de Paris de 1919 no seu centenário, identificando os seus legados no passado europeu e global, para chegar à procura de novas e criativas formas de construir paz no século 21. A conferência terá lugar noInstituto Protestante de Teologia em Paris. As inscrições devem ser enviadas para [email protected] até 21 de junho de 2019. Os resultados das seleções serão anunciados até segunda-feira, 28 de junho. Para mais informações, clique aqui. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.