#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

#SPUC2020, em Lampedusa no signo da hospitalidade

Roma (NEV), 17 de janeiro de 2020 – Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos em Lampedusa como sinal de boas-vindas.

Um momento ecumênico de oração acontecerá na ilha siciliana na próxima sexta-feira, 24 de janeiro, às 18h, na paróquia de San Gerlando. Ele falará pela Federação das Igrejas Evangélicas na Itália marta bernardiniWaldensian, operador do Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, que trabalhou alguns anos na ilha.

“Pela terceira vez – declara Marta Bernardini – estamos organizando um evento ecumênico em Lampedusa para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Todos os anos procuramos oferecer não só um momento de oração e reflexão, mas também uma oportunidade de envolver as pessoas. Em 2019, por exemplo, distribuímos folhetos com frases a partir do tema escolhido, que foi “Tente ser verdadeiramente justo”, notas que por sua vez os participantes da oração deveriam deixar ou endereçar a alguém”.

Este ano, o tema “Eles nos trataram com bondade” foi escolhido pelas Igrejas de Malta e é retirado de uma passagem dos Atos do Apóstolo Paulo, que conta como ele foi acolhido pelos malteses.

“Eles propõem o naufrágio de Paulo nos capítulos 27 e 28 do livro de Atos – explica a pastora valdense maria bonafede em Riforma.it hoje – , do navio em que o apóstolo Paulo é um dos prisioneiros que os centuriões romanos devem trazer para Roma, naquelas mesmas águas dos naufrágios dos últimos anos. Um naufrágio de 276 pessoas, incluindo marinheiros que são contrabandistas, e estão prontos para escapar do barco para se salvar, votando todos os outros até a morte; os prisioneiros, incluindo Paulo, que seriam julgados em Roma; os soldados, centuriões romanos, que planejam matar todos os prisioneiros para não deixá-los escapar, exceto um deles que tomou o apóstolo sob sua proteção e que, para salvar Paulo, evita o massacre dos outros e insta todos se joguem do navio que entretanto encalhou num banco de areia: primeiro os que sabem nadar, depois os outros que se agarram aos destroços do navio. “E assim aconteceu que todos chegaram sãos e salvos à terra” (27, 44). O autor do texto bíblico registra que havia 276 naquele navio, um número verdadeiramente grande de pessoas, um número semelhante aos dos últimos anos, nas mesmas costas, nas mesmas rochas”.

Assim, as migrações estão no centro da reflexão ecumênica de 2020, um fio vermelho que liga Malta à outra ilha, local de desembarque de muitas pessoas, ambas envolvidas diariamente no acolhimento daqueles que são obrigados a seguir a rota marítima para fugir da Líbia ou de outros países do outro lado do Mediterrâneo.

“Para nós é muito significativo – explica Marta Bernardini – organizar e promover este evento ecumênico em Lampedusa, um lugar que é precisamente o emblema da acolhida dos migrantes e, infelizmente, também dos naufrágios de tantas mulheres, crianças, homens que morreu no Mediterrâneo. É também uma forma de testemunhar a nossa presença na ilha, onde estamos envolvidos desde 2014 com o observatório das migrações e onde tentamos, todos os dias, colocar em prática aquela “gentileza” com quem desembarca na ilha. Um momento importante, junto com o aniversário de 3 de outubro, da obra ecumênica que realizamos em Lampedusa com dom Carmelo la Magra“.

Amanhã, sábado 18, em Cagliari, para a abertura da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, haverá outro encontro com marta bernardiniintitulado “Viagem, desembarque e hospitalidade: práticas ecumênicas”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os corredores humanitários estão na moda?

Os corredores humanitários estão na moda?

Na ocasião, destacamos como ações como as dos corredores humanitários não devem ser entendidas como gestos de caridade de almas piedosas, a serem aprovadas e possivelmente incentivadas, mas como têm a ver com os princípios de nossa república democrática constitucional e com uma visão da União Europeia fundada na proteção e promoção dos direitos humanos. Como tal, são uma "boa prática", como dizem, que também poderia ser adoptada pelos Estados e, pensamos, deveria substituir as devoluções violentas que ocorrem na chamada rota dos Balcãs e a externalização da mesma prática quando confiada a Estados de qualidade democrática duvidosa ou inexistente. No entanto, a crescente aclamação pelos corredores humanitários parece ter um lado preocupante: pode ser o lado nobre de uma moeda, que por outro tem características de fechamento: limitação ao trabalho de busca e salvamento de ONGs, contraposto a uma retórica de crescente condenação e estigmatização como um fator de atração da imigração “ilegal”, apesar do fato de que noventa por cento dos resgates marítimos são realizados por forças estatais; continuação da política de bloqueio, prosseguida apoiando na operação de contra partida os Estados de onde os migrantes se dirigem para a Europa, financiando em troca de bloqueios, contando talvez com o facto de alguns destes parceiros não terem uma marcada propensão para os bons costumes … A Europa fez isso com a Turquia, Itália (não agora!) Com o apoio da Guarda Costeira da Líbia e, mais recentemente, com a Tunísia. Sabemos por fontes confiáveis ​​o que isso significa, por exemplo, para aqueles que são trazidos de volta à Líbia: serem mantidos em centros de detenção ou simplesmente serem empurrados para trás em um macabro "jogo do ganso". Ninguém se pergunta o que poderia ser feito de mais razoável e humano com o dinheiro investido em operações de blindagem de fronteira, especialmente no mar. Eu uso os dois adjetivos “razoável” e “humano” de propósito. Muitos pensam que falar de humano significa se render à areia movediça de um sentimentalismo irrealista e que ser razoável requer uma certa dose de cinismo. É aqui que se sente dramaticamente a falta de política, já há muito suplantada pela propaganda perene, orientada para os humores e não para os projetos, jogada nas emergências imediatas e desprovida de análises que vão além do contingente e sem programas prospectivos . Diante de um fenômeno epocal como os movimentos populacionais causados ​​por guerras, ditaduras, fome e mudanças climáticas, cujas linhas de desenvolvimento os especialistas já podem nos descrever nas próximas décadas, precisamos de análises documentadas e não de percepções; precisamos de raciocínios, projetos realistas e baseados naqueles valores aos quais o Ocidente chegou depois de ter praticado e sofrido (há sempre um perpetrador e uma vítima) tudo o que ainda hoje em muitas partes do mundo obriga milhões de seres a fugir dos humanos, forçados a buscar em outro lugar o que lhes é negado; valores aos quais o Ocidente chegou depois de sofrer intolerância religiosa, ditaduras, duas guerras mundiais, escravidão, exploração… O patamar democrático e constitucional a que chegámos depois deste passado sangrento foi vivido e apresentado como uma descoberta que não só nos tirou do túnel do obscurantismo e da opressão, que não só resolveu os nossos problemas, mas que tinha em si o potencial para ser universalizáveis, a serem implementados globalmente. O verdadeiro desafio que o fenómeno migratório coloca à Europa é este: que política está à altura dos princípios que a Europa colocou na base do seu projeto? Qual é a postura que corresponde à sua visão? Para responder, precisamos de realismo e visão juntos, paciência e ousadia, cultura e coração. ...

Ler artigo
Este é o Caminho – Nev

Este é o Caminho – Nev

Roma (NEV), 03 de fevereiro de 2023 – por Benedetta Fragomeni – No meio dessa experiência, me pego fazendo um balanço do que foi e do que espero que seja. A experiência do serviço público com a Mediterranean Hope tem tantas nuances que, pensando bem, me parece que estou vivendo não uma, mas mil aventuras. A regularidade do empenho dá-te a constância, o sentido de responsabilidade próprio de um trabalho. O contacto com as pessoas, beneficiárias dos projetos, dá-lhe a empatia e muitas reflexões próprias do voluntariado. As frequentes oportunidades de treinamento, dentro do MH ou com os demais voluntários da Diaconia Valdense, lhe dão a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos, o interesse pelo aprendizado típico de um curso de estudos. A relação com os operadores, com os colegas voluntários, ao longo do tempo, dá-nos a sensação de estar em família. Na minha vida já passei por esses ambientes, mas encontrá-los todos em uma única experiência me deu a consciência de ter feito a escolha certa. Um ano de vida que você coloca à disposição de um projeto com suas estratégias, recursos, questões críticas e objetivos que, se tiver sorte, descobre que são iguais aos seus. A variedade de atividades que, com confiança, os responsáveis ​​confiam a vocês, é o que mais aprecio. O serviço passa por coisas que parecem as mais simples como acompanhar os operadores aos nossos centros, acompanhar os beneficiários a um exame médico, verificar ou preencher documentos. No meu caso, passa pela comunicação, pelas redes sociais. Depois pelo apoio à organização dos corredores humanitários, à recepção. Você está em serviço. Você fica onde precisa, confia um pouco em quem está dirigindo e inicialmente cruza os dedos, porque eles te obrigam a fazer algo que você gosta e porque você faz jus às exigências. Então o conhecimento toma conta, o compartilhamento, o diálogo e a experiência se abrem em uma troca. A certeza das muitas coisas que estás a aprender junta-se à esperança de estares por sua vez a deixar algo de ti. Sim, eu diria que o serviço público é um ofício. Todas as reuniões que tive até agora graças ao funcionalismo público tiveram essa dinâmica, a experiência de acolher os corredores humanitários, o período em Lampedusa mas também a busca de formas novas e eficazes de contar tudo isso. Ofereça seu tempo, seus recursos e receba em troca a oportunidade de conhecer duas realidades; aquela que você ouviu falar de longe e aquela que sempre esteve perto de você mas você percebe que ainda não explorou, a sua realidade. É realmente uma forma de se conhecer e imaginar qual caminho você gostaria de trilhar e devo dizer que o meu é muito parecido com o que já tenho sob meus pés. Até às 14h00 de sexta-feira, dia 10 de fevereiro de 2023, é possível apresentar candidatura para participar num dos projetos da função pública que decorrerão entre 2023 e 2024 em todo o país e no estrangeiro. Duas vagas estão disponíveis no Programa para Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes da Itália, em Roma. Para se inscrever, é necessário fazê-lo através do portal online-demand.serviziocivile.it. As especificações são: Título: Este é o caminho Código do projeto: PTXSU0019022010895NXX 2 vagas nos Serviços de Inclusão de Roma, Via del Campo 44D (anteriormente via di Torre Spaccata) – Sede código: 178989 2 posições nos escritórios da FCEI em Roma, Via Firenze 38 – Código da sede: 178966 ...

Ler artigo
O Conselho da FCEI visita a Casa das Culturas de Scicli

O Conselho da FCEI visita a Casa das Culturas de Scicli

Roma (NEV), 23 de junho de 2023 – A partir de hoje, o Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália visita Scicli, na Casa das Culturas, um dos projetos do programa de refugiados e migrantes da mesma federação de protestantes. Nos próximos dias, os vereadores se encontrarão com os operadores, voluntários e associações que gravitam em torno da estrutura nascida na cidade da província de Ragusa em 2014. O centro acolhe atualmente trinta pessoas que chegaram à Itália pelos corredores humanitários, um dos as iniciativas das igrejas evangélicas, com Tavola Valdese, Diaconia Waldens e graças à contribuição do Otto per mille Waldensian, um dos principais financiadores. No passado mês de janeiro, todo o corpo executivo da FCEI visitou as instalações de Rosarno e nos próximos meses vai também conhecer os outros polos da Mediterranean Hope “no terreno”. O Conselho da FCEI é o órgão executivo da Federação. Reúne-se pelo menos 6 vezes por ano e é responsável pela condução dos negócios e administração do dia-a-dia. O Conselho é responsável pela execução das resoluções da Assembleia para a prossecução dos fins da Federação; gere a relação laboral com os colaboradores, o funcionamento dos gabinetes e serviços; administra o património da FCEI, elabora os balanços a submeter à aprovação anual da Assembleia, recebe e prepara os pedidos de admissão à FCEI a submeter à aprovação da Assembleia. Eleito a cada três anos por maioria de votos da Assembleia, o Conselho é composto pelo Presidente e seis conselheiros. Os membros do Conselho em exercício, eleitos pela XX Assembleia, são: Richard Kofi Ampofo (Metodista), Maria Antonieta Caggiano (luterana), Pedro Ciaccio (Metodista), Free Ciuffreda(valdense), Sara Comparatti (batista), Luca Longo (Exército da Salvação). o presidente é Daniele Garrone (valdense). Aqui um serviço do protestantismo na Casa das Culturas de Scicli. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.