um presente ecumênico ao Papa Francisco

um presente ecumênico ao Papa Francisco

Foto Mulheres de fé em diálogo por Religiões pela Paz Itália (RFP). Líderes religiosos de diferentes fés entregam um “presente ecumênico” ao Papa Francisco. 9 de novembro de 2022

Roma (NEV), 9 de novembro de 2022 – O pastor batista Gabriela LioPresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), juntamente com o grupo Mulheres de Fé no Diálogo das Religiões pela Paz Itália (RFP), participou esta manhã da audiência de quarta-feira com o Papa Francisco.

Mulheres, líderes religiosas de diferentes fés, trouxeram seu “presente ecumênico”: uma pintura da jovem artista iraniana Safári Rasta e uma placa comemorativa, trazida à Praça de São Pedro pelo fundador do grupo, França Coen.

Na delegação, acompanhada pela coordenadora da rede italiana Mulheres de Fé em Diálogo da RFP Frances Baldini (que entregou a placa), também Francesca Evangelista. Evangelisti é secretário do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana de Igrejas Adventistas (UICCA), bem como membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI).


Foto: Grupo Mulheres de Fé em Diálogo das Religiões pela Paz Itália (RFP)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Otto per mille valdense e metodista, a lista de 1557 projetos

Roma, 15 de setembro de 2022 – A lista completa dos projetos financiados este ano com recursos Otto per Mille (OPM) destinados pelos contribuintes italianos à Igreja Evangélica Valdense foi publicada hoje no site www.ottopermillevaldese.org – União das Igrejas Metodistas e Valdenses. As escolhas para a distribuição dos fundos receberam a aprovação do Sínodo, Assembleia que constitui a mais alta autoridade humana das Igrejas valdenses e metodistas, que aconteceu de 21 a 26 de agosto em Torre Pellice (Turim). São exatamente 1557 - 1107 na Itália e 450 no exterior - os projetos aos quais foram alocados ativos totais de aproximadamente 45 milhões, adquiridos em virtude de mais de 570 mil assinaturas (3,3% do total de escolhas expressas pelos contribuintes). Manuela Vinay “O elemento distintivo deste ano, da convocatória de 2022 – explica Manuela Vinay, responsável pelo Otto per mille – é o maior número de projetos mas também o montante – 45 milhões já atribuídos: nosso recorde”. Como isso foi possível? “Graças ao maior número de assinaturas, ou seja, de contribuintes que optaram pelas igrejas valdenses e metodistas”. Recorde-se que é feita referência ao exercício fiscal de 2018 e às declarações fiscais assinadas em 2019, portanto antes da pandemia. Como esse registro pode ser explicado? “Colhemos os frutos da nossa consistência ao longo do tempo, feita de transparência e abertura total a todas as realidades. Para nós é um ponto forte estar presente em muitos territórios, mesmo com pequenas associações e projetos locais” que dificilmente têm possibilidade de acesso a fundos e empréstimos de outras instituições ou entidades. “Semear nas mais diversas realidades, mesmo com quantidades mínimas, significa para nós dar uma resposta aos “pequenos” e aos “poucos”, às realidades que estão bem conscientes das necessidades dos territórios onde trabalham e trabalham para outros", acrescenta Vinay . Diferentes perspectivas futuras. De fato, o número de assinaturas nas declarações fiscais diz que haverá uma queda significativa nas contribuições (para todas as igrejas). “Durante os anos da pandemia, os contribuintes olharam para o Estado com outros olhos, menos desanimados. Daí a decisão de transferir a cota do Otto per mille das confissões religiosas para o Estado”, disse o chefe do OPM. “Sabemos que vamos ter uma quebra de assinaturas e teremos de ser ainda mais criteriosos e criteriosos na gestão dos fundos – conclui – e vamos tentar privilegiar como sempre a qualidade das intervenções”. Projetos Otto per mille: todos os números No que diz respeito às iniciativas apoiadas em Itália, conforme refere o comunicado de imprensa do OPM, o maior número (21% do total) insere-se na categoria “Melhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental”. Entre eles, muitos dizem respeito ao tema do "depois de nós" (ou seja, a proteção das pessoas com deficiência deixadas sem apoio familiar), que se faz sentir particularmente hoje. Seguem-se as categorias de “Promoção do bem-estar e crescimento de crianças e jovens” (17%), “Atividades culturais” (16%); luta contra a pobreza, privação social e precariedade laboral (9%), proteção da saúde (8%), acolhimento de refugiados e migrantes (7%), prevenção e combate à violência de género (7%), reabilitação de reclusos e ex- reclusos (4%), educação para a cidadania (4%), proteção ambiental (4%), idosos (3%). Os projetos internacionais são divididos da seguinte forma: cuidados de saúde e intervenções de proteção à saúde (19%), educação (19%), proteção à criança (12%), treinamento profissional e atividades geradoras de renda (11%), direitos humanos (9%) , desenvolvimento rural e segurança alimentar (9%), promoção do papel da mulher e igualdade de género (9%), ajuda humanitária de emergência (5%), acesso a água e saneamento (3%), luta contra a malnutrição (3%) , proteção ambiental (1%). A maioria dos projetos está concentrada na África e no Oriente Médio, além da América Latina. As palavras do moderador “Mesmo num ano ainda muito difícil, pelo prolongamento das consequências da pandemia, que acentuou as já profundas desigualdades no acesso a serviços e direitos essenciais a uma vida com dignidade, segurança e liberdade, – explica Alessandra Trotta, Moderador da Mesa Valdense, – temos a possibilidade de não faltar o nosso apoio a essa parte da cidadania ativa que trabalha todos os dias ao lado e no apoio aos menos e mais necessitados. A maior receita recebida, graças ao aumento das assinaturas dos contribuintes a favor da nossa Igreja, permitiu-nos de facto não só garantir a continuidade de pequenos e grandes projectos levados a cabo por associações e organizações que já tinham entrado na nossa 'comunidade' nos últimos anos alargado', mas também para apoiar muitas novas iniciativas: propostas que este ano receberão pela primeira vez o nosso contributo, para serem investidas, num pacto de confiança, na solidariedade, no desenvolvimento, na cultura, na protecção do ambiente". Aqui a lista completa O Otto per Mille pode ser doado por todos aqueles que fazem uma declaração de imposto a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tem um acordo ou ao próprio Estado para os fins estabelecidos por lei. Outros fundos são 5×1000, que podem ser atribuídos a investigação científica ou associações e organizações sem fins lucrativos, e 2×1000, que só podem ser atribuídos a partidos políticos. No entanto, apenas 8×1000 são atribuídos anualmente pelo Ministério das Finanças (uma vez que já está “incluído” na tributação), e funciona efetivamente como uma votação, em que os que se abstêm contribuem para o valor do voto maioritário. Oito por mil de todos os rendimentos declarados são, em qualquer caso, divididos entre o Estado e todas as entidades religiosas responsáveis ​​por recebê-los, na proporção das escolhas efetivamente recebidas por cada organismo. ...

Ler artigo
Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe

Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe

Foto arquivo retepacedisarmo.org Roma (NEV), 3 de setembro de 2022 – 'De uma economia extrativa e armada a uma reconversão pacífica', este é o título de um seminário realizado na tarde deste sábado, 3 de setembro, em Karlsruhe, um dos Brunnen, as várias iniciativas da sociedade civil, e outras, promovidas por ocasião da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas. No centro do workshop esteve a experiência de "Liberu dae sa gherra" - Warfree, um plano para a promoção, valorização e valorização das actividades produtivas que em Sulcis-Iglesiente e em toda a Sardenha "recusam a economia predatória e violenta gerada pela produção de armamentos”, como se afirma na apresentação da iniciativa. Em 2021, portanto, foi formada a associação WarFree, da qual também participa a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, entre outras disciplinas. Em Karlsruhe, o projeto foi apresentado por Antonella Visintin da Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com os representantes da associação, o presidente Cynthia Guaita e o co-presidente Arnaldo Scarpa. “A produção de armas e munições – explicaram os promotores do workshop – é um negócio mortal, a exportação de ambos é um negócio gigantesco. As grandes fábricas de armas estão posicionadas internacionalmente com subsidiárias e filiais em muitos países diferentes. É o caso da alemã Rheinmetall, que tem uma filial na Sardenha e outra na Cidade do Cabo. Na Sardenha, a resistência aumentou entre a população local quando ficou claro que as bombas produzidas na ilha haviam sido usadas pela Arábia Saudita na guerra do Iêmen. Organizações religiosas e da sociedade civil se levantaram e protestaram contra a exportação de bombas da Sardenha. Eles fundaram uma cooperativa "livre de guerra", que busca reunir pequenas e médias empresas na área ao redor da fábrica de bombas, comprometidas com uma economia pacífica sustentável, fora de qualquer atividade de guerra. Ao fornecer a esses negócios uma plataforma online comum, a iniciativa busca fortalecer esses negócios para que as pessoas que moram na área tenham uma alternativa para trabalhar na fábrica de bombas. No seminário, as vozes dos que vivem na Sardenha e seus protestos e vamos procurar uma economia alternativa e sem guerra e discutir como podemos ajudá-los em sua luta e como podemos agir contra uma indústria semelhante em nosso bairro”. “Acompanhamos o projeto desde o início – explicou Antonella Visintin da Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – porque a Igreja Batista da Sardenha pediu apoio. Assim colaborámos de imediato com a comissão e ajudámos a organizar a conferência em março de 2019 - somos de facto um dos três parceiros do projeto Paz Conversão Sardenha. Como podemos contribuir como igrejas? Fazemos parte – tanto o comitê quanto a Glam – da Rede Italiana de Paz e Desarmamento, que inclui associações seculares e religiosas: também há colaboração nesta área. Para nós é um tema e um compromisso muito importante, no marco do compromisso do Concílio Ecumênico pela "paz justa". De fato, lembramos que em 1948, na primeira assembléia do CMI, em Amsterdã, foi dito que “a guerra é contra a vontade de Deus”. Entre outras coisas, o CMI aprovou uma Declaração 'No Caminho para a Paz Justa' em sua décima assembleia em 2013 em Busan, que será seguida neste ano. Por estas razões, “Consideramos este projeto parte deste percurso e é importante que haja um território em que existam razões concretas de reconversão da sua estrutura produtiva do ponto de vista da sustentabilidade para com o ambiente e na ética termos, contra qualquer guerra”. Além disso, nos últimos dias, Visintin e outros ativistas estiveram “na região de Bodensee (na fronteira sudoeste da Alemanha com a Suíça e a Áustria) que, como a região de Hesse, tem uma forte concentração de fábricas de armas. O que continuamos a entender cada vez mais é o quão importante é a legitimidade cultural da produção de armas em um determinado território”. O objetivo é uma declaração de posição do órgão reunida em Karlsruhe até 8 de setembro. “Gostaríamos de ajudar o CMI a produzir declarações sobre o tema da paz justa, a fim de fortalecer o compromisso local das igrejas nacionais individuais”, concluiu o representante da Comissão GLAM. Armas produzidas na Itália e conversão à paz. A pesquisa realizada pela Igreja Evangélica de Baden, pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e pelo Comitê de Reconversão RWM. Paz, Visintin: "Só se faz com justiça social" Algumas das etapas do projeto nas palavras da coordenadora do GLAM, Antonella Visintin. "WarFree-Livre da guerra". Uma marca ética para empresas que se recusam a produzir armas. A Comissão de Globalização e Ambiente da FCEI continua o seu trabalho em prol da reconversão e da consciência da paz. Da Sardenha à Alemanha e além… Baixe o Folheto WarFree. Consulte a página de empresas WarFree. ...

Ler artigo
Teologias feministas cristãs e muçulmanas: penetrando nos espaços masculinos

Teologias feministas cristãs e muçulmanas: penetrando nos espaços masculinos

A bandeira da paz no Festival dos Direitos Humanos - imagem de arquivo festivaldirittiumani.it Roma (NEV), 25 de janeiro de 2020 – "Teologias feministas" foi o tema de uma conferência com Nesma Elsakaan E Adriana Valério realizada em 23 de janeiro passado no Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX), uma associação ecumênica e inter-religiosa que, além disso, estará presente hoje na mobilização nacional "Vamos iluminar a paz" em Roma. A conferência faz parte do “Worksite 2019-2020” intitulado “Women hope for peace”. Adriana Valerio é teóloga e historiadora, há anos está envolvida em pesquisas sobre mulheres e fé e mulheres na igreja, e é autora de vários ensaios, incluindo “Mulheres e a Igreja. Uma história de gênero”, Carocci, Roma 2016; “O Poder das Mulheres na Igreja. Judite, Clara e as outras”, Laterza, Roma-Bari 2016. O historiador e teólogo começou citando o livro de pastor batista Elizabeth Green e de Christine Simonellipresidente da Coordenação dos Teólogos Italianos (CTI) “Onamorando. Memórias e perspectivas da teologia feminista” (San Paolo Edizioni) onde eue dois autores comparam suas diferenças confessionais e ministeriais em tópicos como hierarquias patriarcais e linguagem sobre Deus. Valerio também falou da pastoral da mulher e da antropologia, traçando um afresco da história do feminismo cristão protestante e católico, onde os movimentos de mulheres, as igrejas e a Academia se entrelaçam. Segundo Valerio, são três áreas vastas e complexas que se encontram e têm raízes no pacifismo e no feminismo do final do século XIX como lugar de elaboração. Adriana Valerio falou então sobre o entrelaçamento de feminismos, ecofeminismo e movimentos pacifistas, destacando várias figuras históricas que deram uma importante contribuição para o desenvolvimento do pensamento e das práticas femininas em questões sociais, científicas, filosóficas, políticas e teológicas: Dora (Dorette Marie) Melegari, intelectual e escritora de origem valdense que em 1894 fundou em Roma, com Giulio Salvadori E Antonieta Giacomellia união para o bem; Bertha von SuttnerPrêmio Nobel da Paz em 1905; Jane AddamsPrêmio Nobel da Paz em 1931, e novamente Maria Montessori E Dorothy Daysó para citar alguns. “Hoje as feministas questionam o que significa ser igreja e como interpretar criticamente o texto sagrado – argumenta a historiadora -. Não existe masculino ou feminino universal, existe uma dimensão particular da qual se deve partir para construir relações com os outros e com o cosmos”. Nesma Elsakaan é membro da Union Européenne des Arabisants et Islamisants, é pesquisadora e professora da Universidade de Palermo; estudou a participação feminina na vida política nos Emirados Árabes Unidos. Entre outras coisas, ela é autora do volume “Feminismo islâmico no Egito. Religião, mulheres e justiça de gênero” (Aracne Editore). A teologia feminista islâmica nasceu no início dos anos 1900, explica Elsakaan, com movimentos ativos na comunidade muçulmana, com o objetivo de afirmar os direitos das mulheres no espaço público e mudar suas condições de dentro. Esses movimentos veem o Islã como uma ferramenta de emancipação. As teólogas feministas, apesar de suas diferenças, pretendem assim “penetrar no espaço religioso dominado pelos homens, sancionar formas de discriminação e elaborar um discurso religioso alternativo para a igualdade de gênero”. A estudiosa traçou um afresco do feminismo islâmico em vários países, incluindo Estados Unidos, Irã e Egito, enfatizando os princípios nos quais se baseia: "Al-Tawhid", ou seja, a singularidade de Deus; “Al'-aal”, Deus é justo; “Al-Taqwà”, o temor de Deus “Se Deus é único e acima de todas as criaturas, isso significa que homens e mulheres são iguais, sem distinção de raça e gênero – explica Elsakaan -. Qualquer um que mude este plano está quebrando a lei do Islã. Interpretar os versos do Alcorão de tal forma que o homem é superior também seria uma contradição do próprio Islã e dos preceitos de Deus que, de fato, são baseados na justiça. Portanto, a discriminação e a desigualdade são contrárias à lei islâmica. Finalmente, o temor de Deus é o único fator discriminante: seremos julgados pelo que fizemos”. A pesquisadora, portanto, citou algumas feministas islâmicas, incluindo Ziba Mir-Hosseiniantropóloga e ativista jurídica pela justiça de gênero que deseja modificar as leis baseadas na "Sharìa", como as do casamento e do divórcio, a partir de uma comparação da jurisprudência islâmica com os juristas, e Amina Waduda imã feminina, que releu o Alcorão em busca de sua identidade feminina. Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html A noite foi moderada pelo editor da NEV News Agency, Elena RibetQue ela interveio mencionando o papel dos monoteísmos e das religiões tradicionais e indígenas. “A violência patriarcal ao longo da história excluiu cada vez mais as mulheres da liderança nas sociedades e religiões, por exemplo, relegando o xamanismo feminino e os movimentos espirituais à marginalidade”, disse ela. Citando o arqueólogo Maria Gimbutas, Ribet lembrou como a chamada "civilização da Deusa" da Velha Europa, pacífica, igualitária e altamente evoluída nos campos da cerâmica, tecelagem, agricultura, metalurgia e comércio, foi quase exterminada pelos Kurgans, ou proto-indo-europeus ou Yamna, que entre o sexto e o terceiro milênio aC caiu na Europa e depois no Cáucaso e na Índia, trazendo guerra e devastação. De acordo com Gimbutas, “O choque entre essas duas ideologias e estruturas socioeconômicas leva a uma transformação drástica da Europa antiga. As mudanças se expressam como uma transição da ordem matrilinear para a patrilinear, da teocracia erudita para o patriarcado militante, da sociedade sexualmente equilibrada para a hierarquia dominada pelos homens, da religião da Deusa ctônica para o panteão masculino indo-europeu orientado para o céu. Por fim, ao destacar como a linguagem afeta também a construção do pensamento, no imaginário coletivo e nas hierarquias de poder, citou o pastor batista Silvia Rapisarda, segundo o qual: “No princípio era o hokmah: conhecimento, sabedoria. Então nos voltamos para o grego e ele se tornou o logos: a palavra, o discurso, a razão. Então nos inclinamos para o latim e ficou: o verbo. No princípio era o ruah: poder vital. Então nos inclinamos para o latim e se tornou: o espírito. No princípio era Shaddai: Deus dos seios. Então nos inclinamos para o grego e o latim e ficou: o todo-poderoso”. A conferência contou com a presença, entre outros, do vice-presidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI), pároco José MiglioE Frances Kochex-presidente da Casa Internacional da Mulher em Roma. O canteiro de obras da Cipax também foi criado graças à contribuição da Otto per mille Waldensian – União das Igrejas Metodistas e Valdenses. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.